Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Os polirretos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quando a esperteza é muita, come o dono, já dizia Tancredo Neves (1910-1985). Em tempos do politicamente correto, a onda mais ridícula desde a modinha do ioiô ou, quem sabe, fotografar comida,  é ...

Ver mais

Paciência, adjetivos e o amigo do amigo do papai….
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157273773468631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade: indispensável, mas ainda desconhecida “Existe criatividade sem inovação, mas não existe inovação sem criatividade”. Bill Shephard Dois fatores levaram-me a escrever este breve ...

Ver mais

TRIVIUM: CAP.2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Cafezinho 170 – Os monstros da negatividade II
Os monstros da negatividade são incapazes de ver ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Vivendo em “emergency mode”

Vivendo em “emergency mode”

Mauro Segura - Transformação -

A vida de executivo tem dessas coisas… muitos anos atrás eu encontrei um amigo que se mostrava cansado e ansioso. Ele ocupava uma posição de diretor numa empresa de varejo. Perguntei o que estava acontecendo e ele foi econômico na resposta: “Estou em survival mode”. Traduzindo sua resposta: significava dizer que ele estava passando por uma fase de trabalho pesado, com muitas demandas, pressão, mudança de organização e enormes desafios de curtíssimo prazo, tudo ao mesmo tempo, e estava enlouquecido tentando sobreviver a tudo aquilo. Gostei de sua capacidade de sumarizar numa expressão aquele momento que ele estava vivendo. Com o passar do tempo eu adotei a expressão “emergency mode”, que para mim me pareceu mais adequada.

Pois bem, eu estou vivendo atualmente uma fase de “emergency mode”… com a clara percepção de que tenho mais coisas para realizar do que a minha capacidade de entrega-las, num prazo extremamente curto, com a real sensação de que preciso trabalhar mais e de forma diferente para não me enrolar no meio de tantas demandas. A boa coisa disso é que eu tenho consciência das minhas limitações e confio que essa é uma fase que vai passar em algum momento. Isso implica que eu preciso ter a sabedoria de selecionar o que é mais importante, ter a coragem de falar “nãos”, deixar cair conscientemente alguns pratos e somente me engajar nas reais prioridades.

Dá para viver em “emergency mode”? Dá!!!! Mas somente durante uma curta fase, sacrificando o lado pessoal e outras responsabilidades. Isso faz parte do jogo, faz parte da vida profissional, mais especialmente da vida executiva que muitas vezes passa por picos e vales. Porém, existe a necessidade latente de estar atento para identificar quando as demandas atingirem um estágio de melhor equilíbrio para, então, desligar a chave de “emergency mode”.

Conheço executivos que vivem para trabalhar. Em algum momento da vida ligaram a chave de “emergency mode” e nunca mais desligaram, vivendo constantemente nesse estágio, transformando o trabalho na quase única razão da sua vida. Ok, isso pode ser uma opção de vida e eu não pretendo entrar na polêmica das escolhas individuais de cada um. Cada um decide o que quer fazer da vida, numa boa, mas eu tenho um ponto de vista sobre isso.

O segredo para não pirar é não deixar o “emergency mode” se tornar indolor e nos dominar, como acontece com o sapo colocado numa panela de água quente, que se aquece lentamente e ele morre sem sentir. Aí nos transformamos em seres humanos continuamente estressados, obcecados e em perene estado de insatisfação… sem sentir. Eu sei que existem pessoas que pensam diferente, que acham que isso é legal, que tem que ter assim mesmo, que profissionais dedicados precisam se mostrar tensos e trabalhar sempre com a corda esticada. Enfim, é um bom e controverso papo que não me atrevo a entrar. Já passei do tempo de discutir isso.

De minha parte, como disse, eu estou em um período de “emergency mode”, tratando de acelerar tudo que posso para voltar em breve a um estado mais brando e razoável. Tudo depende de mim. Estarei ligado, com o dedo preparado para desligar o botão no tempo certo. Por enquanto, mantenho o pé fundo no acelerador para entregar os projetos, realizar as atividades, tomar e implementar as decisões necessárias para reequilibrar a agenda.

O meu atual ritmo tem me afastado um pouco das redes sociais. Estou escrevendo esse texto dentro de um avião, no meio da madrugada, num vôo internacional, e vou posta-lo na primeira oportunidade. É o que deu pra fazer :):)

Ver Todos os artigos de Mauro Segura