Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

707 – O benefício da dúvida – Revisitado
707 – O benefício da dúvida – Revisitado
O programa de hoje é a revisita a um episódio publicado ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

LíderCast 189 – Deborah Alves
LíderCast 189 – Deborah Alves
Jovem empreendedora, formada em Ciência da Computação e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Analogias inusuais
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Analogias inusuais  Para desenvolver a criatividade… e para entender as crises econômicas “Para os historiadores cada evento é único. Os economistas, entretanto, sustentam que as forças da ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Vamos combater o novo Coronavirus com Fitness Intelectual.

Ver mais

Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Quando você muda o rótulo, pode até mudar o sentido da ação.

Ver mais

Turismo no Brasil

Turismo no Brasil

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Turismo no Brasil: muito aquém do potencial

A cidade boa para o turista é aquela que é boa também para o cidadão que nela vive”.

Caio Luiz de Carvalho

A Amazônia está na ordem do dia – ou na boca do povo, como preferirem – em razão das polêmicas envolvendo a questão do meio ambiente.

Os holofotes já estiveram mais fortes, é bem verdade, principalmente por conta das questões relacionadas às queimadas, que quase provocaram uma crise diplomática com a França, em decorrência da troca de farpas entre os presidentes Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro.

Não é a isso, porém que vou me referir neste artigo. Sem deixar de reconhecer a sua relevância, vou me valer do interesse pela região amazônica para focalizar uma questão diferente – e não menos relevante: o turismo no Brasil.

Segundo a Lonely Planet – maior editora de guias de viagem do mundo – a Amazônia é um dos principais destinos para esse ano. Em sua publicação, eles definem “Natureza em seu estado mais puro”. Viajar para a região norte do País é ter a oportunidade de conhecer toda a riqueza e variedade existentes nos nove estados da Amazônia legal.

No Brasil, o mercado de viagens é responsável por mais de 8% da economia, gerando emprego para cerca de 7 milhões de trabalhadores. Segundo a pesquisa, elaborada pela consultoria britânica Oxford Economics, a contribuição ao Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 3,1% em 2018, totalizando US$ 152,5 bilhões (8,1%). “O Brasil ocupa posições de liderança global na contribuição do Turismo para a economia, sendo aportação do setor para o PIB nacional de 8,1%, gerando 7,5% dos empregos do País”, afirmou a presidente e CEO do WTTC, Gloria Guevara.

De acordo ainda com a Lonely Planet, Manaus, capital do Amazonas, é a porta de entrada para a maior floresta tropical do mundo. Nos últimos anos, turistas do mundo inteiro viraram os olhos no sentido da Amazônia, o que resultou em um crescimento expressivo nos polos turísticos e na economia local.

No primeiro semestre de 2019, os turistas que desembarcaram no Amazonas representaram um aumento de 2,95% no volume de turistas se comparado ao ano de 2018, que no primeiro semestre, recebeu cerca de 335 mil turistas. Os dados são da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur).

Apesar desses dados favoráveis, minha opinião, corroborada pelos números de 2019 recém-divulgados pelo Ministério do Turismo, é de que o Brasil tem um desempenho muito aquém do seu potencial, quer em termos de receitas geradas pelo setor, quer em termos de volume de visitantes estrangeiros.

Como se vê na tabela 1, as receitas encontram-se estacionadas desde 2010, num montante em torno de US$ 6 milhões anuais. Nem mesmo dois eventos esportivos de abrangência mundial, que em outros países costumam elevar a receita turística em função da atração de elevado número de turistas, como a Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos (2016), conseguiram ter impacto relevante no Brasil. Nos dois casos, o aumento da receita em relação aos anos anteriores foi inferior a 6%.

Tabela 1 – Receitas do Turismo (em US$ milhões)

Ano Receitas
2010 5.261
2011 6.095
2012 6.378
2013 6.474
2014 6.843
2015 5.844
2016 6.024
2017 5.809
2018 5.921
2019 5.913

Fonte: Ministério do Turismo

Quando examinamos o tema pelo número de visitantes (tabela 2), constatamos que estamos longe dos destinos mais procurados. Com aproximadamente seis milhões de visitantes por ano, o Brasil está próximo da quadragésima colocação, muito abaixo do México – primeiro país latino-americano da lista – que recebe 41 milhões de turistas anualmente.

Tabela 2 – Maiores destinos (em milhões de turistas) 

Lugar País Turistas Variação em relação ao ano anterior
1 França 89 3%
2 Espanha 83 1%
3 EUA 80 4%
4 China 63 4%
5 Itália 62 7%
6 Turquia 46 22%
7 México 41 5%
8 Alemanha 39 4%
9 Tailândia 38 8%
10 Reino Unido 36 -4%

Fonte: OMT. International Tourism Highlights, 2019

Observando os números do Relatório da Organização Mundial do Turismo referentes a números de visitantes e receitas geradas, chama a atenção, pela eficiência, o caso da Austrália, que é o 41º país no ranking de volume de chegadas, com 9,2 milhões de turistas, mas é o 7 º no mundo em receitas, com US$ 45 bilhões como se vê na tabela 3.

Tabela 3 – Maiores receitas (em US$ bilhões) 

Lugar País Receita Variação
1 EUA 214 2%
2 Espanha 74 4%
3 França 67 6%
4 Tailândia 63 5%
5 Reino Unido 52 2%
6 Itália 49 7%
7 Austrália 45 11%
8 Alemanha 43 3%
9 Japão 41 19%
10 China 40 21%

Fonte: OMT. International Tourism Highlights, 2019

Já quando examinamos pela ótica dos gastos (tabela 4), fica clara a ascensão dos chineses, disparadamente os que mais gastaram com turismo, muito à frente dos norte-americanos que aparecem no segundo lugar.

Tabela 4 – Gastos com turismo (em US$ bilhões)

Lugar País Gastos Variação
1 China 277 5%
2 EUA 144 7%
3 Alemanha 94 1%
4 Reino Unido 76 3%
5 França 48 11%
6 Austrália 37 10%
7 Rússia 35 11%
8 Canadá 33 4%
9 Coreia do Sul 32 1%
10 Itália 30 4%

Fonte: OMT. International Tourism Highlights, 2019

Considerando o tamanho do território, a extensão do seu litoral pontilhado por praias belíssimas, a extraordinária biodiversidade, a riqueza da culinária e as incontáveis atrações locais espalhadas por todo o País, é inconcebível que o Brasil receba menos turistas do que países que não dispõem de atrações comparáveis às nossas.

Sempre haverá justificativas. Passam pela insegurança, pela instabilidade econômica, pela distância que nos separa dos principais países emissores, pela crise da Argentina, país que mais envia turistas ao Brasil, pelas notícias negativas divulgadas no exterior etc., etc., etc.

O fato, porém, é que há muito espaço para crescer nesse setor, desde que seja feito um esforço inteligente, constituído de um conjunto articulado de políticas públicas envolvendo os diferentes níveis da administração, bem como os organismos especializados da iniciativa privada.

Retornando ao foco do início do artigo, em que pese a visão otimista da Lonely Planet, parece-me, numa olhada rápida de quem tem viajado com certa regularidade aos dois principais estados da região amazônica, que passam por situações bem diferentes. De um lado, o Pará revela considerável dinamismo. Sua capital, Belém, registra crescimento da rede hoteleira, inaugurou um moderno centro de convenções e possui uma riquíssima culinária regional, a ponto de ser considerada pela Unesco, desde 2015, Cidade Criativa Gastronômica. No oeste do estado, próxima de Santarém, Alter do Chão firma-se como um destino turístico cada vez mais procurado. E há ainda o caso do Marajó, com enorme potencial, mas ainda inexplorado turisticamente, assim como o nordeste do estado, com belas praias oceânicas, que carecem de mais divulgação e infraestrutura.   De outro, o Amazonas evidencia sinais preocupantes. Manaus, a capital, não consegue reproduzir o bom desempenho de seu Polo Industrial (conhecido antigamente como Zona Franca), está com seu mais importante hotel desativado, oferece reduzida variedade de bons restaurantes e atrai um número decrescente de eventos internacionais de grande porte. Fora da capital, o destaque fica por conta das excursões pela floresta e da Festa do Boi de Parintins, exemplo bem-sucedido de manifestação popular de grande impacto econômico regional.

Concluo com as palavras do Prof. Eduardo Costa[1], a quem agradeço pelas observações e contribuições:

O Brasil carece de uma adequada política para o turismo. No caso da Amazônia, o turismo pode vir a se consolidar como um setor econômico dinamizador da economia regional, gerando empregos e renda, com preservação da floresta. O maior desafio do Brasil hoje é a Amazônia e a capacidade de induzir algo inédito, inexistente em qualquer floresta tropical do mundo, desenvolvimento com preservação. E o turismo pode contribuir para isso, ajudando a consolidar base de vida digna para os habitantes da região e ampliando a prestação de serviços da região em escala planetária com preservação da floresta. Mas para isso é preciso a indução desse setor por meio de políticas públicas sistêmicas e integradas. O PRDA (Plano de Desenvolvimento Regional da Amazônia) contempla o desenvolvimento do turismo. Mas é necessária a efetiva implantação do que fora planejado.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências webgráficas 

PIRES, Jeanine. Década de receitas internacionais dormente. Disponível em https://blog.panrotas.com.br/mktdestinos/2020/01/27/decada-de-receitas-internacionais-dormente/.

UNWTO. International Tourism Highlights. 2019 Edition. Disponível em https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284421152.

[1] Bacharel em Economia pela UFPA, mestre e doutor em Economia pela Unicamp e professor da Faculdade de Economia e do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública do Núcleo de Altos Estudos da Amazônia (PPGGP/NAEA), ambos da UFPA.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado