Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

632 – A era da inveja

632 – A era da inveja

Luciano Pires -
Download do Programa

Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou que dos quatro mais predominantes traços de nossa personalidade, o Pessimismo, o Otimismo, a Inveja e a Confiança, a Inveja é a mais importante. Ah, mas eu não sou invejoso! Hummmm…. tem de ver isso, hein?.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Antes de começar o show, aquele recado de sempre: preparamos um resumo do roteiro deste programa com as principais ideias apresentadas para complementar as reflexões que o Café Brasil provoca. Baixe gratuitamente em portalcafebrasil.com.br/632.

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Alexandre Abreu

“Olá Luciano. Tudo bem? Bom dia,  boa tarde, boa noite, né? Aqui é o Alexandre Abreu de São Paulo, sou o rapaz lá do Linkedin, que indicou a Neide, né? E ouvindo pela segunda vez, não tem como não se emocionar com o relato dela. Eu vendo assim tudo isso, todos esses Líderescast, tantas vezes que eu chorei ou o LíderCast ou o podcast mesmo, a gente se emociona. Não tem uma pessoa que não tenha se emocionado com algum, tenha se envolvido, né? Isso é  muito fabuloso cara, porque isso desperta tanta coisa, é como você tem o costume de dizer, às vezes desliga o disjuntor, né? E faz assim: puff. 

Mas, muito mais do que isso Luciano, é a possibilidade de você trabalhar, vim trabalhando na vida de todas as pessoas como um grande semeador, né? E acho que todos nós somos isso, né? Às vezes a gente… você não muda ninguém, você não vai interferir com o que a pessoa faça ou deixe de fazer determinada coisa mas, a partir do momento que você se dispõe a semear alguma coisa, isso brota. Claro, depende do cuidado, mas brota. E dependendo das circunstâncias onde cai aquela semente, ela vai dar frutos maravilhosos, vai dar flores lindas, vai dar sombra, vai dar sim, coisas assim fabulosas que nem sempre esperamos. Quem é agricultor sabe o que tá plantando, né? Muitas das vezes você é um deles e você sabe, mas não tem dimensão do quanto que algumas coisas provocam. 

Me vi um pouco nesse sentido, quando eu lancei a pequena semente: vai lá, Luciano. Entrevista a Neide. E já conhecia o histórico dela, né? Um pouco, vamos falar assim. Depois, do LíderCast foi forte. E assim como outros. Não tem como. Você fez uma perfeita escolha, cara. colocar ela como o 100, não.. sim… pela permissão e possibilidade de outras pessoas estarem ouvindo, estarem vendo a possibilidade de que podemos fazer muita coisa. Podemos mudar aonde nós estamos. Não precisamos mudar o mundo, precisamos mudar aonde estamos. 

Enfim. Não quero delongar muito, vida longa ao Cafezinho, vida longa ao Café Premium, espero que fique esse áudio aí pra você, pra todos, se um dia puderem ouvir. Demorei, mas falei. Forte abraço. Tchau”

Grande Alexandre, primeiro, muito obrigado pela dica da Neide, viu? Aquele LíderCast, o 100 ele foi marcante, essa sua dica foi preciosa. A intenção do LíderCast é trazer histórias de gente como a gente para, como você mesmo disse, inspirar outras pessoas a fazer acontecer e mudar aqui onde estamos. É o contrário da inveja, que abordamos no programa hoje.

Olha. Eu vou aproveitar para dar uma dica: o WhatsApp complicou a distribuição do podcast Cafezinho, que estava indo muito bem naquela plataforma. Mais de 4000 assinantes, cara. Mas eles limitaram a distribuição por grupos, tá muito complicado seguir por lá., viu?Ficaremos apenas com a distribuição pelos feeds de podcasts, ok? A menos que a gente encontre uma alternativa. Avise a sua tia.

Muito bem. O Alexandre receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculinos.

Olha! Você já sabe que boa parte dos resultados da DKT vai para ações sociais de combate às doenças sexualmente transmissíveis e ao controle da natalidade. Então a gente agora começou a fazer mais. Pra cada produto PRUDENCE que você adquirir, a DKT doará um produto igual para uma das organizações sociais com as quais ela mantém acordos. Você tem que fazer assim, ó: mande uma foto com os produtos que você adquiriu para nosso whatsapp 11 96429 4746. Você entendeu que são os produtos Prudence. Aliás, a turma já está mandando. É um barato receber as fotinhos ali, né?Aguarde depois uma resposta com as informações sobre a entrega dos produtos. Assim, cada vez que você comprar um produto Prudence, estará contribuindo ainda mais para salvar vidas. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Luciano: Lalá, na hora do amor, eu uso muito Prudence!

Lalá: Putz… que inveja!

E o Café Brasil Premium, nossa “Netflix do Conhecimento”, continua na missão de ajudar as pessoas a ampliar seus repertórios e refinar sua capacidade de julgamento e tomada de decisão. Oferecemos um conteúdo de altíssima qualidade, numa espécie de MLA – Master Life Administration. Você duvida, hein? Então acesse bit.ly/CafeDeGraca e você poderá experimentar o Premium por um mês, sem pagar.

De novo: bit.ly/CafeDeGraca.

Faça uma degustação do cafebrasilpremium.com.br,

Conteúdo extra-forte.

Opa! É com o chorinho do Zé Feio, com o grupo Choro na Feira, que começo o programa de hoje com uma definição de inveja.

Um sentimento de descontentamento ou ressentimento despertado pelas posses, qualidades ou sorte de outra pessoa.

A inveja tem a ver com alguém ser mais que você, se dar melhor que você, possuir qualidades que você gostaria de ter. Você tem a impressão que está ficando para trás, e isso lhe deixa mal. É difícil de aceitar.

Os especialistas dizem que existem dois tipos de invejas: a inveja hostil e a depressiva.

A inveja depressiva aparece quando o sucesso de outra pessoa faz com que você se sinta mal sobre você e sua vida. Você se sente diminuído, perdido, derrotado… até mesmo humilhado. O sucesso do outro lhe afeta pessoalmente, reflete em você.

A inveja hostil surge quando você sente raiva e quer que a outra pessoa se dê mal. Você pode criticar o sucesso ou as qualidades pessoais da pessoa, dizer que foi pura sorte ou que aquele sucesso todo não é merecido. Ou então dizer que o sucesso foi roubado, manipulado. A inveja hostil é movida pelo ressentimento, o desejo de dar o troco…

Algumas pessoas identificam um outro tipo de inveja como a inveja benigna. É quando você tem uma admiração positiva pelas qualidades de outra pessoa. Eu tratei disso extensamente no Café Brasil 595 – A empatia positiva, que recomendo que, se você não ouviu meu, ouça!

A inveja é diferente de ciúme, por exemplo. No ciúme existe a preocupação que 0 seu parceiro ou parceira se sinta atraído ou atraída por outra pessoa. É uma ameaça a seus relacionamentos pessoais. Já a inveja é uma ameaça a a seu status, à sua percepção de sucesso.

Rubem Alves uma vez escreveu assim sobre a inveja:

Fernando Pessoa diz que a inveja “dá movimento aos olhos”. Olho de inveja não olha numa direção só. Lembre-se do que eu disse: que o olho onde se aninha o verme da inveja só gosta de ver coisas bonitas. Então é assim que acontece. Eu tenho um belo tomate crescendo no meu quintal. É certo que não há vermes dentro dele. Vai dar uma deliciosa salada. Mas antes, eu vou mostrar o meu tomate para meu vizinho… Um pouco de exibicionismo faz bem para o ego. Mas aí eu olho para o quintal do vizinho e ele também cultiva tomates. Vejo o tomate que cresce no tomateiro dele. Lindo! Vermelhíssimo, mais bonito que o meu. E é nesta hora que o verme entra no meu olho. Meus olhos se movimentam. Voltam-se para o meu tomate que era minha alegria e orgulho. Já não é mais. Eu vejo-o agora mirrado, pequeno murcho. E ele corresponde: apodrece repentinamente e cai… Perdi o prazer da minha salada.

Esse movimento dos olhos é a maldição da comparação. Quando eu comparo o meu ‘bom-bom-mesmo-mais-que-suficiente-para-me-fazer-feliz” com o “bom” maior do outro, fico infeliz. E o que antes me dava felicidade passa a me dar infelicidade. Com a comparação tem início a infelicidade humana. Isso acontece com tudo. Comparo minha casa, meu carro, minhas roupas, meu corpo, minha inteligência e até mesmo meu filho.

Frequentemente os filhos são vítimas no jogo de inveja de seus pais. Aquele meu filho, que é a minha alegria, delícia de criança, com um jeitinho só dele e que me encanta… Mas o filho do vizinho tira notas mais altas que o meu, é campeão de natação, é mais forte, mais alto e não é gordinho… Então, meu olho se movimenta e o verme se aninha. E se dá o mesmo com meu tomate: apodrece.

Viu só? Inveja vem do latim invidere que, segundo o dicionário Webster, quer dizer “olhar pelos cantos dos olhos”.

Não é fácil admitir quando temos inveja. É fácil admitir que estamos com ciúmes, com raiva, incomodados, tristes, ansiosos… mas a inveja carrega em si um sentimento de constrangimento, de vergonha, coisas difíceis de se admitir. Então preferimos fingir que está tudo bem. Ou nos mantemos longe de nossa fonte de inveja.

Vamos ouvir o que a Monja Cohen diz a respeito?

Nossos sentimentos podem nos dizer: é feio fazer isto. Você está com ciúmes. Que feio! Por que feio? Existe! Ah! Isso é inveja. É legal ter inveja. Não tem nada errado com a inveja. Apenas na hora que você reconhece, você transmuta. Não é? Eu posso dizer: que inveja do seu cabelo. Eu fico aqui pensando: tomara que o seu cabelo caia, que fique bem horroroso. Isso é inveja. Inveja não é dizer eu quero ter o seu cabelo. A inveja: eu quero destruir você que tem alguma coisa que me incomoda. Então eu quero que você acabe. Que você não tenha sucesso, que você fracasse. Que tudo que você for fazer… é um horror a inveja, né? Mas ela, de vez em quando aparece, a gente gosta de encobrir. O Leandro Karnal ele é  muito bom e diz isso, que a inveja é um pecado escondidinho. Que ninguém diz assim: eu sinto inveja. OS outros tem inveja de mim, mas eu não tenho inveja de ninguém, porque é feio ter inveja, né? 

Nos disseram na infância que era muito feio sentir inveja. O que é mais importante é perceber quando você sente. E você trabalhar isso. Ela tem cabelos lindos, mas eu escolhi raspar meus cabelos então eu tenho que voltar a isso. Que bonito! Vocês tem cabelos muito lindos, mas eu escolhi não ter cabelo. Então é minha escolha. Por que? Não posso invejar? Não posso ter raiva de quem em cabelo? Pelo contrário. Que bom que vocês tem cabelo, estão com a cabecinha protegida, evita resfriado. 

Tá vendo, hein? Nem eu nem o Lalá temos inveja desse teu cabelo aí não. Viu?

A inveja é natural e não é uma coisa sua. Ela é universal. Aliás, a história está repleta de casos de inveja que desembocaram inclusive em tragédias. Todo mundo sente inveja, em alguma escala. A questão é como a manifestamos….

A inveja é algo genético. Somos programados para sermos bem-sucedidos na batalha da vida. Queremos sucesso, queremos nos reproduzir. E quanto mais alto estamos na hierarquia social mais oportunidades temos de nos alimentar, de proteger aos nossos, te obter parceiros sexuais, de passar nossos genes para a próxima geração. São esses benefícios dos bem-sucedidos que causam inveja nos que não os têm.

O feio
Getulio Côrtes
Renato Barros

Mas que cara feio!
É. Mas está cheio de garotas, mora!

Vejam só, que tipo, que tipo
esquisito eu vi
Rapaz tão feio assim
Confesso, nesse mundo eu não conheci
Quando sorrindo está
Parece que um temporal vai desabar
Seu vasto narigão
Me lembra, me lembra um grande pimentão
Mas as garotas vivem por ele a suspirar
Todas elas querem com o feio namorar
E é cinqüenta e quatro, cinqüenta e quatro
O número do seu sapato
Ele é comprido e até
Parece, parece um toco quando está de pé
Careca e bem sisudo
Caramba, fala baixo e também é bicudo
Mas as garotas vivem por ele a suspirar
Todas elas querem com o feio namorar

Rarararara… Roberto Carlos agora, com O FEIO, de Getulio Côrtes e Renato Barros, no auge do Iêiêiê, lá em 1965!

Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano, publicada no jornal Science Advantages, (http://advances.sciencemag.org/content/2/8/e1600451) mostrou que a inveja é o primeiro de quatro dos mais predominantes traços da personalidade humana. São eles: o invejoso, o pessimista, o otimista e o confiante.

O otimista é aquele que acredita que ele e seu parceiro ou parceira farão as escolhas que forem igualmente benéficas para ambos. Os pessimistas são aqueles inclinados a escolher a opção menos má, entre dois males. Os confiantes são os que estão dispostos a cooperar e colaborar. E o maior grupo, com 30% das escolhas, são os invejosos, que tem como intenção serem melhores e ter mais que os outros, a qualquer custo.

Portanto, o primeiro passo para lutar contra a inveja é reconhecer quando você está com ela. E não adianta dizer “eu não tenho inveja”. Tem sim, isso é mais forte que você e, desde que não esteja direcionando ações para o mal, não tem problema. Ser imperfeito é sinônimo de ser humano.

Mas o mais importante é: não deixe que a inveja que toma conta de você seja imposta por terceiros. Essa é a inveja que é sempre do mal.

Então encontro o texto A ERA DA INVEJA, do sempre ótimo Rafael Rosset. Aqui vai um trecho.

Lalá, manda aí o Cacife Gold com Inveja.

Dentro de alguns anos antropólogos e historiadores conhecerão nossa época como a era da inveja.

Há uns dias li um artigo de um professor da Faculdade de Jornalismo da Casper Líbero em que ele defendia a regulamentação de um “salário máximo”, uma vez que já tínhamos um salário mínimo. Usando como exemplo os CEOs de alguns bancos, que ganham milhões de salário por mês, sugeria uma taxação de 100% acima de determinado valor, digamos 100 ou 150 vezes o salário mínimo vigente, como teto de remuneração para qualquer pessoa. Ou seja, o que o sujeito ganhasse acima disso seria simplesmente confiscado e redistribuído pelo Estado.

Por mais que me esforçasse, nunca consegui ver nenhuma imoralidade ou injustiça no fato de existirem pessoas muito ricas, ou que ganham mais do que eu. Primeiro, porque eu objetivamente não estou ficando mais pobre porque essas pessoas estão ficando mais ricas. A despeito do fato de a riqueza ser limitada, ela é continuamente criada, sem necessidade de tirar o que é do outro. Segundo, é evidente que filhos de banqueiros (pra ficar no exemplo dado) têm mais oportunidades de crescimento na vida, o que inclui estudo e capital, mas eu tenho mais estudo que Bill Gates, e comecei minha vida com mais capital do que Warren Buffett, e, no entanto, com a minha idade ambos já eram multibilionários. Tá cheio de gente com pós-doutorado vivendo com bolsa de R$ 4.100,00 da Capes, ao mesmo tempo em que Alexandre Tadeu da Costa concluiu o ensino médio, foi vendedor chocolates num Fusca 78 e hoje fatura mais de R$ 3 bilhões por ano com a Cacau Show. Ou seja, “oportunidade”, na vida, é um conceito relativo. Conta muito mais o que você faz com seu tempo e como você aproveita o que tem.

Bill Gates fundou uma empresa que emprega 93 mil pessoas e desenvolveu produtos que impulsionaram a produtividade global numa escala imensurável, e Alexandre Tadeu da Costa criou a maior chocolateria do mundo, através da qual pessoas de mais baixa renda têm acesso a um chocolate de melhor qualidade do que aquele que pode ser comprado em supermercados. Como é que EU vou determinar quanto essas pessoas deveriam ganhar? A única base moral para se defender algo assim é o ressentimento disfarçado de justiça social sob a forma de “redistribuição de renda”. (…) Para contrariar um fato natural e uma verdade universal, só uma ideologia bisonha pode forçar goela abaixo da multidão o contrassenso de que você poderia ter mais dinheiro no banco se Jeff Bezos (o sujeito que fundou a Amazon, filho de mãe solteira e adotado por um refugiado cubano) ganhasse menos dinheiro ou que você poderia se sentir menos feio caso colocassem um cosplay do Evo Morales pra fazer o papel do Superman.

O culto ao feio e ao medíocre é a vingança dos ressentidos e a desgraça do nosso tempo é que os ressentidos agora têm voz ativa e ocupam posições de poder. Talvez a nossa maior tarefa, como conservadores, seja justamente a de lembrar todo dia que a beleza existe, que virtude importa, que riqueza pode ser criada gerando valor para o próximo e que a sua felicidade, ou a falta dela, é problema seu e não da sociedade.

Cai o disjuntor

Por que sou tão feio?
The Bubbles

Por que eu sou tão…
Sou tão feio assim?
Dizem que no mundo,
Não existe igual a mim.

E nem com a plástica,
Eu me consertei.
Agora eu vou sair gritando…
Gritando por alguém.

Eu digo:
“hey! hey! por que eu sou tão feio?”
“hey! hey! por que eu sou tão feio?”
“hey! hey! por que eu sou tão feio?”

Isto é demais,
Eu sou tão só.
Não aguento!

Coloquei um anúncio…
Um anúncio pra casar.
Nem ligaram,
Sou mesmo de muito azar.

Mas mesmo assim eu nunca vou…
Nunca vou desistir.
E vou sair gritando…
Gritando por alguém.

Enfim parece que o meu dia…
O meu dia chegou.

E numa carta…
(numa carta bem perfumada ela chegou, hein?)
Mas quando abri, que decepção!
Vi que era de minha irmã

Mas continuo a sair
Gritando por alguém.

Rararararara… você ouvindo POR QUE SOU TÃO FEIO, com The Bubbles, banda brasileira da Jovem Guarda, que atuou entre 1965 e 1969. Essa aí é uma versão de “Get Off Of My Cloud” dos Rolling Stones e como aqui é o Café Brasil…

Get off of my cloud
Mick Jagger
Keith Richards

I live in an apartment on the ninety-ninth floor of my block
And I sit at home looking out the window
Imagining the world has stopped
Then in flies a guy who’s all dressed up like a Union Jack
And says, I’ve won five pounds if I have his kind of detergent pack

I say, hey (Hey)
You (You)
Get off of my cloud

Hey (Hey)
You (You)
Get off of my cloud

Don’t hang around ‘cause two’s a crowd
On my cloud, baby

The telephone is ringing
I say, “hi, it’s me, who is there on the line?”
A voice says, “hi, hello, how are you?”
Well, I guess I’m doin’ fine

He says, “it’s three a.m., there’s too much noise
Don’t you people ever wanna go to bed?
Just ‘cause you feel so good, do you have?
To drive me out of my head?”

Don’t hang around ‘cause two’s a crowd
On my cloud, baby

I was sick and tired, fed up with this
And decided to take a drive downtown
It was so very quiet and peaceful
There was nobody, not a soul around

I laid myself out, I was so tired
And I started to dream
In the morning the parking tickets were just
Like a flag stuck on my window screen

Don’t hang around ‘cause two’s a crowd
On my cloud, baby

Don’t hang around ‘cause two’s a crowd

Cai fora da minha nuvem

Eu moro num apartamento no 99º andar do meu bloco
E sento em casa olhando da janela,
Imaginando que o mundo parou
E então entra voando um cara vestido que nem a bandeira da Inglaterra
E diz que eu ganho cinco libras se eu tiver uma embalagem desse detergente

Eu digo, ei! (Ei!)
Você! (Você!)
Cai fora da minha nuvem

Ei! (Ei!)
Você! (Você!)
Cai fora da minha nuvem

Não chegue perto porque dois é multidão
Na minha nuvem, baby

O telefone está tocando
Eu disse: “Oi, sou eu. Quem está na linha?”
Uma voz diz: “Oi, alô, como vai você?”
Bem, acho que vou bem

Ele diz: “São três da manhã, está o maior barulho
Vocês aí não vão pra cama nunca?
Só porque você está se sentindo tão legal, você precisa?
Me deixar maluco?”

Não chegue perto porque dois é multidão
Na minha nuvem, baby

Eu estava cansado, de saco cheio disso
E decidi dar uma volta pelo centro
Estava tão quieto e na paz
Não tinha ninguém, nem uma alma por ali

Eu me deitei esticado, estava muito cansado
E comecei a sonhar
De manhã, as multas por estacionamento irregular eram
Tipo uma bandeira grudada no meu vidro

Não chegue perto porque dois é multidão
Na minha nuvem, baby

Pois então… lembrar todo dia que a beleza existe, que a virtude importa, que riqueza pode ser criada gerando valor para o próximo e que a sua felicidade ou a falta dela, é problema seu, não da sociedade. Isso derruba disjuntor de justiceiro social, não é? Que faz parte daquela turma que divide o mundo entre opressores e oprimidos e coloca a culpa de tudo na sociedade, jamais no indivíduo. Você conhece gente assim? Pô, eu conheço um monte… São os “coletores de injustiças”

Esse povo disfarça a inveja com uma conversa bonita de proteção dos oprimidos, como o Rosset coloca tão bem em seu texto. E acaba interferindo em nossas amizades, em nossos relacionamentos, em nosso trabalho, ao sair rotulando um e outro conforme seus interesses. Meu! Cuidado para não invejar por influência dos outros. Essa inveja não é sua. É deles…

Olha, a inveja pode ser um fator de motivação se você a usar de forma positiva, como eu disse no Café Brasil sobre a Empatia Positiva: conectar-se com os outros e compartilhar com eles as emoções positivas. Demonstrar alegria quando ele ou ela te contar que comprou um avião. Demonstrar simpatia quando ele ou ela contar que ganharam uma promoção. Demonstrar felicidade autêntica com as conquistas do outro.

É aquele momento em que transformamos a inveja em admiração genuína, e queremos imitar a fonte de nossa admiração. O que é que a outra pessoa fez que lhe deu aquela vantagem, hein?

Uma vez reconhecido o sentimento de inveja, vem a atitude de entender a razão. Tem inveja por quê, meu? Veja se você não caiu na tentação de reduzir o objeto da inveja a uma simplificação grosseira, perdendo a capacidade de perceber quem é a pessoa e como a vida dela deve ser. Talvez haja algo para ser aprendido ali! E, mais importante, o motivo de sua inveja também deve ter problemas, alguns até maiores que os seus…

Show das poderosas
Anitta

Prepara, que agora é a hora
Do show das poderosas
Que descem e rebolam
Afrontam as fogosas
Só as que incomodam
Expulsam as invejosas
Que ficam de cara quando toca
Prepara

Se não tá mais à vontade, sai por onde entrei
Quando começo a dançar, eu te enlouqueço, eu sei
Meu exército é pesado, e a gente tem poder
Ameaça coisas do tipo: Você!
Vai!

Solta o som, que é pra me ver dançando
Até você vai ficar babando
Para o baile pra me ver dançando
Chama atenção à toa
Perde a linha, fica louca

Solta o som, que é pra me ver dançando
Até você vai ficar babando
Para o baile pra me ver dançando
Chama atenção à toa
Perde a linha, fica louca

Prepara, que agora é a hora
Do show das poderosas
Que descem, rebolam
Afrontam as fogosas
Só as que incomodam
Expulsam as invejosas
Que ficam de cara quando toca
Prepara

Se não tá mais à vontade, sai por onde entrei
Quando começo a dançar, eu te enlouqueço, eu sei
Meu exército é pesado, e a gente tem poder
Ameaça coisas do tipo: Você!
Vai!

Solta o som, que é pra me ver dançando
Até você vai ficar babando
Para o baile pra me ver dançando
Chama atenção à toa
Perde a linha, fica louca

Solta o som, que é pra me ver dançando
Até você vai ficar babando
Para o baile pra me ver dançando
Chama atenção à toa
Perde a linha, fica louca
Fica louca
Fica louca
Prepara

É assim então, ao som de SHOW DAS PODEROSAS, aquele hino sobre a inveja imortalizado por Larissa de Macedo Machado, mais conhecida como Anitta, aqui com Pamela Lika, que vamos saindo energizados.

A inveja é normal, tê-la não faz de ninguém uma pessoa ruim. A questão é como você vai manifestá-la, o que fará com  a energia gerada por ela, como é que em vez de destruição, você a transformará em criação… Umas dicas eu já dei…

Com o mestre Lalá Moreira na técnica, a referência Ciça Camargo na produção e eu, que procuro só ter inveja boa, Luciano Pires na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Alexandre Abreu, a Monja Cohen, Rubem Alves, The Bubbles, os Rolling Stones, Choro na Feira, Rafael Rosset, Cacife Gold, Roberto Carlos e Pamela Lika.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais, especialmente para quem assina o cafebrasilpremium.com.br.

Você gostou do conteúdo do Café brasil? Já pensou ele ao vivo em sua empresa? Acesse lucianiopires.com.br e conheça minhas palestras. Quem assiste não esquece!

Para o resumo deste programa, acesse portalcafebrasil.com.br/632.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Pra terminar, uma frase do advogado e escritor inglês Willian Carew Hazlitt

A inveja é a mais universal das paixões.