Podcast Café Brasil com Luciano Pires
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

576 – Gratitude

576 – Gratitude

Luciano Pires -
Download do Programa

Gratitude vem do inglês e francês e significa que precisamos ter uma atitude grata e tornar isso um hábito em nossas vidas. Em estado de gratidão, atraímos coisas boas.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Olha! Sabe aquele amigo pentelho que não ouve podcast, que você quer mostrar as coisas e ele não quer ouvir cara, que saco! A gente fez o seguinte: nós fizemos alguns resumos dos conteúdos dos programas, desse aqui especificamente você pode baixar gratuitamente no portalcafebrasil.com.br/576. Baixe e mande pra esse pentelho aí, vai?

E quem vai levar o e-book Me engana que eu gosto é o Lúcio Flavio

“Boa noite Luciano, boa noite Ciça, Lalá, toda galera aí do Café Brasil. Meu nome é Lúcio Flavioaz , eu tenho 27 anos e faz só três meses que eu conheço o tal do podcast. Eu estava dentro de uma bolha, né meu? Pelo menos é assim que eu me via antes de conhecer esse universo incrível que é o podcast. É sensacional a forma como vocês cutucam nossa mente, sabe? Isso é muito bom, cara! Muito, muito bom pra nós.

Conheci o podcast através de um amigo, né? Eu terminei um relacionamento há exatamente três meses atrás e como todo término de relacionamento, a gente fica meio pra baixo, tal. E acabei encontrando com esse meu amigo na rua, num desses dias que eu estava bem zoadinho e ele me indicou a ouvir o podcast. Eu disse: por que não, né? Vamos conhecer aí. 

Comecei ouvindo o Mamilos, sou super fã das meninas, elas são demais naquilo que fazem. E aí comecei a filtrar um pouquinho, conheci outros podcasts até cair aí com vocês. E cara! Virei fãnzaço. Fãnzaço mesmo! Cheguei agora do trabalho falei: vamos colocar ali o Sr. Luciano pra falar um pouco, né? 

Acabei de ouvir aí o podcast sobre artistas de rua e meu! Obrigado. Obrigado de verdade, Luciano. Sério. Obrigado por nos fazer enxergar, em agradecer essas pessoas sensacionais que fazem aquilo que você também faz, tipo doam aquilo que tem de uma forma gratuita. Cara! É demais. É demais, demais, demais. Inspiração pra todos nós, viu? Sério. 

E como esse episódio falou sobre gratidão, eu fiquei meio que inquieto aqui, falei: pô cara! Vou ter que mandar alguma coisa ali, vai! Então, estou sendo muito grato. Muito, muito grato mesmo.

E até pra intercalar um pouquinho com o episódio, né? Eu fiz um textinho básico e queria compartilhar aí com vocês. Fala assim: 

A minh’alma? A minh’alma é livre demais pra pensar a possibilidade de se sentir presa. Prisão essa que só nos acorrenta mais ao desejo de liberdade, né gente? Taí, ó: liberdade. Liberdade é uma palavra que está na essência da humanidade, viu? Pois afinal já dizia aquele velho lendário: e vos dei o livre arbítrio. Meu! Se eu tenho o poder de escolha é porque, no mínimo, eu sou uma pessoa livre. 

Falando nisso: mãe. Eu não quero mais beijar meninas. Mãe. Eu quero me casar com aquele cara ali, ó. Não! Não é aquele cara que está andando de um lado pro outro da Paulista com aquela pasta embaixo dos seus braços e todo sabichão com aqueles grandes números e tal. Nossa! Não mesmo. Mãe: eu quero me casar com aquele cara que está sentado na calçada da Paulista e vendendo suas belas artes todo sabichão. Ah! mãe! Repara que ele não vende só suas belas miçangas ao grande homem. Ele vende algo muito mais do que isso: ele vende um pouco daquele desejo que nunca cessa do coração do grande homem. O desejo de liberdade. Ah não, mãe. Eu não digo que o cara que está sentado na calçada ele tem uma vida melhor ou pior do que a vida do todo sabichão. Mas, de uma coisa eu tenho certeza: que diante de toda essa informação de como devemos ser, como devemos nos comportar, de como devemos ganhar nosso dinheiro ele, diante de todo esse bombardeio, aquele cara não vive seguindo o roteiro. Assim mãe, eu sei que a senhora me compreende, pois afinal está me deixando com o melhor que um ser humano pode ter, né? A liberdade de escolher um amor. O amor à vida. E mais uma vez o grande lendário entra em cena gente! E só o amor vos libertará. Amem mais. 

Um abração aí pra todo mundo. Vida longa ao nosso cafezinho, Sr. Luciano.”

Eu é que agradeço, Lúcio, mas o livro também vai para mais gente…vai pro Matheus Monteiro, de Niterói.

“Meu Deus do céu! O que foi esse último episódio 569, Artista de rua! Cara! Eu tava na rua ouvindo isso, eu cheguei em casa faltavam dois, três minutos pra acabar. Cara! O sentimento de emoção, o coração batendo mais forte, agora estou no meio da minha sala parado, olhando pro nada assim, to refletindo assim: o que eu estou fazendo com a minha vida, sabe? E será que eu estou honrando a memória dos que já se foram? Caramba! Sensacional. 

Eu estou muito grato. Se a palavra de ordem nesse episódio foi gratidão, eu estou muito grato. Muito grato Luciano, Ciça, Lalá, todo mundo. De verdade. O fato… e eu tinha acabado de ouvir Pedra no lago, muito antigo, muito antigo, né? E agora faz muito sentido. Isso é o que eu quero fazer com a minha vida, que você Luciano faz com a sua vida,sabe? Caraca, como é que pode? A emoção conectou todo mundo, sabe? 

Cara! Uma grande loucura. Muito obrigado, Luciano. Muito obrigado de verdade. A palavra de ordem é gratidão. Um grande abraço pra você, abraço pra todo mundo. O fato de você ter saído da cadeira, ter saído do sofá e ter feito alguma coisa de útil, mudou a vida de muita gente, inclusive a minha. E eu só quero passar isso pra frente. Se alguém jogou pedra no lago antes, você jogou e eu quero continuar jogar, né? Sempre. Muito obrigado. Grande abraço.”

Pedrinhas no lago, Matheus… Olha. Como hoje estamos generosos, tem mais gente, viu? O Kleber.

“Meu nome é Kleber, atualmente moro em Cuiabá. Bom dia, boa tarde, boa noite. 

Acabei de ouvir o episódio 569. Eu tô chorando muito, cara! Eu não conhecia o William do Youtube, eu conheci um dia que eu fui engraxar meus sapatos no centro de São Paulo e ele estava tocando e eu fiquei muito impressionado exatamente por aquilo que você falou, ele tinha uma humildade, uma ingenuidade, na técnica, na voz, na guitarra, no som dele, que eu fiquei impressionado no primeiro acorde que ele fez. 

Eu assisti o show dele por uma hora e ouvi todas as músicas que ele tocou ali, babando. E eu esqueci de agradecer ele porque eu estava num dia muito difícil, aquele dia eu estava muito triste, eu estava com uma tristeza muito forte no peito e ele me tirou daquilo. Ele me tirou de tudo aquilo por uma hora e eu não agradeci ele porque… eu esqueci.  Saí tão bem dali que eu esqueci de agradecer ele, não comprei um CD, nada… e só vim saber da morte dele através do Café Brasil. 

Então, todas as pessoas que tenham que agradecer a alguém ou a alguma atitude, que agradeça, não perca uma oportunidade. Esse artista vai viver pra sempre na minha memória. 

E já que o assunto é gratidão, eu preciso te agradecer, Luciano, pelo belíssimo trabalho que você vem fazendo, muito obrigado. Muito obrigado mesmo por todo esse empenho. E vida longa ao Café Brasil.”

Grande Kleber… Pois é… o Lucio Flavio, o Matheus e o Kleber, cada um deles manifestando a emoção de ouvir um programa, uma história de um artista de rua e de agradecer pela inspiração. Eu fico fascinado, a gente nunca sabe como o programa vai atingir cada um… Obrigado aí pelas mensagens, pela coragem de manifestar sua emoção pela própria voz. Olha! E ainda por cima emocionado, bicho! Olha, não é todo mundo que consegue isso, não, viu? Muito  obrigado!

Muito bem. O Lucio, o Matheus e o Kleber receberão um KIT DKT cada um, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então! Lalá: a turma está toda agradecida hoje….

Na hora do amor, use Prudence.

Lalá – ela agradece

Luciano – quem disse que é ela?

E você agora tem um ambiente para mergulhar mais fundo em conteúdos para o crescimento pessoal e profissional: conheça o Café Brasil Premium, nossa “Netflix do Conhecimento”, repleta de sumários de livros, vídeos, podcasts, áudios… olha cara! Tem um monte de conteúdo lá. É uma festa para quem quer crescer. Acesse cafebrasilpremium.com.br, Conheça nossa proposta,  junte-se aos assinantes que já estão viajando por lá.

cafebrasilpremium.com.br

Conteúdo extra-forte.

Uma série que eu segui com entusiasmo, inclusive está na NetFlix, chama-se SPARTACUS. Tem um trabalho visual fantástico, é quase uma história em quadrinhos, personagens fascinantes, violência, ação, sexo… olha! Não é à toa foi um baita sucesso, viu? Ao longo da série me chamou atenção quando os personagens, especialmente a Lucretia, interpretada por uma deliciosa Lucy Lawless, agradecia algum favor recebido. Ela dizia: gratitude. E o que me intrigava era que nas legendas aparecia assim também: gratitude em vez de gratidão.

Imaginei que seria algum recurso para situar a série na época em que se passa, mas fiquei com aquilo na cabeça: gratitude ou gratidão? E fiz aquilo que sempre faço, fui pesquisar.

Gratitude, lá no inglês e no francês significa “a qualidade de ser grato, prontidão para demonstrar apreciação e para retornar uma gentileza”. Milênios atrás, o filósofo Cícero proclamou que a gratitude era a mãe de todas as virtudes. Para outro filósofo, Sêneca, a gratitude era o impulsionador motivacional crítico para construir relações interpessoais.

Eu achei aquilo bonitinho: gratitude. Especialmente na boca da Lucy Lawless….

Mas vamos usar então aquilo que já temos em nosso idioma aqui ó: a gratidão.

Muito obrigado
Djavan

Obrigado por tudo quanto
Você me fez por nada
Por nada se mata
E morre de amor
Não quero parecer com nada
No mundo porque

Apesar da entranha ferida
Donde eu saí pro nada
Do nada também se nasce
Uma flor com todo seu poder
De coloração e magia

Tudo isso é uma questão de saber
Saber viver
Tudo isso é uma questão de amar
Pra entender
Tudo isso é uma questão de querer
Reconhecer
Que quem sabe tudo
nada há de ser, nesse compasso
Há espaço pra quem quiser viver

Muito obrigado
Muito obrigado
Por tudo que eu tenho passado

Uau cara…Leny Andrade no Café Brasil! Com MUITO OBRIGADO, do Djavan. Cara, Leny Andrade, se ela fosse norte americana estava lá no altar do jazz. Aqui no Brasil, quase ninguém mais conhece….

Muito bem… a gratidão anda de mãos dadas com a generosidade. Quando um ouvinte me manda uma mensagem de voz como as que você ouviu neste programa, manifestando emoção genuína, até mesmo chorando, a primeira coisa que vem à minha cabeça é: cara, quanta generosidade. Abrir o coração, expor seus sentimentos apenas para dizer “muito obrigado” não é para qualquer um não viu? Tem de ter ge-ne-ro-si-da-de.

Pequenos atos de generosidade então podem ser o movimento de partida para uma espiral de coisas boas.

Os benefícios pessoais e interpessoais da gratidão ocorrem tanto em nível psicológico como neurobiológico. É verdade, meu. Gratidão faz bem pra saúde!

Após lançar seu filme A Lista de Schindler em 1993, Steven Spielberg fundou a Shoah Foundation na University of Southern California, a USC, uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo gravar em vídeo os testemunhos de sobreviventes e testemunhas do holocausto e outros genocídios. O objetivo é manter um arquivo para estudo, que ajude a evitar que tragédias como aquelas ocorram novamente.

Glenn Fox, do Instituto do Cérebro e da Criatividade da USC, fez uma parceria com a Shoah Foundation para estudar a questão da gratidão. Estudando as histórias dos sobreviventes, encontraram diversos casos de pessoas que receberam ajuda, abrigo, alimentos de outras pessoas. O resultado da pesquisa revelou que diversas classificações de gratidão se correlacionavam com áreas do córtex cerebral. Quando o cérebro tinha sentimentos de gratidão, ativava áreas responsáveis por sentimentos de recompensa, cognição moral, julgamentos subjetivos, justiça, tomada de decisão econômica e outros.

Os sobreviventes contavam que cada pequeno ato de generosidade que recebiam, os ajudava a reencontrar sua humanidade.

A gratidão é uma espécie de prêmio para a generosidade e mantém o ciclo do comportamento social saudável. Generosidade e gratidão funcionam em conjunto, de forma a beneficiar tanto quem dá como quem recebe.

Agradecer e abraçar
Vevé Calazans
Gerônimo

Abraçei o mar na lua cheia
Abraçei o mar
Abraçei o mar na lua cheia
Abraçei o mar
Escolhi melhor os pensamentos, pensei
Abraçei o mar
É festa no céu é lua cheia, sonhei
Abraçei o mar
E na hora marcada
Dona alvorada chegou para se banhar
E nada pediu, cantou pra o mar (e nada pediu)
Conversou com mar (e nada pediu)
E o dia sorriu…
Uma dúzia de rosas, cheiro de alfazema
Presente eu fui levar
E nada pedi, entreguei ao mar (e nada pedi)
Me molhei no mar (e nada pedi) só agradeci

Uia, que legal cara… Fabiana Cozza, que canta as raízes do Brasil que é uma delícia cara, com AGRADECER E ABRAÇAR, composta pelo mestre da música afro-baiana Vevé Calazans em parceria com Gerônimo. É uma canção de louvor ao mar com trechos em yorubá de cânticos entoados em terreiros de candomblé. “… e nada pedi, entreguei ao mar (e nada pedi), me molhei no mar (e nada pedi) só agradeci…”

Afinal, você prefere dar ou receber? Será que as pessoas agem por puro altruísmo ou sempre querem receber algo de volta, hein? Mesmo que seja apenas a sensação boa de ter agido com generosidade?

Aliás, vamos ver esse lance de altruísmo. Vou lembrar de um caso impressionante que aconteceu no Jardim Zoológico de Brasília.Em 27 de agosto de 1977, o 2º sargento do Exército Sílvio Delmar Hollenbach atirou-se no recinto das ariranhas ao presenciar o menino Adilson Florêncio da Costa ser atacado pelos animais. O militar conseguiu livrar o garoto de 11 anos da morte, mas não resistiu aos ferimentos causados pelas onze mordidas dos bichos. Sílvio ainda sobreviveu por três dias, internado no Hospital das Forças Armadas, mas sucumbiu a uma infecção generalizada, aos 33 anos. Em homenagem ao sargento, o parque passou a se chamar oficialmente Jardim Zoológico Sílvio Delmar Hollenbach. Além disso, o gesto de coragem ficou eternizado com a construção de um busto com o rosto do militar.

Altruísmo pode ser entendido como o oposto de egoísmo. O temo “altruísmo” foi criado pelo filósofo francês Augusto Comte para designar uma atitude solidária parecida com o amor ao próximo. Uma atitude altruísta consiste em um comportamento de ajuda a alguém que se encontra em dificuldade ou perigo. Como o sargento Sílvio que se joga no recinto das ariranhas para salvar o garoto.

Agir com altruísmo não é algo que ocorre naturalmente, embora muitos psicólogos acreditem que nós sejamos naturalmente inclinados à sentir empatia pelo próximo. Afinal, foi a cooperação, a ajuda mútua, que permitiu que nossos antepassados sobreviessem sob condições duras. Mas muitos de nós percebemos que quando fazemos um esforço para ajudar alguém sem pensar em receber nada em troca, nos sentimos bem, energizados, realizados. Por isso há quem questione a pureza dessa atitude.

Será que os altruístas só são altruístas para sentir essa sensação boa?

Bem, essa discussão vai muito longe viu? E não é o objetivo deste programa.

Uma explicação do ponto de vista evolucionista considera que somos portadores de diversos genes que nos impelem a sobreviver  e replicar a nós mesmos. Então, do ponto de vista genético, é lógico que ajudemos as pessoas próximas a nós, familiares que carregam os mesmos genes. Mas e quando ajudamos gente que desconhecemos?

Sabe aquele acidente de trânsito, quando você vê gente de todo lado correndo para levantar um carro e tirar de baixo dele a vítima? E a ajuda a animais?

Boas ações fazem com que nos sintamos bem.  Fazem com que outras pessoas nos respeitem e, em última instância, nos ajudam a conquistar um lugarzinho no céu, não é?

Mas o altruísmo também pode ser uma estratégia de investimento: praticamos uma boa ação, ajudamos o outro na esperança um dia ele ou ela retorne nosso favor quando precisarmos.

O altruísmo também pode ser uma forma de mostrar como somos legais, quanto dinheiro temos… que somos fodões. Assim seremos mais admirados.

Bem, essas são explicações práticas para o altruísmo, que de certa forma tiram toda a beleza do ato. No fim, o que buscamos é tirar algum proveito.

Mas e quanto agimos com a verdadeira e única intenção de tirar outra pessoa de uma situação difícil, hein? Como aquele pessoal ajudando o motoqueiro acidentado? Como o sargento?

Aquele é o altruísmo verdadeiro, o da empatia, de se colocar no lugar do outro, sentir seu sofrimento e atuar para aliviá-lo. Esse tipo de altruísmo não precisa de desculpas, deve ser celebrado.

Você ouve Radamés Gnattali e Chiquinho do Acordeon, com OBRIGADO, PAULINHO, composição do Mestre Radamés…

Mas voltemos para o foco deste programa: a gratidão. Gratidão é aquela emoção relacionada à nossa habilidade de sentir e expressar agradecimento e apreciação. Expressar gratidão nos causa um bem estar mental, físico e relacional. Expressar gratidão impacta também nossa alegria e felicidade.

Minha filha liderou junto com alguns amigos uma campanha para distribuição de cobertores no inverno de São Paulo. Conseguiram dinheiro para comprar milhares de cobertores e saíram em caravana distribuindo-os para moradores de rua e pessoas que necessitavam. O brilho dos olhos dela ao retornar para casa de madrugada, contando histórias que viveu, era evidente. Aquela injeção de gratidão que ela recebeu a impactou para o resto da vida.

E o que mais a impressionou: como os que pouco tinham compartilhavam seu pouco  ou nada com outros que menos tinham.

Os estudos sobre gratidão mostraram que praticá-la traz benefícios evidentes, mentais e físicos. Aumenta nosso otimismo e alegria. Amplia o sentimento de conexão em tempos de perdas ou crises. Aumenta a autoestima. Amplia os níveis de energia. Reforça o coração, o sistema imunológico e reduz a pressão do sangue. Aumenta a inteligência acadêmica e emocional. Expande a capacidade de perdoar. Diminui o stress, a ansiedade, a depressão e as dores de cabeça. Aumenta aquela capacidade de ver algo maior que nós mesmos, que alguns chamam de espiritualidade.
Pô,meu , parece anúncio do Shop Tour, cara…

É mole? Tudo isso bem baratinho, só custa um “muito obrigado”….

Existem vários métodos de praticar a gratidão. Li sobre uma mulher que tinha uma vela com 12 pedrinhas ao lado. Toda noite antes de dormir ela acendia a vela e para cada pedrinha se lembrava de agradecer algo que aconteceu com ela ao longo do dia. Mindset…

Existe quem tenha um diário, que escreve sobre as experiências positivas que teve ao longo do dia. Isso me abriu uma ideia: vou começar a usar o Facebook para isso. Ao menos um post diário onde falarei de uma experiência positiva no dia, pela qual eu sou grato! Olha que legal! Qualquer coisa: um artista que conheci, uma música, um post de alguém, uma conversa legal, um passarinho cantando na janela, uma notícia… Isso só pode ser bom pra ajudar a gente a tirar a cabeça para fora desse mar de lama que nos rodeia diariamente, não é?

Vou começar entao o meu diário da gratidão.

Primeiro: vou me policiar para fazer esse post diário com algo que mereça minha gratidão.

Segundo: vou parar todo final do dia para pensar em três ou quatro coisas que foram legais durante o dia.

Terceiro: vou tentar lembrar dos momentos em que não manifestei gratidão sincera para alguém. E se for possível, mandar na hora uma mensagem de agradecimento.

Quarto: vou mandar de quando em quando um e-mail só para agradecer por alguma coisa que alguém fez, diretamente ou não, para mim.

Olha só… são quatro bobagens, que não vão me custar nada, só um pouquinho de tempo. E que já me entusiasmaram só de pensar nelas, cara…

Depois farei um programa só pra contar o que é que eu senti.

Muito, mas muito obrigado a você que está ouvindo este programa. Sua atitude de baixar o Podcast e depois ouvir faz toda a diferença. Faz diferença lá nas estatísticas de download, faz diferença quando escrevo o programa imaginando como impactar quem vai me ouvir, faz diferença quando você manda uma mensagem, por escrito ou pelo whatsapp. Faz toda a diferença, cara.

Muito obrigado.

Obrigado Lalá por ser esse companheiro de horas e horas de estúdio, de dividir comigo a missão de fazer uma obra de arte que pode emocionar, encantar, provocar as pessoas.

Lalá – Imagina. Eu é que agradeço a oportunidade de expressar a minha arte.

Luciano – esse é o Lalá, cara!

Obrigado Ciça, por ajudar a botar as coisas em ordem, a receber as mensagens dos ouvintes, a publicar o programa. Obrigado Lilian e Gabi pelo suporte no dia a dia do Café Brasil. Obrigado Andressa, por sempre ajudar com dicas de posts para as mídias sociais… Cara, tem tanta gente, tem tanto pra agradecer…

Que delícia! É assim então, ao som de MUITO OBRIGADO, sucesso de Djavan lááááá em 1976, que vamos saindo…. agradecidos….

Vamos ver o que acontece, hein? Ao praticar a gratidão é possível mudar o foco daquilo que está faltando em nossas vidas, da escassez, para aquilo que já temos. Talvez até em abundância cara. E nem nos damos conta disso.

Com o generoso Lalá Moreira na técnica, a altruísta Ciça Camargo na produção e eu, o mais que agradecido, Luciano Pires, na direção e apresentação.

Estiveram conosco os ouvintes Lucio Flavio, Matheus Monteiro e Kleber, Leny Andrade, Fabiana Cozza, Radamés Gnattali com Chiquinho do Acordeon e Djavan.

Este é o Café Brasil. De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha no … portalcafebrasil.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. Quem estiver fora do país, é: 55 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

Mergulhe fundo no mundo do Café Brasil acessando:

Para o resumo deste programa, portalcafebrasil.com.br/576

Para a Confraria, é o cafebrasil.top

E para o Premium: cafebrasilpremium.com.br.

Conteúdo provocativo, grupos de discussão e uma turma da pesada, reunida para troca ideias de forma educada, compartilhando conhecimento e crescendo juntos!

E para terminar, uma frase do historiador, orador e político romano Públio Cornélio Tácito:

Os homens apressam-se mais a retribuir um dano do que um benefício, porque a gratidão é um peso e a vingança, um prazer.