Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

De Marceline para o mundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
De Marceline para o mundo  Encantamento como objetivo   “Gosto do impossível porque lá a concorrência é menor”. Walt Disney O título deste artigo integra o título completo de um livro lançado em ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Cafezinho 10 – Legítima defesa
Cafezinho 10 – Legítima defesa
Quatro anos e 240 mil assassinatos depois, a única ...

Ver mais

Trópicos utópicos

Trópicos utópicos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Trópicos utópicos

 A que vem o Brasil, afinal como nação?

“Este é um dos mais belos livros escritos sobre o Brasil que já li. E nem é propriamente um livro sobre o Brasil. […] É uma redescoberta do Brasil que aguça a cabeça e comove o coração”

Caetano Veloso

Participando, tempos atrás, de um encontro de professores na FAAP, fui surpreendido, durante a exposição de um colega da Faculdade de Comunicação, Prof. Martin Cezar Feijó, quando ele se referiu a um livro intitulado Como falar dos livros que não lemos?

Refeito da surpresa, e percebendo que não se tratava de uma brincadeira, saí atrás do referido livro. Encontrei, adquiri, li e… nova surpresa: o livro é sério, escrito por um professor respeitável e, acima de tudo, seu conteúdo faz todo o sentido.

Pierre Bayard, o autor, aponta os diferentes graus em que podemos nos referir aos livros que lemos… e que não lemos.

Entre os primeiros, os que lemos, há os que nos marcam de alguma forma, razão pela qual nos lembramos deles com detalhes. Mas há também os que lemos e, passado algum tempo, deles esquecemos quase completamente.

Entre os segundos, os que não lemos, há alguns livros que apenas folheamos e ficamos com uma ideia vaga de seu teor. Mas há alguns que jamais chegaram às nossas mãos, porém, tanto lemos ou ouvimos referências e comentários sobre eles que acabamos podendo falar dos mesmos como se os tivéssemos lido.

Faço essa digressão em razão do recém-lançado Trópicos utópicos, de Eduardo Giannetti. O lançamento foi precedido de tantos artigos, resenhas e entrevistas com o autor, que, ao finalmente ler o livro, tinha já uma boa noção do que iria encontrar ao longo da leitura.

Vale avisar, desde logo, que todas as referências anteriores não reduziram em nada o prazer proporcionado, uma vez mais, pelo texto inteligente e pela análise abrangente e diferenciada de Eduardo Giannetti.

A exemplo do que pode ser visto em outros livros de Giannetti, há uma vastíssima coleção de fontes em que ele se baseia nas diferentes seções em que a obra se divide. Duas explicações me parecem necessárias para que se compreenda como ele consegue chegar a isso. Uma tem origem na sua sólida formação educacional e no interesse que mostrou, desde os primeiros anos de vida, pela leitura e por temas culturais.

A outra pode ser encontrada num trecho da matéria publicada no suplemento de fim de semana do Valor Econômico em sua edição de 1º de julho. Na referida matéria, a jornalista Cristiane Barbieri pergunta como é possível amarrar tantas ideias, usando, analisando e avançando sobre o sumo de pensadores múltiplos, na criação de uma obra sucinta e densa.

A resposta de Giannetti esclarece muito a respeito de seu método de trabalho e da abrangência de suas análises e teve origem durante a década de 1970 quando cursava economia de manhã e ciências sociais à tarde, ambos na USP, mas sentia que as ideias mais reflexivas e abstratas de sociologia e filosofia sumiam de sua cabeça em pouco tempo.

Um mês, dois meses depois de ter lido um livro, eu me perguntava o que tinha ficado e acabava arrasado, eu não me lembrava de quase nada. Passei, então, a anotar compulsivamente o que estava lendo, ou parafraseando ou copiando trechos muito bem resolvidos. Embora a leitura fosse lenta e penosa, eu me lembrava do texto muito tempo depois. […] Graças a Deus, comecei antes do computador!

Foi dessa forma que nasceu a coleção de cadernos, que hoje são mais de 60, que Giannetti utiliza para escrever seus livros. Como cada caderno tem um número e cada página também, ele é capaz de encontrar o que precisa e fazer a conexão das ideias de uma maneira relativamente simples. Tendo conhecimento disso, fica fácil entender como ele escreveu em 2008, O livro das citações, também publicado pela Companhia das Letras.

Caetano Veloso na quarta capa de Trópicos utópicos, afirma tratar-se de “uma redescoberta do Brasil”, narrada por um autor “cujos livros, desde Vícios privados, benefícios públicos? (em que a ênfase recai sobre a interrogação), os brasileiros politizados deveriam ler antes de qualificá-lo como pertencente à malta ‘neoliberal’”.

Escrito como uma sucessão de seções – são 124 no total – o livro pode ser colocado, em minha opinião, entre as mais bem elaboradas interpretações da nação brasileira, ao lado de autores consagrados como Gilberto Freyre, Sergio Buarque de Holanda, Darcy Ribeiro e Roberto DaMatta.

Partindo da premissa de que “o Brasil tem fome de futuro” (p.12), Giannetti divide o texto em quatro partes. Nas três primeiras, são abordados o que ele chama de “ídolos da modernidade”, respectivamente, a ciência, a tecnologia e o crescimento econômico, “e os impasses oriundos dos seus cultos”.

Nas duas primeiras dessas partes, fica nítida a sólida formação de Giannetti em filosofia, antropologia e sociologia, sem contar algumas considerações sobre biologia, o que exige do leitor não especializado uma redobrada atenção. Na terceira, Giannetti passeia, com a propriedade de quem se dedicou por muito tempo à história do pensamento econômico, pelas diferentes interpretações da economia e daquele que é, segundo Delfim Netto, seu objetivo fundamental: a promoção do crescimento econômico, indispensável para a promoção do mais amplo bem-estar social das populações. Nesse passeio, perpassa por clássicos como Adam Smith, Thomas Malthus, Karl Marx, John Stuart Mill, Alfred Marshall, chegando a autores que se debruçaram mais recentemente sobre o tema como John Maynard Keynes, Friedrich Hayek e Robert Fogel.

Na quarta parte, Giannetti desloca o foco para a questão nacional, procurando identificar a perspectiva brasileira que orienta a discussão da crise civilizatória. Também nessa parte, Giannetti recorre a intérpretes relevantes – e muitas vezes de visões conflitantes – da realidade brasileira, tais como Eugênio Gudin, Oswald de Andrade, Antonio Risério, além dos já mencionados Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro.

Na conclusão, apresentada na penúltima seção e intitulada Sonhar o Brasil, Giannetti “oferece um esboço de utopia do anacronismo-promessa chamado Brasil”.

Se o objetivo de um autor é provocar a reflexão dos leitores, Giannetti está de parabéns, pois consegue atingir seu objetivo por meio de uma crítica instigante às tentativas reducionistas e radicais de explicar um país com a complexidade do Brasil. Nada mais ilustrador dessa visão instigante do que a 124ª e última seção, intitulada A questão irrespondida: “Tupi, or not tupi that is the question” – propõe a conhecida fórmula antropofágica. “Tupi and not tupi” – eis a possível resposta.

Pelas razões aqui expressadas – e muitas outras que não caberiam num artigo dessa natureza – recomendo a todos a leitura integral do livro do Giannetti, evitando a tentação da não-leitura propugnada por Pierre Bayard. Um texto com tamanha riqueza e abrangência de ideias jamais poderá ser substituído pela leitura de artigos, resenhas ou entrevistas, por mais bem elaborados que sejam.

Iscas para quem quiser se aprofundar

Referências e indicações bibliográficas

BAYARD, Pierre. Como falar dos livros que não lemos? Tradução de Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

GIANNETTI, Eduardo. Vícios privados, benefícios públicos? A ética na riqueza das nações. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

_______________ O livro das citações: um breviário de ideias replicantes. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

_______________ Trópicos utópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

_______________ Utopia tropicalista. Entrevista a Jerônimo Teixeira. Veja, 29 de junho de 2016, pp. 17-21.

_______________ O profeta analítico. Entrevista a Cristiane Barbieri. Valor Econômico. Caderno Eu & Fim de Semana, 1 de julho de 2016, pp. 22-26.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado