Podcast Café Brasil com Luciano Pires
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Aplicando 5S nos escritórios de advocacia
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Sorte? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cafezinho 7 – Polícia Federal – O filme
Cafezinho 7 – Polícia Federal – O filme
Ou eu dei azar ou quem PRECISA assistir o filme, para ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

557 – Três princípios para falar de Justiça

557 – Três princípios para falar de Justiça

Luciano Pires -
Download do Programa

ILUSTRAÇÃO DA VITRINE: VITO QUINTANS 

Fiz um programa sobre a Desigualdade Social que rendeu muitos comentários. E dúvidas. Esse tema é tão antigo quanto a história da humanidade… e complexo, viu? Merece muitos programas. Hoje vou continuar com as reflexões, falando um pouco de Justiça. Cara, eu vou me meter numa encrenca…

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Antes de começar o show, um recado: preparamos um resumo do roteiro deste programa com as principais ideias apresentadas. Um guia para você complementar aquelas reflexões que só o Café Brasil provoca. Para baixar gratuitamente acesse o roteiro deste programa no portalcafebrasil.com.br/557.

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Diego, que tá longe, viu?

“Bom dia Luciano, bom dia Café Brasil, meu nome é Diego, eu falo aqui dos Emirados Árabes, em Dubai, acabei descobrindo o podcast, na verdade por indicação de um amigo que mora em São Paulo. Cara! Eu me tornei um viciado, já estou no terceiro episódio, mas assim, eu quero tirar um tempo pra escutar todos, não só de uma vez porque realmente é muita coisa e estou feliz, sabe? Continuem com a programação.

Na verdade eu só queria falar sobre a dissonância cognitiva. Eu achei muito interessante aquela história da menina que você ficou admirando, pensou se podia ajudá-la mais. E aqui, a gente teve um caso muito interessante. Aqui, na verdade, funciona dessa forma. Não tem mendigos de rua mas, se você vai pra um lugar mais afastado, por incrível que pareça, tem. E a maioria da população aqui, não são os árabes mas, os indianos e os filipinos, né? Por conta da mão de obra que é muito barata.

E eu vi uma situação que me chamou muito a atenção, um pouco constrangedora. Uma moça, ela foi dar uma propina, desculpe, em espanhol. Ela foi dar um dinheirinho pra essa pessoa comprar um alimento que seja e infelizmente ela foi pega pela polícia, porque aqui, na lei do país, eles dizem que não pode. Você não pode dar propina nenhuma pra esse pessoal de rua, porque eles te levam pra delegacia. Não sei qual é o procedimento mas, é incrível e também, eu estava lendo uma reportagem num tempo desses, eles dizem que essas pessoas, eles ficam na porta de mesquita, principalmente agora na época do Ramadan, então assim, eles tiram muito dinheiro. Então, a gente até brinca, entre amigos: vou sentar, vou colocar um banquinho na rua e vou começar a pedir esmola. Eles chegam a tirar quase sessenta mil reais por mês, não tô brincando, é verdade. Então, eles não permitem essa prática. 

Mas, por um outro lado eu, como brasileiro, a gente tica falando: pô, essa pessoa tá passando fome, tá passando necessidade, você pensa, essa pessoa não tem alimento. Por mais que aqui seja Dubai, tem um lado B da moeda, que você é rico ou você não é rico.

Mas enfim, é isso. Estou adorando, vou continuar ouvindo o podcast de vocês e um bom dia”.

Meu, em Dubai, cara! Talvez o lugar mais rico do mundo…. e a desigualdade social estampada na cara das pessoas. É o lado B, como o Diego diz, em todos os lados do planeta.

Agora meu! Fala verdade, 60 mil reais mendigando? Lalá! Qual é o próximo vôo, hein?

Muito bem. O Diego, se mandar um endereço no Brasil, receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. Vai usar no balanço do mar, olha que luxo! PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então! Hoje tem visita aqui. É o César Almeida. Vem cá, César e Lalá. Hoje eu quero que nem mendigo, hein?

Na hora do amor, use

César e Lalá –  Ei, voce aí, me dá um Prudence aí!

No programa 547 eu falei sobre a Desigualdade Social, com base num artigo escrito pela  economista Deirdre McCloskey. Nele eu disse que há uma confusão entre pobreza e desigualdade e que a redistribuição de renda, tirando de quem tem para dar a quem não tem visando a uma igualdade econômica é uma fantasia adolescente que não sobrevive ao mais básico teste de lógica aritmética. Mas para muita gente ficou uma sensação de “nem tanto ao mar, nem tanto à terra”, já que o exemplo usado no programa previa tirar todo o dinheiro dos ricos para distribuir aos pobres, acabando assim com os ricos…

Mas e se não fosse todo o dinheiro, hein?

Bem, vamos ver. Existe uma corrente de pensamento chamada “utilitarismo”, termo que vem do latim utilitas, que pode ser traduzido como “qualidade de útil”, mais o sufixo ismo, que equivale a “doutrina”. O utilitarismo, portanto, é uma doutrina moral que se fixa no resultado final das ações. Defende que o fim de nossas ações é a felicidade e que o correto é definido em função das melhores consequências.

O utilitarismo, cujas bases surgem no século 18, representou uma quebra na forma de pensar até então apoiada na moral religiosa, baseada em revelações divinas. O utilitarismo trouxe a visão dos resultados, fazendo com que a razão tomasse o lugar da fé na determinação do que seria moral. Bem, não precisa dizer que o bicho pegou, não é?

Um dos grandes defensores do utilitarismo foi o filósofo e economista britânico John Stuart Mill. Para ele, o prazer ou a felicidade geral devem ser calculados a partir do maior benefício para o maior número de pessoas.

Um barco está afundando. Você tem a escolha de salvar ou seu filho ou outras quatro crianças. O utilitarismo prega que o bem maior para a sociedade será o salvamento das quatro crianças, e não de seu filho…

Pronto. Caiu o disjuntor.

Refavela
Gilberto Gil

AIaiá, kiriê
Kiriê, iaiá

A refavela
Revela aquela
Que desce o morro e vem transar
O ambiente
Efervescente
De uma cidade a cintilar

A refavela
Revela o salto
Que o preto pobre tenta dar
Quando se arranca
Do seu barraco
Prum bloco do BNH

A refavela, a refavela, ó
Como é tão bela, como é tão bela, ó

A refavela
Revela a escola
De samba paradoxal
Brasileirinho
Pelo sotaque
Mas de língua internacional

A refavela
Revela o passo
Com que caminha a geração
Do black jovem
Do black-Rio
Da nova dança no salão

Iaiá, kiriê
Kiriê, iaiá

A refavela
Revela o choque
Entre a favela-inferno e o céu
Baby-blue-rock
Sobre a cabeça
De um povo-chocolate-e-mel

A refavela
Revela o sonho
De minha alma, meu coração
De minha gente
Minha semente
Preta Maria, Zé, João

A refavela, a refavela, ó
Como é tão bela, como é tão bela, ó

A refavela
Alegoria
Elegia, alegria e dor
Rico brinquedo
De samba-enredo
Sobre medo, segredo e amor

A refavela
Batuque puro
De samba duro de marfim
Marfim da costa
De uma Nigéria
Miséria, roupa de cetim

Iaiá, kiriê
Kiriê, iáiá.

Gilberto Gil com sua Refavela, uma daquelas músicas que toca na desigualdade social para, nas palavras de Gilberto Gil falar da “… dificuldade com que a história tem se defrontado para proporcionar o verdadeiro resgate da cultura e da natureza dos negros, exatamente pela manutenção reiterada da sua condição paupérrima.” 

Parece a Marina Silva falando…

Tá bom, eu peguei pesado com o exemplo do barco afundando, mas vamos ver com um exemplo menos agressivo. De acordo com o utilitarismo clássico, se uma família rica ganha 50 mil reais por mês, o bem-estar dessa família não diminuirá se você retirar dela, digamos, 500 reais por mês, transferindo-os para a família pobre que ganha 1500 reais por mês. Mas o bem-estar da família pobre aumentará substancialmente com esses 500 reais a mais. Esse raciocínio considera o que chamamos de utilidade marginal do dinheiro. Guarde isso aí ó: utilidade marginal do dinheiro.

A utilidade marginal do dinheiro diminui à medida que o dinheiro aumenta. Explicando melhor: para quem ganha 50 mil reais por mês, achar uma nota de 100 reais tem um significado muito menor do que para quem ganha 1500 reais por mês. O benefício que os 100 reais trarão para o rico é muito menor do que para o pobre. Por isso, uma determinada quantidade de dinheiro produzirá, no total, mais felicidade que infelicidade se for retirada dos ricos e distribuída para os pobres.

Sacou? Se tirarmos dinheiro dos ricos para dar aos pobres, a infelicidade dos poucos ricos será menor que a felicidade dos muitos pobres. No total teremos mais felicidade na sociedade e, no fim, é isso que interessa e justificaria a ação moral da redistribuição da riqueza.

Não faz sentido?

Uia… agora você ouve Refavela na voz de Angélique Kidjo, cantora, compositora, dançarina, atriz, diretora e produtora nascida no Benin, um pequenino país da África. Olha! Dá pra falar de desigualdade, sem ter um pouquinho de África na história? Não né?

Como você pode imaginar, a visão utilitarista gerou mil conflitos. John Stuart  Mill desenvolveu então uma versão mais sofisticada de utilitarismo, que se baseia no hedonismo qualitativo. Meu Deus do céu! Durante a avaliação de uma ação, além da intensidade e duração dos prazeres, devemos levar em conta a qualidade dos prazeres gerados por ela. Mill os distingue como superiores ou inferiores, de acordo com a sua natureza intrínseca. São superiores os prazeres do intelecto, das emoções, da imaginação e dos sentimentos morais e são inferiores os prazeres corporais.

Bom, essa discussão vai longe, sugiro que você baixe o resumo deste programa no portalcafebrasil.com.br/557 . Eu vou colocar nele uns links para textos que se aprofundam no tema.

http://criticanarede.com/utilitarismo.html

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2632

Que tal esse som, hein? Você está ouvindo TIPO ÁFRICA, faixa instrumental do disco Gilberto Gil, Raras e Inéditas, de 1977.

Então surge o professor de filosofia política na Universidade de Harvard, John Raws, autor de alguns livros fundamentais como Uma Teoria da Justiça, Liberalismo Político e O Direito dos Povos.

Raws vê dois problemas principais no utilitarismo. Primeiro: os direitos individuais ficam sujeitos ao cálculo dos interesses sociais. Imagine essa situação ó: você vive numa tribo na qual os 200 integrantes decidem que cinco indivíduos devem ser escravizados para fazer trabalhos que ninguém quer fazer. A perda de liberdade individual dos cinco seria justificada pela felicidade dos 195 restantes? Conforme o utilitarismo, sim.

Mas e se você for um dos cinco, hein? Sua filha? Seu pai? É possível sacrificar a liberdade individual de alguns para dar mais felicidade a todos? No limite, essa foi a lógica de Adolf Hitler, não é?

O segundo problema que John Raws vê no utilitarismo clássico é que ele considera o bem como um prazer mental, como o bem estar psicológico. Se todos os indivíduos forem bem informados e racionais, ainda que concordem que diferentes coisas contribuam para o bem, no fim o que interessa é o bem psicológico. Raws afirma que muita gente valoriza outras coisas além do bem estar psicológico.

E Raws parte então de uma concepção de justiça em que todos os bens sociais primários: liberdade, oportunidade, riqueza e rendimento, devem ser distribuídos de maneira igual, a menos que a distribuição desigual de algum desses bens beneficie os menos favorecidos.

Para Raws, tratar as pessoas como iguais não implica em remover todas as desigualdades, mas apenas aquelas que trazem desvantagens para alguém. Se dar mais dinheiro para uma pessoa do que para outra promove mais os interesses de ambas do que dar a mesma quantidade de dinheiro para as duas, esse tratamento desigual fica justificado.

Lembra do programa sobre desigualdade? Aquele seu tio que correu os riscos, abriu um supermercado, criou 200 empregos, gerou um monte de impostos e ficou rico? Ao enriquecer, ele criou riqueza para muito mais gente em torno dele, portanto sua riqueza é plenamente justificada.

A ideia sofisticada de Raws tem implicações importantes, que são deixadas de lado por questões ideológicas ou até mesmo por inveja. Por exemplo: o conceito de Raws justifica que se pague mais para professores, para que eles tenham mais tempo para se preparar para as aulas e assim melhorar a qualidade do ensino, o que é um bem para a sociedade no longo prazo. Sacou? Dar mais aos professores produz um bem maior para a sociedade, pois eles prepararão melhor os alunos, que criarão melhores soluções para a sociedade no futuro.

Mas a teoria de Raws não impede uma série de conflitos, ainda não resolvidos. Por exemplo, uma sociedade que garante uma certa renda básica –  o Bolsa Família, por exemplo, para uma faixa da população que se encontra desempregada, mas que não cria ferramentas que permitam a essas pessoas encontrar um emprego, criará uma desigualdade de oportunidades.

Uma sociedade que dá condições de educação aos cidadãos, mas exige que estudem numa determinada escola perto de onde moram, tirando-lhes a liberdade de escolher em que escola estudar, gera um conflito entre oportunidade de acesso à educação e liberdade de escolha de onde estudar.

E quando escolhemos a oportunidade de acesso em detrimento da liberdade de escolha, definimos que uma tem mais valor que outra. Olha só: para você o que é mais importante, ter acesso à educação ou ter a liberdade de escolher onde você vai estudar?

Pronto. Tá criado o conflito.

O que é mais importante, hein? Ter acesso a um exame médico para o qual você estava na fila há meses ou poder escolher um local e horário mais adequados a você? Cara, se você tem suspeita de um câncer, o acesso ao exame é a coisa mais importante, nem que seja às 3 da manhã, num hospital a 100 quilômetros de sua casa!

Mas tem gente que vai reclamar que de madrugada não tem condução…

Pois é… Desde que o samba é samba é assim…

Desde que o samba é samba
Caetano Veloso
Gilberto Gil

A tristeza é senhora
Desde que o samba é samba é assim
A lágrima clara sobre a pele escura
A noite, a chuva que cai lá fora
Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora

A tristeza é senhora
Desde que o samba é samba é assim
A lágrima clara sobre a pele escura
A noite e a chuva que cai lá fora
Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora

O samba ainda vai nascer
O samba ainda não chegou

O samba não vai morrer
Veja o dia ainda não raiou

O samba é o pai do prazer
O samba é o filho da dor

O grande poder transformador

Para ajudar a resolver esses conflitos Raws dividiu sua concepção em três princípios:

– Primeiro o princípio da liberdade igual para todos. Toda pessoa deve gozar da máxima liberdade, compatível com a liberdade igual para outras pessoas. Lembra daquele “sua liberdade vai até onde começa a liberdade do próximo, hein?”. Todos têm a mesma liberdade.

– Depois o Princípio da diferença. A sociedade deve promover a distribuição igual de riquezas, exceto se desigualdades econômicas e sociais gerarem maior benefício para os menos favorecidos. É aqui que entram os Bolsas Famílias, por exemplo, que dão aos menos favorecidos um direito que os mais favorecidos não têm. No fim das contas, essa desigualdade traz mais benefícios para a sociedade como um todo.

– E por fim o Princípio da oportunidade justa: as desigualdades sociais e econômicas devem estar ligadas a posições que sejam acessíveis a todos em condições de justa igualdade de oportunidade.

Tá ficando legal isso, não tá? Pois é… mas esses princípios ainda não resolvem muitos conflitos. É preciso que eles sejam priorizados. E assim ordenou-se como mais importante o Princípio da Liberdade Igual, depois o Princípio da Oportunidade e, por último, o Princípio da Diferença.

Deixa eu melhorar isso, ó…

Um indivíduo que sai da pobreza abjeta, aquela da luta pela sobrevivência, precisa de prioridade absoluta do Princípio da Liberdade sobre o da Oportunidade e o da Diferença. Foi isso que foi dito naquele trecho do programa 547 quando eu disse que “Proteger os pobres inocentes da violência policial é infinitamente mais importante do que querer equalizar a posse de relógios Rolex.”

Sacou? O princípio fundamental e mais importante para todos é a Liberdade, é não ser perseguido pela polícia, é poder ir para onde quiser, dizer o que quiser, se comportar como quiser.

Essa é a visão liberal de John Raws: a liberdade de expressão e de religião, por exemplo, são direitos inalienáveis, que não podem ser ameaçados por considerações econômicas.

Você está sacando a profundidade disso? Você não pode ser obrigado a abdicar de sua liberdade de expressão, de sua liberdade de ir e vir, de sua liberdade religiosa, para poder obter uma vantagem econômica.

Entendeu então onde vai o pensamento de Raws sobre justiça e desigualdade social? Ele aceita que um estudante mais inteligente, por exemplo, receba uma bolsa de estudos maior que a de outros estudantes menos inteligentes.

Pronto. A Ciça caindo da cadeira e o cérebro de uns progressistas aí acaba de explodir, viu?

O que a princípio é uma desigualdade de acesso ao conhecimento, tem uma implicação maior: a sociedade como um todo se beneficiará ao dar mais condições ao estudante mais inteligente.  Ele tem mais chances de encontrar a cura para o câncer…

Raws aceita que um médico ganhe muito mais que outras pessoas, pois assim terá acesso a tecnologias, congressos e estudos de ponta, que farão o médico melhor preparado, trazendo mais benefícios para a sociedade.

Ele aceita que seu tio fique mais rico que você quando ele empreender e criar empregos para dezenas de pessoas…

Iiiiii, cara, essa discussão pode ir muito mais longe viu? Mas digamos que conseguimos resolver as questões básicas de liberdade e direitos. Vem então a questão de distribuição dos recursos econômicos. Como fazê-lo de forma justa? É aí que o bicho pega.

Vamos ao Princípio da Diferença: A sociedade deve promover a distribuição igual de riquezas, exceto se desigualdades econômicas e sociais gerarem maior benefícios para os menos favorecidos.

Raws apresenta dois argumentos: o argumento intuitivo da igualdade de oportunidades e o argumento do contrato social hipotético.

O argumento intuitivo da igualdade de oportunidades considera que o destino das pessoas depende de suas escolhas e não das circunstâncias em que por acaso se encontram.

O destino das pessoas não depende das circunstâncias nas quais por acaso se encontram. Não podemos ver nossas ambições negadas pelo fato de pertencermos a uma classe social, raça ou minoria por exemplo. Uma mulher não pode deixar de ser promovida a presidente de uma empresa, pelo fato de ser mulher. Um homem não pode ser proibido de ser jogador de futebol por ser gay. Um jovem não pode ser proibido de frequentar uma balada por ser negro. Um indivíduo não pode ser proibido de entrar na universidade por ser pobre.

O destino das pessoas tem de depender de suas escolhas e não das circunstâncias em que por acaso se encontram.

Todas essas são circunstâncias que a igualdade de oportunidades deve eliminar.

E é aí que o bicho pega. O problema tem de ser resolvido na origem, e não no destino. Ao pobre tem de ser garantido um ensino digno, e não uma quota na universidade.

E aí os progressistas enlouquecem… Estando garantida a igualdade de condições, as desigualdades de rendimento são aceitáveis. E como ninguém é desfavorecido por suas circunstâncias sociais, o destino de cada pessoa está em suas próprias mãos…

 

Olha que legal! Esse é o  santista Arismar do Espírito Santo com um clássico de Ivan Lins: Me deixa em paz.

Mas e se a questão das circunstâncias sociais for resolvida, hein? E o indivíduo for cego, por exemplo? Tiver uma desigualdade natural? O destino de um deficiente passa a ser determinado por sua deficiência? Não, né? Ou você vai dizer assim: azar dele?

Rawls então propõe o Princípio da Diferença. Quem enxerga, ajuda quem não enxerga. Quem anda, ajuda quem não anda. Quem é inteligente ajuda quem não é. A sociedade então paga pelas guias rebaixadas, pelos ônibus com acessibilidade, pelas escolas para crianças especiais, por remédios gratuitos, por programas que garantem que as desigualdades naturais sejam compensadas.

É aí que se abre uma porta para quem confunde, propositalmente, desigualdade social com desigualdade natural.

Um cego é um desigual natural. Um doente é um desigual natural. Mas um pobre é um desigual social.

E isso nos leva ao começo deste programa. E aí meu? Tiro do rico para dar aos pobres ou não? E se for para tirar, tiro quanto? Quem será o juiz? Deputados e senadores ricos? Juízes ricos?

Você concorda que o direito à propriedade é um princípio moral básico, hein? Ou não? E se for a propriedade de seu corpo? Aí sim? E se for a propriedade do fruto de seu trabalho? Aí não? Ou sim? Você concorda que o Estado, com sua mão peluda, sem pedir permissão, tire uma parte de sua propriedade, ao critério do Estado, para distribuir para quem precisa? Mas ele já não faz isso com impostos? Faz. Mas você tem mais que eu, portanto deve pagar mais que eu.

Quando o Estado ignora esse aspecto moral de justiça, e invoca um termo abstrato e arbitrário como “justiça social” para garantir o direito de expropriação da propriedade privada, ele acaba legalizando o roubo, o direito de escravizar alguém e tomar a força sua produção, em nome da justiça social.

E os que produzem se tornam, indiretamente, escravos dos que necessitam. Exatamente como aqueles cinco escravizados pelo bem da tribo, lembra?

Olha, eu sei que é difícil imaginar um rico como alguém escravizado, sei que isso vai contra tudo aquilo que foi ensinado a você durante toda sua vida. Isso tem a ver com o princípio da liberdade igual para todos e essa reflexão acontece no nível moral, onde tudo é muito confuso.

E se você está tentado a pensa que “o coxinha do Luciano está protegendo os ricos”, um recado: quando ouvir “rico”, experimente tirar da cabeça Eike Batista ou então aquele herdeiro bilionário que está queimando o dinheiro que o avô dele juntou. Pense numa pessoa comum, que chegou lá trabalhando e que tem o mesmo direito que você tem de dar a seu patrimônio o destino que você quiser.

 

Ah, Luciano, mas tem gente ruim, tem bandidos, tem inveja, tem cobiça, tem desonestidade, tem… olha tem muita coisa sim. Coisa de gente. Mas a nossa discussão está no âmbito da justiça para todos e não na moralidade individual.

Ninguém pode ser penalizado por ser pobre. Ninguém pode ser penalizado por ser rico.

Se você acha que não é bem assim, está falando de injustiça.

Olha, este tema é cabeludo, viu? Eu não tenho a pretensão de esgotá-lo nesta vida, a ideia deste programa nada mais é que trazer lenha para a fogueira. A discussão está aberta, vá procurar John Raws, leia mais, tem muita coisa na internet. Quando passar o nervoso deixe seus comentários na página deste programa. Vamos ver se no debate a gente cresce.

Cartomante
Ivan Lins

Nos dias de hoje é bom que se proteja
Ofereça a face pra quem quer que seja
Nos dias de hoje esteja tranqüilo
Haja o que houver pense nos seus filhos

Não ande nos bares, esqueça os amigos
Não pare nas praças, não corra perigo
Não fale do medo que temos da vida
Não ponha o dedo na nossa ferida

Nos dias de hoje não lhes dê motivo
Porque na verdade eu te quero vivo
Tenha paciência, Deus está contigo
Deus está conosco até o pescoço

Já está escrito, já está previsto
Por todas as videntes, pelas cartomantes
Tá tudo nas cartas, em todas as estrelas
No jogo dos búzios e nas profecias

Cai o rei de espadas
Cai o rei de ouros
Cai o rei de paus
Cai, não fica nada.

E é assim então, ao som de CARTOMANTE, de Ivan Lins e Vitor Martins, na interpretação de Cacala Carvalho, Marianna Leporace e Eliane Tassis, que compõem o grupo vocal Folia de 3, que vamos saindo mais uma vez pensativos.

Com o desigual Lalá Moreira na técnica, a justiceira Ciça Camargo na produção e eu, que só sei que nada sei cara, Luciano Pires, na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Marco, outro ouvinte vistando aqui, o César Almeida, Gilberto Gil, Aderbal Duarte, Folia de 3 e Angelique Kidjo.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha no … portalcafebrasil.com.br.

Lembre-se hein? Tem um resumo deste programa aqui te esperando no portalcafebrasil.com.br/557.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. Quem está fora do Brasil usa o: 55 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Venha se juntar a uma turma da pesada na Confraria Café Brasil, onde as pessoas se reúnem para trocar ideias de forma educada, compartilhando conhecimento e crescendo juntas! Acesse cafebrasil.top.

E para terminar, uma frase de autoria desconhecida, mas que é uma porrada:

“Quem tem por hábito usar a força para conseguir o que quer, tem por hábito querer sempre mais.”