Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Quando passar a alucinação coletiva saberemos com quem ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Vandré & Le Bristol

Vandré & Le Bristol

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O Brasil, definitivamente, é um país que representa nada menos que um inferno pra quem vive dentro de um mínimo de raciocínio lógico; aqui, qualquer boato se espalha como fogo no mato seco, e é tratado como se fosse a verdade mais inabalável do sistema solar. Já uma verdade evidente, axiomática, acaciana, visível, é encarada com toda a desconfiança do mundo, e esclarecer um fato simples pode ser considerado o 13º trabalho de Hércules. País estranho este, onde tudo funciona ao contrário, como um carrossel enlouquecido.

Geraldo Vandré foi ícone da música engajada nos anos 70/80; em qualquer rodinha onde se fumasse algo ilegal ou rolasse um combo cerveja-violão, obrigatoriamente apareceria alguém tocando Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores (Caminhando e cantando…). A rodinha delirava de patriotismo infantil, contando e recontando lendas sobre Vandré: Que fora barbaramente torturado pela ditadura, que mal podia andar em razão das sequelas do pau-de-arara, que tocaram fogo em sua barba, e seu rosto estava desfigurado… que não podia aparecer em público pelas ameaças dos militares e pela vergonha de seu corpo massacrado. Uma espécie de Fantasma da Ópera tupinambá, que um dia reapareceria para liderar as massas, camarada. E dá-lhe cana, violão e marofa. Todo mundo caminhando e cantando aquela música meio pobre, composta com apenas dois acordes, como se fosse um hino redentor.

Bom, um belo dia, Vandré reapareceu. Disse que nunca fora torturado, jamais incendiaram sua barba (mesmo porque nem usava o adereço); que nunca fora pendurado nem ameaçado. Só não estava mais a fim de aparecer, e deu um tempo no ostracismo. Para provar, compôs uma obra insuspeita: Fabiana, o hino de nossa Força Aérea. Finalizou revelando que tem ótimo trânsito e amizade entre os militares. Mas para os oligofrênicos stalinistas, a verdade é apenas um conceito burguês, e o que vale é a versão, jamais o fato. E continuam a propagar essa fantasia, esses boatos desfeitos pela própria “vítima”.

De outro lado, Dilma, a nossa Maria Antonieta. Foi mais uma vez passear em Paris, sexta passada, sob o álibi da COP 21, que só começaria na segunda-feira. Fim de semana de folga, acompanhada de um enorme séquito, com tudo pago por nós, na cidade-luz. Todos hospedados no nababesco, estonteante, deslumbrante Hotel Le Bristol, um dos mais caros e luxuosos da França (mostrado no filme Meia-noite em Paris, de Woody Allen): https://marligo.wordpress.com/2015/11/30/le-bristol-nossa-presidente-esta-muito-bem-instalada-em-paris-veja-pagamos-para-que-ela-fique-bem/.

Madame escolheu para si uma suíte de 70 mil a diária. Atenção: O País descendo a ladeira, sem freios, quebrado e nadando no desemprego, e a Rainha da Mandioca gasta R$ 70.000,00 por dia, só em hotel, pra não fazer nada minimamente útil. Tudo bancado por nós, incluindo despesas extras como restaurantes caríssimos e as indefectíveis limusines blindadas. A autoproclamada “coração valente” (pobre, pobre William Wallace) podia fazer uma forcinha e ficar na embaixada brasileira… mas, ao que parece, seria muita humilhação para uma dama de sangue azul, mulher sapiens da alta nobreza. Entretanto, a lulada diz que isso é bobagem, economia porca, hipocrisia, que Dilma tem de ser bem tratada quando viaja, que é tudo pela segurança dela, mandatária suprema, e demais desculpas esfarrapadíssimas. E o povo cai nessa lorota, taspariu. Só ela, 70 paus de hotel por dia, meu Deus.

Já os argentinos não caem (mais) nessa. Depois de 16 anos de um populismo tão imundo quanto o nosso, eles acordaram. Elegeram Mauricio Macri para a presidência; ele chega amanhã em Brasília, em avião de carreira, com apenas três assessores; nada de hotéis, volta para seu país no mesmo dia. Americanos, idem. Obama fica sempre em bons hotéis, mas nunca em palácios opulentos como Dilma. Nem esbanja dinheiro público com frotas de limusines ou banquetes; é comum o presidente dos EUA dormir em embaixadas, economizando o dinheiro do povo. Parece que, ao norte do planeta, a razão se sobrepõe ao delírio. Aqui, continua a versão sobrepondo-se aos fatos – cada vez mais desmoralizada.

untitled

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes