Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

710 – Todo mundo junto
710 – Todo mundo junto
Cara... que tempo louco estamos vivendo, não é? E no ...

Ver mais

709 – Sobre perguntas
709 – Sobre perguntas
O Sandro Magaldi e o José Salibi Neto são dois ...

Ver mais

708 – Manifesto do Educador Honesto
708 – Manifesto do Educador Honesto
Afinal de contas, o que é um educador? É uma professora ...

Ver mais

707 – O benefício da dúvida – Revisitado
707 – O benefício da dúvida – Revisitado
O programa de hoje é a revisita a um episódio publicado ...

Ver mais

LíderCast 192 – Eduardo Villela
LíderCast 192 – Eduardo Villela
Homem dos livros, mas de fazer livros. Com extensa ...

Ver mais

LíderCast 191 – Giovani Colacicco
LíderCast 191 – Giovani Colacicco
Professor do Departamento de Ciências Contábeis da ...

Ver mais

LíderCast 190 – Alcides Braga
LíderCast 190 – Alcides Braga
De office boy a dono da Truckvan, uma história ...

Ver mais

LíderCast 189 – Deborah Alves
LíderCast 189 – Deborah Alves
Jovem empreendedora, formada em Ciência da Computação e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Aprenderemos algo?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sim… afinal, não é possível que atravessemos esse inferno “coronário” sem tirar algum ensinamento, alguma aprendizagem, disso tudo. No caso do brasileiro, alguma disciplina e respeito, e já ...

Ver mais

Liga e desliga
Chiquinho Rodrigues
Ela disse pra mim que gostar e desgostar eram coisas simples! Que existia dentro dela um botão de “liga e desliga”. Quando esse botão estava no “liga” era porque ela ...

Ver mais

Vivendo e aprendendo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vivendo e aprendendo  Lições da quarentena “Vivendo e aprendendo a jogar Vivendo e aprendendo a jogar Nem sempre ganhando Nem sempre perdendo Mas, aprendendo a jogar.” Guilherme Arantes O mundo ...

Ver mais

Analogias inusuais
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Analogias inusuais  Para desenvolver a criatividade… e para entender as crises econômicas “Para os historiadores cada evento é único. Os economistas, entretanto, sustentam que as forças da ...

Ver mais

Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Cafezinho 267 – Cafezinho.Live
Escolha bem suas conexões para não infectar também a mente.

Ver mais

CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
CAFEZINHO 266 – O QUE NÃO SE VÊ
Neste momento em que para deter uma epidemia os ...

Ver mais

Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Cafezinho 265 – O Lado Cheio do Copo
Vamos combater o novo Coronavirus com Fitness Intelectual.

Ver mais

Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Cafezinho 264 –  Não adianta mudar o rótulo.
Quando você muda o rótulo, pode até mudar o sentido da ação.

Ver mais

Trágico e engraçado

Trágico e engraçado

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A expressão é velha; óbvia, clichê, deve ser evitada a todo custo por qualquer um que caminhe pelo mundo das letras: O famoso “seria engraçado se não fosse trágico”. Porém, há túnel no começo da luz; os politicamente corretos inovaram nesse quesito, criando uma nova vertente, unindo o trágico e o engraçado. A coexistência desses dois pólos declaradamente antagônicos só poderia mesmo ocorrer nesse ridículo mundo paralelo fundado e alimentado por pensamento raso, simplista, dos torturadores da realidade e escravos da esquerda arrivista.

Mas como um fato pode ser tragicômico nesse hospício? Quando um de seus arautos é atacado pelos supostos aliados. Sim, pois no politicamente correto ninguém é amigo de ninguém; qualquer deslize no cipoal de regras dementes que rege essa insânia imediatamente é canibalizado pelos seus pares, sem dó ou piedade.

Emblemático é o caso do ator global Bruno Gagliasso; bonito, rico, bem sucedido, militante do politicamente correto, principalmente no que essa gente insiste em chamar de discussão de gênero, denunciando ódio aos gays e às mulheres, posando de herói e defensor de classes ditas “de gênero”. Recentemente descobriram alguns posts antigos dele em redes sociais com piadas homofóbicas, lesbofóbicas (essa é nova, mas o politicamente correto é rei em rótulos), e humilhando mulheres feias (opa, desprovidas de beleza; ou seriam piadas feiofóbicas?), como ficou fartamente registrado  https://f5.folha.uol.com.br/celebridades/2018/07/apos-criticar-racismo-bruno-gagliasso-tem-posts-antigos-divulgados-e-responde.shtml

Resultado: Gagliasso virou leproso. Empresas que o contratavam para divulgar seus produtos passaram a evitá-lo. O Banco Itaú cancelou sua campanha protagonizada por ele. A Prefeitura do Rio fingiu não o conhecer, entre vários patrocinadores de peso. O mais ridículo/engraçado de tudo é que as piadas podem não ser boas, mas também não são ofensivas a ponto de gerar toda essa celeuma idiota – mas esse é o meio de vida dessa gente que respira polêmica insana, inventada para alicerçar o vitimismo. Mas, como diria o sábio Tancredo Neves, “a esperteza, quando é muita, come o dono.” Gagliasso descobriu isso empiricamente.

                        A atriz italiana Asia Argento conseguiu pisar numa jaca muito maior e mais fedida: Sendo precursora do #MeToo, “denunciou” um produtor de Hollywood que “assediou” “estuprou” atrizes que, na verdade, trocavam sexo consentido por bons papéis no cinema; a coisa logo se revelou uma caça às bruxas – ou ao bruxo – uma vez que alguns desses relacionamentos duraram anos, com troca de e-mails picantes, juras de amor e saudade, e as outrora dadivosas damas lucraram muito vendendo sexo, agora se fazendo de vítimas chorosas – e ricas. Abordamos essa farsa aqui: http://www.portalcafebrasil.com.br/iscas-intelectuais/mulheres-de-verdade

Pois não é que, ironia das ironias, Asia foi descoberta, enquanto se travestia de Joana D’Arc das pobres mulheres indefesas, fazendo um acordo milionário para calar a boca de um menor com o qual ela fez sexo? Isso mesmo; a cara de pau foi processada por assédio moral e sexual ao consumar sexo com um menor de 18 anos na Califórnia, onde isso é crime. Atenção: crime. Pagou 380 mil dólares pro moleque calar a boca e continuou fazendo tipo de feminista impoluta. Desmascarada, a Falsiane gringa foi rejeitada por suas próprias colegas feminazi, perdeu uma série de trabalhos e choraminga por não serem “justos” com ela, nem escutarem sua “explicação”; ora, ela nunca permitiu que vítimas do #MeToo se explicassem! Está provando do próprio veneno. A história toda foi relatada em artigo magistral de Vilma Gryzinski: https://veja.abril.com.br/blog/mundialista/festival-de-taras-mulheres-acusadas-de-abuso-fazem-sua-parte

Resumo da ópera: Mesmo radical na modinha, sempre há alguém mais radical que você. Outra coisa: Posar de perfeitinho não dá certo, Bruno. Todo mundo erra, ninguém é santo, não adianta se disfarçar de estandarte da pureza mundial; você parece ser um rapaz decente, gente boa… ouça sempre o outro lado, e sem exagero no bom-mocismo jeca. Muitas vezes uma piada besta é apenas isso – uma piada besta, nada mais. Para Asia Argento, italiana radicada nos EUA, que, espera-se, aprenda a lição, dois recados especiais: the cunning, when it is too much, eats the owner. Ou… l’astuzia, quando è troppo, mangia il proprietario. Chupa, Falsiane. Vigarista. Pilantra.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes