Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Voice Design Coaching, construção do projeto pessoal da voz

Voice Design Coaching, construção do projeto pessoal da voz

Jorge Cury Neto - Voice Design -

Nota de Luciano Pires: O Jorge Cury Neto é radialista há décadas, e tem desenvolvido um trabalho instigante de estudo da voz, que acabou traduzindo para um processo de coaching. Conversei com ele algumas vezes e pude perceber a importância desse trabalho (até pela minha atividade profissional), e aprender dicas importantes sobre a importância desse instrumento que (quase) todos nós temos, e ao qual não damos muita importância: a voz. Quem acompanha meu trabalho sabe que ele é focado na LIBERDADE INDIVIDUAL, e a voz, juntamente com a capacidade de julgamento e tomada de decisão, é instrumento essencial para romper as correntes que nos prendem aos sistemas que a sociedade nos impõe. Por isso convidei o Jorge para que escrevesse a respeito nestas Iscas Intelectuais.

Você pode saber mais sobre esse trabalho fascinante em http://jorgecuryneto.com/ 

Bem-vindo, caro Jorge. Solte e a voz!

_____________________________________________________________

Com base na antropologia, sociologia e outras ciências sociais se constata  ao longo da história, estendendo-se aos dias de hoje, uma permanente ação inibidora do uso pleno do atributo da oralidade na cena pública, invariavelmente vista como uma habilidade com alto potencial de ameaça as estruturas de comando.

Assim, a escola, mantém em larga escala o predomínio de uma didática expositora de conhecimento, contestada exemplarmente por Paulo Freire como a “Educação Bancária”, papel executado atualmente também pela televisão, disciplinando o silêncio e a alienação da palavra.

Além de outras razões, esta é uma das justificativas das pesquisas que insistentemente apontam a exposição oral, o falar em público, como um dos maiores medos do ser humano, superando o medo de altura e da morte, entre tantas, como constata um levantamento em 21/11/2013 pela ABRH-PR.

Paralelamente a este cenário, as elites sociais são ensinadas a qualificar a arte da retórica, a desenvoltura verbal e a capacidade de articulação com o propósito do exercício do poder.

A cultura letrada promove benefícios inquestionáveis e imensuráveis, apesar da sua indiscutível legitimidade da contribuição do letramento, apresenta um viés de interesse de dominação social, de domesticação do pensamento estruturado, da ditadura das definições e conceituações, das delimitações da racionalidade, com o intuito de ganhar espaço apenas na memória e não no poder individual e coletivo da reflexão.

Ao passo que a oralidade permite a conquista da plena expressão do pensamento, do exercício do poder voltado ao legítimo proveito do coletivo, na formação de liderança, na manifestação da personalidade (Pessoa no grego: Por meio do som), vencer a infantilidade intelectual (Infantil do grego: Aquele que não está habilitado para o  atributo da fala), da expansão da inteligência intuitiva, da estética como meio de aquisição do conhecimento não verbal e da renovação das ideias.

Este diagnóstico aponta para a necessidade de conhecer, entender, experimentar e apreender o universo do design na voz, do desenho (sons visualizados) da voz, do projeto da voz (tradução literal do inglês para o português.

Para isso é que o Voice Design objetiva dar sua contribuição, oferecendo um conhecimento teórico e prático com propósito de ampliar a dimensão da comunicação formal e informal, interpessoal e intrapessoal , estruturada e não estruturada, envolve a lógica da linguagem e a estética da voz.

Voice Design enfatiza a essencialidade da prática de planejar, de pensar antes de falar, ganha assertividade na comunicação, aplicar similarmente na oralidade, o mesmo rigor que geralmente se dedicada a construção da escrita, evitar o conflito e o ruído e semear informação, diálogo e relacionamento humano.
Para viabilizar uma estrutura de capacitação que compreenda a construção de uma engenharia que atenta  a cada demanda específica, foi construído o Voice Design Coaching:

Numa tradução literal do inglês para o português: Treinamento do Projeto da Voz.

Sim, o projeto da voz tem pelo menos dois  sentidos. Um deles se refere a um projeto minuciosamente elaborado e outro sobre a projeção sonora da voz.

O  Voice Design Coaching está sustentado integralmente nos pressupostos consagrados internacionamente de coaching.

Numa primeira configuração o Voice Design Coaching está assim disposto:

Processo coaching:

  1. Especificar as metas comunicacionais a serem alcançadas (pessoal e/ou profissional);
  2. Compreender as contextos e circunstâncias comunicacionais que envolvem o coachee;
  3. Avaliar e identificar as opções existentes;
  4. Escolher as alternativas desejadas para atingir as metas de comunicação;
  5. Definir os passos, eliminar as resistências e decidir quando e onde agir;
  6. Estruturar um planejamento de comunicação que conduza as metas estabelecidas;
  7. Valorizar as conquistas parciais das metas;
  8. Reconhecer a necessidade de aprendizagem continuada;
  9. Registrar a voz em mídia para conhecê-la e reconhecê-la;
  10. Explorar as multiformes possibilidades da voz, mantendo o padrão atual e experimentando novas performances.
  11. Análise do resultado da construção do projeto da voz;
  12. Apresentação do projeto da voz;
  13. Auto-avaliação do coachee;

Metas para o Coachee:

  1. Construir o projeto pessoal da voz;
  2. Adquirir consciência plena do ato comunicativo e do processo comunicacional;
  3. Atingir o potencial de confiança o uso da voz;
  4. Ganhar consistente clareza da comunicação;
  5. Sentir, pensar, expressar o potencial do comunicador;
  6. Desenvolver competências comunicacionais próprias;
  7. Aumentar o nível da comunicabilidade interpessoal e intrapessoal;
  8. Internalizar conteúdos chave para serem transformados em convicção;
  9. Externalizar o conhecimento adquirido, o repertório existencial;
  10. Distinguir o que é interessante, importante e essencial;
  11. Otimizar do tempo de exposição e  a eliminação de excessos;
  12. Priorizar o foco no ouvinte, identificando os sinais emitidos;
  13. Entender a intencionalidade dos códigos sonoros emitidos;
  14. Fornecer feedback regular e de alta qualidade, resultado de uma escuta plena e estruturada;
  15. Usufruir da capacidade de persuasão propositiva;
  16. Aplicar adequadamente o poder da pausa estratégica;
  17. Dar significados aos intervalos entre as palavra para viabilizar a compreensão;
  18. Construir relação saudável com o interlocutor;
  19. Respirar no mesmo ritmo do seu interlocutor para ganhar empatia;
  20. Redução do nível de ruído de comunicação;
  21. Criar indicadores de melhoria da qualidade comunicativa ao longo do processo;
  22. Estar preparado para resolver conflitos;
  23. Compartilhar conhecimentos e experiências;
  24. Focar e envolver-se no contexto do ouvinte;
  25. Perceber a comunicação verbal e não verbal do seu interlocutor;
  26. Promover uma sinergia criativa com o interlocutor;
  27. Elaborar perguntas usando os 5Ws – What (o Quê), Why (Por quê), Where (Onde), Who (Quem), When (Quando)  e os 2Hs – How (Como) e How Many (Quanto);
  28. Encorajar o interlocutor a falar com autenticidade;
  29. Clarificar o que o interlocutor exatamente quer dizer;
  30. Deixar seu interlocutor falar as frases até o fim, atendo o seu raciocínio;
  31. Respeitar o silêncio do interlocutor;
  32. Aprimorar o planejamento de aula, definindo sequenciadamente os temas, sub-temas e a elaboração dos respectivos roteiros;
  33. Comunicar o que é tão relevância para uma significância maior, do que simplesmente uma comunicação apenas espontânea e natural;

Aprendizagem para o Coachee:

  1. Compreender a dimensão perceptiva, cognitiva e estética da voz;
  2. Conhecer os aspectos existenciais do uso da voz;
  3. Entender a voz como manifestação reveladora da identidade do individuo;
  4. Planejar tática e tecnicamente a comunicação;
  5. Elaborar um plano mental de conversação;
  6. Distinguir o que é interessante, importante e essencial;
  7. Aprimorar a habilidade de ouvir e arte de escutar;
  8. Valorizar a atenção dada pelo seu interlocutor;
  9. Entender a intencionalidade dos códigos sonoros emitidos;
  10. Fazer a leitura dos contextos e circunstâncias da comunicação;
  11. Qualificar discurso adequado a linguagem do público;
  12. Compreender o funcionamento cerebral da linguagem;
  13. Entender o papel comunicador do profissional de sucesso;
  14. Compreender a voz como meio de auto-conhecimento e auto-desenvolvimento;
  15. Usar adequadamente a inteligência emocional da voz;
  16. Conhecer os segredos da contação de história (storytelling);
  17. Sintetizar e refletir sobre o que o interlocutor diz;

Ver Todos os artigos de Jorge Cury Neto