Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

711 – Cafezinho Live – Gustavo Cerbasi
711 – Cafezinho Live – Gustavo Cerbasi
O mundo está mergulhado num cenário de perplexidade, ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

LíderCast 193 – Paulo Eduardo Martins
LíderCast 193 – Paulo Eduardo Martins
Jornalista combativo que sofreu as consequências da ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

Palestras Online
Palestras Online
Há muito tempo, Luciano Pires publica seus videocasts ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Um mundo carente de lideranças
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A carência de lideranças políticas e o enfrentamento da pandemia “Um líder é alguém que sabe o que quer alcançar e consegue comunicá-lo.” Margaret Thatcher Poucos conceitos passaram por ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Cafezinho 269 – O meu sapato
Cafezinho 269 – O meu sapato
E aí chega a crise, o vento leva embora a espuma .

Ver mais

Cafezinho 268 – Skin In The Game
Cafezinho 268 – Skin In The Game
Faça o exercício de imaginar que decisão você tomaria ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras atributivas: Verbos (parte 4)

Trivium: Capítulo 3 – Palavras atributivas: Verbos (parte 4)

Alexandre Gomes -

As palavras ATRIBUTIVAS expressam os ACIDENTES que existem na substância.  Os atributos PRIMÁRIOS incluem:

 

  1. verbos;

“eu preciso escrever um exemplo?”

  1. substantivos verbais;

“ela cultiva o sorrir

  1. adjetivos verbais;

“conto o que me contaram

  1. adjetivos.

“o café está quente

 

VERBO E SUAS FUNÇÕES:

 

Um verbo possui QUATRO FUNÇÕES:

 

  1. expressa um atributo juntamente com a noção de tempo;
  2. indica distinção temporal da ação denotada (ou seja, indicada, mostrada);
  3. expressa o modo (ou humor, intenção);
  4. afirma.

Compreenda que expressar um atributo juntamente com a noção de tempo é a FUNÇÃO ESSENCIAL de um VERBO e constitui sua definição (não foi à toa que listei essa função ali no item 1).

Aristóteles define “verbo” como aquele que, além do seu significado próprio, transmite TAMBÉM a noção de tempo, ou de mudança.

E é por conta desse aspecto, o tempo, que o verbo se distingue do  ADJETIVO – que também expressa um atributo de um objeto (substância), MAS NADA DIZ SOBRE tempo ou mudança.

E para não perder a chance de enfatizar mais o que diferencia o verbo entre as palavras atributivas, perceba o seguinte: TEMPO é medida de mudança.

 

Uma vez que AÇÃO é mudança, e mudança envolve tempo\, um verbo, que expressa uma ação NECESSARIAMENTE envolve tempo!

 

Cada verbo descreve uma AÇÃO específica: PULAR, FALAR, NADAR. E a noção de tempo está vinculada ao verbo. E isso não pode ser separado (a ação do tempo).

Logo, o tempo é concomitante ao significado dos verbos e não o seu significado principal. Hum… não está me entendendo direito, não é? Veja assim então.

 

Quando desejamos que o tempo assuma o significado principal, nós o fazemos através de substantivos abstratos, tais como: ANO, DIA, HORA, etc.; ou então, por meios de advérbios: anualmente, diariamente, de hora em hora…

O tempo verbal, por sua vez, É A RELAÇÃO entre o tempo do ato mesmo e o tempo em que se faz a referência ao ato.

Veja!

Se eu falo de uma AÇÃO ENQUANTO ELA OCORRE, uso o tempo presente;

“O pássaro VOA” (presente do indicativo)

Se falo antes da ocorrência:

“O pássaro VOARÁ” (futuro do presente)

Se depois da ocorrência:

“O pássaro VOOU” (pretérito perfeito)

 

Em Português há ainda outros tempos verbais, que podem parecer iguais para um estrangeiro aprendendo nossa língua materna, mas soam naturais para os nativos da língua.

 

PRETÉRITO IMPERFEITO

“O pássaro VOAVA” (sugere a ideia de que ele não voa mais)

 

PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO

“O pássaro VOARA” (aqui, a sugestão é que a ação é mais antiga. Ou seja, algo mais aconteceu nesse passado

 

FUTURO DO PRETÉRITO

“O pássaro VOARIA” (a ideia aqui é: se algo imprevisto não tivesse retirado essa habilidade do animal)

 

A língua inglesa tem alguns desses tempos verbais, mas não todos. E nem todos os seus verbos têm grafia diferente para representar a mudança de tempo verbal. Lá utilizam VERBOS AUXILIARES para demonstrar o tempo verbal diferente.

Por exemplo, o verbo “to dance” (dançar), em alguns dos tempos verbais da língua inglesa:

 

PRESENTE: “She dance”

 

PASSADO: “She did dance”

O “did” deixa de ser “fez” (passado de fazer – to do), e passa a ser um verbo auxiliar para representar o tempo passado da ação que é dançar.

FUTURO: “She will dance”

agora, é a palavra “will” que deixa de significar “vontade” ou “desejo”, e passa a ser outro verbo auxiliar para representar o tempo futuro.

Sim, há sutilezas no Inglês também. Há um outro verbo auxiliar para o futuro, o “SHALL”, que é usado para demonstrar o tempo de maneira mais formal

 

“When she shall dance” (quando ela deve dançar) 

 

Que é um pouco diferente de…

 

“When she will dance” (quando ela vai dançar)

 

De todo modo, tenha cuidado! Não confunda tempo verbal com TEMPO. O TEMPO é essencial ao verbo; já o tempo verbal é apenas uma VARIAÇÃO ACIDENTAL.

Perceba; na declaração de uma verdade geral, não há nenhum tempo verbal. Exemplos:

 

  • Fogo queima;
  • Ácidos contêm hidrogênio;
  • O Bem deve ser feito;
  • O Mal deve ser evitado.

 

Nenhum dos verbos grifados estão em algum tempo verbal. Todos, da forma que estão escritos, são PERENES*, valem por todo o tempo.

(* Destaque: não usei o termo “eterno” porque ele, em seu sentido original, significa estar fora do tempo, e não estar em todos os momentos do tempo. Este é o sentido de perene)

Voltando…

 

Tais declarações gerais (frases acima) expressam uma relação que não cessa de existir, nem começa a existir por obra da nossa observação. É uma relação CONSTANTE.

 

O MODO declara de que maneira o SUJEITO e PREDICADO estão relacionados: como certos, como possíveis, como condicionais, etc… 

 

  1. Modo INDICATIVO (declarativo): declara a relação como um fato, uma certeza. “O carro passou correndo”;
  2. Modo POTENCIAL: afirma uma relação como possível, ou contingente. “Uma rosa pode ser branca”;
  3. Modo INTERROGATIVO: pede informação e requer uma resposta em palavras. “Onde você achou isso?
  4. Modo VOLITIVO: busca a gratificação das volições (vontades) e requer uma resposta em forma de ações. E faz referência direta somente ao futuro, e por isso, tem a força de ordem. Um ótimo exemplo são os Dez Mandamentos: “Não roubarás” (só pra esclarecer, este é o futuro do indicativo, certo?)

 

Então… pra quê isso tudo, não é?

Para apontar a diferença entre a Gramática GERAL (esta que estamos estudando aqui) e as Gramáticas ESPECIAIS. estas se preocupam principalmente com as relações entre as palavras, distingüem três MODOS, marcados por uma diferença na forma gramatical.

  1. Modo Indicativo: que expressa a relação como uma atitude de certeza, seja numa afirmação ou pergunta.
  2. Modo Subjuntivo: que expressa as relações potenciais, subjuntivas, optativas e, às vezes, interrogativas – quando pedem permissão.
  3. Modo Imperativo: que expressa uma ordem.

 

Perceba que tanto na Gramática Geral e nas Gramáticas Especiais, o modo indicativo tem o MESMO ALCANCE. Já os modos interrogativo e volitivo (da Gramática Geral) se misturam para formar o modo Subjuntivo, deixando apenas uma parte específica do modo volitivo (a parte impositiva por sinal) para o modo Imperativo. Então, nas Gramáticas Especiais o modo volitivo impositivo é o Modo Imperativo.

Resumindo, Gramáticas Especiais como a latina, portuguesa, inglesa ou francesa não fazem distinção entre os modos interrogativos e indicativo, pois usam normalmente a mesma forma na pergunta e na resposta.

Para a Gramática Geral, a distinção é NECESSÁRIA, do ponto de vista lógico. Pois o modo indicativo expressa uma DECLARAÇÃO que pode ser verdadeira ou falsa. O modo interrogativo expressa uma PERGUNTA que, em si, é incapaz de ser verdadeira ou falsa.

Compreenda que SOMENTE os modos indicativo e potencial são capazes de expressar a veracidade ou a falsidade.

Os modos interrogativo e volitivo, NÃO O SÃO. (capazes de expressar a veracidade ou falsidade de algo).

MUITA ATENÇÃO A ISTO: o modo potencial AFIRMA não um fato, mas uma possibilidade ou contingência.

 

No fim das contas, você deve entender que um verbo afirma. Esta função é necessária à formação da frase, que deve expressar um pensamento completo.

 

Por último, uma curiosidade sobre a figura acima: ali é o Jesus Pantocrator. Essa representação tem um detalhe curioso. A expressão no rosto de JC, do lado onde ele segura um livro, é severa; enquanto sua expressão do lado em que a mão está posição de benção, é suave, benéfica. Dá pra falar mais sobre essa simbologia, mas aqui não é o lugar.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes