Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

História da riqueza no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
História da riqueza no Brasil  Cinco séculos de pessoas, costumes e governos “A proposta de uma revolução copernicana na análise e interpretação da história do Brasil – esta é a marca ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Uma nação da galinhas pintadinhas

Uma nação da galinhas pintadinhas

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Salvo o período do Império Brasileiro, talvez esta seja a época mais extraordinária para viver no Brasil. Sério. No futuro, os acontecimentos de hoje parecerão tão impressionantes quanto falsos. A memória será traída a todo momento. O que foi, de fato, imaginação ou realidade? Meus préstimos aos historiadores do futuro, que terão um trabalho gigantesco e insalubre.

Não era disso, porém, que eu gostaria de falar – embora em parte seja, mas nem tanto. Refiro-me à nossa imensa capacidade de terceirizar responsabilidades e à nossa providencial incapacidade de assumir deveres. Este é um tema regular aqui da coluna, eu sei. O problema é que o nosso drama parece não merecer a devida atenção. E assim seguimos a vida delegando, a todo momento, aquilo que nos compete com a mesma tranquilidade com que cultivamos a certeza absoluta de que a responsabilidade, afinal, não é mesmo nossa. A sociologia há de ter alguma explicação equivocada para isso.

Exemplos? Pais que estão certos de que a educação dos seus filhos cabe às babás, aos professores, aos avós das crianças, aos tablets, à Galinha Pintadinha. Pais que estão certos de que os desvios dos filhos são o resultado da má influência dos amigos, mesmo quando o filho é a má influência. Pais que culpam os professores pelo baixo desempenho das crianças e adolescentes na escola. A lista é longa e a vida é breve.

Uma das possíveis origens do problema é o nosso contrato social, que, ao contrário de toda a teoria e prática política do Ocidente, é de tempos em tempos revogado e substituído – a exemplo da nossa Constituição Federal. Já estamos na sétima, aliás, algo impressionante se considerarmos a incrível habilidade do legislador de turno de constranger a geração anterior pela, digamos, qualidade no labor.

Ainda mais extraordinário é o fato de que, passadas sete constituições, parece que desaprendemos o que deve ser feito. A Constituição de 1824, a primeira do país, continua sendo, substantivamente, a melhor que tivemos.

Como, então, respeitar um conjunto de valores expressos na tradição se ambos estão em constante processo de mudança? No Brasil, tradição resume-se a samba e futebol. E a história, para o brasileiro médio, ao cardápio do almoço de ontem. O ovo frito é mais relevante que Bernardo Pereira de Vasconcellos.

Há, de fato, uma relação intrínseca entre o grau de responsabilidade dos homens na sociedade e os valores, princípios e virtudes que orientam a vida em comunidade. Quanto menor o sentido de dever do indivíduo na comunidade, mais baixo será o comprometimento com o ambiente social e natural que o cerca.

Se as pessoas não têm um senso comum baseado na responsabilidade e no dever e, pior, não confiam umas nas outras, tudo fica comprometido nas esferas social, política e econômica. Se ninguém confia em ninguém, por que, então, respeitar as regras formais e informais que (ainda) orientam a vida em sociedade? Quebrar a regra, portanto, se torna a norma.

Como tenho repetido aqui, ancorando a minha observação naquilo que disse o filósofo político Michael Oakeshott no seu ensaio Rationalism in Politics (“Racionalismo na política”), o nosso problema não é meramente político ou econômico. Não é, portanto, uma questão técnica a ser exclusivamente superada. Temos assuntos morais, sociais e espirituais sérios para resolver. Ou enfrentamos logo esse dilema complexo ou nos tornaremos uma nação de galinhas pintadinhas.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen