Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

020 – Deleite

020 – Deleite

Luciano Pires -
Gratuito!
17 MB

Neste programa, Luciano Pires fala da importância de divertir-se enquanto você executa suas obrigações. Mas mais que divertir-se, o segredo é deleitar-se. O tema do programa é o deleite, que quer dizer gozo íntimo e suave, prazer inteiro, pleno. E o deleite contagia! O programa tem também a Oração ao Tempo de Inajá Adlin e uma reflexão sobre a história de nossas vidas nos últimos cinqüenta anos. Crise após crise… Na trilha sonora, uma salada com Odair José, Lobão, Elis Regina, Ceumar e Demônios da Garoa com Benito de Paula. Só aqui, né?

Bom dia, boa tarde e boa noite! Bem-vindo a mais um Café Brasil, um programinha feito com muito carinho.

Eu quero que você se divirta e reflita. E o programa de hoje começa com Zé da Luz, poeta paraibano que morreu em 1965 e seu poema: Ai Se Sesse.

Se um dia nóis se gostasse
Se um dia nóis se queresse
Se nóis dois se empareasse
Se juntinho nóis dois vivesse
Se juntinho nóis dois morasse
Se juntinho nóis dois drumisse
Se juntinho nóis dois morresse
Se pro céu nóis subisse
Mas porém se acontecesse que São Pedro não abrisse
as portas do céu e fosse te dizer quarqué tolice
E se eu me arriminasse
E se tu insistisse
Pra que eu me arresorvesse e a minha faca puxasse
E o buxo do céu furasse
Tarveiz que nóis dois ficasse
Tarveiz que nóis dois caísse
E o céu furado arriasse
E as virgem toda fugisse

Quando terminei uma de minhas palestras uma garota me surpreendeu com uma frase: “Luciano, sabe o que eu mais gostei na sua palestra? Foi perceber que você estava se divertindo”. Acho que esse foi um dos maiores elogios que eu recebi. Se ela percebeu que eu me divertia, a palestra foi um sucesso, pelo menos para ela. Você já vivenciou isso hein? Quando está lidando com uma pessoa que parece estar se divertindo com o que faz?

Olha uma criança brincando por exemplo, repare no nível de concentração dela, na entrega total àquele mundo por ela criado, não é de dar inveja? Pois aprendi a prestar muita atenção nisso e até algum tempo atrás eu usava essa expressão divertindo-se para tratar do assunto, até que tive a curiosidade de procurar um dicionário e descobrir que diversão quer dizer recreação, distração, entretenimento. O que não era bem o que eu pretendia dizer, eu parti então em busca da palavra perfeita e achei deleite. Deleite, que quer dizer, gozo íntimo e suave, prazer inteiro, pleno, delícia. Agora sim!

Felicidade (A noite mais linda do mundo)
Odair José

Vamos fazer dessa noite, a noite mais linda do mundo
Vamos viver nessa noite, a vida inteira num segundo
A felicidade não existe
O que existe na vida são momentos felizes

A gente pode ser feliz
Viver a vida sem sofrer e não pensar no que vai ser
não me pergunte se amanhã o nosso amor vai existir
não me perguntes pois não sei

Ah que felicidade
Mas que felicidade
Olha que felicidade

Olha só, esse é Odair José com seu grande sucesso “Felicidade”. Grande, sucesso popular, Odair José tinha habilidades de compor letras que retratavam a realidade do povão e era corajoso, fazia músicas com temas como prostituição, controle de natalidade, religião, sexo livre, drogas, homossexualismo, exclusão social e o cotidiano das empregadas domésticas e estourava de vender discos. Apesar da maioria da crítica dita séria, lhe rendera alcunhas pouco elogiosas como Bob Dylan da Central do Brasil, ou o terror das empregadas. Desde aquela época, formadores de opinião influentes como Caetano Veloso, já apontavam que ali estava mais do que um cafona iletrado.

Smpre que eu vejo um trabalho bem feito, que me passa um algo mais via intuição, uma sensação boa, eu concluo que alguém ali andou se deleitando, alguém ali andou tendo prazer e acredite, esse deleite é contagiante. Ele passa pra gente pelo brilho nos olhos, pela empolgação no falar, no gestual e mesmo que o interlocutor não esteja presente, funciona, é assim com as verdadeiras obras de arte. Sabe aquele quadro que você observa e sente que algo te toca? Aquela melodia que te emociona? Aquele poema que te massageia a alma, aquele texto que te faz refletir, pois é, fique certo que alguém andou se deleitando enquanto produzia aquilo e você foi contagiado, percebeu? Então fica assim, eu desejo é que você deleite-se no trabalho, nos estudos, no lazer e que você seja rodeado por gente que se deleita também. Esse é meu objetivo pessoal, não quero fama, sucesso, dinheiro, saúde ou qualidade de vida, eu quero deleite, todo o resto é consequência. E por falar em deleite, que tal uma pausa para os nossos comerciais hein?

Com o patrocínio de Leite Mocóca, você ouve o Café Brasil.

Observe bem quando você está lidando com uma pessoa que está se deleitando com o que faz, veja como isso contagia e quando se perceber contagiado, dê uma observada nessa pessoa, veja se ela está mal humorada, azeda ou preocupada, veja se ela está séria ou serena, talvez você descubra que Oscar Wilde estava certo quando escreveu que a seriedade é o único refúgio dos medíocres, parece fácil mas não é não viu? Você está se deleitando com o que faz? Deleita-se acompanhando o auditor da ISSO 9000? Atendendo a uma reclamação do cliente? Servindo como caixa no supermercado? Reunindo-se para discutir aquele problema? Ouvindo rádio enquanto dirige? Corrigindo as provas de seus alunos? Atendendo a solicitações de seus eleitores? Lidando com aquele chefe idiota? Problemas, problemas e mais problemas. Como deleitar-se em situações como essas hein?

Primeiro reflita, você provavelmente descobrirá que naqueles momentos em que a última coisa que existe é o deleite, o seu corpo está num lugar e a cabeça no outro. Seu corpo está onde a responsabilidade exige e a cabeça onde você gostaria de estar, esses lugares raramente são os mesmos. É meu caro, minha cara, não é fácil não, temos contas para pagar né? E para isso temos que aturar o chefe, a atividade que não gostamos e aquilo que o destino nos reservou, mas será hein? O deleite exige escolhas e a primeira delas é simples, você quer sofrer ou deleitar-se? Comece escolhendo. Se você escolher o deleitar-se, faça alguma coisa a respeito, mexa-se, procure, agite, saia do marasmo e do conformismo, diga às pessoas o que você gostaria de fazer, não deixe a vida te levar, leve a vida você.

A vida é dura
Michael Sullivan
Paulo Massadas

Conheço um cara que só fala em se dar bem
Mas sempre dá mancada
Vive dizendo que cansou de ver o jogo da arquibancada
Mas, quando ele quer a bolo, toda vez entra de sola
Sempre cheio de armação e cria muita confusão
Parece até que sabe tudo, mas, no fundo, ele não sabe nada

Meu Deus! Esse rapaz só deixa furo e não se manca
E nunca perde a esperança
Remexe, mexe, mexe por aí, entra na dança
Passando o conto e não se cansa
Inventa sempre um plano infalível o tempo inteiro
Só pensa em rios de dinheiro
Mas, quando chega a hora de fazer o que ele quer
É com a mesada da mulher

A vida é dura e tá difícil se virar e segurar a barra
Ele tem charme e sabe o jeito de agradar e de ganhar na marra
Por trás daquele cidadão há um tremendo gavião
Armou em cima de alguém e acabou se dando bem
Outras pessoas é que têm o seu valor e ele leva a fama

Meu Deus! Esse rapaz só deixa furo e não se manca
E nunca perde a esperança
Remexe, mexe, mexe por aí, entra na dança
Passando o conto e não se cansa
Inventa sempre um plano infalível o tempo inteiro
Só pensa em rios de dinheiro
Mas, quando chega a hora de fazer o que ele quer
É com a mesada da mulher

Cuais cuais cuais quali cus cuais, que delícia, você está ouvindo “A Vida é Dura” com os Demônios da Garoa, que são fantásticos e a participação especial de Benito Di Paula que é ótimo, se os pagodes que infestam as rádios do Brasil fossem assim…

Só podia ser a melô do político, e daí hein? Você tem gostado do nosso programinha, o Café Brasil? Quer mais hein? Então visite o site: www.lucianopires.com.br , cadastre-se nele e passe a receber os meus artigos de sextas feiras, conheça também um monte de gente interessada em discutir as causas do emburrecimento do Brasil, ouça música popular brasileira de primeira: www.lucianopires.com.br , um sitezinho feito com muito carinho, que nem este nosso cafezinho. www.lucianopires.com.br.

E agora um presentinho, um texto extraído do livro “Para uma Pessoa Bonita”, de autoria de Shundo Aoyama Rôshi, Abadessa do Tocobetsui, do Mosteiro de Aichi no Japão.

“Todos os dias, em todos os momentos, as pessoas caminham sem se dar conta de que revelam no rosto e no corpo, tudo aquilo que já viveram. Tal desnudamento pode ser embaraçoso e até mesmo assustador. Desde o nosso nascimento, tudo o que pensamos e falamos, todas as nossas ações e intenções, tudo isso molda o nosso corpo, nossa mente, nosso ser, basta um simples olhar e toda a nossa caminhada, etapa por etapa nitidamente se revela para aqueles que sabem ver. Depois dos 40 anos de idade somos responsáveis por nosso rosto. De fato, é por volta dos 40 anos que a face e o corpo esculpidos lentamente desde o nascimento, por cinzéis invisíveis, revelam o que nem roupas nem maquiagem podem esconder. O professor Aiso Yaichi escreveu certa vez a um conhecido: ‘meu caro amigo, em cada circunstância, agindo e pensando com tranquilidade, atenção e o coração em paz, espero me tornar uma pessoa bonita’. São palavras comoventes, também eu desejo ardentemente envelhecer desse modo.”

Tempo rei
Gilberto Gil

Não me iludo
Tudo permanecerá do jeito
Que tem sido
Transcorrendo, transformando
Tempo e espaço navegando todos os sentidos

Pães de Açúcar, Corcovados
Fustigados pela chuva e pelo eterno vento
Água mole, pedra dura
Tanto bate que não restará nem pensamento

Tempo rei, ó tempo rei, ó tempo rei
Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó Pai, o que eu ainda não não sei
Mãe Senhora do Perpétuo socorrei

Pensamento, mesmo fundamento singular
Do ser humano, de um momento para o outro
Poderá não mais fundar nem gregos nem baianos

Mães zelosas, pais corujas
Vejam como as águas de repente ficam sujas
Não se iludam, não me iludo
Tudo agora mesmo pode estar por um segundo

Tempo rei, ó tempo rei, ó tempo rei
Transformai as velhas formas do viver
Ensinai-me, ó Pai, o que eu ainda não sei
Mãe Senhora do Perpétuo socorrei

Que bonito né? Esse é o Lobão, cantando “Tempo Rei”, de Gilberto Gil. Lobão tem sido uma resistência à sanha comercial das grandes gravadoras, botando a cara pra bater, buscando caminhos alternativos, mas parece que anda cansado de lutar, sua música é instigante, mas ele tem tantos inimigos entre os pocotós que só toca em rádio aquilo que ele produziu nos anos 70 e 80. Lobão, o Gilberto Gil, no seu Café Brasil.

Tempo, tempo, tempo. Ouça essa poesia de Inajá Adlin, chamada “Tempo”:

“Tempo, momentos e instantes, passando rapidamente
E não percebemos, passamos juntos
Tempo, dá-me tempo para que eu tenha tempo
De dar tempo ao tempo que eu tenho no tempo
Tempo da existência, existência do tempo
Tempo de pensar e não pensar no tempo
Tempo de sabedoria e a sabedoria do tempo
Tempo de ser e o ser do tempo
Tempo de viver e não viver no tempo e do tempo
Viver de acordo com o tempo
Viver respeitando o tempo
O tempo é do tempo e o tempo não tem tempo
O imaginário é contínuo, concebido do inconcebido
Meu Deus, ensina-me a contar o tempo para que eu tenha um coração sensato”

Ondequé
Sérgio Pererê

Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê que eu vô lá
Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê corro lá

A ave de noite vagueia
Procurando encontrar
Uma estrelha que clareia
Para me iluminar

Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê que eu vô lá
Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê corro lá

Eu já to véio e cansado
E já ñ aguento mais
Ai menino encantado
Eu venho lhe pedir a paz

Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê que eu vô lá
Onde qué menino
Onde qué menino
Cadê corro lá

Opa! Coisa nova, coisa fina no Café Brasil, você tá onvindo “Ondequé”, composição de Sérgio Pererê cantada por Ceumar, a gravação está no CD “Sempre Viva”, todos os arranjos foram feitos por ela, Ceumar, que tem uma turminha da pesada, dando uma força. Gente como Zeca Baleiro e Chico César, por exemplo. Ceumar é mineira, tem uma voz deliciosa, mas não toca na rádio né? Pois aqui toca, Ceumar, no seu Café Brasil.

Nasci no dia 25 de junho de 1956, 50 e um pouco de anos atrás, o Brasil estava em estado de sítio e para piorar eu nasci corintiano, levei mais de 20 anos pra ver meu time ganhar um título. Em 59, os militares tentaram derrubar JK, em 61, Jânio tomou um porre e renunciou, em 62 a crise dos mísseis em Cuba quase descamba numa guerra nuclear, em 64 o golpe militar, a revolução que impôs ao país duas décadas de ditadura, em 68 vem o AI5, o ato institucional que acaba de vez com os direitos individuais, em 69 tivemos o auge da guerrilha urbana, assustando a todos com os roubos, sequestros e assassinatos. Em 72 tem início a guerrilha do Araguaia, que acontece longe dos nossos olhos, mas acontece. Em 73 vem a crise do petróleo que muda de vez a história da humanidade, em 75, Wladmir Herzog morreu torturado nos porões da repressão e o regime militar começou a balançar. Em 77 o presidente Geisel fechou o congresso e quem é que se lembra disso hein? Em 78 aconteceram as greves do ABC com os metalúrgicos se mobilizando. Surgiu o LULA. Em 81 a bomba do Riocentro gerou um escândalo que prenunciou o fim do regime militar. Em 84 o povo vai às ruas pelas Diretas Já, que não são aprovadas pelo congresso. Em 85, finalmente a volta, ainda meia boca, da Democracia. Tancredo Neves é eleito presidente e morre. Entre 80 e 94 vivemos uma superinflação crônica, uma moratória externa, um confisco monetário, duas recessões, dois colapsos cambiais, 5 planos econômicos, 6 moedas e uma quase moeda. O Brasil teve 11 ministros da economia e 14 presidentes do Banco Central e tivemos também o plano cruzado, as eleições diretas, o plano Collor e aquela tungada no nosso dinheiro. Tivemos o impeachment, o plano real, as crises asiáticas e russa, o apagão, a eleição de Lula, o mensalão, a crise da aviação, muito prazer, essa é a história da minha vida.

E olhando para a história da minha vida eu me pergunto como será viver num país sem crise hein? Eu não sei. Desde que eu nasci eu vivo de crise em crise, nunca vi o Brasil com paz de espírito, sempre enrolado, atrapalhado, desorientado, enganado, roubado, ameaçado. Cara, como é difícil ser brasileiro com 50 anos. Fui falar com meu pai para perguntar como era antes eele me veio com as histórias da guerra, muito bem, eu tô feliz, cheguei aos 50 anos melhor do que meu pai e meu avô chegaram, com uma aparência mais jovem, mais viajado, mais estudado e meus filhos, que estão melhores do que eu estava na idade deles, provavelmente estarão melhores do que eu estou hoje quando chegarem aos 50. Sou um privilegiado. E para melhorar, ainda me deleito com o que faço. Neste momento, conversando com você, tenha a certeza de que eu estou me divertindo, me deleitando. Tem gente que acha que eu sou um sortudo, eu sou sim, isso me lembra a frase de Thomas Jefferson: “Creio bastante na sorte e tenho constatado que quanto mais eu trabalho mais sorte tenho.”

Dá sorte
Eleu Salvador

Dá sorte fazer o que eu digo,
Dá sorte querer seu amor,
Dá sorte cantar comigo!

Cante então, a canção,
Que eu fiz para ser feliz

Cante então, a canção,
Que eu fiz para ser feliz

Creio no supremo poder,
Gosto, de quem gosta de mim,
Serei tudo que quero ser

Sou feliz,
Tenho alguém, que me quer
Que eu quero, vem!

Sou feliz…

Pois é, é assim ao som inacreditável de Elis Regina, em 1961, interpretando “Dá Sorte”, de Eleu Salvador, que terminamos o Café Brasil de hoje. Fala a verdade, nem parece a Elis né?

Com Rodrigo Carraro na Técnica, Sérgio Sá na direção musical e produção e apresentação de eu, Luciano Pires.

No nosso cafezinho de hoje estiveram presentes Zé da Luz, Odair José, Demônios da Garoa com Benito Di Paula, Lobão, Inaja Adlin, Ceumar e Elis Regina. É mole hein? Gostou? Não gostou hein? Quer gravar no seu computador para ouvir de novo? Acesse então www.lucianopires.com.br ou deixe a sua mensagem no telefone operadora 11 4195-6343, eu vou repetir: operadora 11 4195-6343.

E para terminar uma frase daquelas do Barão de Itararé:

“Adolescência é a idade em que o garoto se recusa acreditar que um dia ficará chato como o pai”.