Videocasts Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Videocast Nakata T2 01

Videocast Nakata T2 01

Luciano Pires -

Quem é você, durante a crise econômica?

A pergunta é mais uma provocação do que uma questão reflexiva: afinal de contas, como você tem reagido aos ecos da mais recente crise no País?

Eu pergunto isso porque, se você puxar pela memória e pela própria história do Brasil, verá que o brasileiro e as crises são paralelos de uma mesma trajetória.

E quer saber? Nós saímos cada vez mais fortalecidos delas. Está no nosso DNA, praticamente.

Eu, por exemplo: corintiano desde o berço, só vi o Corinthians campeão depois de mais de 20 anos.

Além disso, o Brasil não estava nos seus melhores momentos quando eu nasci, em 1956, com o país em Estado de Sítio. E veja que beleza a sequência:

  • Renúncia de Jânio Quadros (1961);
  • Golpe Civil-Militar de 1964;
  • Repercussões da Guerra Fria (que durou até a queda do Muro de Berlim, em 1989);
  • Crise do Petróleo (1973);
  • Congresso fechado pelo presidente Geisel (1977);
  • Diretas Já (1984).
  • Democracia no Brasil (1985).

Veja quantas coisas enfrentamos, em quase 30 anos, desde 1956!

Acha pouco? Pois, de 1980 a 1994 tivemos uma inflação crônica, que chegou a 80% ao mês! Passamos, também, por 1 confisco monetário, 2 recessões, 2 colapsos cambiais, 5 planos econômicos diferentes, 6 moedas (e 1 quase moeda), 11 ministros da economia, 14 presidentes do banco central e 1 impeachment presidencial.

Mas não se sinta desanimado. É engraçado levantar essas questões porque percebemos que, mesmo diante de tantas, mas tantas adversidades, nós nos erguemos e nos reerguemos.

Daí o meu interesse em saber quem é você, durante a crise econômica. Sabe por quê?

“Coisas ruins acontecem. É a forma como reajo a elas que define meu caráter e a qualidade de minha vida”.

Walter Anderson

Porque a frase acima define bem a capacidade do brasileiro de enfrentar as dificuldades. Mas isso não significa que devemos esperar pelo fim da crise, muito pelo contrário! Devemos seguir a nossa natureza humana.

Você já deve ter ouvido falar na cidade japonesa de Hiroshima, que foi devastada por uma bomba atômica norte-americana em 1945, e por um tufão no mesmo ano.

Sabia que a população local havia sido reduzida a pouco mais de 100 mil habitantes após o ataque atômico? E que, atualmente, a cidade é um importante polo industrial e conta com pouco mais de 2 milhões de habitantes em sua região metropolitana? Você acha que a solução encontrada foi esperar a crise passar?

O que eu quero dizer é: não importa o nome da crise, suas consequências e como ela nos confronta todos os dias. Importa o que faremos com o que a crise tem feito conosco.

Em momentos de crise, temos que nos recolher, é claro. Mas para nos fortalecer!

A sugestão é seguir alguns passos:

  1. Não permita que suas emoções tomem conta de você, elas o impedem de agir racionalmente.
  2. Não leve tudo para o lado pessoal, fique calmo e não se transforme numa pessoa defensiva que só pensa em justificar seus pensamentos e ações.
  3. Mantenha uma atitude mental positiva, é ela que ajudará você a sair do caos e vencer a negatividade.
  4. Cuidado com o medo, ele torna você vulnerável, traz o pânico, congela mentalmente e faz perder o foco. O medo é necessário para nos manter vivos, mas é ruim quando paralisa.
  5. Responda com decisão. Procure ter convicção em seus atos, isso gera confiança, autoridade e, especialmente, a sensação de que você não perdeu o controle.

Tempos de crise são a hora de arrumar a casa, reduzir os gastos, compreender o momento e planejar as etapas seguintes. Pois, se você estiver pronto para o que vier a seguir, você se erguerá no fim do dia — e ainda mais forte do que estava antes da crise bater à porta.

O Brasil e o mundo já passaram por coisas terríveis. E aqui estamos. A pergunta é: como você vai reagir, a partir de agora, com a crise que assola o País?

A resposta é a nossa própria história. Um dia de cada vez, planejando sempre o dia seguinte.