Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

511 – Pinxado no muro revisitado

511 – Pinxado no muro revisitado

Luciano Pires -

Seguindo a decisão de revisitar alguns programas marcantes como comemoração dos 10 anos do podcast Café Brasil, hoje vamos com um publicado originalmente em 2012: chama-se Pinxado no muro. E o legal, é um programa que foi elaborado a partir de uma carta de uma ouvinte que tinha 12 anos de idade, cara… 12 anos… Imagina! A menina tem hoje 16 anos. Onde ela andara, hein?

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Este programa chega até você com o apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera que, como sempre, estão aí, a um clique de distância. facebook.com/itaucultural e facebook.com/auditorioibirapuera.

E quem vai levar o exemplar de meu livro ME ENGANA QUE EU GOSTO é o Bernardo, de Teresópolis…

“Olá Luciano. Meu nome é Bernardo Iberá, eu sou de Teresópolis, Rio de Janeiro. Sou empresário e desenvolvedor de software. Escuto teu programa há cerca de dois anos. Hoje foi impossível não querer contribuir com alguma coisa em relação ao teu programa. Bem. Eu tenho um filho de três anos, o nome dele é Lucas e ele é a coisa mais importante da minha vida. Cada momento com o meu moleque é mágico, inclusive os momentos de pirraça. E… porque que eu estou falando isso, né? Há cerca de um mês eu perdi uma pessoa muito querida pra mim, que foi meu tio Paulo, por circunstâncias que não vale a pena a gente falar aqui agora. Contudo, a morte súbita dele foi muito dolorosa pra mim e me fez questionar diversas atitudes minhas durante a minha vida. Peço desculpas pela voz embargada. Bem, eu comecei a me perguntar se vale tanto a pena a gente se matar de trabalhar igual a gente se mata de trabalhar, a gente… pelo menos eu trabalho 14, 15 horas por dia, sábado, domingo. E aí eu comecei a me perguntar por que que eu faço isso? Um dos motivos é dar conforto para o meu filho, dar conforto pra mim e não vejo nada de errado nisso. Porém, eu abro mão de estar com ele, de estar com meus pais que eu amo e ainda tenho, graças a Deus, eu tenho a felicidade de tê-los comigo, eu deixo de estar com a minha mulher, eu deixo de estar com os meus amigos, né?. E infelizmente, a gente não controla a vida, né? A gente… eu acredito muito em Deus, mas, a gente pode chamar de destino, a gente pode chamar do que quiser, chega um momento que a vida dos que a gente ama é extirpada da gente, ou a nossa vida é extirpada do meio daqueles que a gente ama. E se a gente só se dedicar ao trabalho, se a gente só se dedicar a tentar atingir objetivos profissionais, a gente acaba se esquecendo de estar com eles. Então, eu tenho tentado cada dia mais estar com o meu filho pra tudo. Buscar ele na escola todos os dias, estar perto dele todos os dias, estar junto dos meus pais, não esquecer de dizer que os amo, não esquecer de dizer pro meu filho que eu o amo, não esquecer de dizer pra minha mulher que eu a amo, de estar com os meus amigos, porque, desculpe a voz embargada, eu quero deixar pro meu filho exemplo, não só de como a gente tem que agir profissionalmente, como a gente tem que ser como profissional, quero deixar exemplo pro meu filho de como ser uma boa pessoa. Eu quero que meu filho, quando eu me vá, eu quero que ele sinta saudade de mim. Eu sei que ao mesmo tempo que vai doer, quero que essa saudade faça com que ele tenha motivos pra sorrir. E teu programa veio corroborar com tudo isso, sabe? Eu acho que é importante a gente pensar que vale muito mais a pena a gente tentar viver do lado das pessoas que a gente ama, enquanto elas ainda estão com a gente, do que a gente tentar viver com a lembrança delas. Bem, é isso. Obrigado por tudo, continue a fazer esse trabalho maravilhoso que você sempre faz. Teus programas, a cada programa, independentemente se a gente concorda  100% ou não, com o que você está expondo naquele episódio específico, ele sempre tem algo a agregar pra gente, ele tem sempre aquela mensagem que parece que é direcionado pra gente. Você está de parabéns por isso. Não esmorece do teu trabalho não, porque ele é maravilhoso, cara! Um grande abraço.”

Pois é, Bernardo, a gente costuma definir nossas vidas como antes e depois dos filhos, não é? E sua reflexão é fundamental. Não existe nada mais perturbador do que lá na frente, você olhar para trás e se arrepender dos minutos que não viveu com seus filhos… Olha, o programa de hoje trata exatamente disso, um pai que não está presente fisicamente, mas mesmo assim está muito presente na vida de sua filha.

Muito bem. O Bernardo receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil

Vamos lá então! Lalá: hoje eu quero bem paternal, hein?

Na hora do amor,

Lalá: use Prudence, meu filho!

Muito bem, o programa original Pinxado no Muro foi ao ar em fevereiro de 2012, e começou com a carta de uma menina, dizendo assim:

“Ola Luciano, meu nome é Ana Gabrieli Ganais Vitoria e eu tenho 12 anos.

Meu! Você faz idéia do que é receber um e-mail de alguém que tem 12 anos de idade? Mas, eu vou continuar, olha só.

Moro na cidade de Ji-Paraná – Rondônia, meu pai mora na Espanha. Para os outros ele não é alguém muito importante afinal ele é só um trabalhador imigrante por lá. Mas para mim ele é a pessoa mais inteligente que eu já vi e ouvi. Apesar de ele ser mais um homem de classe baixa e sem muito estudo ele ama a cultura e estuda muito por si só.

Ele me disse que prestou vestibular uma vez e passou, mas não pode fazer a faculdade pois tinha que escolher entre trabalhar por nós ou estudar. Já sabe qual foi a opção dele né? Mas isso não vem ao caso.

Eu te escrevo por culpa de um presente que ele me enviou de lá no ano passado. Ele me mandou um computador e um iphone e eu fui correndo ver as músicas e jogos do iphone e na verdade tinha mais podcast do que álbuns musicais. Tinha todos os podcasts do Café Brasil, Ecribacafe e muitos outros. Eu me apaixonei por todos afinal eu também sou uma boa aluna na escola (a nota mais baixa que já tirei foi 8,5 em educação física).

Fui aluna destaque na escola Lauro Bennho Predige onde eu estudo por 2 anos consecutivos (pode consultar). Meu sonho é ser atriz, faço teatro há 5 anos e passei a amar essas músicas que você põe de fundo porque praticamente todas eu não conhecia. E cada vez que você toca uma nova eu corro para o youtube. Gostaria que meu estado tivesse mais cultura e incentivos culturais. Aqui na minha cidade não tem museus nem shows de Música Popular Brasileira, nem festas tradicionais,nem (?), nem (?), bom! Nem nada.

Eu acredito que a culpa dos adolescentes de hoje em dia não gostarem e nem terem cultura é dos próprios pais. Por exemplo: meu pai não me obriga a gostar do que ele gosta, na verdade ele não me obriga a nada, sempre me surpreende com a questão “é isso que você quer?” Mas por outro lado ele sempre tenta colocar no meu caminho algo como se fosse por acaso, tipo os podcasts que mandou junto com as músicas no iphone, filmes que fala pra mim assistir e me pede para prestar atenção não só na aventura ou ação do filme e sim nos nomes dos personagens se forem épicos, nas vestes, no diálogo, nos cenários.

Ele me ensina brincando, eu digo uma palavra como “rever” e ele me diz “tu sabe que rever é um palíndromo?. Claro eu não sei o que é isso e me desperta a curiosidade então procuro saber porque ele só vai me falar o que é depois que eu descobrir. Mas o caso é que eu agradeço muito por ele ter me apresentado este podcast e a você Luciano pelo seu trabalho. Seu podcast deveria estar nos horários nobres das melhores rádios do Brasil ou quem sabe nas temáticas de sala de aula. Obrigada por existir.

Abaixo um poema ou musica “não sei,” que meu pai escreveu para mim exercitar minha interpretação de texto para o concurso de redação estadual. No começo eu não entendi nada mas depois que ele me explicou, eu simplesmente achei fantástico.”

Bem, eu não ia perder a chance de mostrar o poema que o pai da Gabrieli escreveu, não é? O título é “Pinxado no muro”, que aqui onde eu moro equivale a PICHADO NO MURO.

Ao fundo você tem ALVORECER, com a viola deliciosa de Enúbio Queiróz…

Eu vi escrito no muro
podre, sujo, mau feito,
descascado caindo os pedaços
rua feia, bairro feio, cidade feia pais???
mais era o muro
e era o que estava escrito no muro
e era lindo e tava tudo lá
e poucas palavras diziam tudo
e chovia e alagava a casa da dona do muro
mas a frase estava alta no muro
mas o muro era tão alto
mas era o que estava escrito no muro
mas era lindo
e por cima do muro se via um menino
sujo, machucado, manchado, arranhado
mas era o muro
o menino apenas brincava
e olhava com um olhar cansado
de quem andou em cima do muro
temendo o cai e não cai do muro
e eu estou em frente ao muro
lendo essas 4 palavras
que dizem tudo e não dizem nada
que perdem um pouco o significado
por que falta o final
que foi apagado, manchado, tampado
mas a mensagem ainda ficou no muro
e minha indecisão parece mais uma miragem
sao quatro palavras no muro
“pense bem, escolha o caminho”
a frase já dizia tudo
mas pra mim não dizia nada
porque nessa esquina
qualquer caminho vai para baixo
mas agradeço por ter olhos e saber ler,
assim posso saber o que estava escrito no muro
era o começo e não o fim do muro
e do caminho que temos que percorrer.

Sabiá
Luiz Gonzaga
Zé Dantas

A todo mundo eu dou psiu (Psiu, Psiu, Psiu)
Perguntando por meu bem (Psiu, Psiu, Psiu)
Tendo um coração vazio
Vivo assim a dar psiu
Sabiá vem cá também (Psiu, Psiu, Psiu)

A todo mundo eu dou psiu (Psiu, Psiu, Psiu)
Perguntando por meu bem (Psiu, Psiu, Psiu)
Tendo um coração vazio
Vivo assim a dar psiu
Sabiá vem cá também (Psiu, Psiu, Psiu)

Tu que anda pelo mundo (Sabiá)
Tu que tanto já voou (Sabiá)
Tu que fala aos passarinhos (Sabiá)
Alivia minha dor (Sabiá)

Tem pena d’eu (Sabiá)
Diz por favor (Sabiá)
Tu que tanto anda no mundo (Sabiá)
Onde anda o meu amor
Sábia…

A todo mundo eu dou psiu (Psiu, Psiu, Psiu)
Perguntando por meu bem (Psiu, Psiu, Psiu)
Tendo um coração vazio
Vivo assim a dar psiu
Sabiá vem cá também (Psiu, Psiu, Psiu)

A todo mundo eu dou psiu (Psiu, Psiu, Psiu)
Perguntando por meu bem (Psiu, Psiu, Psiu)
Tendo um coração vazio
Vivo assim a dar psiu
Sabiá vem cá também (Psiu, Psiu, Psiu)

Tu que anda pelo mundo (Sabiá)
Tu que tanto já voou (Sabiá)
Tu que fala aos passarinhos (Sabiá)
Alivia minha dor (Sabiá)

Tem pena d’eu (Sabiá)
Diz por favor (Sabiá)
Tu que tanto anda no mundo (Sabiá)
Onde anda o meu amor
Sábia…

(Psiu, Psiu, Psiu)
(Psiu, Psiu, Psiu)

(Psiu, Psiu, Psiu)

(Sabiá)
(Sabiá)
(Sabiá)

Sabiá…

Tem pena d’eu (Sabiá)
Diz por favor (Sabiá)
Tu que tanto anda no mundo (Sabiá)
Onde anda o meu amor
Sábia…

Hummmm…. Luiz Gonzaga e Zé Dantas num momento inspiradíssimo compuseram SABIÁ que Alceu Valença nos traz pra esse cafezinho…

Pois é… dizer o que de um email como este, hein?

A Gabrieli tem 12 anos de idade e escreve como uma jovem adulta. Mora num lugar loooooooogeeee, embora o longe dependa do ponto de referência, né?

Mas ela fez uma escolha e nos dá uma lição. Aliás, ela encontrou seu sabiá no seu pai. Quando a gente quer, e tem um mentor, um sabiá, não há barreiras para a aquisição de cultura.

Gabrieli, você ganhou não um, mas dois livros, um pra você e um pro seu sabiá, que eu vou mandar com o maior prazer.

A Gabrieli, com 12 anos de idade escreveu pra nós. E você aí, ô marmanjo?

“Pense bem, escolha o caminho…”. Escolha… Julgamento e tomada de decisão…

O Café Brasil, e de resto quase que a totalidade de meu trabalho, nasceu de uma preocupação com a (in)capacidade de análise, julgamento e tomada de decisão das pessoas. Com o emburrecimento generalizado da população e com a mediocrização de quem vive como um bovino resignado.

Julgamento e tomada de decisão. Você encontrará essas palavras várias vezes quando tomar contato com meu trabalho, por uma simples razão: na raiz de todos os problemas, dos erros e acertos, do fracasso e do sucesso, está nossa capacidade de julgar e tomar decisões. De nada adianta um computador de última geração com o software mais avançado nas mãos de um profissional altamente treinado em sua operação, mas que tem uma capacidade medíocre de julgar e tomar decisões.

Gente treinada consegue fazer a coisa certa, na hora certa do jeito certo, não é? Pois é. Mas estou mais preocupado é em fazer a coisa necessária, na hora necessária e do jeito necessário. “Escolher o necessário” é muito mais complicado do que “escolher o certo”, se é que você me entende.

Escolher o necessário envolve aspectos técnicos, sociais, políticos, culturais e até estéticos, o que vai muito além dos treinamentos que as empresas proporcionam a seus funcionários. Treinar as pessoas nos aspectos técnicos dos processos é desenvolver apenas uma parte da capacidade de julgamento e tomada de decisão.

Escolher o necessário implica em escolher o que vai nos machucar, o que vai nos colocar em conflitos, o que vai nos colocar em choque com outras pessoas. O necessário nem sempre é o que a gente quer, não é?

E escolher o melhor tem a ver com cultura.

– Cultura? Teatro, música e pintura?

Também. Mas a definição de “cultura” que está na raiz do Café Brasil, tem uma abrangência maior do que aquela que vemos por aí. Para nós aqui, “cultura” compreende quatro grandes áreas:

– A expressão: o idioma falado, as artes, a mídia, o folclore e a literatura

– A cidadania: a política e a organização social

– A educação: a escola formal e o aprendizado informal e por fim

– O comportamento: as relações dos brasileiros entre si, com o meio-ambiente, com o trabalho, com o mundo, com a religião, etc.

Entendeu agora um pouco do caos do Café Brasil? Tudo que a gente não quer é que você fique aí parado, sabe? Sentado à beira do caminho….

Sentado à Beira do Caminho
Roberto Carlos
Erasmo Carlos

Eu não posso mais ficar aqui
A esperar!
Que um dia de repente
Você volte para mim…

Vejo caminhões
E carros apressados
A passar por mim
Estou sentado à beira
De um caminho
Que não tem mais fim…

Meu olhar se perde na poeira
Dessa estrada triste
Onde a tristeza
E a saudade de você
Ainda existe…

Esse sol que queima
No meu rosto
Um resto de esperança
De ao menos ver de perto
O seu olhar
Que eu trago na lembrança…

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo…

Vem a chuva, molha o meu rosto
E então eu choro tanto
Minhas lágrimas
E os pingos dessa chuva
Se confundem com o meu pranto…

Olho prá mim mesmo e procuro
E não encontro nada
Sou um pobre resto de esperança
À beira de uma estrada…

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo…

Carros, caminhões, poeira
Estrada, tudo, tudo, tudo
Se confunde em minha mente
Minha sombra me acompanha
E vê que eu
Estou morrendo lentamente…

Só você não vê que eu
Não posso mais
Ficar aqui sozinho
Esperando a vida inteira
Por você
Sentado à beira do caminho…

Preciso acabar logo com isso
Preciso lembrar que eu existo
Que eu existo, que eu existo…

Larará Larará Lararará!
Larará Larará Lararará!
Larará Larará Lararará!

Que tal, hein?…aposto que você pensou que ia entrar o Erasmo, né? Pois é. Veio Cauby Peixoto…

Eu me divirto só de imaginar a expectativa de cada ouvinte, que nunca sabe que tema virá no próximo programa ou qual será a próxima música. A gente aqui toca e trata de tudo. Tá bom, de quase tudo.

Quando comecei a desenhar o Café Brasil, ouvi mais de uma vez a recomendação de buscar especialização num assunto. “Escolha um nicho e torne-se um especialista nele,” era a recomendação.

Mas eu sempre achei isso muito pouco. Como assim “escolher um nicho”?

Eu sou cartunista, pô. Trato da sociedade como um todo. Não sou um cartunista de política, de economia, de meio ambiente ou de física quântica. Sou um cartunista da sociedade. Portanto tenho que abraçar o mundo! E tratar das coisas que nos dizem respeito.

E o que é o mundo além de um caos? Olhe em volta. Veja quantas diferenças nas pessoas. Falamos o mesmo idioma, mas gostamos de coisas diferentes. De comidas, de músicas, de filmes, de gente diferente. É no caos que mora a riqueza e a capacidade que os brasileiros tem de conviver bem com o caos, com as diferenças, talvez seja única. E aí mora a explicação para o Café Brasil.

A gente aqui aposta no caos. Por isso você ouve As Pastorinhas do Noel Rosa e logo em seguida a Cássia Eller cantando Nirvana… Você pode até ficar chocado, mas é nesse caos que mora a riqueza. E é essa a riqueza que a gente tenta passar aqui, sacou?

Sei lá…de alguma forma essas reflexões podem  ajudar a gente em momentos-chave.

Caos
Rhaissa Bittar
Daniel Gali

Manda avisar que tá lá
Manda avisar que tô
Manda avisar que tô lá
Manda avisar, tá?!

Diga pro tom que vou já
Diga pro tom voltar
Diga pro tom que vou voltar
Diga pro tom, já!

Tô olhando pra baixo
Tô trobando tudo junto
Tô pensando lá pro alto
Tô pro outro lado do mundo

Tô segurando no vento
Tá me faltando ar
Tô pisando no sol
Tô andando no transporte público
E tô parada 

Por falar em Caos essa é a Rhaissa Bittar com CAOS dela e do Daniel Galli….

Mas essa opção pelo caos cobra um preço alto, viu? Experimente tentar responder a esta pergunta simples, quer ver ó?

– Do que é que trata esse programa Café Brasil?

Pois é… Não é difícil? Agora imagine explicar isso para um possível patrocinador. Sentiu o drama?

Olha só a diferença… Se o Café Brasil fosse um podcast sobre economia era fácil. Se fosse sobre medicina era fácil. Se fosse sobre moda era fácil. Mas não é. É sobre o caos cultural… E quem é que vai botar dinheiro num negócio que não entende, hein?

Então taí. Por isso a luta é tão difícil. A gente em certeza que está apostando em coisas necessárias, mas eu tenho aqui na parede de minha sala um quadrinho que eu mandei fazer em 2004, quando me estranhei com um dos gringos da alta direção da multinacional em que eu trabalhei. Numa discussão em que defendia a manutenção de um investimento importante em marcas, ele soltou a frase que eu mandei emoldurar:

Abre aspas: Temos pessoas fazendo coisas legais de se ter, mas que não são necessidades. Fecha aspas.

Necessidades… O conceito do que era necessário daquele gringo era diferente do meu. Foi ali que eu entendi que era preciso começar a preparar o meu voo solo, que aconteceu 4 anos depois, quando fui correr atrás daquilo que eu julgava necessário.

Esse som maravilhoso aí no fundo, no podcast,é o Antônio Nóbrega com BRINCANDO COM O CLARINETE, de Lourival Oliveira… Aquelas coisas necessárias que a gente toca aqui…

Muito bem, onde eu quero chegar?

No pai da Gabrieli, lá de Ji-Paraná. O pai que está na Espanha e que um dia teve que fazer uma escolha entre estudar ou trabalhar. Pensando em sustentar a família ele optou por trabalhar, mas fez outra  escolha, com certeza pensando na Gabrieli. E suas escolhas estão espelhadas em suas atitudes. O que é que ele acha necessário para ela? Incentivá-la a curtir coisas nas quais meninas de 12 anos de idade não se interessam hoje em dia. E você sacou como é que ele faz isso?

Eu vou repetir o que ela escreveu:

””…meu pai não me obriga a gostar do que ele gosta, na verdade ele não me obriga a nada, sempre me surpreende com a questão “ é isso que você quer? Mas por outro lado ele sempre tenta colocar no meu caminho algo como se fosse por acaso, tipo os podcasts que mandou junto com as músicas no iphone, filmes que fala pra mim assistir e me pede para prestar atenção não só na aventura ou ação do filme e sim nos nomes dos personagens se forem épicos, nas vestes, no diálogo, no cenário e etc. Ele me ensina brincando”.”

Ele me ensina brincando… Olha que interessante isso.

Imagine pegar uma criança em fase de alfabetização e colocar em suas mãos um livro sem ilustrações, um livro maçante… Nunca mais ela vai querer chegar perto de um livro. Infelizmente, isso parece ser a regra.

Ser maçante, chato, em qualquer aspecto de nossa vida, é sempre a opção mais arriscada. É a forma de ser deixado de lado, esquecido, evitado.

No entanto, o que mais vemos no Brasil são programas chatos. Livros chatos. Processos chatos. Idéias chatas. Professores chatos. Alunos chatos… O Brasil está ficando chato.

Pois o pai da Gabriele, sem estudo, humildemente, sabe como driblar essa chatura, essa chatice. Ele sabe que precisa servir de exemplo, que há um futuro possível para a Gabriele que não a coloque diante da mesma escolha que ele foi obrigado a fazer…. Estudar ou trabalhar. E ele está investindo nisso.

E parece que está dando certo…

Escolhas… Como tem sido as suas, hein? Quais tem sido as suas? Você já definiu seu propósito?

Quando chegar a sua hora, o que é que você vai deixar, hein? Conforto material pra os seus, dinheiro no banco e uma casa própria? Só isso?

O pai da Gabrieli deve se preocupar com isso também. Mas ele também fez uma escolha: construir a Gabrieli, porque ele acha que isso é, mais do que a coisa certa, a coisa necessária a fazer.

Talvez este programa seja um presente para ele. Uma forma de dizer que ele está sendo bem sucedido em sua escolha. Através da Gabrieli ele está deixando o mundo um pouco melhor…

Cara… e isso é fazer muito!

Deixa eu brincar
Grupo Noite Clara

Bolinha de gude, futebol
Malacacheta, papagaio, pião
Pé de moleque, quebra queixo,
Bananinha, tia dá mais um
A vida assim é boa, minha gente
Não tem nem com que se preocupar               
Enquanto você se ocupa de ser gente grande, amigo
Eu quero brincar.
É na hora Tom e Jerry
Picapau, zeca urubu
Iabadabadu
Eu quero um beijo e um abraço
Não quero aperto de mão
Beijinho dá mais um
A vida assim é boa, minha gente
Não tem nem com que se preocupar
Enquanto você se ocupa de ser gente grande, amigo
Eu quero brincar.

E é assim, ao som de Rafael Franja, Rubens Allan e Claudio Donato que formam o grupo paulista NOITE CLARA, com DEIXA EU BRINCAR que o nosso cafezinho vai saindo de mansinho.

Com o nutritivo Lalá Moreira na técnica, a saliente Ciça Camargo na produção e eu, o aspirante a vagalume Luciano Pires na direção e apresentação.

Estiveram conosco os ouvintes Bernardo e Gabriele, que hoje está com 16 anos de idade, Enúbio Queiróz, Cauby Peixoto, Rhaissa Bittar, Antônio Nóbrega, Alceu Valença e o grupo Noite Clara.

O Café Brasil só chega até você porque a Nakata, também resolveu investir nele.

A Nakata, você sabe, é uma das mais importantes marcas de componentes de suspensão do Brasil, fabricando os tradicionais amortecedores HG. E tem uma página no Facebook repleta de informações interessantes para quem gosta de automóveis. Dê uma olhada lá que vale a pena: facebook.com/componentesnakata.

Tudo azul? Tudo Nakata!

Este é o Café Brasil. Que chega a você graças ao apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera. De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha, conhecer a Confraria,  no … portalcafebrasil.com.br.

Também você ode participar mandando um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E se você está fora do país é o: 55 11 96429 4746. E também temos um canal no Telegram chamado Café Brasil e mais que isso, um grupo para os participantes da Confraria que tá pegando fogo. Tem mais de trezentas lá, trocando ideia e fazendo acontecer.

Você está ouvindo a gente falar da Confraria, mas não sabe muito bem o que é? É fácil. Acesse o portalcafebrasil.com.br, clique no link lá em cima que fala do cérebro tanquinho, clique no “assina” e você vai abrir uma página com explicações de como participar desse grupo de gente inteligente que está tentando crescer um pouco mais, trocando arquivos, trocando ideias e exercendo um tipo de contato, de compartilhamento que é muito difícikl de se encontrar na internet ainda hoje.

E pra terminar, uma frase do matemático e filósofo francês Pascal:

Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender.