Iscas Intelectuais
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Gastar nosso dinheiro conosco; nosso dinheiro com ...

Ver mais

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Um fala demais, outra de menos, outro nada

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Carlos Lupi, presidente nacional do PDT e ex-ministro de Dilma, falou demais. Para nosso bem, revelou a verdade dos bastidores do teatro no qual atuou por muito tempo; não obstante, hoje se faz de virgem no bordel da política nacional. Lupi soltou a seguinte pérola num encontro com integrantes de seu partido em São Paulo: “A gente não acha que o PT inventou a corrupção, mas roubaram demais. Exageraram”

Bacana esse sujeito: Chamou o governo do qual fez parte ativa, como ministro do Trabalho, de ladrão reiterado e desmedido; admite que, em sua opinião, em se tratando de roubo, existe o valor “aceitável”, e errado mesmo só quando se rouba muito; apesar de ter sido gravado e filmado em sincericídio explícito, quis explicar a quadratura do círculo de forma ainda mais comprometedora: “A gente não quer ser um rato, que foge do porão do navio quando entra a primeira água, mas também não queremos ser o comandante do Titanic, que ficou no barco até ele afundar”.

Ou seja: Não só admitiu as falcatruas, como tem certeza do naufrágio do lulismo e de sua atual fantocha incompetenta e arroganta. O mais interessante é que o PDT participa da base aliada do desgoverno Dilma (partido do qual ela própria fazia parte até filiar-se ao atual para não perder uma boquinha na Petrobrás), e ainda hoje detém o poder no mesmo Ministério do Trabalho. Imagine o respeitável público se o PDT fizesse parte da oposição.
De qualquer maneira, foi excelente o surto de sinceridade, ao menos para os cidadãos de bem revoltados, enojados com a roubalheira e as boquinhas sem fim travestidas de uma tal “política social” que de social nada tem, é apenas conveniente.
Dilma fala de menos. O lado mau é que ela nunca explica nada sobre a corrupção, a péssima gestão, as falcatruas sem fim, a pior gestão econômica desde o desastroso governo de seu amigo e aliado José Sarney. Fala de menos também para que não se descubra o tamanho de sua culpa, direta e incontestável, no atual mar de lama que nos sufoca. Desde sua nefasta participação ministerial já no início do lulismo, passando pela quase bancarrota da Petrobrás, pela atual desgraça econômica e desmoronamento político causado por sua incompetência irrefreável e por uma arrogância ainda maior. É nossa Maria Antonieta, nossa Cristina Kirchner, nossa Rainha de Copas, num país cheio de Alices e uns chapeleiros loucos.
Mas tem seu lado bom: Apavorada pela altíssima rejeição, resolveu não fazer sua inútil discurseira autoelogiante em rede nacional do Dia do Trabalho. Finge ser muito forte, mas está é com medo. Nos poupou um palavrório desconexo e revoltante, como de hábito, pontuado pelo Dilmês, essa estranha língua que guarda ligeira semelhança com o Português. Panelaço pra ela é golpe, noutro exercício teatral de sua cara de pau infinita.
​          Rodrigo Gularte, executado neste dia 29 em Jacarta, na Indonésia, por tráfico internacional de drogas, nunca mais vai falar nada. É um sofrimento para seus parentes e amigos, claro, e toda uma discussão sobre a pena de morte, entre os que a defendem e os que a repudiam. Mas uma coisa é certa: Ele nunca mais vai traficar quilos de cocaína, nunca mais vai prejudicar dezenas (centenas?) de viciados, nunca mais vai infringir a lei, nunca mais vai comerciar um dos maiores cânceres da humanidade, nunca mais vai colaborar para a desgraça de famílias inteiras, nunca mais vai colaborar com a criminalidade internacional, nem servir como empregado do cartel das drogas, nem falar que seus crimes gravíssimos foram apenas um “erro”. Tudo tem limite. Até a hipocrisia e o excesso de “erros”, não é verdade, prezado Lupi?
​          Três versões distintas de quem não mede o que fala. Nem o que deixa de falar.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes