Iscas Intelectuais
Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

A “Netflix de Conteúdo”
A “Netflix de Conteúdo”
Surge o Café Brasil Premium, uma espécie de "Netflix do ...

Ver mais

OrgulhoDeSerCorrupto
OrgulhoDeSerCorrupto
Isca intelectual de Luciano Pires. Neste Brasil ...

Ver mais

O moço do Uber
O moço do Uber
Isca intelectual de Luciano Pires relatando uma ...

Ver mais

558 – O Café Brasil Premium
558 – O Café Brasil Premium
Podcast Café Brasil 558 - O Café Brasil Premium. No ...

Ver mais

557 – Três princípios para falar de Justiça
557 – Três princípios para falar de Justiça
Podcast Café Brasil 557 - Três princípios para falar de ...

Ver mais

556 – Certos abraços – Revisitado
556 – Certos abraços – Revisitado
Podcast Café Brasil 556 - Certos abraços - Revisitado. ...

Ver mais

555 – Uma proposta para reforma da Previdência
555 – Uma proposta para reforma da Previdência
Podcast Café Brasil 555 - Uma proposta para transformar ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

LíderCast 065 – Antonio Carlos Sartini
LíderCast 065 – Antonio Carlos Sartini
Hoje recebo Antonio Carlos de Moraes Sartini, Bacharel ...

Ver mais

LíderCast 064 – Luiz Henrique Romagnoli
LíderCast 064 – Luiz Henrique Romagnoli
Hoje recebo o Roma, Luiz Henrique Romagnoli, que faz ...

Ver mais

LíderCast 063 – Diogenes Lucca
LíderCast 063 – Diogenes Lucca
Hoje converso com Diogenes Luca, fundador e ex-comando ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Champagne a 21 mil dólares: como funciona a melhor balada de Hollywood
Raiam Santos
Se você tá chegando agora nesse humilde site, bem vindo! Meu nome é Raiam Santos, vivo de escrever livros, não levo minha vida muito a sério e gosto de fazer uns “experimentos ...

Ver mais

Uma nova vida em dois anos
Tom Coelho
Sete Vidas
“Semeia um pensamento, colhe um ato; semeia um ato, colhe um hábito; semeia um hábito, colhe um caráter; semeia um caráter, colhe um destino.” (Marion Lawense)   A vida me tem sido um ...

Ver mais

Quando sucesso e dinheiro não resolvem teu problema
Raiam Santos
Esse aqui é um post que foge um pouco da pegada recente aqui do MundoRaiam.com. Hoje não tem Fiverr, não tem audiolivros, não tem viagem pra Ásia e nem experimento social. Acho que nunca escrevi ...

Ver mais

Duas listas diferentes
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Já assistiu A Lista de Schindler? Não? Assista, é excelente. Já viu? Veja de novo. Uma das cenas mais tocantes é a da elaboração da lista de pessoas que o protagonista pretende “comprar” do ...

Ver mais

Teto ou esgoto. Escolham.

Teto ou esgoto. Escolham.

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A moda agora é discutir o tal “teto”, o limite de gastos do governo federal, objeto da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 241, em trâmite no Congresso. Resumidamente, o cerne da PEC é incluir na Constituição um mecanismo que obrigue o governo (este e os vindouros) a não gastar mais do que arrecada. O texto completo está aqui, com todas as suas juridiquices um tanto complexas para leigos, explicadas de forma bem didática, para que ninguém se sinta enganado: http://www.pec241afavordobrasil.com.br/?xpromo=XE-MEL-GGL-PEC-X-X-SH-X-X&xpromo2=PP-MEL-GGL-PEC-X-X-SH-X-X&utm_source=Adwords&utm_medium=social&utm_campaign=lgpec&adgroup=pecsearch&utm_content=ad1&gclid=CMmNgNe72M8CFYcEkQoduHYAvg Simples, não?

Não, não é simples. Ao menos para alguns. Os lulistas de sempre, que levaram o maior e mais rico País da América Latina à bancarrota, acham um “absurdo” cortar gastos, fazendo que o orçamento deixe de ser uma mera peça de ficção e passe a ser seguido e respeitado à risca, como funciona em qualquer país decente. Para eles, torrar dinheiro sem nenhuma restrição se chama “justiça social”. Então tá. Houvesse justiça social em gastar dinheiro como se ele brotasse em árvores, seríamos um exemplo de País. Uma Suécia com carnaval, uma Alemanha morena. Mas os números são implacáveis, e a matemática não tem ideologia. Tem apenas números, que jamais mentem. São mais de R$ 170 bilhões de déficit. Preju pra vagabundo nenhum botar defeito – mas eles querem continuar gastando. Pudera, foram criados pendurados nos cabidões de emprego da viúva, mamando em estatais e sindicatos tão desnecessários quanto cortador de grama no polo norte. E, junto com Dilmitida, foram-se 50 mil (atenção, 50 mil!) dessas sanguessugas – e a depuração nem acabou. Ainda tem meia descarga pra ser dada na privada.

Ah sim, o teto: Por duas vezes, em 2006 e 2014, os próprios lulistas reconheceram que a coisa tava frouxa demais e a mamata podia terminar, não por falta de eleitores hipnotizados, massa de manobra mercenária ou burrice crônica: A questão é que o dinheiro ia acabar de vez. E o Brasil junto. Mas, como sempre, preferiram empurrar com a barriga, até que alguém fizesse o serviço sujo por eles. Irresponsavelmente, pisaram no acelerador, em vez de frear. Pagaram pelo metrô de Caracas, o porto cubano de Mariel, as estradas para mulas na Bolívia, os títulos podres fabricados pela bruxa da Argentina, Cristina Kirchner, futura presidiária. Deu no que deu. Quebraram até fundos de pensão de funcionários públicos/paraestatais que amavam o lulismo. Tanto inevitável quanto previsívelmente, o ódio substituiu esse amor criado na mamadeira da irresponsabilidade fiscal. A festa simplesmente acabou.

Mas eles não se rendem, repetindo as mesmas bobagens do século 19, que só serviram para embalar a demência das Comunas de Paris em 1871, os espartaquistas de Rosa Luxemburgo em 1918, os filhinhos de papai vagabundos de 1968 na Europa, e toda a gama de Hugos Chávezes que brotou do esgoto nas últimas décadas. É de chorar.

Lulistas de todos os tipos urram que a fixação do teto de gastos vai punir os mais pobres, deixando à mingua a Saúde e a Educação. Logo eles, que não abriram a boca quando Dilmintira tirou 30% do orçamento da Saúde e destruiu o Fies. Pelamor.

E não, o teto não atinge Saúde ou Educação, e assusta justamente os mais ricos; não é à toa que desembargadores, procuradores e outras excelências sintam falta de ar à simples menção da PEC 241. Mas não há outra maneira, é preciso, é essencial gastar menos. O dinheiro ACABOU, embora nem desenhando essa gente entenda. Melhor, fingem não entender; como Marina Silva que, em 2014, em campanha presidencial, defendia até Banco Central independente. Como lulista na reserva, louca pra jogar, Marina sabota hoje um plano que achava essencial. Pois é.

A genial Dora Kramer definiu muito bem o delírio dessa gente que não só não produz nada, como impede que outros produzam: “Petistas e chamados esquerdistas voltaram ao discurso segundo o qual há economia de direita e de esquerda, como se o capital não fosse como é: obediente às leis do mercado”. E as leis de mercado, minha cara Dora, são tão imutáveis quanto as da Física, não importando quanto os lulistas tentem fazer a água subir o rio.

Com tudo isso ocorrendo, o que dizer de Lula, em sua insanidade estudada, alegando ser “perseguido” por ter tirado o Brasil do século XVIII? Taspariu. Como se antes desse sujeito fôssemos apenas uma imensa fazenda. Cínico. Não éramos mais, e por pouco não voltamos a ser, (des)graças a ele e sua mamulenga.

 E quem não tem teto de gastos, como a Venezuela? O resultado todo mundo conhece. Sabe-se perfeitamente que os sofridos venezuelanos, enquanto rezam pela queda imediata do bandido Nicolás Maduro, fogem (imagem acima) aos milhares para o Brasil: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/08/milhares-de-venezuelanos-fogem-da-crise-e-cruzam-fronteira-para-o-brasil.html . Exatamente como bolivianos, angolanos e outros “sem-teto”; seja fiscal, metafórico ou literal.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes