Videocasts Café Brasil
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

609 – As leis
609 – As leis
No Fórum da Liberdade que aconteceu em abril de 2018 em ...

Ver mais

608 – As 12 Regras
608 – As 12 Regras
Jordan Peterson é psicólogo clínico, crítico cultural e ...

Ver mais

607 – Uma Guerreira
607 – Uma Guerreira
Este programa reproduz na íntegra o LíderCast 100, pois ...

Ver mais

606- Histeria Política
606- Histeria Política
O assassinato da vereadora Marielle Franco no Rio em ...

Ver mais

LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 – Jeison Arenhardt
LíderCast 105 - Hoje conversamos com Jeison Arenhardt, ...

Ver mais

LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 – Odayr Baptista
LíderCast 104 - Hoje conversamos com Odayr Baptista, ...

Ver mais

LíderCast 103 – Ivan Witt
LíderCast 103 – Ivan Witt
Hoje conversamos com Ivan Witt, um executivo brasileiro ...

Ver mais

LíderCast 102 – Paulo Cruz
LíderCast 102 – Paulo Cruz
Com Paulo Cruz, professor, pensador, voz dissonante da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O Ibope e a caricatura do conservadorismo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Essa pesquisa que mede o grau de conservadorismo da sociedade brasileira é das coisas mais estúpidas que o Ibope já fez.

Ver mais

A nova onda
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A vitrine acima é um quadro de uma animação de Mauricio Ricardo em https://www.youtube.com/watch?v=j7GJT3jALx4 A moda agora é “ter lado” sobre o vídeo de Gleisi Hoffman – que só é senadora ...

Ver mais

A Copa do Mundo Socioeconômica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Copa do Mundo Socioeconômica[1] Considerações preliminares No próximo dia 14 de junho terá início a 21ª edição da Copa do Mundo da FIFA (Fedération Internationale de Football Association), um ...

Ver mais

As 50 empresas mais inovadoras do mundo
Mauro Segura
Transformação
Saiu a edição 2018 do estudo "As 50 empresas mais inovadoras do mundo" do BCG, que apresenta os principais movimentos que grandes organizações estão fazendo para inovar e impactar a sociedade.

Ver mais

Cafezinho 65 – A burrice
Cafezinho 65 – A burrice
Qualquer semelhança com gente que você conhece é pura ...

Ver mais

Cafezinho 64 – Outra piada
Cafezinho 64 – Outra piada
O caso do triplex no Guarujá começou em setembro de ...

Ver mais

Cafezinho 63 – Sai fora
Cafezinho 63 – Sai fora
As pessoas com as quais você anda, as fontes das quais ...

Ver mais

Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Cafezinho 62 – Dona Terezinha
Aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de ...

Ver mais

Videocast Nakata T2 01

Videocast Nakata T2 01

Luciano Pires -

Quem é você, durante a crise econômica?

A pergunta é mais uma provocação do que uma questão reflexiva: afinal de contas, como você tem reagido aos ecos da mais recente crise no País?

Eu pergunto isso porque, se você puxar pela memória e pela própria história do Brasil, verá que o brasileiro e as crises são paralelos de uma mesma trajetória.

E quer saber? Nós saímos cada vez mais fortalecidos delas. Está no nosso DNA, praticamente.

Eu, por exemplo: corintiano desde o berço, só vi o Corinthians campeão depois de mais de 20 anos.

Além disso, o Brasil não estava nos seus melhores momentos quando eu nasci, em 1956, com o país em Estado de Sítio. E veja que beleza a sequência:

  • Renúncia de Jânio Quadros (1961);
  • Golpe Civil-Militar de 1964;
  • Repercussões da Guerra Fria (que durou até a queda do Muro de Berlim, em 1989);
  • Crise do Petróleo (1973);
  • Congresso fechado pelo presidente Geisel (1977);
  • Diretas Já (1984).
  • Democracia no Brasil (1985).

Veja quantas coisas enfrentamos, em quase 30 anos, desde 1956!

Acha pouco? Pois, de 1980 a 1994 tivemos uma inflação crônica, que chegou a 80% ao mês! Passamos, também, por 1 confisco monetário, 2 recessões, 2 colapsos cambiais, 5 planos econômicos diferentes, 6 moedas (e 1 quase moeda), 11 ministros da economia, 14 presidentes do banco central e 1 impeachment presidencial.

Mas não se sinta desanimado. É engraçado levantar essas questões porque percebemos que, mesmo diante de tantas, mas tantas adversidades, nós nos erguemos e nos reerguemos.

Daí o meu interesse em saber quem é você, durante a crise econômica. Sabe por quê?

“Coisas ruins acontecem. É a forma como reajo a elas que define meu caráter e a qualidade de minha vida”.

Walter Anderson

Porque a frase acima define bem a capacidade do brasileiro de enfrentar as dificuldades. Mas isso não significa que devemos esperar pelo fim da crise, muito pelo contrário! Devemos seguir a nossa natureza humana.

Você já deve ter ouvido falar na cidade japonesa de Hiroshima, que foi devastada por uma bomba atômica norte-americana em 1945, e por um tufão no mesmo ano.

Sabia que a população local havia sido reduzida a pouco mais de 100 mil habitantes após o ataque atômico? E que, atualmente, a cidade é um importante polo industrial e conta com pouco mais de 2 milhões de habitantes em sua região metropolitana? Você acha que a solução encontrada foi esperar a crise passar?

O que eu quero dizer é: não importa o nome da crise, suas consequências e como ela nos confronta todos os dias. Importa o que faremos com o que a crise tem feito conosco.

Em momentos de crise, temos que nos recolher, é claro. Mas para nos fortalecer!

A sugestão é seguir alguns passos:

  1. Não permita que suas emoções tomem conta de você, elas o impedem de agir racionalmente.
  2. Não leve tudo para o lado pessoal, fique calmo e não se transforme numa pessoa defensiva que só pensa em justificar seus pensamentos e ações.
  3. Mantenha uma atitude mental positiva, é ela que ajudará você a sair do caos e vencer a negatividade.
  4. Cuidado com o medo, ele torna você vulnerável, traz o pânico, congela mentalmente e faz perder o foco. O medo é necessário para nos manter vivos, mas é ruim quando paralisa.
  5. Responda com decisão. Procure ter convicção em seus atos, isso gera confiança, autoridade e, especialmente, a sensação de que você não perdeu o controle.

Tempos de crise são a hora de arrumar a casa, reduzir os gastos, compreender o momento e planejar as etapas seguintes. Pois, se você estiver pronto para o que vier a seguir, você se erguerá no fim do dia — e ainda mais forte do que estava antes da crise bater à porta.

O Brasil e o mundo já passaram por coisas terríveis. E aqui estamos. A pergunta é: como você vai reagir, a partir de agora, com a crise que assola o País?

A resposta é a nossa própria história. Um dia de cada vez, planejando sempre o dia seguinte.