Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

573 – Despacito

573 – Despacito

Luciano Pires -
Download do Programa

ILUSTRAÇÃO DA VITRINE: VITO QUINTANS

Afinal de contas, o que é que faz uma música grudar do cérebro da gente e ficar o dia inteiro na cabeça, repetindo… repetindo… repetindo… mesmo que a gente não goste da música, hein? Que inferno, cara! Bem, a ciência explica.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Antes de começar o show, um recado: preparamos um resumo do roteiro deste programa com as principais ideias apresentadas. Um guia para você complementar aquelas reflexões que o Café Brasil provoca. Para baixar gratuitamente acesse o roteiro deste programa no portalcafebrasil.com.br/573

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Ricardo Bonon.

“Olá Luciano. Bom dia, boa tarde, boa noite a você, a todos os ouvintes. Eu sou Ricardo Bonon, tenh0 43 anos, sou aqui do interior de São Paulo como você, pouco menos do interior, de Campinas, eu trabalho na área de tecnologia da informação, sou diretor de TI de uma empresa americana do ramo de distribuição de eletrônicos. 

E eu sempre, como muitos outros ouvintes ficam pensando: ah! Vou mandar uma mensagem pro Luciano. Vou mandar uma mensagem. E não resisti a mandar depois de ouvir o episódio 500, com a aula que você dá sobre música brasileira, música em geral, sobre os Mutantes, um tema tão pertinente e tão importante pra nossa música que eu mesmo, nunca tinha parado pra ouvir os “lados bs” dos Mutantes. Ouvia aí as músicas mais importantes, mas me deliciei com o episódio. e você, como sempre faz tão bem esses episódios. Todos, mas em particular esses de música, você se atém a um artista, uma canção. Desde que eu ouvi aquele episódio, você é culpado por não tocar nada mais a não se Mutantes, no meu rádio aqui, tá?

Enfim: eu também sou podcaster, fui né? Durante três anos apresentei junto com um amigo um podcast chamado Happy hour tech, de tecnologia, era muito divertido, foi uma experiência muito legal, acabou passando, terminamos o projeto, mas foi muito bom e eu tenho a maior admiração por algo que é muito forte no seu trabalho que é o uso da música, como elemento importante no roteiro, enfim, na paisagem sonora do seu trabalho. Ouvindo atrasado o episódio sobre Star wars, você diz lá que a partir de Star wars se fez um uso muito mais intenso da música como elemento fundamental da narrativa, não somente moldura de personagens, né? E esse seu trabalho é muito interessante, eu gosto muito de música, então pra gente é sempre uma educação ouvir o seu trabalho, por conta das músicas também, não só pelo conteúdo. 

Continue assim. eu lembro que você fez uma vez um episódio com e sem música porque algum mala de algum ouvinte reclamou das suas músicas. Que era mais fácil não ter música, no podcast, enfim imagina, é muito bom.  E claro Luciano. Deixar também a mensagem que você pra mim, e pra muitos ouvintes também é um amigo, a gente se dá o direito de chamar de amigo, ou de irmão mais velho, você vem e tira as dúvidas da gente, quando a gente está um pouco em dúvida sobre o que pensar sobre algum assunto. Eu lembro que quando aconteceu aquela tragédia do Charlie Hebdo, eu falei: cara! O que é que o Luciano vai falar, eu acho isso, mas eu queria ouvir o que ele vai falar. E foi muito legal, porque você batalhou ali pela liberdade de imprensa tal, mas se fosse eu eu não faira a charge, porque apesar de ter a liberdade, é importante ter também um pouco de senso de responsabilidade sobre o que vai acontecer com o que você faz com a sua liberdade.

Enfim. Pra dizer que é muito bom ouvir o seu trabalho, você inspira muita gente a fazer muita coisa boa nesse mundo mandando suas ondas aí. Tá bom? Seja lá como  conteúdo do seu programa, ou com as músicas. Então deixo um forte abraço aqui do interior, estou dirigindo aqui com o meu hands free, pra não ser perigoso tá? Fiquem tranquilos, mas sobrou um tempinho pra mandar um comentário. Queria deixar um abraço pra você, pra Ciça, pro Lalá e pra todos os ouvintes. Tchau!”

Graaande Ricardo, ufa! Que bom que você gostou dos Mutantes, né? E saca muito bem a importância da música no programa. Aliás, na vida da gente. No programa de hoje vou falar como a música prende a gente.

Muito bem. O Ricardo receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil

Vamos lá então! O Lalá está meio rouco. Vamos ver se ele ajuda a gente aqui a fazer uma coisa musical hoje.

Na hora do amor, use Prudence

Lalá – despacito.

Eu não canso de convidar você a conhecer um ambiente fantástico, cheio de conteúdos para o seu crescimento pessoal e profissional: venha conhecer o Café Brasil Premium, a nossa “Netflix do Conhecimento”, cheia de sumários de livros, vídeos, podcasts, áudios, textos… cara! Acesse cafebrasilpremium.com.br, conheça nossa proposta e junte-se a quase mil pessoas que já estão lá curtindo de montão.

cafebrasilpremium.com.br

Conteúdo extra-forte.

No jornal O Globo, saiu uma matéria interessante que tenta explicar por que uma música como Ai se eu te pego, ou a atual Despacito, dos porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee, parecem “grudar” na memória de quem escuta. A matéria diz que estudos na área de neurociência e psicologia encontraram certos elementos em comum nas chamadas “músicas-chiclete”.

Jessica Grahn, cientista da Universidade do Oeste de Ontario, no Canadá, especialista em estudos ligados à música, conta que “A música ativa as áreas do cérebro relacionadas com sons e movimentos, mas também as áreas associadas às emoções e recompensas (…) canções que geram maior comunicação entre as áreas do cérebro ligadas ao som e às emoções são as que mais agradam.”

Mas como fazer essa conexão, hein? Não há uma fórmula mágica, mas certos elementos funcionam como “guloseimas” para o cérebro.

O primeiro ingrediente é o ritmo. Quando uma canção tem uma batida fácil de seguir, como é o caso de Despacito, ela aumenta a atividade cerebral na zona associada ao movimento, segundo experimentos. Mesmo se a pessoa estiver totalmente quieta.

Em geral, as canções pop a que estamos expostos têm ritmos familiares, o que até certo ponto é previsível. Essa característica, diz Grahn, funciona como uma espécie de recompensa para o cérebro, pois é agradável que a canção se desenvolva como pensamos que vai ocorrer.

A “mágica”, porém, acontece quando a canção inclui algum elemento que fuja do previsível. Trata-se usar a batida, mas fazê-la mais interessante com alguma novidade. Fazer a canção interessante, mas sem tirar muito do que esperamos ouvir.

Nahúm García, um produtor de música espanhol, acredita ter encontrado o pequeno detalhe que tornou Despacito algo especial. Ele disse no twitter: “Vocês riem de ‘Despacito’, mas a maneira como o ritmo quebra antes do refrão é uma genialidade”.

García se refere ao que acontece após 1m23s de canção, momento em que a melodia para e Fonsi diz pela primeira vez a palavra despacito “devagarzinho” em espanhol. Solta aí Lalá:

Despacito
Luis Fonsi
Daddy Yankee

y
Fonsi
DY
Oh, oh no, oh no
Oh, yeah
Diridiri, dirididi Daddy
Go

Sí, sabes que ya llevo un rato mirándote
Tengo que bailar contigo hoy (DY)
Vi que tu mirada ya estaba llamándome
Muéstrame el camino que yo voy (oh)

Tú, tú eres el imán y yo soy el metal
Me voy acercando y voy armando el plan
Solo con pensarlo se acelera el pulso (oh, yeah)

Ya, ya me está gustando más de lo normal
Todos mis sentidos van pidiendo más
Esto hay que tomarlo sin ningún apuro

Despacito
Quiero respirar tu cuello despacito
Deja que te diga cosas al oído
Para que te acuerdes si no estás conmigo

Despacito
Quiero desnudarte a besos despacito
Firmar las paredes de tu laberinto
Y hacer de tu cuerpo todo un manuscrito

Sube, sube, sube
Sube, sube

Quiero ver bailar tu pelo
Quiero ser tu ritmo
Que le enseñes a mi boca
Tus lugares favoritos (favoritos, favoritos, baby)

Déjame sobrepasar tus zonas de peligro
Hasta provocar tus gritos
Y que olvides tu apellido

Si te pido un beso, ven dámelo
Yo sé que estás pensándolo
Llevo tiempo intentándolo
Mami, esto es dando y dándolo
Sabes que tu corazón conmigo te hace bom-bom
Sabes que esa beba está buscando de mi bom-bom
Ven prueba de mi boca para ver como te sabe
Quiero, quiero, quiero ver cuanto amor a ti te cabe
Yo no tengo prisa yo me quiero dar el viaje
Empezamos lento, después salvaje

Pasito a pasito, suave suavecito
Nos vamos pegando, poquito a poquito
Cuando tú me besas con esa destreza
Veo que eres malicia con delicadeza

Pasito a pasito, suave suavecito
Nos vamos pegando, poquito a poquito
Y es que esa belleza es un rompecabezas
Pero pa montarlo aquí tengo la pieza

Despacito
Quiero respirar tu cuello despacito
Deja que te diga cosas al oído
Para que te acuerdes si no estás conmigo

Despacito
Quiero desnudarte a besos despacito
Firmar las paredes de tu laberinto
Y hacer de tu cuerpo todo un manuscrito

Sube, sube, sube
Sube, sube

Quiero ver bailar tu pelo
Quiero ser tu ritmo
Que le enseñes a mi boca
Tus lugares favoritos (favoritos, favoritos, baby)

Déjame sobrepasar tus zonas de peligro
Hasta provocar tus gritos
Y que olvides tu apellido

Despacito
Vamos a hacerlo en una playa en Puerto Rico
Hasta que las olas griten: ¡Ay, bendito!
Para que mi sello se quede contigo

Pasito a pasito, suave suavecito
Nos vamos pegando, poquito a poquito
Que le enseñes a mi boca
Tus lugares favoritos (favorito, favorito, baby)

Pasito a pasito, suave suavecito
Nos vamos pegando, poquito a poquito
Hasta provocar tus gritos (Fonsi)
Y que olvides tu apellido (DY)
Despacito

Despacito

ó
Fonsi
DY
Oh, oh não, oh não
Oh, sim
Diridiri, papai dirididi
ir

Sim, você sabe que eu tenho observado você por um tempo
Eu tenho que dançar com você hoje (DY)
Vi que seus olhos já estavam me chamando
Mostre-me a maneira que eu vá (oh)

Você, você é o ímã e eu sou o metal
Eu estou chegando mais perto e eu estou colocando juntos o plano
Só de pensar o pulso (oh, yeah) acelera

E isso já está me gostando mais do que o habitual
Todos os meus sentidos estão pedindo mais
Isto deve ser tomado sem qualquer problema

despacito
Eu quero respirar o seu pescoço lentamente
Deixe-me dizer-lhe coisas em seu ouvido
Para lembrar, se você não está comigo

despacito
Quero despir beija lentamente
Entrar nas paredes de seu labirinto
E fazer seu corpo um manuscrito inteiro

Subindo, subindo, até
Up, up

Quero ver sua dança cabelo
Eu quero ser seu próprio ritmo
Que você ensina minha boca
Seus lugares favoritos (favoritos, bookmarks, baby)

Deixe-me exceder as suas zonas de perigo
Para fazer com que você gritar
E esquecer o seu nome

Se eu pedir um beijo, venha me dê
Eu sei que você está pensando
Eu tomo tempo tentando
Mami, que está dando e dando
Você conhece o seu coração comigo você faz Bom-Bom
Você sabe que o bebê está olhando para o meu bom-bom de
Venha testar a minha boca para ver como você sabe
Quero, eu quero ver o quanto amo você será
Eu não tenho nenhuma pressa Eu quero me dar a viagem
Comece devagar, então selvagem

Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
Quando você me beija com essa habilidade
Vejo que você está malícia delicadamente

Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
E é que a beleza é um quebra-cabeça
Mas aqui eu montar a peça pa

despacito
Eu quero respirar o seu pescoço lentamente
Deixe-me dizer-lhe coisas em seu ouvido
Para lembrar, se você não está comigo

despacito
Quero despir beija lentamente
Entrar nas paredes de seu labirinto
E fazer seu corpo um manuscrito inteiro

Subindo, subindo, até
Up, up

Quero ver sua dança cabelo
Eu quero ser seu próprio ritmo
Que você ensina minha boca
Seu favorito (favoritos, favorito, bebê) lugares

Deixe-me exceder as suas zonas de perigo
Para fazer com que você gritar
E esquecer o seu nome

despacito
Vamos fazê-lo em uma praia em Puerto Rico
Até as ondas gritar: Oh, abençoado!
Para ficar com você meu selo

Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
Que você ensina minha boca
Seu favorito (favoritos, favorito, bebê) lugares

Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
Para fazer com que você gritar
E esquecer o seu nome
despacito

(Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
Hey, hey, hey, hey)

(Passo a passo, suavecito suave
Nós vamos colar, pouco a pouco
Hey, hey, hey, hey)

E a matéria continua dizendo que é quase imperceptível, mas o fraseado “atravessa” o ritmo durante uma parada da batida. E o García diz: “A ruptura é radical e faz alusão a intenção sexual da letra que contém um pedido de ritmo mais lento para o ato, criando uma unidade entre intenção e efeito (…) O cérebro se dá conta de que houve uma parada incomum e isso chama a atenção.”

Segundo García, esse truque não é muito comum na música pop, mas eu acho que ele está tentando valorizar. O Lalá já gritou aqui que é muuiito comum sim. Aliás é mais que previsível… Já foi usado milhares de vezes.

Mas… por que esse efeito ocorre apenas na entrada do primeiro refrão, hein? O espanhol diz que “Se usado de novo, pode cansar. Não se pode quebrar o ritmo de uma canção muitas vezes, porque isso resulta em um esforço para o cérebro.”

Psicólogos e cientistas chamam canções-chiclete de “vermes de ouvido”. O termo foi criado por James Kellaris, compositor e professor de marketing da Universidade de Cincinnati, nos EUA, e cujos estudos têm como tema a influência da música sobre consumidores.

Kellaris argumenta que os “vermes” são normalmente canções repetitivas e pouco complexas seja em ritmo, letra ou ambos. Mas outra característica é justamente que a canção conta com elementos inesperados, como um compasso irregular ou um padrão de melodia pouco usual.

Bom, e além disso, só tem quatro acordes, né… Quatro!

“Despacito tem elementos de um ‘verme’. É animada, simples, repetitiva e tem um ritmo pegajoso”, diz Kellaris.

Mas o especialista americano menciona outros elementos que ajudam a explicar o sucesso, como o atraente vídeo ou o nível de exposição que as pessoas tiveram à canção.

O êxito é inegável: Despacito já encabeçou as paradas de sucesso em 45 países e se tornou a primeira canção em espanhol a chegar ao posto de número um da revista americana de música Billboard desde 1996, quando Macarena tomou o mundo de assalto.

O vídeo da música já ultrapassou a impressionante marca de 1 bilhão de visualizações no YouTube.

Os estudiosos dizem que a música começou milhares de anos atrás com o homem tentando reproduzir sons da natureza que tinham algum ritmo. Um coração batendo, as ondas do mar quebrando na praia, o vento, trovões… Por isso a música seria como um eco desses padrões e até os dias de hoje, quando ouvimos uma batida forte, sentimos uma injeção de adrenalina. É aquele lagarto interior lembrando daquele trovão forte. Ou quando ouvimos uma flauta nos sentimos calmos e relaxados… é o lagarto lembrando das brisas e dos passarinhos cantando. Daí a razão de nos apegarmos a determinados ritmos e… Pois é… a explicação é muito boa, viu? … mas acho que tem mais coisa por trás. Por exemplo, e se a gente quebrar tudo, mudar a batida, acabar com a paradinha? A coisa funciona?

Que tal, hein? Claudia Gomes e Eron Guarnieri, que formam o Duett Von Cler, numa interpretação jazzística surpreendente e deliciosa da música que até agora você não gostava… e que descobriu que é boa, cara?

Eu já falei sobre isso num Podcast anterior: o que faz a música ser ruim, brega, cafona é… o arranjo…

Que tal, hein? Esse aí é um vocal. Só vocal. Não tem instrumento aí não de um grupo chamado Aula 39, que tal?

Os norte americanos chamam essas músicas grudentas de “catchy tunes”, melodias cativantes, os tais “vermes de ouvido”, que consistem basicamente em formas ou frases musicais que fisgam nossas mentes e nos forçam a repetir e repetir e repetir…uma vez ouvi uma definição legal: essas músicas-chiclete fazem o cérebro da gente coçar e a única forma de coçar é repetir a música mentalmente… olha que tortura!

Em 1845, Edgar Allan Poe escreveu que era muito comum sentir-se incomodado ou atormentado com o som ou a memória de alguma musiquinha ordinária. Esse tipo de memória-fantasma foi muito estudado ao longo dos anos e os pesquisadores descobriram que pessoas com capacidade cognitiva superior, isto é, aquelas que lidam melhor com o raciocínio e o processamento de informações, sofrem com as músicas-chiclete por menos tempo.

Veja que interessante: o mundo a nossa volta está repleto de padrões que se repetem todo dia a todo momento. Imagine uma longa cerca… ela é toda igual, o padrão se repete indefinidamente. Mas você pode olhar a cerca de ângulos diferentes, sob iluminações diferentes. Com as músicas, não cara! Bote pra tocar no seu carro e… pronto! Lá vem ela… Sempre igual…

Aquela explicação  da maneira como o ritmo de ‘Despacito’, quebra antes do refrão trata de uma das características dos trechos que grudam na mente. Eles têm de ter algo que quebre o padrão, ou então desaparecem entre outras memórias.

Os pesquisadores descobriram também que temos diversos sistemas que nos expõem a esses vermes de ouvido. Tem o “olho da mente” que captura estímulos visuais, tem o ouvido interior, a parte que usávamos para lembrar os números de telefone antes de comprar um celular. São esses sistemas que parecem mais vulneráveis a serem infectados pelos vermes do ouvido. Você está ali focado numa tarefa e, de repente…

E assim um sistema que nasceu para nos ajudar a não ter de pensar nas coisas que fazemos automaticamente, se transforma num tormento, uma espécie de toca-fitas que toca sem que a gente queira. É, meu caro, minha cara, nossa mente é um mundo subterrâneo que desconhecemos e sobre o qual não temos controle.

Lembra daquela brincadeira antiga? Vou modernizar. Eu quero que você não pense no Tiririca…. no que é que você pensou? Pois é, esse  é um paradoxo da mente, ela pensa exatamente naquilo que você quer evitar. A solução normalmente é se ocupar de alguma tarefa que desvie sua atenção. A gente pensa que está enganando a mente, né? Pois é. Mas piscou?

Meu que tortura, cara! Como fazer então? Tem quem receite mascar um chiclete… Mas parece que a melhor saída é você cantarolar outras canções que sejam similares. Parece que isso apaga as memórias do verme anterior e assim voc…

NÃO LALÁ, NÃÃÃÃO….

Porra, meu a Paradinha da Anitta… lá vou eu…

Muito bem. Já que não dá pra se livrar deles, vou mais é me divertir com eles. Lalá, manda aquele outro aí…

Só Os Cambito 
Whindersson Nunes

Ele vem vindo em minha direção
Mete medo porque ele é bombadão yeah
Daqueles que só pensam em pegar mulher
Cheio de suor

Fica doido se acaba o whey
Pede o meu mas eu já tomei
Malha e grita tanto que eu fico longe

Toda hora pergunta se eu vou acabar
Eu digo que acabei de começar

Ele quer revezar mas nunca
Nunca acaba o exercício
Pensa que ele é o dono do supino

Tú!
Teu peito é de carne e o meu é de metal
Eu levanto tudo, eu sou um animal

Pego no supino
Sai da jaula o monstro
Oh yeah!

Já! já tá me olhando mais do que o normal
Tô achando esquisito e me sentindo mal
Eu quero saber o que é que tu tá vendo

Teus
cam
bito!
Em cima é bombado!
Embaixo é só os cambito!
Os braços é grosso e as pernas só o graveto!
Vendo assim de longe parece um corneto!

Só os cambito!
Os ombros gigantes e as pernas só os cambito!
Os peitos imenso e as pernas só os cambito!
Teu corpo ta em cima é de dois palito!!

Eu quero ver pegar mulher
Com tu malhando o glúteo!
Supino reto ou inclinado
Meus exercícios favoritos!

O que importa é braço o peito
Que fica bonito!
Dia de braço eu chego cedo
No dia das pernas eu falto!

Quando tu fica me olhando-lo
Eu sei o que tu ta pensando-lo
Eu to até malhando-lo
Mas não me sinto inchado-lo
Eu já malhei perna mas nunca senti um
Tcham!
Tcham!
Eu malho peito e ombro que aparece no instagram

Se eu visto uma regata
A alegria me invade
Mas se eu compro calca cinco pernas nela cabem
Fazer legpress eu acho muita fuleragem
Mas usar um short tenho que ter coragem

Cambito cambito
Malha esse cambito
Que eles vão crescendo
Poquito a poquito
Pra não quebrar tem que ter delicadeza
Tua perna parece a perna de uma mesa

Cambito cambito
Malha esse cambito
Que eles vão crescendo
Poquito a poquito
Pra não quebrar tem que ter delicadeza
Tua perna parece a perna de uma mesa
Oh yeah!

Teus cambito
Em cima é bombado!
Embaixo é só os cambito!
Os braços é grosso e as pernas só o graveto!
Vendo assim de longe parece um corneto!

Só os cambito!
Os ombros gigantes e as pernas só os cambito!
Os peitos imenso e as pernas só os cambito!
Teu corpo tá em cima é de dois palito!!

Eu quero ver pegar mulher
Com tu malhando o glúteo!
Supino reto ou inclinado
Meus exercícios favoritos!

O que importa é braço o peito
Que fica bonito!
Dia de braço eu chego cedo
No dia das pernas eu falto!

Teus
Cam
Bito!
Em cima é bombado!
Embaixo é só os cambito!
Os braços é grosso e as pernas só o graveto!
Vendo assim de longe parece um corneto!

Cambito cambito
Malha esse cambito
Que eles vão crescendo
Poquito a poquito
Supino reto ou inclinado
Meus exercícios favoritos!

Cambito cambito
Malha esse cambito
Que eles vão crescendo
Poquito a poquito
Pra não quebrar tem que ter delicadeza
Tua perna parece a perna de uma mesa

Teus cambito

É assim, ao som de SÓ OS CAMBITO, com Whindersson Nunes e o Tirulipa, que nosso Cafezinho vai embora…

Com o coçador Lalá Moreira na técnica, a desesperada Ciça Camargo na produção e eu que… os cambitoa ah… os cambito ah ah ah ah, Luciano Pires, na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Ricardo, Luis Fonsi com Daddy Yankee, Anitta, Aula 39, Claudia Gomes e Eron Guarnieri, que formam o Duett Von Cler e Whindersson Nunes com Tirulipa. Pode hein?

E não esqueça! O Itaú Cultural está comemorando 30 anos com uma exposição fantástica chamada MODOS DE VER O BRASIL, com grande parte de um acervo construído desde o final dos anos 60 e que permanecerá exposto na OCA, no parque Ibirapuera até 13 de agosto de 2017.  Olha meu, é imperdível, viu? E acesse: facebook.com/itaucultural e deixe lá sua mensagem de parabéns a quem  há 30 anos investe na cultura brasileira.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha no … portalcafebrasil.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. Quem estiver fora do país, é o: 55 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Mergulhe fundo no mundo do Café Brasil acessando:

Para o resumo deste programa, portalcafebrasil.com.br/573

Para a Confraria, cafebrasil.top

E para o Premium: cafebrasilpremium.com.br.

Conteúdo provocativo, grupos de discussão e uma turma da pesada, reunida para trocar ideias de forma educada, compartilhando conhecimento e crescendo junto!

Pra terminar, uma frase da filósofa Larissa de Macedo Machado:

A paradinha ah! a paradinha ah!