Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Carlos Lupi, presidente nacional do PDT e ex-ministro de Dilma, falou demais. Para nosso bem, revelou a verdade dos bastidores do teatro no qual atuou por muito tempo; não obstante, hoje se faz de virgem no bordel da política nacional. Lupi soltou a seguinte pérola num encontro com integrantes de seu partido em São Paulo: “A gente não acha que o PT inventou a corrupção, mas roubaram demais. Exageraram”

Bacana esse sujeito: Chamou o governo do qual fez parte ativa, como ministro do Trabalho, de ladrão reiterado e desmedido; admite que, em sua opinião, em se tratando de roubo, existe o valor “aceitável”, e errado mesmo só quando se rouba muito; apesar de ter sido gravado e filmado em sincericídio explícito, quis explicar a quadratura do círculo de forma ainda mais comprometedora: “A gente não quer ser um rato, que foge do porão do navio quando entra a primeira água, mas também não queremos ser o comandante do Titanic, que ficou no barco até ele afundar”.

Ou seja: Não só admitiu as falcatruas, como tem certeza do naufrágio do lulismo e de sua atual fantocha incompetenta e arroganta. O mais interessante é que o PDT participa da base aliada do desgoverno Dilma (partido do qual ela própria fazia parte até filiar-se ao atual para não perder uma boquinha na Petrobrás), e ainda hoje detém o poder no mesmo Ministério do Trabalho. Imagine o respeitável público se o PDT fizesse parte da oposição.
De qualquer maneira, foi excelente o surto de sinceridade, ao menos para os cidadãos de bem revoltados, enojados com a roubalheira e as boquinhas sem fim travestidas de uma tal “política social” que de social nada tem, é apenas conveniente.
Dilma fala de menos. O lado mau é que ela nunca explica nada sobre a corrupção, a péssima gestão, as falcatruas sem fim, a pior gestão econômica desde o desastroso governo de seu amigo e aliado José Sarney. Fala de menos também para que não se descubra o tamanho de sua culpa, direta e incontestável, no atual mar de lama que nos sufoca. Desde sua nefasta participação ministerial já no início do lulismo, passando pela quase bancarrota da Petrobrás, pela atual desgraça econômica e desmoronamento político causado por sua incompetência irrefreável e por uma arrogância ainda maior. É nossa Maria Antonieta, nossa Cristina Kirchner, nossa Rainha de Copas, num país cheio de Alices e uns chapeleiros loucos.
Mas tem seu lado bom: Apavorada pela altíssima rejeição, resolveu não fazer sua inútil discurseira autoelogiante em rede nacional do Dia do Trabalho. Finge ser muito forte, mas está é com medo. Nos poupou um palavrório desconexo e revoltante, como de hábito, pontuado pelo Dilmês, essa estranha língua que guarda ligeira semelhança com o Português. Panelaço pra ela é golpe, noutro exercício teatral de sua cara de pau infinita.
​          Rodrigo Gularte, executado neste dia 29 em Jacarta, na Indonésia, por tráfico internacional de drogas, nunca mais vai falar nada. É um sofrimento para seus parentes e amigos, claro, e toda uma discussão sobre a pena de morte, entre os que a defendem e os que a repudiam. Mas uma coisa é certa: Ele nunca mais vai traficar quilos de cocaína, nunca mais vai prejudicar dezenas (centenas?) de viciados, nunca mais vai infringir a lei, nunca mais vai comerciar um dos maiores cânceres da humanidade, nunca mais vai colaborar para a desgraça de famílias inteiras, nunca mais vai colaborar com a criminalidade internacional, nem servir como empregado do cartel das drogas, nem falar que seus crimes gravíssimos foram apenas um “erro”. Tudo tem limite. Até a hipocrisia e o excesso de “erros”, não é verdade, prezado Lupi?
​          Três versões distintas de quem não mede o que fala. Nem o que deixa de falar.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes