Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando

Vendedores debruçados ou conversando

Suely Pavan Zanella - Iscas Comportamentais -

Suely Pavan Zanella

Sua postura comunica o quê?

Pode comunicar atenção; desprezo; falta de interesse disfarçado por verniz falso; desânimo e até desqualificação total em relação aos demais.

Tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados. São vendedores debruçados em balcões ou reclamando nos corredores dos supermercados. Outros, ainda, não tiram os olhos do celular. Até seguranças de lojas estão mais atentos ao que se passa no celular do que ao seu redor. Por outro lado, ouço e vejo na TV ao menos de cinco em cinco segundos a frase: O Brasil está em crise.

Então, meu pensamento automático é: Acho que estas pessoas não têm medo de perder seus empregos, pois não fazem nada, absolutamente nada para mantê-los.

Vendedores, atendentes e seguranças são profissionais que não podem se esconder. Mas é o que tem feito já há algum tempo.

No Natal, observei correntemente este tipo de comportamento em lojas de shoppings e grandes supermercados. Não havia esforço algum para efetuar vendas ou atender bem o cliente. Cansei de pedir licença para alguns com o objetivo de interromper conversas normalmente ligadas ao tempo que faltava para irem embora da empresa. O desejo, assim parecia, era de sair correndo e só ganhar o salário na data certa, mais nada. Outros seguem a velha cartilha de seguir o cliente tal como urubus, são sufocantes. E, óbvio, sua postura denota desconfiança e desespero.

Como sou de me aprofundar, notei que este modus operandi bastante comum não era observado por nenhum supervisor ou gerente. Estas figuras pareciam inexistir, ou talvez estivessem escondidas em algum lugar. A palavra supervisão significa ter visão grande. Um bom supervisor ou gestor olha constantemente o que se passa ao seu redor. Não é um controlador de gestos, mas um observador de atitudes. E também orienta em caráter privado, jamais público, quando percebe que algo está errado. As únicas vezes (e foram bem raras) em que vi supervisores chamando a atenção o fizeram de forma grosseira e quase sempre gritando, e o pior: na frente dos clientes.

Além da falta de supervisores, há um evidente erro na hora da contratação. A impressão que dá é que contratam qualquer um, e por assim fazer não ligam para o seu desempenho. E, claro, não há o mínimo investimento em treinamento de vendas ou atendimento.

Como posturas na comunicação são mais importantes do que palavras, o resultado é a não venda. Então me pergunto: por qual razão estas empresas (todas grandes e com marcas conhecidas, aliás) fazem questão de contratar gente assim?

Será que não percebem que estão dando tiros no pé?

No final do ano vi pessoas ávidas para comprar, e pouca gente interessada em vender ou atender.

Em tempos de crises isso é inexplicável.

[email protected]

Ver Todos os artigos de Suely Pavan Zanella