Iscas Intelectuais
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Toda vez que, numa conversa, criticam a atuação do presidente Donald Trump no Twitter eu respondo: prefiro assim, um político dizendo às claras o que pensa – para o bem e para o mal. Especificamente sobre a Coreia do Norte, ninguém na política de hoje negocia e blefa melhor, com mais eficiência e com mais autoridade do que Trump.

Porque o presidente americano inaugurou uma forma completamente diferente de fazer política, os comentaristas estão mais perdidos que cego em tiroteio. Estão desnorteados porque, quando muito, aprenderam a teoria e a prática política de acordo com uma perspectiva que vai sendo superada pelas mudanças tecnológicas, pelas transformações na sociedade e pela entrada de novos atores políticos. E eles se recusam a se atualizar, a admitir a possibilidade de novos eventos e, portanto, a pensar e analisar o problema de uma maneira distinta da que está consolidada.

Numa outra seara, é similar ao que vem acontecendo no Brasil com a Lava Jato. A maneira de pensar e de usar o direito brasileiro com ferramentas novas como a Análise Econômica do Direito vem tendo sucesso contra a impunidade pela força da técnica e da lógica, e dificultando a labuta de famosos advogados de defesa, que ainda estão presos ao século 20.

A Lava Jato conseguiu o que conseguiu, da liberdade e recursos para atuar às descobertas e condenações, porque desenvolve um trabalho em que ninguém tinha conhecimento teórico para imaginar as suas consequências e, assim, barrá-la em seu nascedouro ou neutralizá-la em seu curso. O alto índice de sentenças de Sergio Moro confirmadas por instâncias superiores é um dos dados empíricos desse sucesso. Outro são os malabarismos jurídicos feitos por ministros do STF para atrapalhar a Lava Jato.

A falta de testosterona no mundo intelectual e na política converteu analistas e políticos num bando de maricas agarrados a visões restritas de mundo e da diplomacia que beneficiavam mentes juvenis como a do ditador comunista da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Bastou ser confrontado com virilidade que o ditador baixou a guarda. E assim a diplomacia dos bastidores, aquela que não somos dados a conhecer, pôde funcionar.

O encontro entre o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador comunista Kim Jong-un já é histórico, mesmo que o sucesso completo ainda dependa da assinatura do acordo de paz entre as duas Coreias que prevê a retirada das armas nucleares da Península Coreana. Mas o aperto de mãos e a possibilidade concreta da conclusão da negociação já é o resultado positivo do enfrentamento público e de bastidores do presidente dos Estados Unidos, que nos primeiros tuítes mais contundentes foi acusado de instigar uma guerra nuclear.

Agora, aqueles que negam a realidade por ideologia ou por “antitrumpismo” têm dito que tudo aconteceu apesar de Trump. Mentira deslavada. E não sou quem digo. Em entrevista à jornalista Christiane Amanpour‏ do canal CNN, que jamais poderá ser acusado de apoiar o governo, a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, afirmou enfaticamente que foi a determinação de Trump desde o primeiro dia de governo a responsável por tornar possível o encontro.

Velha raposa, o presidente dos Estados Unidos não se deixou levar pelo simbolismo da reunião. Em entrevista coletiva, Trump disse que só continuará negociando se for adiante o acordo de paz. “Os EUA não serão passados para trás. (…) Nós fomos lindamente enganados; ninguém sabia o que estava acontecendo lá. Isso não vai mais acontecer conosco”, prometeu.

Joseph Nye Jr., celebrado teórico das relações internacionais que eu tive o privilégio de conhecer numa palestra na Universidade de Oxford em 2010, criou três interessantes formas de ver a política externa entre diferentes países. Por meio do hard power, um país seria bem-sucedido numa negociação se fizesse pressão militar e econômica. Por meio do soft power, um país seria bem-sucedido numa negociação se usasse seu exemplo, valores, cultura, liderança moral em vez da imposição, da ameaça de agressão. Por meio do smart power, um país seria bem-sucedido numa negociação se combinasse o uso equilibrado de hard e soft power.

O que estamos a presenciar com Donald Trump é o que, baseado nos conceitos de Nye Jr., eu chamo de smart badass power. Essa nova forma de fazer política internacional é caracterizada pela junção não harmônica da hardsoft smart power combinada com a sagacidade imprevisível – e, portanto, irreproduzível – do presidente dos Estados Unidos e de sua equipe.

Até agora, com resultados variáveis, o smart badass power tem dado certo. E que Deus nos proteja e impeça que dê muito errado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen