Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

238 – Não recuse imitações

238 – Não recuse imitações

Luciano Pires -
Gratuito!
75 MB

O podcast desta semana é outro daqueles especiais. Luciano Pires recebe dois grandes amigos, Beto Hora e Alaor Coutinho. Além de contar como suas carreiras se cruzaram, falam sobre o humor que é feito hoje no Brasil. Mas não perdem a chance de passar pela história e homenagear grandes artistas que deixaram nossas vidas mais divertidas, como Costinha, Golias, Ary Toledo, Chico Anysio, Zé Bonitinho, Dercy, Juca Chaves, Zé Vasconcelos, Didi e Zacarias, entre outros. Mas também entram na dança Tiririca, Walter Stuart, Roni Rios, Bolinha, Wanderléia, Chacrinha, Orlando Silva, Nelson Gonçalves, Sai de Baixo, Tv Pirata, Agnaldo Timóteo, A Grande Família, Arnaud Rodrigues, Simonal, Mussum, Ted Moy Marino, Os insociáveis, Marcelo Adnet e Villa Lobos.E o Beto e o Alaor ainda trazem Maria Betânia, Jerry Adriani, Martinha, Tim Maia e Cauby Peixoto. Ufa!  Na trilha sonora, mais riqueza pro papo: Guzzi, Dori Caymmi, Djavan, Alvarenga e Ranchinho, Quatro Ventos, Orlando Silva, Marisa Monte, Paulinho da Viola, Chico Buarque, Raimundo Fagner e Egberto Gismonti. Apresentação de Luciano Pires.

[showhide title=”Ler o roteiro completo do programa” template=”rounded-box” changetitle=”Fechar o roteiro” closeonclick=true]

Bom dia, boa tarde, boa noite! Bem vindo a mais um Café Brasil especial, um programa mais longo e diferente do que você costuma ouvir. Hoje a gente vai se divertir um bocado. Trago ao programa dois queridos amigo pra conversar sobre música, rádio e humor. Eu acho que você vai se divertir…

Pra começar, que tal uma frase de um humorista brasileiro que a moçada desconhece? Leon Eliachar, que um dia disse assim:

Humor é a arte de fazer cócegas no raciocínio.

O nosso prêmio da semana vai para….Fábio Ribas, que comentou o programa A PRESIDENTA FOI ESTUDANTA? assim:

“Estava aqui apreciando mais um cafezinho e certamente atento aos petardos entremeio as canções. Outro dia minha namorada comentou que a pesar de não estar errado o termo presidenta soava muito mal, assim como “ponhar”. Já pensou Luciano, você “ponhando” suas idéias em prática e maltratando o idioma? Certamente é apenas mais uma do nosso português, mas que os donos das palavras as manobram muito bem. Como diria Odorico Paraguaçu, as nuances das palavras são “apenasmente” lapidadas para atender os caprichos de quem os fala. Seja na ignorância dos matutos ou na astúcia dos políticos. Parabéns Luciano e um forte abraço.”

Pois então o Fábio ganhou o meu livro BRASILEIROS POCOTÓ apenasmente porque escreveu um comentário. E você? Tire a abundância da cadeira e manda um também, pô!

O programa de hoje é especial. Assim, não teremos aqui o texto completo. Mas as letras das músicas e os participantes dop nosso cafezinho estão aqui para seu deleite. Divirta-se!

Cumpadre Como é que ta tu? 

Cumpadre como é que ta tu
Cumpadre como é que tu ta
Não tão bem quanto vancê
Mas vo indo devagar

To com tudo, to com tudo
Eu sou mesmo felizardo
To com tudo meu cumpadre
To com tudo empenhado

Cumpadre como é que ta tu
Cumpadre como é que tu ta
Não tão bem quanto vancê
Mas vo indo devagar

Casamento e loteria
Vou dizer, sou muito franco
Me casei, fui conferir
O bilhete tava branco

Cumpadre como é que ta tu
Cumpadre como é que tu ta
Não tão bem quanto vancê
Mas vo indo devagar

Roubaram minha muié
Só pra me fazer sofrer
Eu procuro o ladrão
Quero lhe agradecer

Cumpadre como é que ta tu
Cumpadre como é que tu ta
Não tão bem quanto vancê
Mas vo indo devagar

Minha casa pegou fogo
Ardeu tudo de repente
Minha sogra tava dentro
Veja como to contente

Tijolinho 

Eu sei se esperar mais um pouquinho
Meu amor e meu carinho a você vou dar
Sem me arrepender
Demorei mas encontrei você e é sincera
E agora não já quero mais esta longa espera
Por que?
Você é meu amorzinho
Você é meu amorzão
Você é um tijolinho
Que faltava na minha construção
É verdade, é verdade, é verdade
Solo:
Você é meu amorzinho
Você é meu amorzão
Você é um tijolinho
Que faltava na minha construção
Você é meu amorzinho
Você é meu amorzão
Você é um tijolinho
Que faltava na minha construção
É verdade, é verdade, é verdade

Alegre Menina 

Oh! que fizeste, sultão, de mim alegre menina?

Palácio real lhe dei, um trono de pedraria
Sapato bordado a ouro, esmeraldas e rubis
Ametista para os dedos, vestidos de diamantes
Escravas para serví-la, um lugar no meu dossel
E a chamei de rainha, e a chamei de rainha

Oh! que fizeste, sultão, de minha alegre menina?

Só desejava campina, colher as flores do mato
Só desejava um espelho de vidro prá se mirar
Só desejava do sol calor para bem viver
Só desejava o luar de prata prá repousar
Só desejava o amor dos homens prá bem amar
Só desejava o amor dos homens prá bem amar

No baile real levei a tua alegre menina
Vestida de realeza, com princesas conversou
Com doutores praticou, dançou a dança faceira
Bebeu o vinho mais caro, mordeu fruta estrangeira
Entrou nos braços do rei, rainha mais verdadeira
Entrou nos braços do rei, rainha a mais verdadeira..

Bom dia Mister Eco!

Bom dia Mister Eco – Eco, eco, eco, eco
Como vai do reumatismo – tismo, tismo, tismo, tismo
Estás apaixonado – nado, nado, nado, nado
Ou é só estrabismo – bismo, bismo, bismo, bismo

Vou contar a sua história – tória, tória, tória, tória
História de amor – amor, amor, amor, amor
Da mulher que mais adora – dora, dora, dora, dora
E por quem se suicidou – cidou, cidou, cidou, cidou

Mister Eco deu um grito – grito, grito, grito, grito
e o eco não respondeu – pondeu, pondeu, pondeu, pondeu
e ela muito triste – triste, triste, triste, triste
bebeu veneno e morreu – morreu, morreu, morreu, morreu

Mister Eco quando viu – viu, viu, viu, viu
Sentiu uma dor profunda – funda, funda, funda, funda
Ao vê-la ali na lousa – lousa, lousa, lousa, lousa
Tua bela moribunda. Ah, Ah, Ah,

Eh, sumiu i eco hein cumpadre.

Sinal Fechado 

– Olá! Como vai?
– Eu vou indo. E você, tudo bem?
– Tudo bem! Eu vou indo, correndo pegar meu lugar no futuro… E
você?
– Tudo bem! Eu vou indo, em busca de um sono tranqüilo…
Quem sabe?
– Quanto tempo!
– Pois é, quanto tempo!
– Me perdoe a pressa – é a alma dos nossos negócios!
– Qual, não tem de quê! Eu também só ando a cem!
– Quando é que você telefona? Precisamos nos ver por aí!
– Pra semana, prometo, talvez nos vejamos…Quem sabe?
– Quanto tempo!
– Pois é…quanto tempo!
– Tanta coisa que eu tinha a dizer, mas eu sumi na poeira das
ruas…
– Eu também tenho algo a dizer, mas me foge à lembrança!
– Por favor, telefone – Eu preciso beber alguma coisa,
rapidamente…
– Pra semana…
– O sinal…
– Eu procuro você…
– Vai abrir, vai abrir…
– Eu prometo, não esqueço, não esqueço…
– Por favor, não esqueça, não esqueça…
– Adeus!
– Adeus!
– Adeus!

Rosa 

Tu és, divina e graciosa
Estátua majestosa do amor
Por Deus esculturada
E formada com ardor
Da alma da mais linda flor
De mais ativo olor
Que na vida é preferida pelo beija-flor
Se Deus me fora tão clemente
Aqui nesse ambiente de luz
Formada numa tela deslumbrante e bela
Teu coração junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado sobre a rósea cruz
Do arfante peito seu

Tu és a forma ideal
Estátua magistral oh alma perenal
Do meu primeiro amor, sublime amor
Tu és de Deus a soberana flor
Tu és de Deus a criação
Que em todo coração sepultas um amor
O riso, a fé, a dor
Em sândalos olentes cheios de sabor
Em vozes tão dolentes como um sonho em flor
És láctea estrela
És mãe da realeza
És tudo enfim que tem de belo
Em todo resplendor da santa natureza

Perdão, se ouso confessar-te
Eu hei de sempre amar-te
Oh flor meu peito não resiste
Oh meu Deus o quanto é triste
A incerteza de um amor
Que mais me faz penar em esperar
Em conduzir-te um dia
Ao pé do altar
Jurar, aos pés do onipotente
Em preces comoventes de dor
E receber a unção da tua gratidão
Depois de remir meus desejos
Em nuvens de beijos
Hei de envolver-te até meu padecer
De todo fenecer

E é assim, ao som de Trenzinho Caipira que o Café Brasil que contou com meus amigos Alaor Coutinho e Beto Hora, vai embora.

Espero que você tenha se divertido como eu me diverti aqui!

Com Lalá Moreira rindo de montão na técnica, Ciça Camargo rolando de rir na produção e eu, Luciano Pires na direção e apresentação.

Estiveram conosco hoje: Paulinho da Viola, Chico Buarque, Fagner, Egberto Gismonti com Trenzinho caipira, Orlando Silva, Marisa Monte, Alvarenga e Ranchinho, Djavan, Guzzi, Dori Caymmi e um time de humoristas que fizeram a história deste Brasil. E claro,o Beto Hora e o Alaor.

As referências que aparecem neste programa você encontra no Portal Café Brasil.

Quer mais? Visite www.portalcafebrasil.com.br

E pra terminar, eu escolhi a dedo, uma frase de Charlie Chaplin, que um dia disse assim:

Um dia sem risada é um dia desperdiçado.

[/showhide]