Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Três coisas que os hackathons ensinam

Três coisas que os hackathons ensinam

Mauro Segura - Transformação -

Dias atrás rolou o hackathon do AngelHack Rio, da maratona #AngelHack ao redor do mundo. Foram 30 horas de jornada, que começou com 89 pessoas no primeiro minuto e terminou com 11 grupos de cinco ou seis pessoas. Algumas pessoas e grupos ficaram pelo caminho, faz parte do jogo… hackathons são para os fortes, de corpo e espírito, e principalmente de ideias. Foram repetidos mais uma vez alguns dos aprendizados que colhi nos hackathons anteriores dos quais já participei. As lições são quase sempre as mesmas.

Já fui voluntário, jurado e mentor, gostei de todas as experiências. Aqui compartilho os três principais aprendizados que vivenciei em todas as maratonas de que participei, inclusive nessa última. Portanto, podemos encarar isso como pontos de atenção em qualquer hackathon, independentemente do tamanho e das condições da empreitada.

Foco
Ao longo das 30 horas do hackathon as discussões sobre a proposta de projeto rolaram de maneira interminável. Alguns grupos começaram apreciando duas ou três ideias de projeto dadas pelos próprios integrantes do grupo. Escolher uma delas é uma missão árdua. Isso às vezes toma tempo… muito tempo. E tempo é algo precioso num hackathon. Quando uma ideia é escolhida, começa a via crucis de definir o escopo da ideia. É muito comum o grupo pirar na batatinha e começar a criar um projeto com escopo sem limites claramente definidos ou um escopo Frankenstein, ou seja, repleto de pequenos puxadinhos com o intuito de construir algo mais abrangente. Esse é um momento crucial para o sucesso do grupo num hackathon: a definição da ideia e seu escopo.

Liderança
Ao longo da maratona, os grupos se digladiam internamente conforme cada integrante vai defendendo as suas ideias e convicções. Ao longo das maratonas que participei como mentor, um dos principais aprendizados foi que os grupos com um líder forte normalmente têm muito mais chance de sucesso dos que os outros onde a liderança é compartilhada. Muitas vezes, o líder não é alguém declarado, mas ele emerge ao longo das horas pela sua capacidade de influência, convencimento e desenvolvimento de aliados dentro do grupo. Isso pode parecer algo ditatorial, mas num trabalho onde o tempo e a ordem das atividades é primordial, essa liderança conquistada espontaneamente torna-se crucial.

Defesa do projeto (ou “vender o peixe”)
Essa é uma das partes mais importantes da maratona e talvez a mais negligenciada por todos. Cada grupo tem dois minutos para defender o projeto perante uma banca de jurados. É um tempo super curto para apresentar o contexto da solução, realizar uma demonstração do aplicativo e falar dos diferenciais. Aqui os pontos mais importantes são capacidade de comunicação e argumentação, com uma boa dose de entusiasmo e brilho nos olhos. Nem sempre os vencedores de um hackathon são aqueles que têm o mais perfeito e criativo projeto, ou a melhor solução técnica, mas sim aqueles com a capacidade de melhor apresentar o projeto e empacotá-lo como um negócio, mesmo que seja sem fins lucrativos. Isso exige talento mas, principalmente, ensaio e uma tremenda capacidade de “vender o peixe” devido ao tempo disponível.

 

Foco, liderança e a capacidade de “vender o peixe”, essas são as três condições básicas para um grupo vencer um hackathon. E veja que em nenhum momento eu falei em código, plataforma técnica e design. Obviamente, existem alguns outros elementos importantes, como trabalhar bem em grupo, capacidade de ouvir e argumentar, gostar de pôr a mão na massa e trabalhar muuuuito, saber lidar com pessoas que pensam diferente de você, flexibilidade etc.

Hackathon é também diversão, portanto, tem que saber entrar no clima e se divertir muito. Não é por acaso que os melhores grupos são aqueles onde as pessoas são as mais leves, relaxadas, bem humoradas e que sabem se divertir. Muitos pensam que nessas maratonas as pessoas rodam direto na base do Red Bull e precisam ficar acordadas o tempo todo, isso não é verdade e nem recomendável. Saber tirar cochilos curtos para recuperar a energia, a atenção e a capacidade de pensar faz muita diferença. Ahhhh, e outra coisa super importante: se alimentar. Ter o cérebro funcionando 30 horas em velocidade máxima consome muita energia e caloria. Portanto, mandar carboidrato pra dentro é crucial.

Muitas vezes os hackathons são vistos meramente como empreitadas de nerds, designers e desenvolvedores. Essa é uma visão muito limitada da proposta. Hackathons são jornadas que representam muito bem a vida real e o mundo dos negócios, onde não basta uma boa ideia ou uma boa intenção, mas dependem da capacidade do grupo construir um projeto maior, com objetivos claros e definidos, e uma capacidade ainda maior para engajar pessoas ao redor dele.

Para você ter ideia do que foi o AngelHack Rio, veja os números a seguir.

Foram 500 pré-inscritos. Desse total, emergiram 250 selecionados. Tivemos 89 presentes no minuto inicial do Hackathon. Cerca de 30% eram mulheres, um índice espetacular em função do histórico que vemos por aí em hackathons no País. Havia 40 mentores e 30 voluntários para coordenar a maratona. Tivemos 120 visitantes circulantes para conhecer o hackathon. Foram 10 litros de bluemix drink, 300 Red Bulls e muita comida… mas muita comida mesmo !!!
Das 30 horas do hackathon, 24 foram dedicadas a programação; 16 grupos iniciaram a jornada, mas 12 terminaram o ciclo de programação, porém um dos grupos não passou pela aprovação da solução técnica. No final, 11 grupos defenderam seus projetos perante cinco juízes. Cada grupo teve o tempo de dois minutos para defender seu projeto, e mais dois minutos para responder perguntas dos juízes.

Confesso que eu nunca vou para os hackathons para celebrar os grupos que alcançam os primeiros lugares. Acho que todos que chegam à reta final e vão para a banca examinadora são vencedores. Esse é o espírito. Mais do que a linha de chegada, o mais legal é a jornada.

Para você que chegou até aqui ouvindo a minha história, eis um souvenir. O grupo Angela foi o grande vencedor do AngelHack Rio 2016, formado por Erika Bueno, Maria Carolina Marinho, Meyrele Torres, Michelle Valente e Tamyres Freitas. Um grupo só de mulheres!!!! Fiquei tão entusiasmado que tive que tirar uma foto com elas. Conheça o projeto delas nessa defesa de menos de dois minutos. Impossível não se encantar!

Parabéns, meninas, me apaixonei por vocês.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura