Assine o Café Brasil
Iscas Intelectuais
Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

2016 – Que ano!
2016 – Que ano!
Hora de parar e olhar pra trás pra ver o quanto ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Que grandeza…
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de ...

Ver mais

Vendedores debruçados ou conversando
Suely Pavan Zanella
Iscas Comportamentais
Isca intelectual de Suely Pavan que tenho observado uma postura comum em lojas e supermercados: vendedores debruçados em balcões ou reclamando pelos corredores.

Ver mais

Uma lástima em nome da arte

Uma lástima em nome da arte

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto 

Eu nunca achei opinião de artista, sobre política e sociedade, algo superior.
Na média, não.
Sobre arte, a que praticam, algo muito ou pouco especializada, dependendo do caso.
Mas sempre foi uma opinião a se ouvir porque traz pontos de vista com outras abrangências. Essa é a riqueza do debate.
No entanto, por deslumbre, alguns artistas brasileiros começaram a se achar com opinião superior ou foram e são tratados assim.
Nunca entendi isso. Por quê?
Curiosamente, por outro lado, justamente os artistas que entrevistei, quando despidos da arte, sendo só cidadãos, abandonando o personagem, sem a pretensão da superioridade, sempre se revelaram mais humanistas e realmente conectados com a sociedade.
Ouvi deles análises de riqueza de quem olha ao redor se sentindo de fato parte dele.
Trouxeram posições e opiniões elevadas em percepção social e nunca reivindicaram tratamento especial a sua cidadania e participação política. QueriamEu nunca achei opinião de artista, sobre política e sociedade, algo superior.
Na média, não.
Sobre arte, a que praticam, algo muito ou pouco especializada, dependendo do caso.
Mas sempre foi uma opinião a se ouvir porque traz pontos de vista com outras abrangências. Essa é a riqueza do debate.
No entanto, por deslumbre, alguns artistas brasileiros começaram a se achar com opinião superior ou foram e são tratados assim.
Nunca entendi isso. Por quê?
Curiosamente, por outro lado, justamente os artistas que entrevistei, quando despidos da arte, sendo só cidadãos, abandonando o personagem, sem a pretensão da superioridade, sempre se revelaram mais humanistas e realmente conectados com a sociedade.
Ouvi deles análises de riqueza de quem olha ao redor se sentindo de fato parte dele.
Trouxeram posições e opiniões elevadas em percepção social e nunca reivindicaram tratamento especial a sua cidadania e participação política. Queriam participar, estar lá como cidadãos. Como gente que pisa no chão da vida, não no palco da ilusão.
Lembrando disso, de todas essas experiências, eu, que fiz questão de trazer artistas para meus trabalhos de discussão brasileira, me pergunto:
Que valor intelectual tem esses artistas de uma suposta esquerda que, de tão ciosa e egoísta, nem sei o que é?
Pensar o que desse fetiche por ministérios e um zelo pelo Minc que cria, no mínimo, suspeitas sobre o real interesse deles?
De ocupações e “abraçassaços” que envolvem prédios e privilégios e expurgam da discussão nacional os reais problemas brasileiros, qual o objetivo real disso?
Ah se tivéssemos todos esses artistas abraçando hospitais públicos de cidadãos golpeados pela corrupção de seus heróis – dos artistas – e o péssimo atendimento.
Mas não. Isso é para o povo.
E povo não sobe ao palco.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto