Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Todos iguais. SQN

Todos iguais. SQN

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A atual crise, com a delação dos famigerados irmãos Joesley e Wesley Batista, tem causado reações estranhas da nobre plateia; há mais fervura nas torcidas contra (e a favor do quanto-pior-melhor lulista) do que nos acusados. Mas qual a razão? Masoquismo?

Os lulistas, mortadelas crônicos, comemoram os tropeços de Temer e Aécio como se fosse uma vitória de seu time. E como se as delações dos donos (donos? Aham, sei) da JBS também não os atingisse mortalmente – se é que ainda há alguma vida político-partidária nessa gente. Não esqueçam que Guido Mantega, Antônio Palocci e outros foram delatados na mesma operação, homologada pelo STF. E outras partes da delação da dupla virão à tona nos próximos dias.

Há apenas 48 horas, a Rede Globo era golpista e aliada à zelite maldosa, impixi era górpi, delator não merecia crédito, presidente não podia ser grampeado, o STF trabalha para o imperialismo duzamericanu, a Lava Jato fora criada exclusivamente para prender Lula, e todas as delações eram forçadas, com torturas medievais, com esse único fim. Parecia historinha de bruxa má.

Pois é; o mundo gira, a lusitana roda, e hoje a Lava Jato é louvada pelos mortadelas, impixi é solução salomônica, delator é fonte de verdade incontestável, gravar presidente da República é tão normal quanto chupar um Chicabon, o STF é maravilhoso, e a lulada manda todo mundo assistir o Jornal Nacional como fonte fidedigna de informação. Coerência é isso aí. E dá-lhe rojão com o balança-mas-não-cai de Temer e o desespero de Aécio.

Sobre estes: Ninguém vai sair às ruas para defendê-los. Nenhum coxinha, nenhum dos que pediram a saída de Dilma, ninguém que espera ansiosamente a prisão de Lula, vai defender quem quer que seja. E o motivo é de uma simplicidade acaciana: Lugar de bandido é fora do governo e dentro da cadeia. Temer, Aécio, sua irmã Andréa, enfim… todo criminoso deve responder por seus atos. De preferência na cadeia.

Quando a casa de Dilma começou a cair, a lulada correu a aplicar uma de suas mais conhecidas manobras – leninismo puro: Polarizar a disputa, querendo fazer crer que quem não apoiava Wanda-Janete-Iolanda era automaticamente um demônio pró Eduardo Cunha e fã de Temer. Isso nunca aconteceu. Nenhum dos chamados coxinhas ou paneleiros (com muita honra, sim senhor) foi às ruas defender Temer ou Aécio. Foram às ruas exigir decência no trato da coisa pública, no comando do País. Todos (ao menos os que não são crédulos crônicos, nem enxergam em Lula um deus ex machina) desejavam honestidade. Os manifestantes de então não tinham bandido de estimação, como têm os manifestantes de agora, ungidos pela missa negra do lulismo. Esses querem Aécio crucificado, Temer esquartejado, e Lula num altar. É nojento, é inacreditável, é de deixar psiquiatra babando dentro de uma camisa de força.

Quem votou em Aécio para presidente quer o assunto esclarecido e, se for culpado, vá para a cadeia. Quem elegeu Temer foram os mesmos que elegeram Wanda-Janete-Iolanda-Dilma. Quem votou em Dilma não pede seu retorno à presidência, embora reafirmem o “golpismo” (oh!) no impeachment – até fanatismo tem limite, quem diria… Notem que quem grita “Fora Temer” não tem coragem de gritar “Volta Dilma”, tamanha a desgraça que esta pariu; mas tem a audácia, a cara de pau de jurar que a mamulenga e seu criador são inocentes como crianças recém-batizadas.

Fora Aécio, fora Temer, fora qualquer um que saqueie a Nação, por muito ou por pouco. Sem esquecer os que mais saquearam, transformando o roubo num esporte, num hobby, num meio de vida e numa forma de se manter no poder como fez a seita lulista, que se diverte com a queda dos adversários, não importando quanto isso custe ao Brasil.

Ria bastante Lula. Enquanto você pode.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes