Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro

Café Brasil 621 – Orgulho de Ser Brasileiro

Luciano Pires -

Em junho de 2018 realizamos o II Sarau Café Brasil, desta vez convidando o jornalista e cineasta Adalberto Piotto para exibir o seu filme Orgulho de ser brasileiro e, na sequência, participar de um bate-papo com a plateia. No programa de hoje reproduzimos a gravação do evento.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Marcos Schneider, que está na Austrália.

“Luciano. Bom dia, boa tarde, boa noite. Cara! Não posso deixar de fazer um comentário a respeito sobre os jogos olímpicos que na cerimônia de abertura…. pô, achei sensacional,  maravilhoso o negócio assim… bem organizado, muito bonito e daí, cara! Numa parte lá, eu fiquei meio chocado, não sei se você teve a mesma impressão que eu assim… o cara me bota uma música lá do funk do Rio de Janeiro, ah! Eu só quero é ser feliz, sambar tranquilamente na favela onde nasci.

E daí, escutando essa música assim, daí eu me toquei de uma coisa: cara, o brasileiro, ele tem orgulho de ser pobre, cara! Pra você ver o que que esse governo e os governos anteriores conseguiram. Deixar de… deixar pra gente essa coisa toda, sabe? Essa pobreza toda. Os caras são felizes pobres! Entendeu? Então, pô cara! Eu não consigo entender esse tipo de coisa. Como é que um governo cara, que deixa esse povo ficar burro,  ficar pobre, ficar…. e eles acham que eles são feliz ainda, sabe. Não tem… os caras não tem escola, não tem hospital, não tem saúde, não tem nada. E eles continuam felizes……… eu fico me perguntando….

Hoje eu moro no exterior, moro na Austrália, na Gold Coast, moro ha seis anos  aqui e cara, que paradoxo isso, né? Que coisa mais louca isso. E aqui os caras, eles ligam pra tua casa pra te dar trabalho. Como aconteceu com uma senhora outro dia que a gente conhece aqui, ela é de origem chilena, que o governo ligou pra casa dela oferecendo trabalho, emprego, entendeu? E que ela poderia ir numa loja comprar roupa pra ela e que o governo estava pagando curso pra ela fazer, pra ela poder entrar no mercado de trabalho. 

E daí, eu me pergunto: como é que pode, cara. E outra coisa: e tu for comparar assim Brasil, Austrália, cara, a gente tem dez vezes mais recurso que esses cara aqui. E os cara, o que eles tem de mais forte aqui é a educação. É louco. É uma coisa muito louca.  E outra: e tem o prazer de pagar meu tax. Tem o prazer de pagar imposto aqui. É fantástico. Tem tudo. Tem tudo. Tudo. Tudo que tu possa imaginar, a gente tem aqui. Polícia, educação de graça pros meus filhos, eu não pago nada. A gente é cidadão já, aqui, tenho dois filhos e o governo ainda, dependendo da tua renda, ele te ajuda ainda. Ele te ajuda. A cada quinze dias, é fantástico. 

Cara! A gente vive aqui muito feliz e … só que vendo essas notícias do Brasil aí, vendo essa abertura… cara, foi sensacional mas, não precisava demonstrar que a gente tem essa pobreza  no corpo, né? Muito louco! 

Mas cara: muito obrigado, meu nome é Marcos Schneider, desculpa não me apresentar antes e pô, tô comendo teus audiobooks aqui, fantástico. Maravilha ter os podcasts, quer dizer, maravilha, muito bom, cara. Obrigado. Obrigado por abrir a nossa cabeça, aí. E olhar pras coisas com um olhar mais crítico. Brigadão. Valeu!”

Grande Marcos. Olha! Esse comentário é de 2016 e ficou guardadinho aqui para ser aproveitado. Cai como uma luva para este programa, especialmente por essa posição do Marcos que, exposto a uma realidade com muito muito menos potencial que a nossa, não se conforma de ver quanto poderíamos ter já evoluído. Por isso temos de continuar tentando…

Muito bem. O Marcos, se mandar um endereço aqui no Brasil, receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino.

Quem distribui os produtos Prudence é a DKT, que pratica o marketing social. Boa parte de seus lucros é destinada para ações em regiões pobres em todo o mundo, para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  Cada vez que você compra um produto Prudence, está contribuindo para salvar vidas. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então! Ih! Hoje eu estou sozinho, cara! Então é assim, ó:

Na hora do amor, use o que? Você já sabe: Prudence.

Hora do Café Brasil Premium, a nossa “Netflix do Conhecimento”. Os assinantes receberam convite para participar, ao vivo, do II Sarau Café Brasil. Sessenta deles estiveram presentes, e adoraram a oportunidade, cara. Pois é. Mas isso é só um pedacinho do que os assinantes recebem a cada mês. Meu, o que é que você está esperando? Assine!

cafebrasilpremium.com.br.

Conteúdo extra-forte.

Muito bem. O II Sarau foi realizado na WeWork Faria Lima, um ambienta fantástico de cowork, que tem como missão ajudar a criar um mundo onde você pode ter uma vida e não apenas um trabalho, cara. Eles entraram como parceiros cedendo o espaço e assim pudemos realizar um evento redondinho. Lembrando que o evento começou com a projeção do filme ORGULHO DE SER BRASILEIRO, que você pode encontrar na Amazon e que já andou pela NetFlix e vira e mexe aparece por aí. Olha! Vale muito assistir o filme. Adiante você ouvirá um pedacinho do trailer. Depois o bate papo com o Piotto.

Vamos nessa, hein?

(Como em todas as edições especiais, não teremos a íntegra do texto)

Muito bem, foi isso 0 Segundo Sarau. Mas saiba que o evento durou cinco horas, cara. Você ouviu apenas a hora do debate, não assistiu o filme nem participou dos momentos de interação entre os assinantes, que é a parte do calor humano, até com comidinhas e um choppinho, cara!

Fique esperto que vem aí o Sarau III, viu?

E é assim, ao som de SARAU NO PARQUE, com o Duofel, que vamos saindo já de olho no próximo.

Com o sempre inspirado Lalá Moreira na técnica, a revolucionária Ciça Camargo na produção e eu, que de sarau em sarau vou despocotizando o Brasil, Luciano Pires na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Marcos Schneider, Adalberto Piotto, alguns Confrades do Café Brasil Premium e o Duofel.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais, especialmente se você assinar o cafebrasilpremium.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Pra terminar, uma frase de Adalberto Piotto

Eu tenho motivos de olhar, porque muita gente está tentando fazer o país dar certo no que ele tem de errado hoje. E tem mais gente tentando fazer o país dar certo no que ele tem de errado, do que gente tentando elevar os erros a uma potência que faria de nós um país menos importante do que nós temos conseguido chegar ou ao ponto que conseguimos chegar. Eu, necessariamente, tenho orgulho de tentar. Eu acho que eu sou a geração, eu faço parte da geração que tem que fundar a sociedade brasileira.