Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Olha, este é outro daqueles programas de sonho, ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Sempre tivemos um sonho trazer ópera para o Café ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

LíderCast 197 – Luciana Cardoso
LíderCast 197 – Luciana Cardoso
A jovem executiva que coordena um dos grandes desafios ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Samba no céu
Chiquinho Rodrigues
Por volta dos anos 90 a Som Livre lançou um álbum com o infeliz nome de “Samba no Céu”. Eu me lembro de alguns nomes como Elis, Cartola, Pixinguinha, Gonzaguinha e outros artistas que já haviam ...

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Você aí no seu pedaço tem valor, viu? E faz coisas que ...

Ver mais

Uma nova contracultura

Uma nova contracultura

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Hoje é um nome pouco lembrado, mas Johnny Rotten já teve muita fama. Muito mais que os prosaicos 15 minutos que a internet provê a qualquer um. Johnny, atualmente usando seu sobrenome verdadeiro, Lydon, foi vocalista do Sex Pistols, uma das mais conhecidas bandas de rock’n’roll (punk rock, para os puristas) da história musical. Foi um ícone da então chamada “contracultura”; escandalizava a sociedade com seu comportamento errático, sua fala ácida recheada de palavrões, em músicas que defendiam a anarquia e espezinhavam a família real britânica. Bebia e usava drogas excessivamente. Como defensor do movimento punk, implodia a caretice, defendia a liberdade de expressão de uma forma absoluta. Para ele, a vida deveria ser apenas vivida, sem nenhum compromisso, a não ser o prazer hedonista. Doidaço de chupar meia, mas respeitado por músicos de peso no mundo todo, dos Rolling Stones e Neil Young a Caetano (eca) Veloso. Podia-se dizer qualquer coisa sobre Johnny, menos que fosse um conservador. Mas hoje ele é.

Sim, esse doido varrido dos anos 70 passa longe, muito longe da esquerda e do discurso fácil nas redes sociais. Entendeu que o conservadorismo é hoje a verdadeira contracultura, num mundo absolutamente dominado pelo alucinante “politicamente correto”, por “minorias” que se comportam como castas dignas de privilégios, pelo fim da liberdade de expressão, e até pelo, digamos, fim necessário da Humanidade, nestes tempos de Greta Thunberg, em que somos vistos não como um milagre, uma espécie que evoluiu como nenhuma outra conhecida, que voa pelo espaço e mergulha em mares profundos, mas sim como uma mera doença de pele a atacar o planeta, e ainda comete os “crimes” de comer carne e utilizar combustível.

Só para ficar no plano roquenrrôu, Morrissey, ex-vocalista do The Smiths (se tem menos de 40, vai no Google, mano), compatriota e contemporâneo de Johnny, seguiu o mesmo caminho do conservadorismo. Prega o fim imediato do ridículo politicamente correto, a volta do direito de expressão e outras bandeiras que hoje significam o retorno à racionalidade humana, à ambição sadia, à competição honesta, na qual os mais capacitados têm seu valor. Defende o urgente abandono do mundo do mimimi, dessa coisa dodói, dessa bundamolice de discutir gênero ou preconceito em tudo. Chega dessa nova língua Orwelliana, com os tristemente atuais “todxs”, “presidenta”, “empoderamento” e outras lacrações ridículas, fruto de anglicismo imbecil ou não.

Gene Simmons, o linguarudo cantor do grupo Kiss concorda com seus colegas britânicos. Mais coragem e menos vitimismo, prega. Se esses três antigos ícones da contracultura, do “liberou geral”, hoje são conservadores, avaliem os muitos milhões em todos os continentes, jovens ou não, amarelos, negros, brancos, mulheres, gays, ricos ou pobres, seguindo o mesmo caminho, numa tendência aparentemente inexorável, com vitórias eleitorais conservadoras pelo mundo todo. É a razão vencendo a paixãozinha bonitinha, amiguinha, fofinha, mas que não resolve nada. Só traz problemas, nunca soluções. Daí a necessidade dessa “nova contracultura” a abrir espaços, em vez de fechá-los.

Antes que as pedras esquerdistas comecem a voar, não se trata de apoiar Trump ou Bolsonaro, nem de racismo/homofobia/misoginia (são e continuarão sendo crimes horríveis), mas sim de uma coerente tendência mundial de enxergar a vida, o Ser Humano, com clareza, e não com óculos cor-de-rosa que não levam a nada, a não ser à cegueira mimizenta. Também não se trata de uma nova onda extremista/fanática embrulhada em pacote; por exemplo, Johnny Lydon é ateu, Morrissey é vegano, e a imagem demoníaca de Simmons nos palcos já rodou o mundo.

Não por acaso, os galantes defensores dos direitos humanos se calam ante as ditaduras de esquerda do mundo, enquanto torcem o nariz para qualquer coisa que a direita fizer. Impressionante. É o caso de perguntar à extrema esquerda, que torce pelo Covid 19 com o mesmo fervor que torcem pela volta de Fidel Castro do inferno, o quê exatamente está fazendo em prol dos pobres durante esta crise “coronária”? Só filosofando e postando memes de gatinhos com máscara? Filminhos de “fique em casa” ensinando a tomar vinho francês com as taças corretas? Fornecendo listas de filmes e livros? Jura? Sim, Johnny… Precisamos urgente de ação, mediante uma nova contracultura – ou ao menos deixar de viver em uma fantasia tola, uma “realidade” paralela.

Enquanto isso, no Brasil real, a população pobre e neodesempregada se pergunta: como pagar o aluguel e matar a fome das crianças? A esquerda e a sua elite queridinha se comportam como uma espécie de Maria Antonieta multipessoal: Não têm pão? Fiquem em casa.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes