Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

O MARXISMO É UMA RELIGIÃO POLÍTICA!
Carlos Nepomuceno
Na minha live de hoje fiz uma afirmação que se tornou verdade para mim nos últimos anos, mas hoje ficou evidente. Como lidar com meus amigos marxistas? Publicado por Carlos Nepomuceno em Segunda, ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

Cafezinho 126 – Mais Médicos
Cafezinho 126 – Mais Médicos
- Mas eles estavam atendendo os brasileiros necessitados!

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Três quilos de dinheiro

Três quilos de dinheiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

O governo venezuelano, bem como toda essa demência dita bolivariana, já morreu faz tempo; só esqueceu de deitar. É uma espécie de zumbi teimoso, um walking dead latino. E sem audiência.

Embora Nicolás Maduro, psicopata de atestado, use suas milícias armadas e o exército para calar o povo e sustentar essa fantasia doentia de comunismo do século XXI, inaugurada com muita festa por seu mentor Hugo Chávez (outro doido de chupar meia), o fim está próximo. Algo vai – e tem – de acontecer.

Analistas sempre se perguntaram qual seria o ponto final de ruptura entre o povo e esse “governo” biruta que, em nome de uma igualdade social nunca alcançada, destruiu sua economia de uma forma jamais vista. A moeda se derrete numa inflação de mais de 500% ao ano; a produção agrícola e industrial simplesmente acabou e, mesmo o petróleo, que sempre salvou a Venezuela, diminui dia a dia por causa da péssima administração estatal, agravada pela corrupção endêmica, indissociável de qualquer país que caia no canto demoníaco do comunismo. A capital Caracas é uma praça de guerra tomada pelo crime. A comida simplesmente acabou, não há serviços públicos funcionando, os remédios desapareceram e os hospitais estão absolutamente falidos. Sem contar as prisões arbitrárias de membros da oposição e proibição de imprensa livre.

Os bolivarianos conseguiram o impossível: Quebrar o país que detém uma das maiores reservas de petróleo do mundo.

Não é à toa que nunca, em nenhum momento da história, o comunismo foi acolhido através de eleições livres, em nenhum país do mundo. Isso deve representar algo, não?

Pois bem: O ponto de ruptura parece ter chegado; e não veio pelo desabastecimento, pela tirania, pela inflação ou pela demência de Maduro. Veio pela falta de dinheiro. E dinheiro, no caso, é o próprio papel moeda. O desgoverno, sempre criativo em sua inesgotável estupidez, resolveu tirar de circulação as notas de 100 bolívares, justamente as maiores do sistema financeiro vizinho. Isso agrava um problema só visto na Alemanha dos anos 1920, arrasada pelo fim da 1ª. Guerra e pela hiperinflação: O dinheiro vale tão pouco que ninguém mais se dá ao trabalho de contá-lo – pesá-lo é mais eficiente. Sim: um pão, ou uma dúzia de ovos (se houver), equivale a “X” quilos de dinheiro http://exame.abril.com.br/economia/venezuelanos-comecam-a-pesar-dinheiro-ao-inves-de-contar-notas/

Como não há mais dinheiro circulando, nem querendo (e podendo) os cidadãos poderiam comprar algo, mesmo dirigirindo-se às cidades fronteiriças da Colômbia e do Brasil para adquirir artigos de primeira necessidade, tais como produtos de limpeza ou comida: Maduro decidiu fechar as fronteiras.

Trágico, mas engraçado mesmo foi o motivo que esse sujeito grotesco inventou para justificar essa sua nova loucura: Alegou que “máfias”  brasileira e colombiana estão “estocando” as notas de 100 bolívares em enormes armazéns para destruir a economia da Venezuela, tudo orquestrado por um plano diabólico dos americanos. Taspariu.

Esse fato está meio esquecido pela imprensa, mas uma ou outra reportagem se lembra dele e das fronteiras instransponíveis: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/12/1841562-venezuela-fecha-fronteira-com-o-brasil-por-contrabando-de-cedulas.shtml

Mas, como absolutamente nada pode competir com a jumentice bolivariana de Chávez, Maduro e sua corja, a chanceler Delcy Rodrigues tentou entrar à força na reunião do Mercosul que ocorria em Buenos Aires, apesar de a Venezuela estar suspensa (e à beira da expulsão) do bloco comercial. Maduro endossou esse hospício e, claro, colocou a culpa nos outros, como siempre: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2016/12/15/maduro-afirma-que-ninguem-vai-tirar-venezuela-do-mercosul.htm

No exterior, excetuando-se os bananeiros de sempre, a Venezuela não existe mais, a não ser como exportadora de petróleo – em decadência pela produção cada vez menor. Recente manobra da OPEP para elevar artificialmente o preço dessa commodity pode lhe dar um pequeno fôlego, mas efêmero e indiscutivelmente breve. Servirá somente para adiar a ruptura certa que virá; ou se derruba esse governo total e irremediavelmente enlouquecido, ou a guerra civil tomará a Venezuela.

Ah, Maduro… só pra lembrar… no caso das cédulas de bolívares… A única máfia que o Brasil abrigou era sua amiguinha fiel, e foi desmantelada com a Lava Jato; grande parte dela já ta na cadeia. Seu fim não será melhor, bigodón. Fuja enquanto é tempo. Deita o cabelo, mané.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes