Iscas Intelectuais
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Bolsonaro e Transformação Digital
Carlos Nepomuceno
Vivemos o início de Revolução Civilizacional na qual ao se plantar um "pé de cooperativa de táxi" por mais que se tome litros de Design Thinking não nasce nunca um Uber.

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Toda vez que, numa conversa, criticam a atuação do presidente Donald Trump no Twitter eu respondo: prefiro assim, um político dizendo às claras o que pensa – para o bem e para o mal. Especificamente sobre a Coreia do Norte, ninguém na política de hoje negocia e blefa melhor, com mais eficiência e com mais autoridade do que Trump.

Porque o presidente americano inaugurou uma forma completamente diferente de fazer política, os comentaristas estão mais perdidos que cego em tiroteio. Estão desnorteados porque, quando muito, aprenderam a teoria e a prática política de acordo com uma perspectiva que vai sendo superada pelas mudanças tecnológicas, pelas transformações na sociedade e pela entrada de novos atores políticos. E eles se recusam a se atualizar, a admitir a possibilidade de novos eventos e, portanto, a pensar e analisar o problema de uma maneira distinta da que está consolidada.

Numa outra seara, é similar ao que vem acontecendo no Brasil com a Lava Jato. A maneira de pensar e de usar o direito brasileiro com ferramentas novas como a Análise Econômica do Direito vem tendo sucesso contra a impunidade pela força da técnica e da lógica, e dificultando a labuta de famosos advogados de defesa, que ainda estão presos ao século 20.

A Lava Jato conseguiu o que conseguiu, da liberdade e recursos para atuar às descobertas e condenações, porque desenvolve um trabalho em que ninguém tinha conhecimento teórico para imaginar as suas consequências e, assim, barrá-la em seu nascedouro ou neutralizá-la em seu curso. O alto índice de sentenças de Sergio Moro confirmadas por instâncias superiores é um dos dados empíricos desse sucesso. Outro são os malabarismos jurídicos feitos por ministros do STF para atrapalhar a Lava Jato.

A falta de testosterona no mundo intelectual e na política converteu analistas e políticos num bando de maricas agarrados a visões restritas de mundo e da diplomacia que beneficiavam mentes juvenis como a do ditador comunista da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Bastou ser confrontado com virilidade que o ditador baixou a guarda. E assim a diplomacia dos bastidores, aquela que não somos dados a conhecer, pôde funcionar.

O encontro entre o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador comunista Kim Jong-un já é histórico, mesmo que o sucesso completo ainda dependa da assinatura do acordo de paz entre as duas Coreias que prevê a retirada das armas nucleares da Península Coreana. Mas o aperto de mãos e a possibilidade concreta da conclusão da negociação já é o resultado positivo do enfrentamento público e de bastidores do presidente dos Estados Unidos, que nos primeiros tuítes mais contundentes foi acusado de instigar uma guerra nuclear.

Agora, aqueles que negam a realidade por ideologia ou por “antitrumpismo” têm dito que tudo aconteceu apesar de Trump. Mentira deslavada. E não sou quem digo. Em entrevista à jornalista Christiane Amanpour‏ do canal CNN, que jamais poderá ser acusado de apoiar o governo, a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, afirmou enfaticamente que foi a determinação de Trump desde o primeiro dia de governo a responsável por tornar possível o encontro.

Velha raposa, o presidente dos Estados Unidos não se deixou levar pelo simbolismo da reunião. Em entrevista coletiva, Trump disse que só continuará negociando se for adiante o acordo de paz. “Os EUA não serão passados para trás. (…) Nós fomos lindamente enganados; ninguém sabia o que estava acontecendo lá. Isso não vai mais acontecer conosco”, prometeu.

Joseph Nye Jr., celebrado teórico das relações internacionais que eu tive o privilégio de conhecer numa palestra na Universidade de Oxford em 2010, criou três interessantes formas de ver a política externa entre diferentes países. Por meio do hard power, um país seria bem-sucedido numa negociação se fizesse pressão militar e econômica. Por meio do soft power, um país seria bem-sucedido numa negociação se usasse seu exemplo, valores, cultura, liderança moral em vez da imposição, da ameaça de agressão. Por meio do smart power, um país seria bem-sucedido numa negociação se combinasse o uso equilibrado de hard e soft power.

O que estamos a presenciar com Donald Trump é o que, baseado nos conceitos de Nye Jr., eu chamo de smart badass power. Essa nova forma de fazer política internacional é caracterizada pela junção não harmônica da hardsoft smart power combinada com a sagacidade imprevisível – e, portanto, irreproduzível – do presidente dos Estados Unidos e de sua equipe.

Até agora, com resultados variáveis, o smart badass power tem dado certo. E que Deus nos proteja e impeça que dê muito errado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen