Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Sempre tivemos um sonho trazer ópera para o Café ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
O programa de hoje é uma homenagem a um artista ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

LíderCast 197 – Luciana Cardoso
LíderCast 197 – Luciana Cardoso
A jovem executiva que coordena um dos grandes desafios ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Samba no céu
Chiquinho Rodrigues
Por volta dos anos 90 a Som Livre lançou um álbum com o infeliz nome de “Samba no Céu”. Eu me lembro de alguns nomes como Elis, Cartola, Pixinguinha, Gonzaguinha e outros artistas que já haviam ...

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Você aí no seu pedaço tem valor, viu? E faz coisas que ...

Ver mais

Uma nação da galinhas pintadinhas

Uma nação da galinhas pintadinhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Salvo o período do Império Brasileiro, talvez esta seja a época mais extraordinária para viver no Brasil. Sério. No futuro, os acontecimentos de hoje parecerão tão impressionantes quanto falsos. A memória será traída a todo momento. O que foi, de fato, imaginação ou realidade? Meus préstimos aos historiadores do futuro, que terão um trabalho gigantesco e insalubre.

Não era disso, porém, que eu gostaria de falar – embora em parte seja, mas nem tanto. Refiro-me à nossa imensa capacidade de terceirizar responsabilidades e à nossa providencial incapacidade de assumir deveres. Este é um tema regular aqui da coluna, eu sei. O problema é que o nosso drama parece não merecer a devida atenção. E assim seguimos a vida delegando, a todo momento, aquilo que nos compete com a mesma tranquilidade com que cultivamos a certeza absoluta de que a responsabilidade, afinal, não é mesmo nossa. A sociologia há de ter alguma explicação equivocada para isso.

Exemplos? Pais que estão certos de que a educação dos seus filhos cabe às babás, aos professores, aos avós das crianças, aos tablets, à Galinha Pintadinha. Pais que estão certos de que os desvios dos filhos são o resultado da má influência dos amigos, mesmo quando o filho é a má influência. Pais que culpam os professores pelo baixo desempenho das crianças e adolescentes na escola. A lista é longa e a vida é breve.

Uma das possíveis origens do problema é o nosso contrato social, que, ao contrário de toda a teoria e prática política do Ocidente, é de tempos em tempos revogado e substituído – a exemplo da nossa Constituição Federal. Já estamos na sétima, aliás, algo impressionante se considerarmos a incrível habilidade do legislador de turno de constranger a geração anterior pela, digamos, qualidade no labor.

Ainda mais extraordinário é o fato de que, passadas sete constituições, parece que desaprendemos o que deve ser feito. A Constituição de 1824, a primeira do país, continua sendo, substantivamente, a melhor que tivemos.

Como, então, respeitar um conjunto de valores expressos na tradição se ambos estão em constante processo de mudança? No Brasil, tradição resume-se a samba e futebol. E a história, para o brasileiro médio, ao cardápio do almoço de ontem. O ovo frito é mais relevante que Bernardo Pereira de Vasconcellos.

Há, de fato, uma relação intrínseca entre o grau de responsabilidade dos homens na sociedade e os valores, princípios e virtudes que orientam a vida em comunidade. Quanto menor o sentido de dever do indivíduo na comunidade, mais baixo será o comprometimento com o ambiente social e natural que o cerca.

Se as pessoas não têm um senso comum baseado na responsabilidade e no dever e, pior, não confiam umas nas outras, tudo fica comprometido nas esferas social, política e econômica. Se ninguém confia em ninguém, por que, então, respeitar as regras formais e informais que (ainda) orientam a vida em sociedade? Quebrar a regra, portanto, se torna a norma.

Como tenho repetido aqui, ancorando a minha observação naquilo que disse o filósofo político Michael Oakeshott no seu ensaio Rationalism in Politics (“Racionalismo na política”), o nosso problema não é meramente político ou econômico. Não é, portanto, uma questão técnica a ser exclusivamente superada. Temos assuntos morais, sociais e espirituais sérios para resolver. Ou enfrentamos logo esse dilema complexo ou nos tornaremos uma nação de galinhas pintadinhas.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen