Podcast Café Brasil com Luciano Pires
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

Manual de disrupção do marketing
Mauro Segura
Transformação
17 fenômenos acontecendo no marketing que nem todo mundo está enxergando

Ver mais

303 – Ordeira anarquia

303 – Ordeira anarquia

Luciano Pires -
Gratuito!
23,2 MB

Bom dia, boa tarde boa noite. E aí, você também acha que o governo é um mal necessário? Necessário até onde? Até que ponto você acha que devemos deixar o governo interferir em nossas vidas? O programa de hoje traz um texto que nos ajudará a refletir a respeito.

Por enquanto, começamos com uma frase de Alissa Zinovievna Rosenbaum, escritora, dramturga, roteirista e polêmica filósofa norte americana de origem russa que passou para a história como Ayn Rand:

A “ajuda” do governo aos negócios privados é tão desastrosa quanto a perseguição. A única forma do governo ser útil para a prosperidade da nação é mantendo suas mãos longe dela.

Este programa chega até você com o suporte de alguém que, pela iniciativa privada, ajuda a manter a cultura brasileira em dia: Itaú Cultural. www.itaucultural.org.br. Acesse o site e veja até onde uma iniciativa com propósito pode chegar.

[showhide title=”Continue lendo o roteiro” template=”rounded-box” changetitle=”Fechar o roteiro” closeonclick=true]

O exemplar de meu livro NÓIS…QUI INVERTEMO AS COISA da semana  vai para … para…o Jáder, que comentou assim o programa O MUNDO PÓS IDEIA:

“Estudando numa das universidades mais voltadas para a pesquisa do país, a UNICAMP, vejo dois principais grupos de alunos. Os politizados e os “tecnizados”. Não generalizando, mas os cursos de exatas ocupam a cabeça dos alunos com aprender e seguir as regras já criadas pelos pesquisadores do passado. São pessoas em geral apolíticas, sem vontade ou visão de mudar a sociedade, mas em criar máquinas, gerir empresas e ganhar dinheiro. Ou seja, lidam com a técnica.

Já os muito politizados aparecem de forma partidária, sensacionalista ou até mesmo “anarquista”. Muitos nos padrões dos políticos atuais brasileiros.

Já a parte boa dos filósofos sociais acabam por se esconder atrás dos livros e não cria ou tentam mobilizar as pessoas com ideais realmente importantes para melhorar ou mudar a sociedade.

Eu me considero um dos poucos do grupo dos “tecnizados” que ainda se preocupam em pensar antes de reproduzir algo a mim “ensinado”, mas ainda assim, vejo que estamos longe de criar pessoas revolucionárias.

Mas, não custa tentar mudar algo, né?”

Pois é caro Jáder, penso que não importa em qual grupo você se coloca ou com qual se identifica. Você é um indivíduo e deve lutar por suas escolhas, caso contrário será apenas mais um bovino dentro do rebanho. Pelo visto, você já está conseguindo, cara! Parabéns. E além disso, ganhou um livro…

Enquanto isso, o preguiçoso aí…bem, deixa pra lá.

E a promoção NAKATA, hein? Nakata, a marca de segurança para quem quer componentes de direção e suspensão para seus veículos?

Você pode concorrer a um iPod Touch pra ouvir suas músicas prediletas e baixar o Café Brasil direto do iTunes! Para isso, visite www.facebook.com/componentesnakata (lembre-se, nakata com K) e publique um relato de alguma situação pela qual você passou por falta de manutenção preventiva em seu carro. Qualquer historinha serve, mas tem que ser atraente, pois a cada mês três melhores relatos serão escolhidos e o que tiver mais curtidores leva o iPod Touch novinho!

De novo: www.facebook.com/componentesnakata. Conte sua história e peça pra turma curtir!

Arriscado é não usar Nakata. Exija a tecnologia original líder em componentes de suspensão. Tudo azul. Tudo Nakata.

Bem, vamos ao tema de hoje? A intrusão do estado na sociedade. Para isso vou trazer um delicioso texto de Jeffrey Tucker, que é presidente da  Laissez-Faire Books e consultor editorial do mises.org.

O texto chama-se “Entendendo a genial constatação de Hayek em São Paulo”.

Se você é esquerdista, socialista, marxista ou coisa parecida, desligue agora.

É melhor assistir o Faustão…

Humm… E vamos em grande estilo, com o Samba do Avião, de Tom Jobim , com Hamilton de Holanda.

Se há algo de que nunca me canso e do qual não abro mão é olhar por horas a fio de janela de um avião.  Por toda a história da humanidade até praticamente anteontem, nenhum ser humano podia ver o mundo desta perspectiva.  As pessoas podiam, no máximo, subir ao topo das montanhas e ver alguns vales logo abaixo.  Mas ver toda aquela diversidade de cenários se alternando logo abaixo de si era um privilégio exclusivo dos pássaros e de Deus.  E então, aproximadamente 100 anos atrás, esta realidade mudou e passamos a poder vivenciar aquilo que nunca havíamos realmente experimentado diretamente.

Mas não é a visão da natureza em estado puro o que me fascina.  São as metrópoles.  São as pequenas cidades.  São as luzes.  São aquelas vastas terras cultivadas pela agricultura.  É ver aquela aparente regularidade e ordem gerada pela civilização humana, algo que não foi planejado por nenhum comitê superior, mas que foi surgindo espontaneamente, aos poucos, por meio da criação da mente humana.  Tudo o que vemos concretizado hoje foi apenas uma ideia ontem, e passou a existir por meio da ação de indivíduos.

Não obstante toda a pretensão dos governos, toda a arrogância de seus funcionários e toda a mentalidade centralizadora e planejadora de seus burocratas, tudo aquilo que você vê da janela de um avião é, em sua pura essência, resultado de uma anarquia ordeira, a evidência do que milhões de unidades de explosiva criatividade (também conhecidas como ´pessoas´) são capazes de construir quando passam a interagir e cooperar entre si em busca da realização de seu interesse próprio.

É igualmente intrigante observar, ao se fazer um voo continental – seja nos Estados Unidos, seja no Brasil ou seja na Europa, – a imensa quantidade de terras desabitadas que ainda existe no mundo, o que deixaria qualquer um estupefato ao ouvir a conversa de que o mundo está ´excessivamente povoado´ ou de que estamos ´ficando sem espaço´.  Sob as condições adequadas, a população mundial poderia mais do que decuplicar, ocupar todo este espaço e ainda assim sobraria muito ar respirável.  Ah, sim, lembra-se daquela conversa, muito recorrente alguns anos atrás, de que estávamos ficando sem lugar para fazer aterros sanitários?  Quanta besteira!

Mas isso não é tudo que podemos constatar quando passamos a usufruir a mesma visão dos pássaros.  Há uma cena no filme O Terceiro Homem, de 1949, rodado em Viena após a Segunda Guerra Mundial, em que o criminoso de guerra Harry Lime, interpretado por Orson Welles, e o escritor Holly Martins, interpretado por Joseph Cotten, estão no topo de uma roda-gigante.  Eles olham para baixo e Holly pergunta a Harry se ele já havia visto pelo menos uma de suas vítimas.

Harry responde: Vítimas?  Não seja melodramático.  Olhe para baixo.  Veja todas aquelas pessoas.  Agora diga-me: você realmente sentiria qualquer tipo de compaixão caso um daqueles pontos parasse de se mover para sempre?  Se eu oferecesse a você 20 mil libras para cada ponto que parasse de se mover, será que você, meu velho, realmente iria me mandar ficar com o dinheiro?  Ou você apenas calcularia quantos pontos você se daria ao luxo de poupar?

A alusão a como os pilotos de aviões de combate veem o mundo certamente era algo impossível de não ser imaginado naqueles dias após a guerra.  As pessoas eram apenas pontos vistos lá de cima, coisas tão valiosas quanto as formigas que rotineiramente esmagamos com nossos pés quando andamos sobre qualquer gramado.

E é exatamente assim que o estado nos enxerga.  O estado é uma ave predadora constantemente olhando para baixo, e o que ele vê não são vidas prósperas e preciosas, mas apenas pontos que podem ser controlados, manipulados, devorados ou liberados para se moverem estritamente da maneira que ele aprova.  O estado se imagina o senhor e mestre de todas as coisas abaixo dele porém, por não possuir a capacidade de realmente fazer com que coisas bonitas sejam criadas, ele apenas se concentra em seu poder de destruir, sem nenhuma demonstração de clemência.

Que gostoso… Essa é a Lisa Ono, paulista que tem uma carreira dividida entre o Brasil e o Japão e que canta que é uma delícia…

Bem, voltando ao texto de Jeffrey Tucker.

O grande desafio da liberdade é saber olhar o mundo lá de cima, não como uma ave predatória, mas sim com a reverência e estupefação que sentimos como passageiros quando olhamos da janela de um avião.  Devemos ver e apreciar a impressionante e valiosa complexidade do nosso mundo, uma ordem que pode ser observada, mas que jamais pode ser controlada desde o topo.
É assim que imagino como o economista Friedrich August von Hayek  via o mundo quando escreveu seu famoso artigo “O Uso do Conhecimento na Sociedade”, que foi publicado durante a guerra, em 1945.  
Em sua visão, a ciência econômica havia sido radicalmente mal interpretada e mal explicada.  A economia não era algo que servia para explicar como melhor empregar recursos sociais.  Ao contrário, disse ele, o problema da economia era descobrir um sistema que fizesse o melhor uso possível das várias formas de conhecimento que existem na mente de cada indivíduo.  O conhecimento detido por cada indivíduo, conhecimento acerca do tempo e do espaço que o cerca, escreveu ele, é totalmente inacessível para os planejadores centrais.

Bem, nesse ponto aqui o texto do Jeffey reproduz um pequeno texto do Hayek, mas é praticamente impossível de ser lido aqui. Esse trechinho nós vamos deixar, vai estar integral lá no www.podcastcafebrasil.com.br, quando você entrar na página deste programa aqui logo abaixo do player, clique ali no leia o roteiro completo e você vai encontrar esse trechinho aqui.

(O caráter peculiar do problema de uma ordem econômica racional se caracteriza justamente pelo fato de que o conhecimento das circunstâncias nas quais precisamos agir nunca existe de forma concentrada e integrada, mas apenas como pedaços dispersos de conhecimento incompleto e frequentemente contraditório, distribuído por diversos indivíduos independentes.  O problema econômico da sociedade, portanto, não é meramente um problema de como alocar “dados” recursos — se por “dados” entendermos algo que esteja disponível a uma única mente que possa deliberadamente resolver o problema com base nessas informações.  Em vez disso, o problema é como garantir que qualquer membro da sociedade fará o melhor uso dos recursos conhecidos, para fins cuja importância relativa apenas estes indivíduos conhecem.  Ou, para dizê-lo sucintamente, o problema é o da utilização de um conhecimento que não está disponível a ninguém em sua totalidade.)

Seguindo.

Olhando de cima, portanto, podemos apenas ver e apreciar as coisas, mas não podemos realmente apreender e dominar todos os dados que fazem com que a ordem social se desenvolva da maneira como vemos.  Se não podemos saber completamente o que impulsiona e conduz cada escolha individual, cada ação humana, então certamente não podemos substituir a vontade e os planos de cada indivíduo pela vontade de agentes planejadores e esperar resultados melhores.  Isto seria de uma presunção indescritível.

Pausa… isso ao fundo é a primeira parte do SAMBA DO AVIÃO com Armandinho. Cê tá sentado? Que som fantástico… é a anarquia ordeira da música popular brasileira…. Mas espera que vem mais….

Voltando ao texto do Jeffrey Tucker.

Tenho de admitir que demorei anos para ser capaz de compreender totalmente e valorizar adequadamente esta magistral constatação de Hayek.  Mesmo após ler seu artigo mais de 100 vezes, a essência desta descoberta de Hayek ainda me escapava em alguns detalhes.

Mas tudo mudou quando fui a São Paulo, Brasil. Lá, vivenciei uma extraordinária experiência que me ajudou a finalmente cristalizar o raciocínio de Hayek.  Fui ao topo de um prédio alto encravado no meio da cidade.  Lá em cima havia um bar muito elegante chamado Skye, de onde era possível vislumbrar a cidade em todos as direções.  Para onde quer que você olhasse, estava cercado de prédios.  Você podia girar em círculos e tudo o que você iria ver era a mais pura evidência do trabalho humano em seu constante esforço para criar e sustentar vidas.

Existem aproximadamente 20 milhões de pessoas em São Paulo.  Mas, olhando tudo de cima, a impressão que se tem é que cinco Nova Yorks foram comprimidas e jogadas ali. 

Não parece haver um centro específico na cidade.  As construções se espalham em um contínuo de tal forma que é impossível para a mente humana compreender como tudo aquilo pode funcionar.  A única coisa que você pode realmente fazer é apenas ficar parado, admirando em total estupefação toda aquela visão.  Foi exatamente isso que eu e meus amigos do mises Brasil fizemos.

E ai? sentiu as citações ao Bolero de Ravel, Wave do Tom Jobim e até o Black Dog do Led Zeppelin? E o Armandinho. Aquela coisa de brasileiro botando ordem na bagunça, ou bagunçando a ordem.

E o Jeffrey Tucker  continua.

O Brasil possui um estado socialista, mas assim como todos os atuais estados socialistas, o governo brasileiro pode apenas fingir que está fazendo o que alega estar fazendo.  Em vez de inspirar coisas novas e permitir a criação de mais coisas maravilhosas, o estado apenas se intromete e fica no meio do caminho, impedindo ou dificultando empreendimentos por meio de suas intrusivas regulamentações e sua espoliativa tributação.  Como todos os estados, o governo brasileiro é apenas um sumidouro de produtividade e de riqueza da sociedade.  Sua contribuição para a geração de riqueza é nula, para não dizer negativa.

De alguma maneira, tudo isto se tornou translúcido para mim, como nunca antes, no momento em que tive esta visão de São Paulo do alto do Skye.  É o supra sumo da arrogância que um grupo de burocratas queira se pretender capaz de controlar um lugar como este.  Os mercados negro e cinza prosperam à luz do dia.  Bens cuja venda não é autorizada pelo governo são transacionados abertamente, definindo sua própria vida.  A espontaneidade prevalece.  Toda a cidade é gloriosamente rebelde aos ditames do estado, e é exatamente isto o que a torna tão sensacional.

Sim, existe planejamento.  Muito planejamento.  Indivíduos planejam suas vidas.  Empresas planejam sua produção.  Consumidores planejam suas compras.  Mas o governo não planeja nada.  Ele apenas interfere, vive às expensas da riqueza alheia e arruma desculpas para justificar tal comportamento parasítico.

É exatamente como disse Hayek: “Não está em discussão se se deve planejar ou não, mas sim se o planejamento deve ser feito de forma centralizada, por uma autoridade única para todo o sistema econômico, ou se ele deve ser dividido entre vários indivíduos.”

Enquanto eu estava no topo daquele prédio, mesmerizado pela visão e tentando imaginar e compreender toda aquela vastidão de São Paulo, um casal começou a se beijar na minha frente, bloqueando minha visão.  Eles se abraçavam afetuosamente. E demoradamente. Quem eram aquelas pessoas?  Há quanto tempo elas se conheciam? Quem entre os dois sentia uma maior afeição pelo outro?  A que esta demonstração pública de afeto levaria?  Isso seria algo de apenas uma noite ou geraria laços para toda uma vida?

Eu não tinha nenhuma ideia das respostas, e jamais sequer sonharia em interferir naquela relação.  Somente aquelas duas pessoas podem e sabem como moldar suas vidas, aprender com seus erros e tudo mais.  E elas eram apenas duas pessoas entre as 20 milhões que vivem na cidade.  E estas 20 milhões são apenas 10% da população do Brasil. E oBrasil possui apenas 3% de toda a população do mundo.  E cada indivíduo deste mundo possui uma mente própria e exclusiva.  Graças a Deus por isto.  E, de alguma forma, tudo funciona.

Ninguém jamais será capaz de controlar este mundo.

Ninguém jamais será capaz de controlar este mundo… pois é. Mas é só olhar para os lados para ver que o inferno está cheio de gente que tem as soluções para o bem da humanidade. Sai capeta!

Ah, sim, e aqui vai um presentinho. Dê uma olhada no site www.mises.org.br. Tem umas provocações bem interessantes lá, mas que não servem praquela turma que está vendo o Faustão…

Seu Dono da Gente
Nei Lopes  
Wilson Moreira

Seu dono da gente
Aqui realmente não está mole não
Tá faltando feijão, tá faltando esperança
As nossas crianças
Não têm segurança nem dentro de casa
Só dá “treizoitão”, estão mandando brasa.

Seu dono da gente
O Brasil tá querendo mais humanidade
Menos cartolagem, mais honestidade
E maior proteção ao que é nacional
O trem menos cheio, bem menos receio
Trabalho decente, remédio barato
Pra quem tá doente
A beca, o sapato e a cachanga ideal
Seu dono da gente
Um pouquinho disso já quebrava o galho
Não custava caro, nem dava trabalho
E deixava o país numa quase legal.

E é assim, com João Nogueira e SEU DONO DA GENTE de Wilson Moreira e Nei Lopes, deixando seus neurônios fervilhando, que o Café Brasil de hoje vai saindo de leve, ou de mansinho. Ah, essa música é de 1979, viu?

Com Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e eu, Luciano Pires, na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Jáder, Jeffrey Tucker, Hamilton de Holanda, Lisa Ono, Armandinho e João Nogueira.

O Café Brasil chega até você com o suporte de ninguém menos que o Auditório Ibirapuera, que é tocado por um grupo de pessoas que sabe muito bem o valor que a música tem. Acesse www.auditorioibirapuera.com.br  e veja a programação de shows. Dê um presente para seus olhos e ouvidos, um pouco de cul-tura!

O Café Brasil é um programa feito por adultos especialmente para gente que não se acha criança e não precisa que papai e mamãe fiquem dizendo o que pode e o que não pode fazer, sacou? Lalá, solta a vinheta…

Pra terminar, uma frase do dramaturgo norueguês Henrik Ibsen:

Uma comunidade é como um navio: todos deveriam estar preparados para pegar o leme.

[/showhide]