Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Carlos Lupi, presidente nacional do PDT e ex-ministro de Dilma, falou demais. Para nosso bem, revelou a verdade dos bastidores do teatro no qual atuou por muito tempo; não obstante, hoje se faz de virgem no bordel da política nacional. Lupi soltou a seguinte pérola num encontro com integrantes de seu partido em São Paulo: “A gente não acha que o PT inventou a corrupção, mas roubaram demais. Exageraram”

Bacana esse sujeito: Chamou o governo do qual fez parte ativa, como ministro do Trabalho, de ladrão reiterado e desmedido; admite que, em sua opinião, em se tratando de roubo, existe o valor “aceitável”, e errado mesmo só quando se rouba muito; apesar de ter sido gravado e filmado em sincericídio explícito, quis explicar a quadratura do círculo de forma ainda mais comprometedora: “A gente não quer ser um rato, que foge do porão do navio quando entra a primeira água, mas também não queremos ser o comandante do Titanic, que ficou no barco até ele afundar”.

Ou seja: Não só admitiu as falcatruas, como tem certeza do naufrágio do lulismo e de sua atual fantocha incompetenta e arroganta. O mais interessante é que o PDT participa da base aliada do desgoverno Dilma (partido do qual ela própria fazia parte até filiar-se ao atual para não perder uma boquinha na Petrobrás), e ainda hoje detém o poder no mesmo Ministério do Trabalho. Imagine o respeitável público se o PDT fizesse parte da oposição.
De qualquer maneira, foi excelente o surto de sinceridade, ao menos para os cidadãos de bem revoltados, enojados com a roubalheira e as boquinhas sem fim travestidas de uma tal “política social” que de social nada tem, é apenas conveniente.
Dilma fala de menos. O lado mau é que ela nunca explica nada sobre a corrupção, a péssima gestão, as falcatruas sem fim, a pior gestão econômica desde o desastroso governo de seu amigo e aliado José Sarney. Fala de menos também para que não se descubra o tamanho de sua culpa, direta e incontestável, no atual mar de lama que nos sufoca. Desde sua nefasta participação ministerial já no início do lulismo, passando pela quase bancarrota da Petrobrás, pela atual desgraça econômica e desmoronamento político causado por sua incompetência irrefreável e por uma arrogância ainda maior. É nossa Maria Antonieta, nossa Cristina Kirchner, nossa Rainha de Copas, num país cheio de Alices e uns chapeleiros loucos.
Mas tem seu lado bom: Apavorada pela altíssima rejeição, resolveu não fazer sua inútil discurseira autoelogiante em rede nacional do Dia do Trabalho. Finge ser muito forte, mas está é com medo. Nos poupou um palavrório desconexo e revoltante, como de hábito, pontuado pelo Dilmês, essa estranha língua que guarda ligeira semelhança com o Português. Panelaço pra ela é golpe, noutro exercício teatral de sua cara de pau infinita.
​          Rodrigo Gularte, executado neste dia 29 em Jacarta, na Indonésia, por tráfico internacional de drogas, nunca mais vai falar nada. É um sofrimento para seus parentes e amigos, claro, e toda uma discussão sobre a pena de morte, entre os que a defendem e os que a repudiam. Mas uma coisa é certa: Ele nunca mais vai traficar quilos de cocaína, nunca mais vai prejudicar dezenas (centenas?) de viciados, nunca mais vai infringir a lei, nunca mais vai comerciar um dos maiores cânceres da humanidade, nunca mais vai colaborar para a desgraça de famílias inteiras, nunca mais vai colaborar com a criminalidade internacional, nem servir como empregado do cartel das drogas, nem falar que seus crimes gravíssimos foram apenas um “erro”. Tudo tem limite. Até a hipocrisia e o excesso de “erros”, não é verdade, prezado Lupi?
​          Três versões distintas de quem não mede o que fala. Nem o que deixa de falar.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes