Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 126 – Mais Médicos
Cafezinho 126 – Mais Médicos
- Mas eles estavam atendendo os brasileiros necessitados!

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

276 – O mundo pós-ideia

276 – O mundo pós-ideia

Luciano Pires -

O programa da semana de certa forma fecha um ciclo sobre o tema “gerações”. Baseia-se num artigo do jornalista Neal Gabler publicado no jornal The New York Times que de certa forma explica o que aconteceu com o mundo após a instituição da “Aldeia Global” de Marshall McLuhan: atropeladas pela necessidade de busca de audiência, faturamento e entretenimento, as idéias acabaram! É um programa reflexivo, com texto pesado mas absolutamente necessário para quem se preocupa com o emburrecimento generalizado. Na trilha sonora Ivan Santos, a Banda Selton e Cidade Negra, Almir Sater e Lenine. Apresentação de Luciano Pires.

[showhide title=”Ler o roteiro completo do programa” template=”rounded-box” changetitle=”Fechar o roteiro” closeonclick=true]

Bom dia, boa tarde, boa noite! E você, anda sentindo falta de grandes ideias? Não fique infeliz, você não está sozinho. Aliás, o mundo está com falta de ideias. Na verdade, nem mesmo estamos conseguindo definir o que vem a ser uma boa ideia. Por isso uma sensação de vazio que anda por aí. É sobre isso que o programa de hoje vai refletir, sendo de certa forma uma continuação de outro programa, o Geração T.

Pra começar, uma frase do escritor francês Victor Hugo:

Pode-se resistir à invasão de exércitos, não à invasão de ideias.

E o exemplar de meu livro NOIS QUI INVERTEMO AS COISA de hoje vai para…. Eduardo Batista, que comentou o podcast O BENEFÍCIO DA DÚVIDA. O comentário do Eduardo é grande, vou escolher um trecho que julguei muito interessante e que diz assim:

“Bem, mas quero chegar ao ponto que ajudar as pessoas como você faz é legal, porém depende de cada um.

Ocorre o mesmo na eletrônica: para um elétron sair de camada precisa receber uma energia externa ao sistema, ou seja, ninguém sobe sozinho, sempre tem ajuda do meio onde está introduzido. E para se manter na camada superior, ou mantém a energia, se vira, ou absorve mais energia para subir de camada. Existe a situação em que pode cair para a camada inferior emitindo um fóton que normalmente é luz visível dependendo do material.

Tenho dificuldade visual e ouvir me facilita muito a vida ao invés de ler. E quem pega a isca recebe a energia. Se quiser subir de camada é só buscar a ajuda que é necessária e fazer a parte que precisa ser feita.

Parabéns pelos podcasts Luciano. Vou dar os parabés ao Itau Cultural também.”

Grande Edson, que linda alegoria essa dos elétrons. Vou usar num de meus textos, posso?

Pois então, o Edson, que tem dificuldade visual, separou um tempo para comentar o programa e ganhou um livro. E você aí, que enxerga direitinho? Não escreve porquê?

Ideias, ideias… A impressão é que vivemos num mundo que surgiu depois das ideias. Um mundo pós-ideias. No mundo pós-ideia, recebemos trilhões de dados, muitas vezes insignificantes, sem parar para pensar. E a quantidade de dados aumenta cada dia mais.

O programa de hoje está todo baseado num artigo chamado “A enxurrada de enganosas grandes ideias”, escrito pelo professor, jornalista, escritor e comentarista político Neal Gabler e publicado no jornal The New York Times.

Em edição recente, a revista norte americana The Atlantic alardeia as “14 Maiores Ideias do Ano”. Prenda o fôlego.

As ideias incluem: em 12º. lugar “Os jogadores são os donos do jogo”. Em 6º. Lugar: “Wall Street: a mesma de sempre”. Em 2º. Lugar: “Nada permanece secreto!”, e a maior de todas as idéias do ano, “A ascensão da classe média – só que não a nossa”, que se refere às economias em crescimento de Brasil, Rússia, Índia e China.

Pode soltar o ar. Você deve achar que nenhuma dessas ideias parece particularmente de tirar o fôlego. Nenhuma delas, aliás, é uma ideia.

Elas são mais observações. Mas não se deve culpar a revista por confundir lugares comuns com visão intelectual.

As ideias simplesmente não são o que costumavam ser. Em um passado distante, elas podiam acender debates, estimular outros pensamentos, incitar revoluções e mudar fundamentalmente as maneiras como observamos e pensamos o mundo. Elas podiam penetrar na cultura geral e transformar pensadores em celebridades – notadamente Albert Einstein, mas também Reinhold Niebuhr, Daniel Bell, Betty Friedan, Carl Sagan e Stephen Jay Gould, para citar alguns. As próprias ideias podiam se tornar famosas: por exemplo, “o fim da ideologia”, “o meio é a mensagem”, “a mística feminina”, “a teoria do Big Bang, “o fim da história”.

A grande ideia podia ganhar a capa da revista Time como aquela do “Deus está morto?”. E intelectuais como Norman Mailer, William F. Buckley Jr. e Gore Vidal seriam eventualmente convidados para as poltronas dos programas de entrevistas de fim de noite.

Mas isso foi há uma eternidade.

Se nossas ideias parecem menores hoje, não é porque somos mais burros do que nossos antepassados, mas simplesmente porque não ligamos tanto para as ideias quanto eles ligavam. Aliás, estamos vivendo cada vez mais em um mundo pós-ideia – um mundo em que as ideias grandes, as que fazem pensar, que não podem ser instantaneamente transformadas em dinheiro, têm tão pouco valor que menos pessoas as estão gerando e menos canais as estão disseminando, mesmo com a internet.

As ideias ousadas estão praticamente fora de moda.

Ninguém faz ideia

Malucos e donas de casa
Vocês aí na porta do bar
Os cães sem dono, os boiadeiros
As putas Babalorixás…
Os Gênios, os caminhoneiros
Os sem terra e sem teto
Atôres, Maestros, Djs
Os Undergrounds, os Megastars
Os Rolling Stones e o Rei…
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!
De quem vem lá!
De quem vem lá!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!…
Ciganas e neo-nazistas
O bruxo, o mago pajé
Os escritores de science fiction
Quem diz e quem nega o que é…
Os que fazem greve de fome
Bandidos, cientistas do espaço
Os prêmios nobel da paz
O Dalai Lama, o Mister Bean
Burros, Intelectuais…
Eu pensei!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!
De quem vem lá!
De quem vem lá!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!…(2x)
Os líderes de última hora
Os que são a bola da vez
Os encanados, divertidos
Os tais que traficam bebês…
O que bebe e passa da conta
Os do cyber espaço
A capa do mês da playboy
O novo membro da academia
E o mito que se auto destrói…
Eu sei!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!
De quem vem lá!
De quem vem lá!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!…
Os duros, os desclassificados
A vanguarda e quem fica prá traz
Os dorme sujos, os emergentes
Os espiões industriais…
Os que catam restos de feira
Milicos piratas da rede
Crianças excepcionais
Os exilados, os executivos
Os clones e os originais…
É a lei!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!
De quem vem lá!
De quem vem lá!
Ninguém faz idéia
De quem vem lá!…(2x)
Os Anjos, os Exterminadores
Os Velhos jogando bilhar
O Vaticano, a CIA
O Boy que controla radar
Anarquista, Mercenários, quem é?
Quem é e quem fabrica notícia
Quem crê na reencarnação
Os Clandestinos, os Ilegais
Os Gays, os Chefes da Nação
Ninguém faz idéia
De quem vem lá…

Olha só, mais um presente do Café Brasil pra você: Ivan Santos, com NINGUÉM FAZ IDEIA. Essa canção é uma parceria do Ivan com o Lenine  e ganhou em 2005 o prêmio Grammy como melhor canção brasileira em língua portuguesa.” Ivan costuma dizer que nasceu duas vezes, primeiro em Pernambuco, depois na Paraíba.Eu aposto que você nunca tinha ouvido, não é? Ivan Santos, no Café Brasil!

E retomando o texto de Neal Gabler.

Não é segredo, especialmente nos Estados Unidos, que vivemos numa era pós-Iluminismo na qual racionalidade, ciência, argumento lógico e debate perderam a batalha para a superstição, a fé, a opinião e a ortodoxia. Embora continuemos criando avanços tecnológicos gigantescos, podemos estar na primeira geração que girou para trás o relógio da história. A geração que retrocedeu intelectualmente do modo pensar para os velhos modos das crenças. Mas pós-Iluminismo e pós-ideia, embora relacionados, não são exatamente a mesma coisa.

Pós-Iluminismo refere-se a um estilo de pensar que já não mobiliza as técnicas do pensamento racional. Pós-ideia refere-se ao pensar que não é mais praticado, independentemente do estilo.

O mundo pós-ideia vem chegando faz tempo, e muitos fatores contribuíram para isso. Vemos o recuo nas universidades do mundo real, e o incentivo à especialização mais estreita em lugar da ousadia – de cuidar de plantas nos vasos em vez de plantar florestas.

Vemos a substituição do intelectual público na mídia em geral pelo sabichão que substitui extravagâncias por ponderação, e o consequente declínio do ensaio em revistas de interesse geral. E temos a ascensão de uma cultura cada vez mais visual, especialmente entre os jovens – uma forma menos favorável à expressão de ideias.

Mas esses fatores, que começaram há décadas, foram mais provavelmente os anúncios do advento de um mundo pós-ideia do que suas causas principais.

Vivemos na muito alardeada Era da Informação. Por cortesia da internet, temos a impressão de ter acesso imediato a tudo que alguém poderia querer saber. Certamente somos mais bem informados em história, ao menos quantitativamente. Há trilhões e trilhões de bytes circulando no éter – tudo para ser colhido e ser objeto de pensamento. E é precisamente essa a questão. No passado, nós colhíamos informações não só para saber coisas, isso era apenas o começo. Nós também colhíamos informações para convertê-las em alguma coisa maior que fatos e, em última análise, mais útil: em ideias que explicavam as informações. Buscávamos não só apreender o mundo, mas realmente compreendê-lo, que é a função primordial das ideias.

Grandes ideias explicam o mundo e nos explicam uns aos outros.

Marx chamou a atenção para a relação entre os meios de produção e nossos sistemas sociais e políticos. Freud nos ensinou a explorar nossas mentes como meio para compreender nossas emoções e comportamentos. Einstein reescreveu a física. Mais recentemente, Marshall McLuhan teorizou sobre a natureza da comunicação moderna e seu efeito na vida moderna. Essas ideias permitiram que nos desprendêssemos de nossa existência e tentássemos responder as grandes e atemorizantes questões de nossas vidas.

Mas se a informação foi um dia um alimento de ideias, na última década ela se tornou sua concorrente. Estamos como o agricultor que possui trigo demais para fabricar farinha. Somos inundados por tanta informação que não teríamos tempo para processá-la mesmo que o quiséssemos. E a maioria de nós não quer.

Canção inteligente

Ci piacerebbe cantar
Una canzone intelligente
Che segua un filo logico importante
E che sia piena di bei ragionamenti
Insomma una canzone intelligente
Che spieghi un po’ di tutto, e un po’ di niente

Eis essa canção inteligente,
Que fará cantar toda essa gente
Eis essa canção inteligente
Que fará cantar, que fará bailar, que fará bailar
Lo sciocco in blu!

Cosa ci vuole si sa
Per far successo con la gente
Si prende un filo logico importante
La casa discografica adiacente
Veste il cantante come un deficiente
Lo lancia sul mercato sottostante

Eis essa canção inteligente,
Que fará cantar toda essa gente
Eis essa canção inteligente
Eis essa canção
Eis essa canção inteligente,
Que fará cantar toda essa gente
Eis essa canção inteligente
Que fará cantar, que fará bailar, que fará bailar
Lo sciocco in blu!

Rararraa… que tal a CANÇÃO INTELIGENTE? Esta é da Banda Selton, que foi formada por quatro amigos de Porto Alegre que se conheceram em Barcelona. Foram ouvidos por um produtor da MTV enquanto tocavam num parque e foram convidados a gravar um disco, o BANANA A MILANESA onde está esta música. São rocks italianos dos anos 60 com letra traduzida para o português. Os caras fizeram um baita sucesso na Itália e lançaram em 2010 seu segundo CD, o Selton. Fala a verdade, onde é que você ouve essas coisas, hein? Só aqui, né?

A seleção de informações em si é cansativa: o que cada um de nossos amigos está fazendo neste particular momento, e no momento seguinte, e no seguinte. Com quem a celebridade da novela está saindo agora qual video se tornará viral no YouTube neste momento o que a princesa Letizia ou Gisele Bündchen estão usando hoje.

Existe um princípio econômico chamado Lei de Gresham, atribuída a Sir Thomas Gresham, conselheiro da Rainha Isabel I de Inglaterra, que afirmou em 1558 que “a moeda má expulsa a moeda boa”.
Naquela época as moedas tinham valor conforme o peso do ouro em que eram cunhadas. Quanto mais pesadas, mais valiosas.  Sir Gresham disse  que se o Estado decidisse cunhar novas moedas com o mesmo valor facial mas com menos quantidade de ouro, os agentes econômicos tenderiam a guardar a moeda mais pesada (a moeda boa) e a fazer circular apenas a nova moeda mais leve (a moeda má).

Pouco a pouco, toda a moeda boa acabaria por ser substituída pela moeda má.

Pois estamos vivendo dentro da nuvem de uma Lei de Gresham informática onde informações triviais expulsam informações significativas. Mas não é só uma questão de informações. Essa lei de Gresham também ataca as noções, quando as informações, triviais ou não, expulsam ideias.

Preferimos conhecer a pensar porque o conhecer tem mais valor imediato. A moeda má expulsa a moeda boa, sacou?

O conhecer nos mantém “por dentro”, nos mantém conectados com nossos amigos e nossa tribo. As ideias são tão intangíveis, tão pouco práticas, trabalho demais para recompensa de menos. Poucos falam ideias. Todos falam informação. E geralmente informação pessoal. Onde é que você vai? O que está fazendo? Quem você anda vendo? Estas são as grandes questões de hoje.

Não é por acaso, com certeza, que o mundo pós-ideia brotou com o mundo das redes de relacionamento social. Apesar de haver sites e blogs dedicados a ideias, os sites mais populares na web como Twitter, Facebook, Myspace, etc., são basicamente bolsas de informações. E são bolsas destinadas a alimentar a fome insaciável de informação, embora essa dificilmente seja o tipo de informação que gera ideias. Ela é, em grande parte, inútil exceto na medida em que faz o possuidor da informação se sentir, bem… informado.

Pode-se argumentar que esses sites não são diferentes do que o bate-papo era para gerações anteriores. Afinal, o bate-papo raramente criava grandes ideias, não é?

Pois é. Mas a analogia não é perfeita.

Em primeiro lugar, os sites de relacionamento social são a principal forma de comunicação entre jovens, e estão suplantando os meios impressos, que é onde as ideias eram tipicamente gestadas. Depois, os sites de relacionamento social criam hábitos mentais que são inimigos do tipo de discurso deliberado que dá origem a ideias. Em lugar de teorias, hipóteses e argumentos importantes, obtemos tuítes instantâneos de 140 caracteres sobre comer um sanduíche ou assistir um programa de TV.

O som que você ouve ao fundo é MARIONETE, de Almir Sater e Pedro Ortale. Com o próprio Almir em seu CD INTRUMENTAL DOIS.

Embora as redes sociais possam alargar o círculo pessoal de alguém e até apresentá-lo a estranhos, isso não é mesma coisa que alargar o universo intelectual pessoal. Aliás, a tagarelice das redes sociais tende a encolher o universo da pessoa a ela mesma e seus amigos, enquanto pensamentos organizados em palavras, seja online seja na página impressa, alargam o foco pessoal.

Parafraseando o ditado famoso, geralmente atribuído ao jogador de beisebol americano Yogi Berra, de que não dá para pensar e rebater ao mesmo tempo, também não se pode pensar e tuitar ao mesmo tempo. Não por ser impossível fazer tarefas múltiplas, mas porque tuitar – que é, em grande parte, um jorro, ou de opiniões breves sem sustentação, ou de descrições breves das próprias atividades prosaicas – é uma forma de distração e anti-pensamento.

As implicações para uma sociedade que não pensa grande são enormes. As ideias não são meros brinquedos intelectuais. Elas têm consequências práticas.

Um artista amigo lamentou recentemente que sentia o mundo da arte à deriva, pois não havia mais grandes críticos para oferecer teorias da arte que poderiam fazer a arte frutificar e se revigorar.

Outro amigo desenvolveu um argumento parecido sobre política. Embora os partidos debatam sobre quanto cortar no orçamento, ele gostaria de saber onde estão os políticos-cabeça que poderiam elevar o nível de nossa política.

O mesmo seguramente poderia ser dito da economia, onde John Maynard Keynes continua sendo o centro do debate quase 80 anos depois de propor sua teoria de injeção de estímulos pelo governo. Isso não significa que os sucessores dos grandes nomes não existam, apenas que, se existirem, eles provavelmente não ganharão espaço numa cultura que tem tão pouco uso para ideias, especialmente as grandes, excitantes e perigosas. E isso é verdade quer as ideias venham de acadêmicos ou de outros que não fazem parte de organizações de elite e desafiam a sabedoria convencional.

Todos os pensadores são vítimas da abundância de informação, e as ideias dos pensadores de hoje também são vítimas dessa abundância.

Então. Essa questão das vítimas da abundância de informação, é especialmente verdade para grandes pensadores nas ciências sociais como o psicólogo cognitivo Steven Pinker, que teorizou sobre tudo – da origem da linguagem ao papel da genética na natureza humana – ou o biólogo Richard Dawkins, que teve ideias grandes e controvertidas sobre tudo – do egoísmo a Deus – ou o psicólogo Jonathan Haidt, que analisou sistemas morais diferentes e extraiu conclusões fascinantes sobre a relação – de moralidade a crenças políticas.

Mas como eles são cientistas e empíricos e não generalistas nas humanidades, o lugar a partir do qual as ideias eram costumeiramente popularizadas, eles sofrem um duplo golpe. Não só o golpe contra as ideias em geral, mas o golpe contra a ciência, que é tipicamente considerada na mídia, na melhor hipótese, como mistificadora e na pior, como incompreensível.

Uma geração atrás, esses homens teriam chegado a revistas populares e às telas da televisão. Agora, eles são expelidos pelo tsunami informacional.

Pensamento

Você precisa saber
O que passa aqui dentro
Eu vou falar pra você
Você vai entender
A força de um pensamento
Pra nunca mais esquecer
Pensamento é um momento
Que nos leva a emoção
Pensamento positivo
Que faz bem ao coração
O mal não
O mal não
Sempre que para você chegar
Terá que atravessar
A fronteira do pensar
A fronteira do pensar
E o pensamento é o fundamento
Eu ganho o mundo sem sair do lugar
Eu fui para o Japão
Com a força do pensar
Passei pelas ruínas
E parei no Canadá
Subi o Himalaia
Pra no alto cantar
Com a imaginação que faz
Você viajar, todo mundo
Estou sem lenço e o documento
Meu passaporte é visto em todo lugar
Acorda meu Brasil com o lado bom de pensar
Detone o pesadelo pois o bom
Ainda virá
Você precisa saber
O que passa aqui dentro
Eu vou falar pra você
Você vai entender
A força de um pensamento
Pra nunca mais esquecer
Custe o tempo que custar
Que esse dia virá
Nunca pense em desistir, não
Te aconselho a prosseguir
O tempo voa rapaz.
Pegue seu sonho rapaz
A melhor hora e o momento
É você quem faz
Recitem
Poesias e palavras de um rei
Faça por onde que eu te ajudarei
Recitem poesias e palavras de um rei
Faça por onde que eu te ajudarei
Recitem poesias e palavras de um rei
Faça por onde que eu te ajudarei
Recitem poesias e palavras de um rei
Faça por onde que eu te ajudarei

Você está ouvindo ai ao fundo,  PENSAMENTO, com a banda Cidade Negra, formada originalmente na Baixada Fluminense por Bino no baixo, Toni Garrido nos vocais e Lazão na bateria. Infelizmente esses caras fazem menos sucesso do que merecem…

Pois então. Alguém certamente dirá que as grandes ideias migraram para o mercado, mas há uma enorme diferença entre invenções com fins lucrativos e pensamentos intelectualmente desafiadores.
Empresários têm muitas ideias, e alguns, como Steve Jobs, da Apple, trouxeram algumas ideias brilhantes no sentido “inovador” da palavra. Mas, embora essas ideias possam mudar a maneira como vivemos, elas raramente transformam a maneira como pensamos. Elas são materiais e não são relacionadas a noções.

São os pensadores que estão em falta, e a situação provavelmente não vai mudar tão cedo.

Nós nos tornamos narcisistas da informação, tão desinteressados por qualquer coisa fora de nós e de nossos círculos de amizade ou por qualquer petisco que não possamos partilhar com esses amigos que se um Marx ou um Nietzsche surgisse subitamente trombeteando suas ideias, ninguém lhes daria a menor atenção. Certamente não a mídia em geral, que aprendeu a servir ao nosso narcisismo.

O que o futuro aponta é para cada vez mais informação – Everests dela. Não haverá nada que não conheçamos. Mas não haverá ninguém pensando nisso.

Pense nisso.

E é assim, agora com a gravação de Lenine de NINGUÉM FAZ IDEIA, que o Café Brasil de hoje que falou da escassez de ideias vai saindo de mansinho. Não vou nem comentar…

Com Lalá Moreira pensativo na técnica, Ciça Camargo pensarosa na produção e eu aqui, sem saber o que pensar. Luciano Pires. Na direção e apresentação.

Estiveram conosco o ouvinte Eduardo Batista , o jornalista e comentarista Neal Gabler , Ivan Santos, a Banda Selton e Cidade Negra, Almir Sater e Lenine.

Este é o Café Brasil, um programa ouvido por gente que não apenas gosta, mas quer pensar.

E para terminar,uma frade se Linus Pauling, físico e ganhador do Prêmio Nobel da Paz:

A melhor maneira de ter uma boa ideia é ter várias ideias.

[/showhide]