Videocasts Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Videocast Nakata T2 01

Videocast Nakata T2 01

Luciano Pires -

Quem é você, durante a crise econômica?

A pergunta é mais uma provocação do que uma questão reflexiva: afinal de contas, como você tem reagido aos ecos da mais recente crise no País?

Eu pergunto isso porque, se você puxar pela memória e pela própria história do Brasil, verá que o brasileiro e as crises são paralelos de uma mesma trajetória.

E quer saber? Nós saímos cada vez mais fortalecidos delas. Está no nosso DNA, praticamente.

Eu, por exemplo: corintiano desde o berço, só vi o Corinthians campeão depois de mais de 20 anos.

Além disso, o Brasil não estava nos seus melhores momentos quando eu nasci, em 1956, com o país em Estado de Sítio. E veja que beleza a sequência:

  • Renúncia de Jânio Quadros (1961);
  • Golpe Civil-Militar de 1964;
  • Repercussões da Guerra Fria (que durou até a queda do Muro de Berlim, em 1989);
  • Crise do Petróleo (1973);
  • Congresso fechado pelo presidente Geisel (1977);
  • Diretas Já (1984).
  • Democracia no Brasil (1985).

Veja quantas coisas enfrentamos, em quase 30 anos, desde 1956!

Acha pouco? Pois, de 1980 a 1994 tivemos uma inflação crônica, que chegou a 80% ao mês! Passamos, também, por 1 confisco monetário, 2 recessões, 2 colapsos cambiais, 5 planos econômicos diferentes, 6 moedas (e 1 quase moeda), 11 ministros da economia, 14 presidentes do banco central e 1 impeachment presidencial.

Mas não se sinta desanimado. É engraçado levantar essas questões porque percebemos que, mesmo diante de tantas, mas tantas adversidades, nós nos erguemos e nos reerguemos.

Daí o meu interesse em saber quem é você, durante a crise econômica. Sabe por quê?

“Coisas ruins acontecem. É a forma como reajo a elas que define meu caráter e a qualidade de minha vida”.

Walter Anderson

Porque a frase acima define bem a capacidade do brasileiro de enfrentar as dificuldades. Mas isso não significa que devemos esperar pelo fim da crise, muito pelo contrário! Devemos seguir a nossa natureza humana.

Você já deve ter ouvido falar na cidade japonesa de Hiroshima, que foi devastada por uma bomba atômica norte-americana em 1945, e por um tufão no mesmo ano.

Sabia que a população local havia sido reduzida a pouco mais de 100 mil habitantes após o ataque atômico? E que, atualmente, a cidade é um importante polo industrial e conta com pouco mais de 2 milhões de habitantes em sua região metropolitana? Você acha que a solução encontrada foi esperar a crise passar?

O que eu quero dizer é: não importa o nome da crise, suas consequências e como ela nos confronta todos os dias. Importa o que faremos com o que a crise tem feito conosco.

Em momentos de crise, temos que nos recolher, é claro. Mas para nos fortalecer!

A sugestão é seguir alguns passos:

  1. Não permita que suas emoções tomem conta de você, elas o impedem de agir racionalmente.
  2. Não leve tudo para o lado pessoal, fique calmo e não se transforme numa pessoa defensiva que só pensa em justificar seus pensamentos e ações.
  3. Mantenha uma atitude mental positiva, é ela que ajudará você a sair do caos e vencer a negatividade.
  4. Cuidado com o medo, ele torna você vulnerável, traz o pânico, congela mentalmente e faz perder o foco. O medo é necessário para nos manter vivos, mas é ruim quando paralisa.
  5. Responda com decisão. Procure ter convicção em seus atos, isso gera confiança, autoridade e, especialmente, a sensação de que você não perdeu o controle.

Tempos de crise são a hora de arrumar a casa, reduzir os gastos, compreender o momento e planejar as etapas seguintes. Pois, se você estiver pronto para o que vier a seguir, você se erguerá no fim do dia — e ainda mais forte do que estava antes da crise bater à porta.

O Brasil e o mundo já passaram por coisas terríveis. E aqui estamos. A pergunta é: como você vai reagir, a partir de agora, com a crise que assola o País?

A resposta é a nossa própria história. Um dia de cada vez, planejando sempre o dia seguinte.