Iscas Intelectuais
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Todos iguais. SQN

Todos iguais. SQN

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A atual crise, com a delação dos famigerados irmãos Joesley e Wesley Batista, tem causado reações estranhas da nobre plateia; há mais fervura nas torcidas contra (e a favor do quanto-pior-melhor lulista) do que nos acusados. Mas qual a razão? Masoquismo?

Os lulistas, mortadelas crônicos, comemoram os tropeços de Temer e Aécio como se fosse uma vitória de seu time. E como se as delações dos donos (donos? Aham, sei) da JBS também não os atingisse mortalmente – se é que ainda há alguma vida político-partidária nessa gente. Não esqueçam que Guido Mantega, Antônio Palocci e outros foram delatados na mesma operação, homologada pelo STF. E outras partes da delação da dupla virão à tona nos próximos dias.

Há apenas 48 horas, a Rede Globo era golpista e aliada à zelite maldosa, impixi era górpi, delator não merecia crédito, presidente não podia ser grampeado, o STF trabalha para o imperialismo duzamericanu, a Lava Jato fora criada exclusivamente para prender Lula, e todas as delações eram forçadas, com torturas medievais, com esse único fim. Parecia historinha de bruxa má.

Pois é; o mundo gira, a lusitana roda, e hoje a Lava Jato é louvada pelos mortadelas, impixi é solução salomônica, delator é fonte de verdade incontestável, gravar presidente da República é tão normal quanto chupar um Chicabon, o STF é maravilhoso, e a lulada manda todo mundo assistir o Jornal Nacional como fonte fidedigna de informação. Coerência é isso aí. E dá-lhe rojão com o balança-mas-não-cai de Temer e o desespero de Aécio.

Sobre estes: Ninguém vai sair às ruas para defendê-los. Nenhum coxinha, nenhum dos que pediram a saída de Dilma, ninguém que espera ansiosamente a prisão de Lula, vai defender quem quer que seja. E o motivo é de uma simplicidade acaciana: Lugar de bandido é fora do governo e dentro da cadeia. Temer, Aécio, sua irmã Andréa, enfim… todo criminoso deve responder por seus atos. De preferência na cadeia.

Quando a casa de Dilma começou a cair, a lulada correu a aplicar uma de suas mais conhecidas manobras – leninismo puro: Polarizar a disputa, querendo fazer crer que quem não apoiava Wanda-Janete-Iolanda era automaticamente um demônio pró Eduardo Cunha e fã de Temer. Isso nunca aconteceu. Nenhum dos chamados coxinhas ou paneleiros (com muita honra, sim senhor) foi às ruas defender Temer ou Aécio. Foram às ruas exigir decência no trato da coisa pública, no comando do País. Todos (ao menos os que não são crédulos crônicos, nem enxergam em Lula um deus ex machina) desejavam honestidade. Os manifestantes de então não tinham bandido de estimação, como têm os manifestantes de agora, ungidos pela missa negra do lulismo. Esses querem Aécio crucificado, Temer esquartejado, e Lula num altar. É nojento, é inacreditável, é de deixar psiquiatra babando dentro de uma camisa de força.

Quem votou em Aécio para presidente quer o assunto esclarecido e, se for culpado, vá para a cadeia. Quem elegeu Temer foram os mesmos que elegeram Wanda-Janete-Iolanda-Dilma. Quem votou em Dilma não pede seu retorno à presidência, embora reafirmem o “golpismo” (oh!) no impeachment – até fanatismo tem limite, quem diria… Notem que quem grita “Fora Temer” não tem coragem de gritar “Volta Dilma”, tamanha a desgraça que esta pariu; mas tem a audácia, a cara de pau de jurar que a mamulenga e seu criador são inocentes como crianças recém-batizadas.

Fora Aécio, fora Temer, fora qualquer um que saqueie a Nação, por muito ou por pouco. Sem esquecer os que mais saquearam, transformando o roubo num esporte, num hobby, num meio de vida e numa forma de se manter no poder como fez a seita lulista, que se diverte com a queda dos adversários, não importando quanto isso custe ao Brasil.

Ria bastante Lula. Enquanto você pode.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes