Iscas Intelectuais
Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Café Brasil Curto 23 – Ideias românticas
Quando a dureza dos números é insuficiente para dar um ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 Leo Lopes
LíderCast 078 – Leo Lopes – Leo Lopes é uma referência ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Síndrome de Deus
Tom Coelho
Sete Vidas
“Existe uma força vital curativa com a qual o médico tem de contar. Afinal, não é o médico quem cura doenças: ele deve ser o seu intérprete.” (Hipócrates)   Dediquei-me nas últimas semanas ...

Ver mais

Tá tudo invertido
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Tá tudo invertido Quem diria? “A nova ordem mundial não é explicada pelo declínio dos Estados Unidos da América, mas sim pela ascensão de todos os outros países”. Fareed Zakaria Desde 2009, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Cafezinho 2 – O bobageiro
Cafezinho 2 – O bobageiro
Quando se trata de falar bobagem, pesquisas já ...

Ver mais

Tempo perdido

Tempo perdido

Tom Coelho - Sete Vidas -

“Todos os dias, quando acordo,
não tenho mais o tempo que passou.”
(Renato Russo)

 

O que você pode fazer em duas horas? Assistir a um filme no cinema ou no conforto de seu lar. Apreciar um show ou um espetáculo teatral. Ler muitas páginas de um livro. Desfrutar da companhia de amigos ou familiares. Ou então, ficar preso no trânsito tentando regressar à sua residência após um dia de trabalho…

Dirigir pode ser um ato prazeroso. Uma oportunidade para conhecer novos lugares, observar paisagens, ouvir boa música, ter um diálogo agradável com quem lhe acompanha ou simplesmente mergulhar nos próprios pensamentos. Contudo, estamos atingindo níveis alarmantes de imobilidade urbana. E este não é um privilégio apenas das capitais ou grandes centros urbanos.

A tese de que o dia é formado por três grandes blocos com oito horas para dormir, oito para trabalhar e outras oito para o lazer está ultrapassada. Ela remonta à Revolução Industrial, quando um trabalhador do setor têxtil cumpria jornadas de 14 a 16 horas diárias. O inglês Robert Owen, tido como precursor do cooperativismo, inovou ao estabelecer uma jornada de 10,5 horas. No início do século passado, Henry Ford instituiu a linha de produção na montagem de seus veículos adotando turnos de oito horas.

Nos tempos atuais, dispendemos muito mais tempo trabalhando. Primeiro, porque a tecnologia mobile nos tornou profissionais em tempo integral, conectados permanentemente para atender às mais diversas demandas. Segundo, porque é necessário considerar o tempo de trajeto de casa para o trabalho e vice-versa. Se você gasta apenas duas horas por dia no trânsito, seja em seu veículo ou no transporte público, estará jogando no lixo, ao final de um ano, 19 dias inteiros apenas em deslocamento!

Assim, precisamos repensar a questão da mobilidade urbana. Inicialmente, com fortes investimentos em transporte público para desestimular o uso de automóveis. A demanda tem crescido muito nos últimos anos sem contrapartida na infraestrutura, o que justifica as panes nos sistemas sobre trilhos.

Também é necessária a construção de bolsões de estacionamento para que o automóvel seja utilizado apenas em pequenos trajetos.

O crescimento no número de motos, em virtude de seu menor custo e facilidade de crédito, demanda a construção de corredores nas principais vias, a fim de reduzir o número de acidentes. Lembre-se de que invariavelmente os motociclistas criam sua própria faixa, entre os veículos, o que explica o fato de que 40% das vítimas fatais e 74% das que sofrem invalidez permanente nos acidentes de trânsito, estavam em motos.

O trabalho SOHO (small office, home office), ou seja, o trabalho à distância, precisa ser gradualmente ampliado, aproveitando o uso de tecnologias e reduzindo a necessidade do trabalho presencial.

Aproveitando suas reflexões de final de ano, questione-se sobre o que você pode fazer para reduzir o tempo perdido gasto com deslocamentos no próximo ano.

 

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de oito livros. E-mail: [email protected] Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Ver Todos os artigos de Tom Coelho