Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

O Brasil rumo à OCDE em 2021
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil rumo à OCDE em 2021[1] Introdução Em 30 de maio de 2017, o Brasil formalizou a solicitação de entrada na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Motivação é uma intenção pessoal, engajamento é um ...

Ver mais

Três quilos de dinheiro

Três quilos de dinheiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O governo venezuelano, bem como toda essa demência dita bolivariana, já morreu faz tempo; só esqueceu de deitar. É uma espécie de zumbi teimoso, um walking dead latino. E sem audiência.

Embora Nicolás Maduro, psicopata de atestado, use suas milícias armadas e o exército para calar o povo e sustentar essa fantasia doentia de comunismo do século XXI, inaugurada com muita festa por seu mentor Hugo Chávez (outro doido de chupar meia), o fim está próximo. Algo vai – e tem – de acontecer.

Analistas sempre se perguntaram qual seria o ponto final de ruptura entre o povo e esse “governo” biruta que, em nome de uma igualdade social nunca alcançada, destruiu sua economia de uma forma jamais vista. A moeda se derrete numa inflação de mais de 500% ao ano; a produção agrícola e industrial simplesmente acabou e, mesmo o petróleo, que sempre salvou a Venezuela, diminui dia a dia por causa da péssima administração estatal, agravada pela corrupção endêmica, indissociável de qualquer país que caia no canto demoníaco do comunismo. A capital Caracas é uma praça de guerra tomada pelo crime. A comida simplesmente acabou, não há serviços públicos funcionando, os remédios desapareceram e os hospitais estão absolutamente falidos. Sem contar as prisões arbitrárias de membros da oposição e proibição de imprensa livre.

Os bolivarianos conseguiram o impossível: Quebrar o país que detém uma das maiores reservas de petróleo do mundo.

Não é à toa que nunca, em nenhum momento da história, o comunismo foi acolhido através de eleições livres, em nenhum país do mundo. Isso deve representar algo, não?

Pois bem: O ponto de ruptura parece ter chegado; e não veio pelo desabastecimento, pela tirania, pela inflação ou pela demência de Maduro. Veio pela falta de dinheiro. E dinheiro, no caso, é o próprio papel moeda. O desgoverno, sempre criativo em sua inesgotável estupidez, resolveu tirar de circulação as notas de 100 bolívares, justamente as maiores do sistema financeiro vizinho. Isso agrava um problema só visto na Alemanha dos anos 1920, arrasada pelo fim da 1ª. Guerra e pela hiperinflação: O dinheiro vale tão pouco que ninguém mais se dá ao trabalho de contá-lo – pesá-lo é mais eficiente. Sim: um pão, ou uma dúzia de ovos (se houver), equivale a “X” quilos de dinheiro http://exame.abril.com.br/economia/venezuelanos-comecam-a-pesar-dinheiro-ao-inves-de-contar-notas/

Como não há mais dinheiro circulando, nem querendo (e podendo) os cidadãos poderiam comprar algo, mesmo dirigirindo-se às cidades fronteiriças da Colômbia e do Brasil para adquirir artigos de primeira necessidade, tais como produtos de limpeza ou comida: Maduro decidiu fechar as fronteiras.

Trágico, mas engraçado mesmo foi o motivo que esse sujeito grotesco inventou para justificar essa sua nova loucura: Alegou que “máfias”  brasileira e colombiana estão “estocando” as notas de 100 bolívares em enormes armazéns para destruir a economia da Venezuela, tudo orquestrado por um plano diabólico dos americanos. Taspariu.

Esse fato está meio esquecido pela imprensa, mas uma ou outra reportagem se lembra dele e das fronteiras instransponíveis: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/12/1841562-venezuela-fecha-fronteira-com-o-brasil-por-contrabando-de-cedulas.shtml

Mas, como absolutamente nada pode competir com a jumentice bolivariana de Chávez, Maduro e sua corja, a chanceler Delcy Rodrigues tentou entrar à força na reunião do Mercosul que ocorria em Buenos Aires, apesar de a Venezuela estar suspensa (e à beira da expulsão) do bloco comercial. Maduro endossou esse hospício e, claro, colocou a culpa nos outros, como siempre: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2016/12/15/maduro-afirma-que-ninguem-vai-tirar-venezuela-do-mercosul.htm

No exterior, excetuando-se os bananeiros de sempre, a Venezuela não existe mais, a não ser como exportadora de petróleo – em decadência pela produção cada vez menor. Recente manobra da OPEP para elevar artificialmente o preço dessa commodity pode lhe dar um pequeno fôlego, mas efêmero e indiscutivelmente breve. Servirá somente para adiar a ruptura certa que virá; ou se derruba esse governo total e irremediavelmente enlouquecido, ou a guerra civil tomará a Venezuela.

Ah, Maduro… só pra lembrar… no caso das cédulas de bolívares… A única máfia que o Brasil abrigou era sua amiguinha fiel, e foi desmantelada com a Lava Jato; grande parte dela já ta na cadeia. Seu fim não será melhor, bigodón. Fuja enquanto é tempo. Deita o cabelo, mané.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes