Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

459 – Café Brasil LíderCast

459 – Café Brasil LíderCast

Luciano Pires -

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite. Este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires. No programa de hoje eu vou lançar um novo podcast sobre liderança e empreendedorismo, o LíderCast, um bate papo informal e irreverente tratando de temas como liderança, capacidade de fixar objetivos, foco, iniciativa e acabativa, criatividade, coragem e empreendedorismo. Que tal, hein?

Posso entrar?

O podcast Café Brasil chega até você com o apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera que, como sempre, estão aí olha, a um clique de distância. facebook.com/itaucultural e facebook.com/auditorioibirapuera.

E quem ganhou o  livro ME ENGANA QUE EU GOSTO e o KIT DKT, foi o Caio, que comentou assim o programa Tá bom ou tá ruim?

“Olá Luciano. eu sou o Caio aqui de Recife e acabei de ouvir o Café Brasil 443, que fala sobre otimismo e pessimismo. Eu achei muito interessante quando você falou que ambos, o otimismo e o pessimismo são úteis dependendo da situação. Aí eu lembrei que num dos episódios recentes você também tocou no assunto da programação neurolinguística e eu gostaria de fazer um link desses dois assuntos. 

Um dos fundamentos da PNL é a modelagem, que consiste basicamente, em a gente mapear a estratégia mental utilizada por uma pessoa, para que a gente consiga fazer as mesmas coisas que ela faz, ou seja, você vai pensar da mesma forma que aquela pessoa pensa para atingir os seus objetivos. 

Uma das estratégias mais famosas da PNL é a estratégia Disney, que foi modelada pelo autor Robert Dilts. Essa estratégia era a estragégia que o Disney utilizava no processo de elaboração das obras dele. O Dilts identificou que o processo criativo do Disney tinha três ambientes diferentes. Três espaços físicos diferentes onde ele analisava uma ideia sob três pontos de vista diferentes. 

Esses três pontos de vista que o Dilts identificou são: o idealizador, o realizador e o crítico. Ele tinha três escritórios diferentes onde, em cada um deles ele encarnava essas três perspectivas. Quando ele estava no espaço do sonhador, ele começava a viajar na ideia, sem colocar nenhuma barreira, sem  colocar nenhum limite. Nesse momento, tudo que ele pensava era possível. E aí, a gente poderia traçar um paralelo aqui com o otimismo, no caso, seria uma posição de um otimista.

Quando ele ia para o segundo escritório dele, que já seria aí a segunda etapa, ele encarnava o Disney realizador. Nesse momento ele começava a pensar o que era preciso para colocar aquele sonho em prática. Ele pensava em quais os recursos que ele precisaria, com quem teria que falar, o que ele teria que fazer e por aí vai.

E depois dessa fase, ele ia para o terceiro escritório dele, que seria o espaço do crítico. Mas aí nesse caso, ele era um crítico construtivo. Ele criticava a ideia para ver se havia alguma falha, se algo estava errado, se ia prejudicar alguém. Então, de certa forma nessa hora, ele era feito um pessimista. Embora não fosse um pessimista total, pois ele não destruia o sonho, apenas identificava os pontos fracos desse sonho. E se achasse necessário, ele passava pelas três posições novamente até que a ideia ficasse da forma que ele quer. 

Bom. É isso aí, Luciano. Essa é a minha colaboração sobre em como a gente pode utilizar o otimismo e o pessimismo, para colocar nossos projetos e os nossos sonhos em prática. E eu gostaria de me despedir, da mesma maneira que você faz, com uma frase: “se você pode sonhar, você pode fazer” , do próprio Walt Disney”.

Que beleza, Caio! Muito bem lembrado essa lance do Disney, que parece mesmo ser uma receita para o empreendedorismo, não é? E tem tudo a ver com a mensagem que passo neste programa. Muito obrigado!

Muito bem. O Caio vai receber em casa um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino. Alô Recife! A jeripoca vai piar! PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade. O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. Acesse facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então!

Na hora do amor, use Prudence.

Você sabe que este cafezinho tem o apoio da Nakata, marca pioneira na fabricação de amortecedores pressurizados no Brasil, inclusive da tradicional linha HG, não sabe? Os amortecedores Nakata oferecem garantia de 2 anos ou 50 mil km para você rodar tranquilo, tranquilo. E no canal da Nakata no YouTube você tem dicas de manutenção e videocasts exclusivos comigo!

Siga youtube.com/componentesnakata.

Tudo azul, tudo Nakata.

Muito bem, você que acompanha o Café Brasil sabe que já fiz várias entrevistas por aqui. Foram experiências bem legais e depois que lancei meu livro, o DIÁRIO DE UM LÍDER, fiquei com umas minhocas na cabeça que me levaram a pensar num novo podcast que trouxesse até você gente que faz acontecer. A ideia era realizar um bate papo informal e irreverente tratando de temas como liderança, capacidade de fixar objetivos, foco, iniciativa e acabativa, criatividade, coragem e empreendedorismo.

As entrevistas – sem roteiro definido ou perguntas pré elaboradas,  seriam realizadas com profissionais de diversas áreas, reconhecidos pela capacidade de impactar nas vidas das pessoas. A duração aproximada de cada episódio seria de 70 minutos, e o programa seria distribuído através de mídias sociais e plataformas consagradas. Mas com uma novidade: em vez de programas periódicos o podcast seria lançado por temporada, com 8 a 12 programas cada uma.

Nasceu assim o LíderCast, filhote do Café Brasil, que hoje quero apresentar a você. O programa estará hospedado no Portal Café Brasil e terá feed próprio. Ah, e todos os programas terão sua transcrição publicada no Portal Café Brasil.

Ó!Deu um trabalhão, viu?

Big D

Você está ouvindo BEE HIVE, com o multi instrumentista Denilson BIG D Martins e uma banda de primeira, em seu CD BIG D. Se me dissessem que o Denilson é um músico de Nova Iorque, New Orleans ou São Francisco eu acreditaria. Mas ele é brazuca mesmo…

A ideia do LíderCast é trazer conteúdo para quem está interessado em crescer profissionalmente. E até pessoalmente. Através das histórias de empreendedores, executivos e gente que atua em todo tipo de setor eu espero provocar e inspirar você a fazer acontecer.

Hoje trago um aperitivo de como será o programa, que começa assim:

Antes da primeira temporada, lancei o LiderCast número zero com meu amigo Ricardo Jordão Magalhaes, o homem por trás do BizRevolution, portal que quebra tudo que a gente conhece sobre o universo profissional. E o papo meu, rolou legal…

ricardo jordão

Ricardo Jordão – A Biz Revolution eu criei com o objetivo de mostrar para as pessoas que trabalhar é um tesão, que não tem que ser tenso, que não tem que ter tensão, é possível ter tesão.

Então eu queria mostrar para as pessoas que, pô, buzines é muito mais legal do que o que se escreve na revista Exame, que inclusive até hoje é uma porcaria o jeito que eles escrevem e tal é chato né, e o mundo do buzines tem aquela sigla lá né, de busines to busines, busines mesmo é o busines to busines né, eu vou até te falar, buzines be to be né que é a sigla né do buzines to buzines, não significa buzines to busines, significa boring to boring né, um cara chato falando chatice para outro cara chato, que finge que está gostando né. Meu, aqueles papos solução corporativa, atender necessidades colaborativas, esses papos chatos, então a Biz Revolution eu queria para inspirar todo mundo a gostar de trabalhar, gostar de ver que segunda a sexta não é o hiato esperando os melhores dias da semana que é sábado e domingo sabe, para poder ir para o churrasco né, você fala assim, pô, finalmente não preciso pensar em nada no final de semana, nada a ver, você tem que continuar trabalhando e tal.

No LiderCast 001 eu trouxe Elias Awad, um escritor de biografias com uma história de mudanças profissionais fascinante. Foi uma deliciosa conversa, surpeendente até,  que nos levou para lados que não imaginávamos…

Elias Awad

Luciano – Ai alguém é capaz de virar para você e falar assim, Elias, que sorte hein cara, estar lá naquela hora, quando precisavam de alguém era você que estava lá, que puta sorte Elias, o que que você responde quando alguém fala…

Elias – Eu uso as palavras do Oscar, o Oscar diz, eu nunca vi um fracassado com sorte né, é né, sorte só tem para alguém que…

Luciano – Se preparou para estar naquele momento certo, na hora certa etc e tal.

Elias – Exatamente. É. Então eu acho que é isso mesmo né. Agora eu acho que o grande fator de provocação da sorte é o que Harvard, as grandes universidades não ensinam, é o feeling né, é aonde você sente que você está no caminho certo por mais que o mercado, consultores, tendências políticas e econômicas, sociais mostrem o contrário e você né…

Luciano – Algo te diz que você está no caminho certo.

Elias – Com certeza.

No LiderCast 002, convidei minha amiga Waleska Farias, palestrante e coach, um dínamo que estimula as lideranças por este país. A bichinha é uma provocadora, sabe?

Walesca Farias

Waleska – Quando eu fiz o transformação na TV Globo, a gente trabalhava exatamente ajudando as pessoas de baixa renda assim, de comunidades a desenvolver a sua…

Luciano – Empreendedorismo…

Waleska – … é, o empreendedorismo e a desenvolver o seu talento, ou seja, ocupar um espaço através de uma profissão determinada e eu vi pessoas ali gente, que assim, era o pai querendo que ela trabalhasse de doméstica num lugar e ela trabalhava mas ela estudava a noite enquanto todo mundo, as irmãs iam namorar, então assim, como é que num ambiente tão sabe, contaminado e já assim comprometido mesmo né, eu vou falar comprometido…

Luciano – Conformado né, o conformado né…

Waleska – … né, aquele conformismo, pois é, então 9 filhos, uma pensa diferente então assim, era o mesmo pai, a mesma mãe, então é da pessoa, tem uma questão que é da pessoa, se a gente for falar, for assim, for um pouco adiante é a alma mesmo, é espírito, é essência, chame quem quiser chamar, dê a convenção que achar melhor.

No LiderCast 003, uma surpresa. Esta foi uma entrevista feita muito tempo atrás para o Café Brasil, que eu guardei para um momento especial. O Padre Alexandre Ferreira Santos, um jovem com um talento especial que nos conta sua história. A coisa menos abordada neste programa foi… religião…

Alexandre Ferreira Santos

Alexandre – … Ontem mesmo, terminou a missa, eu tinha um monte de coisa para fazer, chegou uma menina chorando porque uma amiga dela tinha se matado e ela estava em prantos, chorando sem entender, imagina, uma moça de 17 anos que viu uma amiga, viu não, ficou sabendo que uma amiga também de 17 anos, por ai, tinha se matado e estava perturbada e ai a gente larga tudo e vai ouvir a pessoa né, então tem essa coisa que a gente não controla muito né, e tem um outro aspecto que é o lado administrativo, então, por exemplo, hoje pela manhã eu estava fazendo balancete para entregar né, então eu tenho que prestar contas de quanto entrou, quanto saiu.

Luciano – Você tem alguma meta para cumprir?

Alexandre – Não.

Luciano – Não existe meta?

Alexandre – Não tenho meta

Para o LiderCast 004 eu trouxe minha amiga Suely Pavan Zanella, que tem uma vasta experiência na prática da psicologia, na seleção de executivos e no trato com as lideranças no universo corporativo.

Suely Pavan

Suely – Hoje em dia, quando… eu recebo muita vaga de seleção das empresas de uma forma geral, eu fico assustada com a exigência e com o salário e como eu faço parte de grupos de RH pela internet, no Facebook, eu falo nossa, mas como é que alguém teve a cara de pau de pedir, por exemplo, estagiário com disponibilidade para viagens para ganhar uma mixaria por mês e que ele tem que saber inglês, tem que saber espanhol, isso é para brigar com quem pediu a vaga né?

Luciano – Sim, já nasceu errado lá atrás né, já nasceu…

Suely – Sim, qual é a capacidade que tem uma pessoa de RH de vinte e poucos anos, de chegar para o diretor que pediu a vaga para ela e falar, olha, isso não existe no mercado, ou então é a questão cerebral, teve uma vez uma empresa que pediu um perfil, era dezembro, nunca vou esquecer disso, um perfil, mas um perfil altamente louco, ai eu cheguei em casa e li aquilo, ai eu liguei para eles falei, acho que eu já encontrei o candidato de vocês, só que ele vai nascer no dia 25 de dezembro, ele se chama Jesus Cristo.

No LiderCast 005 foi a vez da socióloga Fernanda Carlos Borges, convidada em razão de um livro que ela escreveu que trata nada mais nada menos que do jeitinho brasileiro. Fascinante!

Fernanda Carlos Borges

Fernanda – Eu vou dar um exemplo, uma história que eu conto sempre, é quando eu dou aula. Eu estava fazendo a tese e eu fui para um congresso em Porto Alegre e ai na volta, eu estava indo para Torres que é uma cidade do litoral e estava na rodoviária esperando para comprar a passagem, ai chegou uma moça muita esbaforida, muito esbaforida carregando um monte de mala, muito aflita e qual é a regra né? Qual é a norma? A norma é o lugar da fila é por ordem de chegada, isso é norma universal para ser justo, para você poder ser justo com todo mundo, você respeita essa norma. Pronto. Você não leva atenção à circunstância, respeita a norma e acabou, você está sendo justo, essa é a ideia da justiça normativa, a moça chegou toda esbaforida realmente correndo e foi falando, falou comigo e depois falou com outras pessoas na frente a história dela era o seguinte, eu estou vindo de Cuiabá, a viagem foi imensa, o ônibus quebrou, não sei o que que aconteceu, eu atrasei agora estou indo para a serra gaúcha, o próximo ônibus sei lá, é 11 horas da noite, se eu não for agora eu vou ter que ficar aqui nessa rodoviária, eu estou cansadíssima, eu estou super mal, eu preciso ir, por favor me deixa passar…

Luciano – Na sua frente.

Fernanda – … adiante para comprar a passagem que o ônibus vai sair já. O que que eu fiz? Eu olhei e virei, claro eu posso esperar mais um pouco, ela olha a situação, olha a circunstância dela, olha o acaso, por que que eu não vou abrir uma exceção à regra?

Para o LiderCast 006, convidei meu amigo Sidney Oliveira, um dos pioneiros da internet no Brasil, ex executivo do setor financeiro e hoje mais que um coach, um mentor. Neste programa você conhecerá um pouco da história da internet no Brasil, pelas mãos de jovens empreendedores.

Sidnei Oliveira

Sidnei – O mercado era muito novo para alguém ter referência para poder te aconselhar e ai o conselho normal era, não seja insano, quanto mais eu ouvia isso, mais eu achava que era isso que eu devia tentar, quanto mais eu achava que era insano, mais eu me referenciava nos demais que foram insanos em algum momento.

Luciano – Que é aquela história, quer dizer, o ganho e que vai, ele está relacionado ao risco, quer dizer, se o risco é tão grande assim, talvez o ganho seja proporcional né?

Sidnei – Talvez, mas era um risco. E ai eu lembro de uma conversa que eu tive com um executivo, que ele me mostrou quanto que a gente vive em gaiola de ouro quando a gente é executivo, você tem lá o automóvel, a sala, assistente, que são gostosas, são muito legais de ter, o carro da empresa, você tem uma gaiola de ouro ali e eu comecei a olhar aquilo falei, cara, eu gosto disso, eu quero ter isso, gosto de ter isso mas eu não quero ter isso…

Luciano – A esse preço.

Sidnei – … vinculado, eu quero ter isso porque eu conquistei com a minha competência…

Luciano- Entendi, como consequência do teu trabalho e não…

Sidnei – … como consequência do meu trabalho, o que aconteceu? Saltei, eu lembro que foi aquele momento que você fala, pede demissão e depois a noite você fica pensando fiz bobagem, é mais ou menos essa, é aqueles primeiros 3 segundos que você tem quando você salta de paraquedas.

No LíderCast 007 foi a vez de Cassio Barbosa, editor que está por trás do projeto TIRE SEU LIVRO DA GAVETA, nos dando uma aula sobre o mercado editorial brasileiro e sobre os caminhos para quem quer transformar suas ideias em publicações. E é uma delícia de papo.

Cássio Barbosa

Cássio – … se o livro vai ser impresso no barro, no papiro, no papel ou numa tela de LCD, para mim não faz diferença, porque edito. Editar não é imprimir.

Luciano – A menos que você fosse dono duma gráfica, ai você ia estar preocupado, sim.

Cássio – Ai eu estava preocupado, mas a edição, a organização do conhecimento continua e vai ser cada vez mais necessária, porque o volume de informações é muito grande. Informações mal organizadas não vão gerar interesse, então a necessidade de você continuar tendo que preparar o produto livro do mesmo jeito, ele tem que ter um título atraente, ele tem que ter um visual bonito, ele tem que ter um conteúdo bem organizado, porque você ficar perdido numa prateleira de um sebo, de uma livraria ou ficar perdido dentro de um índice da Amazon.

Luciano – Que é muito pior.

Cássio – Ninguém te acha.

Luciano – Não vão te achar mesmo.

Cássio – É verdade, você não tem uma vitrine para ser visto, então do ponto de vista da tecnologia, para mim isso não vai causar muita diferença.

Para o LíderCast 008 convidei Daniela do Lago, palestrante, escritora, educadora, coach, um vulcão que anda por aí provocando a gente a sair da casinha.

Daniela do Lago

Daniela – … eu acho que é por isso que eu não fui embora desse país ainda né, eu fico muito insatisfeita, eu falo, eu não sei, eu tenho uum ideal de que realmente eu tenho um papel social nas minhas aulas, principalmente, eu tenho uma campanha que eu falo, eu quero que um aluno meu do MBA seja candidato à presidência da república que eu vou apoiar este cara, eu falo isso no país todo, há 8 anos que eu dou aula, então assim, mas eu penso que eu tenho nas minhas discussões em sala de aula, nas palestras que a gente vai, então, essa provocação, essa reflexão para que essa pessoa saia de lá e fale na casa dele e ecoe esse negócio, então, mas é um trabalho de formiguinha, mas eu falo, eu amo esse país e vejo grande potencial então o que as pessoas precisam  literalmente acordar. 

Para o LíderCast 009 convidei Ana Canosa, que é sexóloga, psicóloga, escritora, consultora e um monte de coisas mais. Um papo surpreendente, bem humorado e cheio de conteúdo sobre o universo profissional e com um pouco de pimenta.

Ana Canosa

Ana – Eu acho que o líder que tem mais facilidade para liderar um grupo de pessoas é o que tem tesão, o mau humorado, arrogante, agressivo, pode esquecer, esse cara vai ser, ele pode até liderar por uma questão técnica, porque ele tem que seguir algumas coisas, mas ele não vai ser um cara amado…

Luciano – Você está me dando uma ideia…

Ana – … ele não vai ser um modelo, não adianta…

Luciano – … você está me dando uma ideia deliciosa…

Ana – … ele vai ser um pentelho.

Luciano – … você está me dando uma ideia deliciosa aqui, eu vou passar agora para o nosso ouvinte aqui, se você por acaso lidera uma equipe e você vai participar e uma reunião, vai conduzir uma reunião, pense naquela reunião como uma grande trepada…

Ana – Aha isso é uma boa.

Luciano – … entendeu, você vai para uma reunião, vocês vão trepar, todos vocês…

Ana – Então vamos pensar, vamos pensar…

Luciano – … se tiver alguém mal humorado no meio, acabou o tesão.

Ana – … então vamos pensar na relação sexual, na reunião, vamos fazer uma associação. Como é que é a boa relação sexual? Primeiro você tem que estar com tesão, desejo, ok? Então eu estou a fim de fazer essa reunião, se eu já for, puta que pariu, vou ter que transar, já metade já está meio complicado, porque você vai depender do outro para te motivar, certo?

Para o LiderCast 010, o meu amigo Eduardo Carmello, que está à frente de uma empresa chamada Entheusiasmos. Entheusiasmos… Com esse nome você já sabe o que esperar, não é?

Eduardo Carmello

Eduardo – …você tem uma empresa de alta performance, onde você não pode ter o luxo de ter 10 caras trabalhando e 3 enrolando e 2 fazendo mais ou menos e todo o trabalho fica na mão de 2 ou 3 resilientes, caras fantásticos e porque eles fazem muito bem, ninguém precisa fazer mais nada, não dá para ter esse luxo, não dá para ter essa anti meritocracia no processo, então como é que o gestor se apropria então? Ai a ideia do líder que se apropria desse trabalho de transformar estratégia em ação e cuida e organiza cada um dos seus talentos, para que eles possam trabalhar de uma maneira bem harmônica, mas também para que a gente possa explorar, no bom sentido, potencializar cada um desses talentos dentro do seu estágio. As empresas que estão muito antenadas rápidas assim, elas consideram este processo e querem esse processo porque elas conhecem muito da sistemática tecnológica mas não conhecem tanto de comportamento humano.

Luciano – Sim, é aonde o bicho vai pegar.

Eduardo – É, e as mais inteligentes entendem que tudo isso tem a ver com aprendizado acelerado, é isso que elas querem.

E o último episódio dessa primeira temporada é a reprise da entrevista que realizei com Murilo Gun no Café Brasil. O Murilo começou a conversa como comediante e terminou como empreendedor.

Murilo Gun

Murilo – Uma coisa é você fazer algo espontaneamente numa palestra e o pessoal ri. Outra coisa é quando você planejou, quando você escreveu em casa aquela parada e você falou e teve a reação que você esperava que devia ter.

Luciano – Foi essa entrevista que inspirou a criação do LiderCast.

Bem, o que você ouviu aqui foi um aperitivo. Mais de 12 horas de conteúdo para você ouvir quando e como quiser. O acesso para o LíderCast é através do portalcafebrasil.com.br e pelo iTunes e outros agregadores.

E é assim então, ao som de ROCK-IT! Com o Denilson BIG D Martins que vamos ficando por aqui.

Com o Lalá Moreira liderando na técnica, a Ciça Camargo reinando na produção e eu, empreendendo na criação, direção e apresentação, Luciano Pires.

Estiveram conosco o ouvinte Caio, Denilson BIG D Martins, Ricardo Jordão Magalhães, Elias Awad, Waleska Farias, Alexandre Ferreira Santos , Fernanda Carlos Borges, Murilo Gun, Cassio Barbosa, Sidnei Oliveira, Eduardo Carmello, Daniela do Lago, Suely Pavan e Ana Canosa. A turma do LiderCast.

Sempre lembrando a você que a Pellegrino, além de ser uma das maiores distribuidoras de auto e motopeças do Brasil, também distribui conhecimento sobre gestão, comunicação e outras coisas legais em sua página em facebook.com/pellegrinodistribuidora. Vá lá: facebook.com/pellegrinodistribuidora e deixe um recado pra eles. Vai ajudar o Café Brasil.

Pellegrino distribuidora. Conte com a nossa gente.

Este é o Café Brasil, que chega a você com o apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera.

De onde veio este programa tem muito mais. Visite para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast, para visitar nossa lojinha no portalcafebrasil.com.br.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96789 8114.

E se você ainda não tem o Viber, baixe aí para seu celular e acompanhe nosso grupo, Podcast Café Brasil.

E para terminar, uma frase do escritor norte americano Kenneth Blanchard:

A chave da liderança bem sucedida nos dias de hoje é influência e não autoridade.