Iscas Intelectuais
Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

679 – Será que acordamos?
679 – Será que acordamos?
Adalberto Piotto apresenta o programa Cenário Econômico ...

Ver mais

678 – Dominando a Civilidade
678 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

677 – Teorias da Conspiração
677 – Teorias da Conspiração
Vivemos numa sociedade assolada por grandes ...

Ver mais

676 – Homem na Lua 2
676 – Homem na Lua 2
Cinquenta anos atrás o homem pousou na Lua. Mas parece ...

Ver mais

LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
LíderCast 166 – Juliana e Abbey Alabi
O Abbey é um imigrante africano, que chegou ao Brasil ...

Ver mais

LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
LíderCast 165 – Ícaro de Carvalho
Um dos mais influentes profissionais de comunicação ...

Ver mais

LíderCast 164 – Artur Motta
LíderCast 164 – Artur Motta
Professor que fez transição de carreira e usa podcasts ...

Ver mais

LíderCast 163 – Amanda Sindman
LíderCast 163 – Amanda Sindman
Profissional de comunicação, jornalista e mulher trans. ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)
Eduardo Ferrari
Resumos e Artigos
A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ...

Ver mais

A quem interessa a divisão da sociedade?
Jota Fagner
Origens do Brasil
O atual estado de intolerância ao pensamento diferente, manifesto nas agressões que começam nas redes sociais e terminam em confrontos físicos no meio da rua, é o resultado de um processo de ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPÍTULO 3 – MORFOLOGIA CATEGOREMÁTICA (parte 2)
Alexandre Gomes
Depois de listar todas as CATEGORIAS DE PALAVRAS, de acordo com a Gramática Geral irei tratar com mais calma de cada categoria. Seguindo a lista da lição anterior, vamos começar pelo grupo das ...

Ver mais

Simples assim
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Simples assim Excelência em Educação Dia 10 de agosto, compareci a um evento muitíssimo interessante. Estimulado pela chamada do convite eletrônico – Avanços na educação pública: o que podemos ...

Ver mais

Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Cafezinho 204 – Agrotóxicos – melhor seria não usar IV
Ainda existe hoje uma cultura, muito estimulada por ...

Ver mais

Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Cafezinho 203 – Agrotóxicos – melhor seria não usar III
Quem é o idiota que quer deliberadamente envenenar seus ...

Ver mais

Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Cafezinho 202 – Agrotóxicos – melhor seria não usar II
Se não bastassem as dificuldades para comprar, ...

Ver mais

Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Cafezinho 201 – Agrotóxicos – melhor seria não usar
Agrotóxicos são a bola da vez. Da forma como é ...

Ver mais

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Trump e Coreia do Norte: diplomacia com testosterona

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Toda vez que, numa conversa, criticam a atuação do presidente Donald Trump no Twitter eu respondo: prefiro assim, um político dizendo às claras o que pensa – para o bem e para o mal. Especificamente sobre a Coreia do Norte, ninguém na política de hoje negocia e blefa melhor, com mais eficiência e com mais autoridade do que Trump.

Porque o presidente americano inaugurou uma forma completamente diferente de fazer política, os comentaristas estão mais perdidos que cego em tiroteio. Estão desnorteados porque, quando muito, aprenderam a teoria e a prática política de acordo com uma perspectiva que vai sendo superada pelas mudanças tecnológicas, pelas transformações na sociedade e pela entrada de novos atores políticos. E eles se recusam a se atualizar, a admitir a possibilidade de novos eventos e, portanto, a pensar e analisar o problema de uma maneira distinta da que está consolidada.

Numa outra seara, é similar ao que vem acontecendo no Brasil com a Lava Jato. A maneira de pensar e de usar o direito brasileiro com ferramentas novas como a Análise Econômica do Direito vem tendo sucesso contra a impunidade pela força da técnica e da lógica, e dificultando a labuta de famosos advogados de defesa, que ainda estão presos ao século 20.

A Lava Jato conseguiu o que conseguiu, da liberdade e recursos para atuar às descobertas e condenações, porque desenvolve um trabalho em que ninguém tinha conhecimento teórico para imaginar as suas consequências e, assim, barrá-la em seu nascedouro ou neutralizá-la em seu curso. O alto índice de sentenças de Sergio Moro confirmadas por instâncias superiores é um dos dados empíricos desse sucesso. Outro são os malabarismos jurídicos feitos por ministros do STF para atrapalhar a Lava Jato.

A falta de testosterona no mundo intelectual e na política converteu analistas e políticos num bando de maricas agarrados a visões restritas de mundo e da diplomacia que beneficiavam mentes juvenis como a do ditador comunista da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Bastou ser confrontado com virilidade que o ditador baixou a guarda. E assim a diplomacia dos bastidores, aquela que não somos dados a conhecer, pôde funcionar.

O encontro entre o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador comunista Kim Jong-un já é histórico, mesmo que o sucesso completo ainda dependa da assinatura do acordo de paz entre as duas Coreias que prevê a retirada das armas nucleares da Península Coreana. Mas o aperto de mãos e a possibilidade concreta da conclusão da negociação já é o resultado positivo do enfrentamento público e de bastidores do presidente dos Estados Unidos, que nos primeiros tuítes mais contundentes foi acusado de instigar uma guerra nuclear.

Agora, aqueles que negam a realidade por ideologia ou por “antitrumpismo” têm dito que tudo aconteceu apesar de Trump. Mentira deslavada. E não sou quem digo. Em entrevista à jornalista Christiane Amanpour‏ do canal CNN, que jamais poderá ser acusado de apoiar o governo, a ministra das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, afirmou enfaticamente que foi a determinação de Trump desde o primeiro dia de governo a responsável por tornar possível o encontro.

Velha raposa, o presidente dos Estados Unidos não se deixou levar pelo simbolismo da reunião. Em entrevista coletiva, Trump disse que só continuará negociando se for adiante o acordo de paz. “Os EUA não serão passados para trás. (…) Nós fomos lindamente enganados; ninguém sabia o que estava acontecendo lá. Isso não vai mais acontecer conosco”, prometeu.

Joseph Nye Jr., celebrado teórico das relações internacionais que eu tive o privilégio de conhecer numa palestra na Universidade de Oxford em 2010, criou três interessantes formas de ver a política externa entre diferentes países. Por meio do hard power, um país seria bem-sucedido numa negociação se fizesse pressão militar e econômica. Por meio do soft power, um país seria bem-sucedido numa negociação se usasse seu exemplo, valores, cultura, liderança moral em vez da imposição, da ameaça de agressão. Por meio do smart power, um país seria bem-sucedido numa negociação se combinasse o uso equilibrado de hard e soft power.

O que estamos a presenciar com Donald Trump é o que, baseado nos conceitos de Nye Jr., eu chamo de smart badass power. Essa nova forma de fazer política internacional é caracterizada pela junção não harmônica da hardsoft smart power combinada com a sagacidade imprevisível – e, portanto, irreproduzível – do presidente dos Estados Unidos e de sua equipe.

Até agora, com resultados variáveis, o smart badass power tem dado certo. E que Deus nos proteja e impeça que dê muito errado.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen