Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

História do Programa

História do Programa

xpirit -

Depoimento de Luciano Pires

DCIM100GOPROGOPR2223.

“Em 2005 eu buscava formas de ampliar o alcance de meu trabalho. Queria levar para mais gente, buscar meios de falar às pessoas que não estavam conectadas ao limitado universo da internet. Foi quando meu amigo Jackson Dorta sugeriu que eu procurasse uma rádio, indicando a Mundial FM, em São Paulo. Fiquei curioso e marquei uma reunião com a diretora da rádio. Expliquei quem eu era, mostrei meus livros e disse que queria comprar um horário para colocar um programa no ar, com os mesmos conteúdos de meus textos. A diretora gostou. Era uma terça-feira e ela disse: “Muito bem, sexta-feira você está no ar…” Como assim? Entrar no ar em três dias? Eu estava fazendo apenas uma sondagem, vendo quanto custava, conhecendo a rádio… E ela me colocava na parede: é pegar ou largar! É claro que eu topei. Adoro entrar em frias! E numa sexta-feira 13, em maio de 2005, estreei na rádio meu programa Café Brasil.

Quando ouço hoje o primeiro programa, fico com vergonha. Um horror… Mas trabalhei bastante para melhorar, chegando a um formato interessante. A ideia era lançar “iscas intelectuais”, usando meus textos e de meus conhecidos (ou outros que encontro em publicações e na internet), mesclados com música popular brasileira. Com uma característica: as músicas teriam que ter relação com o assunto do programa, o que me abriu oportunidade de tocar qualquer artista. Em nenhum outro lugar você escuta um programa que começa com Monsueto, vai a Antônio Nóbrega, retorna para Mamonas Assassinas, segue com André Abujamra, vai pra Villa Lobos e termina com Tião Carreiro e Pardinho… Uma festa!

Ainda em 2005 um fornecedor propôs colocar os programas no ar pela internet, num esquema que ele chamou de Rádio Café Brasil. Era um sisteminha tosco, que tocava os programas mas não permitia download. E um dia recebi um contato de uma pessoa que se gabava de ter baixado todos os programas. Como eu não entendia nada do assunto, especulo que o nerd usou algo através do “temp” e conseguiu montar uma coleção de programas… Hummmm… Será que dava?

Um ano e meio após o nascimento do programa concluí que precisava encontrar uma forma mais fácil de deixar os programas à disposição das pessoas. Pô, dava um trabalhão, ia pro ar e depois acabava? E em setembro de 2006 assinei com a Podbr um contrato para distribuição do programa Café Brasil como podcast. Lembro-me que no momento em que fechei o contrato comentei com o pessoal da Podbr:

“O dia em que eu tiver 3 mil downloads por mês estarei realizado.”

Nessa época o Café Brasil era gravado no estúdio do músico Sérgio Sá, que compôs as vinhetas do programa. Em 2007 encontrei a Ciça Camargo, que assumiu as funções de produtora do programa, ajudando imensamente a colocar ordem na casa. E também em 2007 conheci o Lalá Moreira que logo mais assumiu a direção técnica do programa. Lalá vem do rádio e é um conceituado DJ. Sua rapidez e criatividade nos permitiram um ganho de qualidade e produtividade excepcional. O Café Brasil é um dos raríssimos podcasts que está pronto para ir ao ar 10 minutos após ser gravado.

Em 2007 foram 427 mil downloads. Em 2008, 887 mil. 2009, 1.095 mil. 2010 chegamos aos 1,3 milhões de downloads. E em 2013 quebramos a barreira dos 3 milhões. Em 2015 atingimos 6,8 milhões, com uma média de 150 mil downloads por programa. Em 2016, vamos atingir 8 milhões, um número excepcional, que coloca o Café Brasil e pé de igualdade com muitas revistas e programas de rádio conhecidos que não têm esse número de ouvintes! Mais à frente retornarei a esse tema.

Na edição de 2008 do Prêmio Podcast Brasil, o Café Brasil foi escolhido pelo Júri Técnico como o melhor podcast de Variedades e Entretenimento.

Em 2009, na derradeira edição do Prêmio conquistamos mais uma vez como o Melhor podcast de Variedades, no voto do Juri e no do Popular. E fomos o podcast mais votado em todas as categorias.

Em 2010 cheguei à uma compreensão do que é que eu chamo de “Cultura brasileira” quando falo do Café Brasil. É diferente do que se convenciona chamar de cultura por aí… Dividi a Cultura Brasileira em quatro blocos:

  • EXPRESSÃO: o idioma falado, as artes, a mídia, o folclore, a literatura
  • CIDADANIA: a política, a organização social
  • EDUCAÇÃO: a escola, a política educacional
  • COMPORTAMENTO: as relações dos brasileiros com o meio-ambiente,com o mundo, a religião, etc

É nesses quatro blocos que eu costumo reinar…

Hoje o Café Brasil está sólido, tendo se transformado numa parte importante das receitas do Café Brasil Editorial, sem perder a essência. Costumo dizer que se eu pegar o conteúdo do programa número 1, lá de Abril de 2005 e regravar com os recursos técnicos de hoje, funciona perfeitamente. Mantive a essência, o propósito, a coerência, e se o programa tem algum sucesso, essa é a explicação fundamental.

Para ter uma visão mais abrangente de onde chegamos, assista os vídeos que produzi e que estão aqui:

http://www.portalcafebrasil.com.br/tudo-sobre-podcasts/mundo-dos-podcasts/

E aqui um vídeo promo do episódio 500 que mostra algumas cenas do processo de produção do programa no estúdio:

E aqui você pode acompanhar uma sessão completa de gravação do Podcast 516, em 7 de julho de 2016.

Mas preciso deixar uma recomendação. Não encare o Café Brasil de forma maniqueísta, do oito ou oitenta, preto ou branco, cheio ou vazio. Considere-o como um estímulo, uma provocação.

Escrevo sem freios, com o coração, interessado no debate. Escrevo para provocar reações. Não estou interessado em provar que estou certo, em ter seguidores ou em ganhar discussões. E não venha me cobrar coerência. Sou um habitante do novo milênio. Não sei mais o que é verdade e o que é mentira. Apenas desconfio. Quando muito, reflito. Quando pouco, provoco. Já se passou um bom tempo desde 2005. E os pocotós continuam, firmes, fortes, cheios de planos e dominando.

Mas eu sou chato.”

 

Luciano Pires