Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O chamado da tribo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O chamado da tribo Grandes pensadores para o nosso tempo “O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Você tem a força. Mas antes de colocá-la nas grandes ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)

Alexandre Gomes -

Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:

 

  1. TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto (receptor). Um VERBO TRANSITIVO sempre requer um complemento, isto é, uma palavra que complete o sentido do predicado. Ex.: 

Fernanda cortou o bolo. (aqui ficou mais evidente, não?)

 

  1. INTRANSITIVOS: aqueles que expressam a ação que começa e termina no agente, o sujeito da frase. Consequentemente, o sujeito deve ser tanto agente quanto paciente. Um bom exemplo é: “o pássaro VOA”.

 

DUAS classes de VERBOS INTRASITIVOS:

 

  1. Os que expressam a ação completa por si mesma, por exemplo: brotar, murchar;

e,

  1. Os que requerem um complemento, uma palavra para completar o sentido do predicado, por exemplo: tornar (uma lagarta torna-se uma borboleta)

Ou seja, um verbo intransitivo que requer um complemento (item 2 acima) é o que se pode chamar de verbo copulativo.
Antes de falar dessa estrovenga que é a cópula, faço um reforço sobre VERBOS INTRANSITIVOS.

 

Um verbo intransitivo NUNCA requer um objeto direto (OD), pois o OD recebe a ação do verbo e um verbo intransitivo NÃO TRANSMITE a ação a um complemento, transmite diretamente para o paciente (a coisa atingida pela ação do verbo).

 

Pois bem, vou tentar ser breve ao explicar a CÓPULA, que é algo simples, mas de difícil explicação. O termo significa “união, junção” (se você pensou naquilo gentil leitora… bem, é isso mesmo!). No caso aqui, estamos falando da junção de um ATRIBUTIVO, ou um substantivo, ao SUJEITO.

A pura cópula “é”  NÃO É UM VERBO, porque não expressa um atributo juntamente com a noção de tempo. Por exemplo: “a maçã é vermelha”. O atributivo (adjetivo) “vermelha” está ligado à maçã, não é uma ação, ou movimento.

 

FORMAS VERBAIS NOMINAIS

 

Existem três classes de FORMAS VERBAIS NOMINAIS:

 

  1. O Inifinitivo: o verbo está “agindo” por toda a extensão do tempo. Ex.: nadar, domir, plantar;
  2. O Particípio: o verbo expressa o resultado da ação do verbo. É como se fosse um ADJETIVO, pois MODIFICA um substantivo. Ex.: flores colhidas no campo;
  3. O Gerúndio: aqui o verbo pode desempenhar todas as funções de um substantivo, mesmo sendo um verbo ainda. É onde entra aquele idioma peculiar do telemarketing: “não se preocupe Sra., nós estaremos providenciando o atendimento de sua solicitação…”.

 

Perceba o seguinte: igual ao verbo, a forma nominal tem as seguintes características:

  1. expressa um atributo junco com a noção de TEMPO (mudança);
  2. indica o tempo verbal (passado, presente e futuro);

 

Ao mesmo tempo que se diferencia com outras características – porque se não houvesse diferença, era verbo, oras!!

 

  1. não afirma;
  2. não expressa modo*

 

* Só lembrando, os MODOS são: INDICATIVO, POTENCIAL, INTERROGATIVO e VOLITIVO.

 

ADJETIVOS

 

Este é um atributivo que expressa o… atributo (qualidade) de um substantivo. Mas, diferente de um verbo ou forma verbal nominal, que expressam tanto o atributo, como também a noção de TEMPO, portanto, mu-dan-ça! Ou seja, o ADJETIVO expressa simplesmente UM ATRIBUTO de um substantivo..

 

ADVÉRBIOS

 

São atributivos SECUNDÁRIOS. Ou seja, funcionam como atributos de atributos. Meio vago e abstrato, certo? vamos a um exemplo, então:

 

“O homem anda RAPIDAMENTE.”

Decompondo a frase rapidamente, temos:

homem – substantivo;

anda – atributivo (verbo);

rapidamente – atributivo (advérbio)

 

Agora, analisando com mais calma, temos o seguinte: andar é uma ação existente em HOMEM, logo “andar” é um atributo da substância (homem). E veja, rapidez é uma qualidade existente em “andar” (pode-se andar rápido, devagar, correndo, etc.). Portanto, “rapidamente” expressa um ATRIBUTO de um ATRIBUTO de uma SUBSTÂNCIA!

 

Resumindo os pontos apresentados neste capítulo até agora, temos:

 

Designadores de substância: substantivos e pronomes;

 

Atributivos: verbos, formas verbais nominais e adjetivos;

Atributivos secundários: advérbios

 

E explicando a referência da imagem, acima: vemos um distinto cavalheiro executando uma caminhada boba. perceba que temos quase todos os elementos que expus agora:

 

“O cavalheiro faz uma caminhada boba”

(pronome, substantivo, verbo, pronome, substantivo e advérbio)

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes