Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

221 – O contador de histórias

221 – O contador de histórias

Luciano Pires -

No podcast da semana Luciano Pires fala de sua atividade de palestrante, sob o ponto de vista do contador de histórias. Entre algumas lembranças, trata da importância do ouvir e contar histórias para o desenvolvimento da humanidade e de como perdemos certas referências quando as histórias passaram a ser contadas por quem quer nos vender alguma coisa. A trilha sonora é a bagunça de sempre, com Caboclada, Karla Sabah, Arthur Moreira Lima, Ana Moura, os Doces Bárbaros, Vicente Barreto…e o Silvio Santos. Apresentação de Luciano Pires.

[showhide title=”Ler o roteiro completo do programa” template=”rounded-box” changetitle=”Fechar o roteiro” closeonclick=true]

Bom dia, boa tarde, boa noite! Um dia descobri que eu sabia contar histórias. E que talvez pudesse ganhar a vida com isso! Virei palestrante, atividade que toma a maior parte de meu tempo. E que me dá um baita prazer… Esse será o tema do Café Brasil de hoje: vamos tratar de contadores de histórias!

Pra começar, uma frase de um dos grandes palestrantes estadunidenses, Zig Ziglar:

Motivação é como banho, não dura. Por isso tem que tomar todo dia..

Quando eu era garoto, lá pelos meus sete, oito anos de idade, minha mãe me levava todo domingo na missa. E era sagrado… E eu admirava o padre, lá na frente, falando ao microfone um monte de coisas que eu nunca entendia. Mas era impressionante. E às vezes alguém saia do meio dos fiéis para ler um trechinho da missa. Só de pensar naquilo me dava um nervoso…

Mas acho que foi na missa que eu aprendi a admirar os palestrantes, afinal o padre dominava aquele monte de gente!

Um dia aconteceu, era um dia dos pais na Associação Luso Brasileira de Bauru e em meio às comemorações houve um momento em que uma criança deveria ler um texto falando dos pais. Não sei como nem porque, mas acabou que eu fui o escolhido…

Não vou lembrar  dos detalhes, apenas de que eu estava em cima do palco, com uma pessoa segurando o microfone enquanto eu lia texto.

Não lembro do que estava escrito, só me lembro do final, que dizia assim: “… ele é o meu papai. O melhor papai do mundo.” Todo mundo aplaudiu e meu pai veio e me deu um grande abraço. Aos nove anos de idade eu tinha feito minha primeira palestra.

Fala maluco

Fala maluco
Fala maluco
Fala maluco
Fala maluco
Pessoas não falam
Necessitam fazer
Esforço redobrado
Para se comunicar
De bom tom pensar
Ninguém nasceu falando
Você foi aprendendo
Repetindo,
Imitando.
É de bom tom pensar
Ninguém nasceu andando
Você foi aprendendo
Caindo,
Tropeçando.
É importante que se pense o que se fala
A palavra é um amistoso
Que corre para o mar
É importante que se pense o que se fala
A timidez  pode ser
Mal interpretada
Fala maluco
Fala maluco
Fala maluco
Fala maluco

Você tá ouvindo outra daquelas maluquices do Café brasil. FALA MALUCO, com o pessoal do CABOCLADA, dos irmãos Marcio e Theo Werneck que continuam viajando pelo Brasil para trazer o som dos caboclos pra nós.

Então, muitos anos mais tarde, já trabalhando numa multinacional em São Paulo, fui a um grande evento no Hotel Transamérica, não me lembro sobre o que era. Mas era anos 80 e lá pelas tantas entrou o Professor Marins para uma palestra.

Fiquei fascinado com aquele sujeito engraçado, que descia do palco e andava no meio do pessoal. Impressionante! Mas nunca me passou pela cabeça que um dia eu estaria fazendo o mesmo…

Lá por 1993, já como gerente de uma multinacional, fazia parte de minha função falar para os funcionários e com o tempo fui dominando as técnicas. Até um dia ser convidado a realizar uma palestra de verdade, sobre o mercado brasileiro de reposição de autopeças, num evento do setor. Aceitei, me preparei e fui lá. E sabe que fui muito bem?

Todos vieram falar comigo e vi que podia levar aquilo mais a sério. Comecei a aceitar outros convites e aos poucos fui melhorando…

Então em 2003, quando lancei meu livro Brasileiros Pocotó, desenvolvi uma palestra diferente, bem humorada e cheia de recursos áudio visuais. E um dia o Irineu Toledo e o Pelegi me convidaram para palestrar num evento gigantesco que seria realizado numa das maiores casas de shows de São Paulo, com platéia estimada de 3 mil pessoas. Estariam presentes vários palestrantes, como Roberto Shiniasyki, Marco Aurélio… e claro, o Professor Marins. E no meio dos cobras, eu…

Realizei a palestra Brasileiros Pocotó, que terminou com a platéia aplaudindo em pé. Quando saí do palco, cruzei com o Professor Marins, que estava entrando em cena. Passou por mim e disse: “Parabéns, rapaz”. Eu havia me transformado num palestrante! Dali pra frente foi investir, estudar praticar e palestrar. Palestrar, palestrar, palestrar… Até que um dia saquei que eu podia botar pra quebrar…

Nem vem que não tem

Nem Vem Que Não Tem
Nem vem de garfo
Que hoje é dia de sopa
Esquenta o ferro
Passa a minha roupa
Eu nesse embalo
Vou botar prá quebrar
Sacudim, sacundá
Sacundim, gundim, gundá!…

Nem Vem Que Não Tem
Nem vem de escada
Que o incêndio é no porão
Tira o tamanco
Tem sinteco no chão
Eu nesse embalo
Vou botar prá quebrar
Sacudim, sacundá
Sacundim, gundim, gundá!…

Nem Vem!
Numa casa de caboclo
Já disseram um é pouco
Dois é bom, três é demais
Nem Vem!
Guarda teu lugar na fila
Todo homem que vacila
A mulher passa prá trás…

Nem Vem Que Não Tem
Prá virar cinza
Minha brasa demora
Michô meu papo
Mas já vamos’imbora
Eu nesse embalo
Vou botar prá quebrar
Sacudim, sacundá
Sacundim, gundim, gundá!…

Nem Vem!
Numa casa de caboclo
Já disseram um é pouco
Dois é bom, três é demais
Nem Vem!
Guarda teu lugar na fila
Todo homem que vacila
A mulher passa prá trás…

Nem Vem Que Não Tem!

UAU! Eu só tinha ouvido essa com o Simonal, acho que ninguém teve coragem de gravar depois dele, né? Pois a Karla Sabah teve! Nem vem que não tem, do Carlos Imperial. Karla foi integrante do grupo Afrodite se Quiser e além de cantora é diretora de videoclipes. E acredite: até na revista Playboy ela já saiu… Karla Sabah, uma maravilha, no Café Brasil!

Um dia fui convidado a palestrar para um grupo de voluntários do Viva e Deixe Viver (www.vivaedeixeviver.org.br), um grupo que percorre hospitais contando histórias para crianças. Apresentam-se com divertidos aventais cheios de quinquilharias, levando aos pequenos adoecidos um pouco de alívio… São contadores de histórias.

Com eles aprendi o Credo do Contador de Histórias: “Creio que a imaginação pode mais que o conhecimento. Que o mito pode mais que a história. Que os sonhos podem mais que os fatos. Que a esperança sempre vence a experiência. Que só o riso cura a tristeza. E creio que o amor pode mais que a morte.”

Durante muito tempo me senti atraído por essa profissão: contador de histórias. Até que tornei-me um deles. O que faço em meus textos, palestras, programa de rádio, podcast ou livros é simplesmente… Contar histórias.

Foram as histórias que ouvimos de nossos pais, avós e tios, que nos transmitiram conceitos morais e éticos enquanto crescemos. E hoje, continuamos ávidos devoradores de histórias. Que outra explicação existe para o sucesso das novelas na TV? Ou para a nossa fome pelos telejornais e jornais impressos?

Você está ouvindo, no podcast, SE EU QUISER FALAR COM DEUS, de Gilberto Gil, com o piano sempre instigante de Arthur Moreira Lima…

Nos alimentamos de histórias. Com elas enriquecemos nosso repertório e aprendemos a interpretar o mundo. Mas tem um probleminha aí.

Aquela  “moral da história” que ouvi de meus pais e avós sempre envolveu regras de comportamento, lições que separaram o que era bom do que era ruim, mandamentos sobre a convivência harmoniosa, sobre o uso da inteligência ou o respeito ao semelhante.

As histórias que conto para meus filhos também transportam valores morais que, penso, vão ajudar cada um a moldar seu caráter. Como meus pais e avós, quero formar cidadãos.

Mas hoje os filhos e netos não estão mais interessados em ouvir histórias dos mais velhos. Preferem a TV. O videogame. O cinema. A propaganda. As cores, movimentos e sons hipnóticos preparados por especialistas. Quem conta as histórias não são mais parentes interessados em valores morais. São vendedores interessados em vender um produto. Um serviço. Um político. Gente interessada em formar con-su-mi-do-res… Dá pra notar a diferença? Cidadãos… E consumidores… Em ritmo de festa…

Quando contei histórias para os contadores de histórias do Viva e Deixe Viver tive diante de mim um grupo de voluntários que tem um objetivo admirável: suplantar a dor, contando histórias. Enriquecer repertórios, contando histórias. Disseminar valores morais, contando histórias. Pois repare nas histórias que você ouvirá hoje e procure entender a motivação de quem as conta.

Diferente dos pais e avós que, assim como os voluntários do Viva e Deixe Viver contaram histórias para sua alma, os vendedores dos novos tempos contam histórias para seu bolso.

A voz que conta a nossa história

Amiga no meu peito, as horas dormem
Num compassar dolente e sossegado
Seduz a minha alma uma voz de homem
Que ao longe entoa triste um triste fado
Seduz a minha alma uma voz de homem
Que ao longe entoa triste um triste fado
Como se aquela voz entristecida
Contasse a nossa história a toda a gente
Cada quadra parece ser escolhida
Do amor que quer doer lentamente
Cada quadra parece ser escolhida
Do amor que quer doer lentamente
E enquanto eu não reclamo a dor dos dias
Em que me afundo a sós nesta memória
O frio das noites frias e vazias
Só cabe a voz que conta a nossa história
O frio das noites frias e vazias
Só cabe a voz que conta a nossa história
O frio das noites frias e vazias
Só cabe a voz que conta a nossa história

Ah… Ana Moura… Essa portuguesinha me dá arrepios. Aqui você ouve Ana interpretando um daqueles fados arrasadores: A VOZ QUE CANTA NOSSA HISTÓRIA. Sabe o que é? Meu avô era português e eu cresci com esse som… não tem como não gostar…

Um palestrante entrou num auditório para proferir uma palestra e, com surpresa, deu com o auditório vazio. Só havia um homem sentado na primeira fila. Desconcertado, o palestrante perguntou ao homem se devia ou não dar a palestra só para ele. O homem respondeu: – Sou um homem simples, não entendo dessas coisas. Mas se eu entrasse num galinheiro e encontrasse apenas uma galinha para alimentar, eu alimentaria essa única galinha.

O palestrante entendeu a mensagem e deu a palestra inteira, conforme havia preparado… Quando terminou, perguntou ao homem: – Então, gostou da palestra? O homem respondeu: – Como lhe disse, sou um homem simples, não entendo dessas coisas. Mas se eu entrasse num galinheiro e só tivesse uma única galinha, eu não daria o saco de milho inteiro para ela.

E meu amigo Klaus Peter Melken conta uma historinha…

Há uns 22 ou 23 anos vivi um episódio que se encaixa à perfeição a essa história dos palestrantes.      

Um dia,um clube do qual eu era diretor organizou uma palestra do Prof. Euriclides de Jesus Zerbini numa 6ª feira às 20:00 hs. Tema: Transplantes de coração, terapias e modos de prevenção de males cardíacos. Inscreveram-se umas 80 pessoas.  

O prof. Zerbini viria de Brasília naquela noite, especialmente para cumprir aquele compromisso. Estavam ausentes o Presidente e o 1º e 2º Diretores Sociais do clube e coube a mim, a tarefa de receber o ilustre visitante e apresentá-lo à platéia, que supunha-se superlotada.  

Às 19:55 chegou o palestrante numa limusine com chofer. Recebi-o e o acompanhei até uma saleta reservada, onde deu os últimos acertos na sua máquina de vídeo-show, montou um mega-coração de plástico e retirou de uma pasta os slides e a documentação nos quais basearia sua palestra. Dei uma olhada no salão nobre…: nada mais que umas poucas pessoas presentes.  

O professor ofereceu esperar mais alguns minutos, para que os retardatários chegassem.  

Às 20:30, Dr. Zerbini iniciou sua apresentação, fascinante sob todos os aspectos. 1 hora depois, tendo inclusive oferecido um tempo para responder perguntas, o professor encerrou sua palestra, agradecendo com uma atenciosa reverência e uma saudação em português e outra em alemão…! Estavam presentes à palestra 14 gatos pingados, comigo incluído.

Na despedida, abrindo-lhe a porta do carro, desculpei-me pela descortesia dos 66 otários que confirmaram presença, mas não apareceram. Sabe qual sua resposta ao abraçar-me carinhosamente? Vieram os melhores…!

O craque

Muita grana pode ser o mel
Todo o mundo apenas pro seu bel prazer
Muita grana pode ser pinel
Muita grana pode ser poder
Muita grana pode ser papel e mais papel

Muita mídia pode resolver
Muita mídia pode parecer que se é Deus
Muita mídia pode ser o céu
Muita mídia pode ser o breu
Muita mídia pode ser você virar patê

O craque pode ser o tal na mídia
ou nunca entrar na mídia e ser o tal
E mesmo sendo genial
também terá seu dia mau
Não vá cobrar que seja bom em tempo total

Veja o craque como um ser normal
Veja o craque apenas como tal
Deixe o craque no gramado e o resto na geral

Você está ouvindo, no podcast, O craque de Celso Viáfora e Vicente Barreto, com o próprio Vicente Barreto.

E daí tem uma historinha que circula entre os palestrantes e que é uma delícia, quer ver…

O palestrante entra e encontra o auditório cheio. Feliz da vida, começa sua palestra, entusiasmado, caprichando nos gestos, caras e bocas. Lá pelas tantas, repara que uma pessoa entra lá pelo fundo e cochicha alguma coisa baixinho para outra pessoa que estava sentada na última cadeira. A pessoa ouve, levanta-se e começa a sair. Mas antes de sair, repete o procedimento, cochichando no ouvido de outra pessoa que estava na cadeira ao lado. E assim vai, uma a uma, levantando e cochichando no ouvido de outra, que se levanta e sai. Até que finalmente resta uma só pessoa no auditório, ali na primeira fila, ouvindo o palestrante. Intrigado com o esvaziamento do auditório, o palestrante então dirige-se ao solitário espectador e pergunta:

– Desculpe-me, mas o que é que as pessoas disseram uma às outras?

E o homem responde: – Parou de chover.

Pois é… palestrar para outras pessoas é contar histórias. É contando e ouvindo histórias que o homem se desenvolveu e por mais que o mundo evolua, por mais que a tecnologia nos assombre com novidades e por mais que criemos redes sociais e mídias, contar e ouvir histórias jamais deixará de ser nossa forma predileta de aprender…

Contando histórias transmitimos o saber. Espalhamos o conhecimento. E no meu caso, servimos como um personal trainer para o cérebro, ajudando as pessoas a praticar seu fitness intelectual.

Quem sabe falar de histórias é o mestre Rubem Alves que um dia escreveu assim:

As histórias se formam da mesma maneira como se forma a pérola dentro de uma ostra. Ostras felizes não fazem pérolas. É preciso que um grão de areia entre em sua carne mole. O grão de areia torna a ostra infeliz. Para livrar-se da dor do grão de areia a ostra pacientemente envolve o grão de areia com uma substância lisa, sem arestas e redonda. A pérola. E é assim também que nascem as histórias. Como as pérolas.

E Rubem continua: a palavra é o começo de tudo. Com a palavra, o universo começou. Com a palavra, nós começamos. Somos poemas encarnados. Somos as estórias que moram em nós. Se as palavras que moram em nós formarem estórias belas, seremos belos e bons…

E pra terminar o mestre dá uma porrada: só se deve falar quando a fala melhora o silêncio…

Então, você pode ter passado batido, mas eu vou repetir. O credo do Contador de histórias. Preste atenção:

“Creio que a imaginação pode mais que o conhecimento. Que o mito pode mais que a história. Que os sonhos podem mais que os fatos. Que a esperança sempre vence a experiência. Que só o riso cura a tristeza.

Pé quente cabeça fria

Pé quente, cabeça fria, dou-lhe uma
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe duas
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe três
Saia despreocupado
Você pode conquistar o mundo dessa vez
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe uma
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe duas
Pé quente, cabeça fria, dou-lhe três
Saia despreocupado
Faça tudo que você queria e nunca fez
Pé quente, cabeça fria, numa boa
Pé quente, cabeça fria, na maior
Pé quente, cabeça fria, na total
Saia despreocupado
Mas cuidado porque existe o bem e o mal
Pé quente, cabeça fria, numa boa
Pé quente, cabeça fria, na maior
Pé quente, cabeça fria, na total
Saia despreocupado
Mas se alguém se fizer de engraçado, meta o pau.

E é assim, ao som de PÉ QUENTE, CABEÇA FRIA, com Gil, Caetano, Gal e Bethânia nos Doces Bárbaros que este Café Brasil que falou de contadores de histórias, vai embora.

Na técnica, o grande historiador Lalá Moreira. Na produção, a contadora de histórias Ciça Camargo. E eu, Luciano Pires, o inventor de histórias na apresentação e direção.

Estiveram conosco a Caboclada, Karla Sabah, Arthur Moreira Lima, Ana Moura, os Doces Bárbaros, Vicente Barreto… e o Silvio Santos!

Gostou? Quer mais? Quer participar de uma palestra? Acesse www.lucianopires.com.br  ou www.portalcafebrasil.com.br  e cadastre-se em nossa comunidade!

Para terminar, uma frase do escritor espanhol Max Aub:

“Há três categorias de homens: a) os que contam a sua história b) os que não a contam c) os que não a têm.”

[/showhide]