Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Aceitemos a luz. E paremos com essa bobagem do "sempre ...

Ver mais

574 – Os agoristas
574 – Os agoristas
Café Brasil 574 - Os agoristas. Vivemos no presente, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Mude essa sua visão preconceituosa, desconfiada e ...

Ver mais

Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Sem mulheres será muito difícil implementar as mudanças ...

Ver mais

LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 – Waldey Sanches - Waldey Sanches é um ...

Ver mais

LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 – Raquel e Leo Spencer – A Raquel e o ...

Ver mais

LíderCast 075 Renato Seraphin
LíderCast 075 Renato Seraphin
Renato Seraphin é presidente da Albaugh, uma empresa do ...

Ver mais

LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 – Camila Achutti é uma jovem e muito bem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

37 não é febre
Tom Coelho
Sete Vidas
“Nada mais comum do que julgar mal as coisas.” (Cícero)   “Filha, leve um agasalho, pois vai esfriar.” “Querido, lembre-se de seu guarda-chuva; parece que vai chover…” “Não vá tomar ...

Ver mais

Lições de viagem 10
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 10 Itália  Penso che un sogno così non ritorni mai più mi dipingevo le mani e la faccia di blu poi d’improvviso venivo dal vento rapito e incominciavo a volare nel cielo ...

Ver mais

Gente do bem
Tom Coelho
Sete Vidas
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos, 12:21)   Em meio ao trânsito desordenado, um motorista gentilmente cede-me passagem. Visito um ex-professor na faculdade ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2017
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2017 Memoráveis citações “Quando foi criada a Faculdade de Ciências Econômicas da USP, em 1945, eu decidi fazer Economia. Fiquei muito feliz com a Economia, me ajustei ...

Ver mais

572 – O ouvinte ativo – Revisitado

572 – O ouvinte ativo – Revisitado

Luciano Pires -
Download do Programa

ILUSTRAÇÃO DA VITRINE: VITO QUINTANS

Se você acompanha o Café Brasil, sabe da importância que a música tem para mim. Eu quero mexer com sua cabeça, seu coração, sua alma e seu corpo. Quero que você pense intensamente nos assuntos que eu escolhi e por isso a música é imprescindível. Este programa é a revisita a outro que foi publicado originalmente em 2009.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Antes de começar o show, um recado: preparamos um resumo do roteiro deste programa com as principais ideias apresentadas. Um guia para você complementar aquelas reflexões que o Café Brasil provoca. Para baixar gratuitamente acesse o roteiro deste programa no portalcafebrasil.com.br/572

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Breno, lá de Boa Vista!

“Olá Luciano, Ciça, Lalá, bom dia, boa tarde, boa noite. Aqui quem fala é o Breno, diretamente de Boa Vista, Roraima, extremo norte do nosso Brasilzão. É isso aí, pra cá também existe vida e um fã, seguidor seu aí do podcast, há mais ou menos uns três anos. 

Seu trabalho é excepcional, diferenciado. Consegui ampliar muito as minhas ideias sobre vários assuntos, muitos podcasts que eu simplesmente adorei, como o de Meritocracia, Sorte ou azar e principalmente o de meritocracia eu espalhei pra quem eu pude. Pai, mãe, amigos da faculdade, do trabalho, boto no carro: cara! Escuta esse podcast aqui, nossa! Muito bom. E o pessoal vai olhando, pô, onde é que tem? Se tu tem iPhone, pode baixar no site, eu vou espalhando a palavra, porque o seu trabalho é excepcional e acho que todos deviam escutar um pouco dele. Eu acho incrível porque você não se detém assim em uma área, também fala de música e tal. E principalmente por esse fato da música que eu resolvi falar hoje. Não muito disso. Foi por causa do podcast da indiferença, que diz que a gente sente diferente. A pior coisa que tem principalmente. Isso me tocou muito. 

Eu escutei aquele podcast sobre o … o seu podcast 500, sobre os Mutantes, nossa cara! O que é que foi aquilo. Eu escutei eles mas… nossa! Uma dor nos meus ouvidos que eu acho que foi a pior coisa que eu já escutei na minha vida, que música ruim. Sinceramente Luciano. Eu odiei. Não gostei. Aquele podcast, eu assisti até o final por consideração ao seu trabalho, porque eu gosto muito do seu trabalho. Mas, foi difícil. 

Assim… eu não ia falar sobre ele e ia ficar indiferente, né? Porque pôxa… porque eu vou criticar, talvez o cara se sinta mal… mas depois de escutar o podcast sobre indiferença eu acho que… pior seria se eu ficasse calado, né? Pôxa. Já teve muitos podcasts de música que eu curti demais, que eu não tinha conhecimento sobre o trabalho. Digamos, eu fui procurar mais sobre o Freddie Mercury depois daquele Bohemian Rhapsody, que que foi aquilo, foi coisa de louco, pôxa, vamos escutar o dos Mutantes. Mas aquele ali não desceu. Muito ruim pra mim. Assim… deve ter gente que gostou mas, pra mim, aquilo ali foi trágico. 

Pôxa Luciano. Só tenho que assim… dizer que continue, eu adoro o seu trabalho mas, quanto a esse podcast dos Mutantes, eu não consegui ficar indiferente. Valeu, abraço.”

Pô Breno, que tortura você passou, hein bicho? Duas horas ouvindo e não gostando dos Mutantes! Bem, você fez certinho! Não deixou a indiferença impedir que você desse a sua opinião! Mas o que fazer se você não gostou? Pra mim continua sendo um dos melhores programas que fizemos e, musicalmente, os Mutantes são a banda que quebrou as estruturas e abriu caminho pra tudo que veio depois. Mas fique frio aí, não é só você que não gosta. A Rita Lee, por exemplo, não quer nem falar deles…

Muito bem. O Breno receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil

Vamos lá então! Lalá. Vamos fazer uma homenagem ao Breno? Vem cá.

Na hora do amor… dizem que sou louco…por pensar assim…

Lálá – Uso só Prudence … é melhor pra mim….

E você agora tem um ambiente para mergulhar mais fundo em conteúdos para o crescimento pessoal e profissional: lançamos o Café Brasil Premium, a nossa “Netflix do Conhecimento”.  Olha só cara! Ali dentro tem um monte de sumários de livros, vídeos, podcasts, tem áudios… tem até power point pra usar com a sua equipe! Sei lá, cara! É uma bagunça, um monte de conteúdo. É uma festa para quem quer crescer. Acesse cafebrasilpremium.com.br, conheça nossa proposta e junte-se aos assinantes que já estão viajando por lá.

cafebrasilpremium.com.br

Conteúdo extra-forte.

Uau! O programa abre em grande estilo com CHUVA DO SERTÃO, com Carlos Zens, que vem lá de Natal, Rio Grande do Norte onde é flautista na Orquestra Sinfônica de Natal. Eu aposto que você está batucando com os dedos, né? Irresistível!

Nada melhor pra começar o programa do que usar algo que Tom Jobim escreveu e que me foi remetido pelo ouvinte Rodrigo Basso:

Quando soprar o vento atômico que vai destruir a terra e última folha cair, o barulho desta folha caindo, friccionando o ar, vai construir uma melodia possível de ser assoviada. O mundo é melodia, não barulho. Os homens fazem barulho, mas eu faço música e faço música para levar aos homens, ao espírito, ao céu, a Deus.

No Café Brasil eu tento construir um painel que combine textos meus e de outras pessoas com músicas brasileiras cujas letras ou melodias reforcem o assunto do programa. Desse modo, ao final do programa eu quero ter proporcionado ao ouvinte uma experiência criativa, excepcional, única e sensorial. Já teve gente me escrevendo, um deles com palavras ásperas, dizendo que nunca mais iria ouvir o meu programa pois interrompo as músicas pra falar no meio… Já teve gente reclamando que tem música demais. Olha, às vezes dói mesmo mexer nas músicas. Mas não tem jeito, viu? O Café Brasil é um programa musical. Mas não é um programa para se ouvir música… Se você quer ouvir música, ta cheio de opções excelentes por aí. Aqui nós só distribuímos iscas. Apresentamos idéias, artistas, escritores… Se você se interessou, tem que ir atrás. Iscas Intelectuais é o que você encontrará aqui. Só Iscas.

Me deixa em paz
Monsueto

Se você não me queria
Não devia me procurar
Não devia me iludir
Nem deixar eu me apaixonar
Se você não me queria
Não devia me procurar
Não devia me iludir
Nem deixar eu me apaixonar
Evitar esse amor
É impossível
Evitar a dor
É muito mais
Você arruinou a minha vida
Me deixa em paz

Iscas como essa ai, que tal, hein? Virginia Rosa, com ME DEIXA EM PAZ, num CD excepcional chamado BAITA NEGÃO, em que ela homenageia Monsueto! É maravilhoso. Mas não toca em rádio. Onde eu achei? No SESC, meu….

Bem, mas como o tema de hoje é música, vou buscar parte de um texto escrito pela Silvia de Lucca, que escreveu nas Iscas Intelectuais de Portal Café Brasil.  A Silvia nos ensina a ser um OUVINTE ATIVO.

Ao fundo você ouvirá a Camerata Brasileira que nos trará uma versão com um pé no chorinho da Ária das Bachianas Brasileiras Nr. 5, de Heitor Villa Lobos. Ouça isso e veja se não vale a pena gostar de música….

Como eu disse na abertura, este programa é a releitura de um outro que foi ao ar em 2009. De lá para cá as coisas mudaram um bocado e em alguns momentos as dicas da Silvia vão parecer envelhecidas. Mas várias delas são ainda muito válidas. Eu vou deixá-las no programa até pra você ver  como a gente evoluiu, cara. Vamos a elas:

– Quando uma música que você não aprecia estiver sendo tocada no rádio, mude de estação e busque outra. Deste modo, ao menos naquele determinado momento, você não estará dando Ibope para aquela emissora, ou em outras palavras, não estará dando lucro a ela. Para isto, deixe memorizado em seu rádio as estações de sua preferência, para que troque fácil e rapidamente uma pela outra na hora do aperto, mas dê alguma chance às rádios totalmente desconhecidas, elas podem causar surpresas muito agradáveis.

– Quando tiver um tempinho para lazer ou quiser investir em cultura (três horas por vez já é o suficiente), vá até a melhor loja de discos da redondeza – de preferência aquelas em que se pode sentar para ouvir a “mercadoria” – e escolha uns 12 discos DESCONHECIDOS. Depois disto, ouça umas quatro faixas alternadas de cada um, mas sempre a primeira, pois nela normalmente se encontra o que o autor considera como uma das melhores. Deste modo, esteja preparado para se deparar com horrores (e depois critique-os para quem puder, bem … talvez seja melhor não falar nada, só para não despertar a curiosidade e acabar fazendo um tipo de propaganda, mesmo sem querer), mas também, em compensação, você descobrirá verdadeiros tesouros.

Olha! Esse trechinho aqui tá bem antigo, viu cara? Eu não consigo me imaginar hoje sentado numa loja de disco ouvindo os discos.

E isso, hein? É Naldo Luiz interpretando o Professor Pereirinha, com ACORDEON NO CHORO. É mole, hein?

Continuando com o texto da Silvia de Lucca…

– Uma vez gostando muito de alguns daqueles discos desconhecidos, compre-os assim que puder. E mais: sugira ou dê de presente ao maior número de pessoas possíveis, assim estará formando “consumidores” para “produtos” diferentes e de qualidade segundo o seu próprio critério.

Imagine isso aqui em tempos de Spotify, cara!

– Toda música que gostar pra valer, procure saber quem a compôs, afinal, as músicas não caem prontas do céu, né? Vale saber que alguém até então desconhecido para você, criou um “produto” que pode fazê-lo feliz inúmeras vezes, sendo a data de validade o próprio “usuário” que estipula. Sendo assim, não acha que esta pessoa merece sair do anonimato? E de quebra você pode investir em você mesmo ao se tornar um “consumidor” deste criador, desta sua gravadora, deste seu selo, desta sua distribuidora, de seus discos e da loja que os comercializa. Você passa a ser um motivo concreto para se continuar investindo neste “mercado” específico.

– Informe-se e procure frequentar os shows e concertos de artistas desconhecidos que estão passando em sua cidade. Do mesmo modo como explicado sobre os discos, precisamos caçar o que de fato nos interessa como música em toda a sua manifestação. E cuidado, não se deixe enganar pelo preço: o mais caro não é necessariamente o melhor. Muitas vezes querem que pensemos que o “produto” é bom por causa do valor alto que cobram. Há muitos espetáculos maravilhosos que são gratuitos ou têm preços muito acessíveis.

Nem eu
Dorival Caymmi

Não fazes favor nenhum em gostar de alguém
Nem eu, nem eu, nem eu
Quem inventou o amor não fui eu
Não fui eu, não fui eu, não fui eu, nem ninguém

O amor acontece na vida
Estavas desprevenida e, por acaso eu também
E como o acaso é importante, querida
De nossas vidas a vida fez um acaso também

Não fazes favor nenhum em gostar de alguém
Nem eu, nem eu, nem eu
Quem inventou o amor não fui eu, não fui eu
Não fui eu, não fui eu, nem ninguém

Putz…essa é daquelas que não dá para interromper, né? Esse é Salvador Sobral, um cantor português nascido em 1989, que nos brinda com uma interpretação antológica de NEM EU, de Dorival Caymmi. Onde é que eu achei? Nesse mesmo Youtube aí que você acessa todo dia, sabe? Olha, se você não se emocionou, você tem um problema…

– Nas inúmeras músicas que ouve durante cada dia – e não se esqueça também da televisão e do cinema -, experimente também a escuta concentrada e é importante salientar: esforce-se para que, além do texto ou letra e a imagem, você preste atenção também na música. Deste modo poderá, cada vez mais, analisar para si próprio o porquê prefere mais este “produto” do que aquele outro. Poderá inclusive explicar aos “vendedores” as características musicais que você prefere, para que eles lhe sugiram outras similares, mas cuidado com as propagandas enganosas, viu? Não deixe que lhe convençam a trocar gato por lebre, e por isto mesmo deve conhecer muito bem o seu “objeto” de estimação.

Trem bala
Ana Vilela

Não é sobre ter todas as pessoas do mundo pra si
É sobre saber que em algum lugar, alguém zela por ti
É sobre cantar e poder escutar mais do que a própria voz
É sobre dançar na chuva de vida que cai sobre nós

É saber se sentir infinito
Num universo tão vasto e bonito, é saber sonhar
E então fazer valer a pena
Cada verso daquele poema sobre acreditar

Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu
É sobre escalar e sentir que o caminho te fortaleceu
É sobre ser abrigo e também ter morada em outros corações
E assim ter amigos contigo em todas as situações

A gente não pode ter tudo
Qual seria a graça do mundo se fosse assim?
Por isso eu prefiro sorrisos
E os presentes que a vida trouxe para perto de mim

Não é sobre tudo que o seu dinheiro é capaz de comprar
E sim sobre cada momento, sorriso a se compartilhar
Também não é sobre correr contra o tempo pra ter sempre mais
Porque quando menos se espera, a vida já ficou pra trás

Segura teu filho no colo
Sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui
Que a vida é trem bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir

Segura teu filho no colo
Sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui
Que a vida é trem bala, parceiro
E a gente é só passageiro prestes a partir

Uia… Mayck e Lyan, aliás, que baita violeiro é esse Lyan, viu? Com TREM BALA, a música da paranaense Ana Vilela que viralizou pelo Whatsapp. Mayck e Lyan vêm de Alta Floresta, no coração do Mato Grosso, para fazer um sertanejo que dá gosto de ouvir…

E olha que interessante, cara! Falando um texto de 2009 e falando de uma música que explode pelo Whatsapp…

Hummmm… CHOREI MAS ACHEI, do Edu Negrão, que tal, hein? Chorinho feito pela nova geração, bom demais…]

E lá, mil anos atrás em 2009 a Silvia dizia assim, olha:

– Use a internet. Faça uma assinatura padrão para seus e-mails, divulgando a música, o compositor, o intérprete, o disco, etc. Assim, no caso de você enviar cinquenta mensagens por semana, irá transformá-las numa mídia especial, a fim de promover o que você acha que vale a pena. Imagine 1000 pessoas fazendo isso… e mais mil… teremos uma máquina de divulgação, gratuita, que não será presa dos senhores da indústria.

Leve isso aqui pro Facebook e você vai ver onde vai acabar, cara!

– Ao ser transmitida uma música ou uma seleção que você aprecie especialmente, comunique-se de algum modo com o veículo (rádio, TV, Podcast, site, etc) e expresse sua opinião detalhadamente. Isto servirá de estímulo para que repitam a programação, e saibam concretamente que determinado ouvinte aprecia aquele repertório. O mesmo vale para quando o modelo for negativo. Faça contato e diga que não gosta e porque não gosta.

– Estando em uma apresentação de música ao vivo que considere muito boa, procure conversar com os músicos na hora do intervalo, coloque suas impressões. Também fale a respeito com o produtor, gerente ou o dono do espaço; incentive-os a valorizar e manter aquele nível apresentado. Contudo, atenção, a negativa deste caso também é válida: faça a queixa aos responsáveis. Não se esqueça que o maior objetivo deles é agradar você, tê-lo como cliente fiel e que acabe fazendo a tal da propaganda “boca a boca”.

– No caso ainda de uma apresentação ao vivo, se você gostar da interpretação, o modo de tocar, a voz, a aparelhagem o instrumento utilizados o carisma, as roupas, mas não gostar do repertório, ou ao contrário, se apreciar as músicas mas não as outras coisas, deixe os músicos saberem disto. É possível emitir opiniões “numa boa”, sem ofender ou constranger diretamente o outro. Na pior das hipóteses eles vão procurar agradar para não perder o emprego, e na melhor, ficarão satisfeitos em saber que alguém do público os percebe com detalhes e procurarão agradá-lo.

– Assistindo a espetáculos, shows e concertos, emita sua opinião aos organizadores ou produtores do evento no caso dela ser especialmente positiva ou até mesmo negativa, sugerindo que aqueles músicos retornem ou não àquele teatro, apresentem-se mais vezes ou então nunca mais.

– Estando em um supermercado ou em outro estabelecimento de vendas ou serviços onde haja música ambiente, observe se o repertório é de seu agrado, se o volume está em bom nível, se a qualidade sonora é limpa sem ruídos, chiados, permitindo que se ouça bem os instrumentos. Pergunte-se com qual tipo de música gostaria de fazer as suas compras. Fale ou escreva a sua opinião sobre isto aos responsáveis. Diga francamente: eu entrei aqui por causa da música, esta música é bem agradável, ou pergunte que rádio ou gravação é aquela que está sendo tocada? Os grandes estabelecimentos costumam fazer pesquisas para saber a opinião dos clientes. Como euafirmei antes: eles farão de tudo para mantê-lo como consumidor local. Inúmeras vezes eu procedi desta maneira, e minha opinião foi levada em consideração muitas vezes, inclusive no Carrefour. Toda esta situação é válida para salas de espera e consultórios em geral.

Agora meu pitaco aqui, cara. Sabe onde eu fiz isso outro dia? Fiz no UBER. Eu terminei a corrida, dei uma nota máxima e ainda mandei um comentário pro UBER sobre a seleção musical que o motorista colocou enquanto eu estava no carro.

– Caso você vá a uma loja de discos, explique ao vendedor o que procura. Se ele não tiver a menor ideia do que se trata ou não mostrar interesse em conhecer o novo que você lhe apresenta: ele não é um bom funcionário. Tente fazer com que o responsável pelo local saiba disto! E no caso de ocorrer o mesmo com esse responsável, vá embora, não volte mais e faça propaganda negativa do local. Você merece ser atendido por alguém que saiba ou queira saber mais do que as básicas “paradas de sucesso”.

E aqui você ouve Renato Borghetti com KILÔMETRO 11, de Constante J. Aguer e Trancito Cocomarola. Bah tchê, só falta uma costela…

– Na situação de querer contratar músicos para um evento, casamento, batizado, formatura, sei lá, não aceite a primeira sugestão musical que lhe derem, saia da “mesmice”, arrisque-se ao desconhecido: procure conhecer boa parte do repertório que os profissionais têm pronto para tocar. Normalmente os fracos, inexperientes ou preguiçosos têm um repertório pequeno, entenda-se até vinte músicas. Ah! Lembrando uma vez mais: o profissional mais caro não é necessariamente o melhor.

– Sendo você um convidado destes eventos, e tendo apreciado o trabalho musical realizado, procure fazer contato com o líder do grupo, elogie o trabalho, explique o seu parecer favorável, compre o CD, cara anote e guarde o nome e telefone, e sugira o serviço dele quando souber de alguma procura.

É isso aí, cara … viu que legal, como dá pra se tornar um ouvinte ativo e fazer a diferença, hein? Expressando a sua satisfação ou insatisfação? É isso que a gente tenta aqui no Café Brasil, ao misturar músicas com ideias. Eu espero que este programa tenha sido uma demonstração de que existe música de primeira sendo feita aqui no Brasil, sendo feita lá fora. Não importa. Você tem é que procurar. Não é só essas coisas que as gravadoras tentam empurrar pela goela da gente abaixo.

Música serve pra isso
Maurício Pereira
Paulo Freire

Se vivendo a minha vida
Sinto a falta de alguém
A saudade me levanta
Sai dizendo para mim
Na tristeza dê um fim:
Tecnologia é tanta!

Microondas, avião
Cumpra a sua função
Calme um coração que sangra
Com uma prova de carinho
Ou pedaços de lembranças
A voz de alguém num instante

E se um raio interromper
Estrondoso e casual
Essas ligações distantes
Que o fogo de um vulcão
Cuspa uma explicação
Que esclareça lentamente

Que o mundo é tão variado
Tanta exclamação que às vezes
Não se nota que é constante
Que uma banalidade
Gere uma canção gigante
Entre numa rádio e cante:

Música serve pra isso.
Música serve pra isso.
Música serve pra isso.
Música serve pra isso.

É assim, ao som de MÚSICA SERVE PRA ISSO, com Mauricio Pereira, que nosso Cafezinho vai embora…

Com o musical Lalá Moreira na técnica, a melodiosa Ciça Camargo na produção e eu que como, bebo e durmo música, Luciano Pires, na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Breno, Virginia Rosa, Camerata Brasileira, Carlos Zens, Naldo Luiz, Edu Negrão, Renato Borghetti, Salvador Sobral, Mauricio Pereira e Maick e Lyan!

E não esqueça! O Itaú Cultural está comemorando 30 anos com uma exposição fantástica chamada MODOS DE VER O BRASIL, com grande parte de um acervo construído desde o final dos anos 60 e que permanecerá exposto na OCA, no parque Ibirapuera até 13 de agosto de 2017.  Olha meu, é imperdível. E acesse: facebook.com/itaucultural e deixe lá sua mensagem de parabéns a quem  há 30 anos investe na cultura brasileira.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha no … portalcafebrasil.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. Se você estiver fora do país, é o: 55 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Mergulhe fundo no mundo do Café Brasil acessando:

Para o resumo deste programa, portalcafebrasil.com.br/572

Para a Confraria, cafebrasil.top

E para o Premium: cafebrasilpremium.com.br.

Conteúdo provocativo, grupos de discussão e uma turma da pesada, reunida para trocar ideias de forma educada, compartilhando conhecimento e crescendo junto!

Pra terminar, uma frase do escritor Victor Hugo:

Música expressa o que não pode ser colocado em palavras e que não pode ficar em silêncio.