Iscas Intelectuais
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Cafezinho 69 – Quatro Formas de Gastar Dinheiro
Gastar nosso dinheiro conosco; nosso dinheiro com ...

Ver mais

Tavo lá não, dotô

Tavo lá não, dotô

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Quem transita no meio jurídico sabe: Por mais que os determinados réus tenham sido fotografados, filmados, e cometido o crime na frente de 300 testemunhas idôneas, reconhecidos por todas elas na cena do delito – e durante o inquérito também – acreditam que negar o óbvio é uma saída magistral, inteligentíssima. Junto com as variantes “dá nada não, dotô” e “num conheço ele não, dotô, sei di nada não”, torna-se mantra repetido até a inevitável condenação. É incrível, mas esses álibis infantis se repetem de forma absolutamente insana nos ambientes forenses. Uma fuga da realidade que incomoda até os mais experientes do ramo. Por mais que se explique a um acusado que essa historinha simplesmente não cola, e que uma confissão seria não só boa para reduzir a pena como para simplificar as coisas, o réu nunca acredita. Impressionante a teimosia, a falta de raciocínio, a insistência numa tese furada, num álibi ridículo. Coisa de falta de inteligência, aliada a uma teimosia asinina.

Mais incrível é que pessoas ricas, inteligentes, estudadas, bem relacionadas, conhecedoras dos porões e dos sótãos dos três Poderes, insistam em fazer esse mesmo papel de bobo, redundando no mesmo fracasso. Nesse caso, a única explicação é o duo arrogância & crença na impunidade. Só que, em algum momento, a conta vem em forma de encruzilhada: Insistir nessa mania otária de negar o óbvio escancarado, ou perder os anéis pra salvar os dedos?

Quando foi preso, Delcídio do Amaral (um dos maiores nomes do lulismo) exibia altivez, destemor, certeza de sua “inocência”. Falava grosso e dizia que iria provar sua santidade, processando todos os seus acusadores, que não passavam de um bando de sabotadores perseguindo um pobre homem honestíssimo. Semanas depois, esqueceu essa bobagem, em meio a crises de choro, depressão e mimimi. Partiu pra confissão completa. Advocacia de resultado, como classifico. Funcionou muito mais que o “Tavo lá não, dotô”.

Marcelo Odebrecht deu um show de arrogância na CPI, visto por todos na TV. Chegou a dizer que não admitia delatores nem em sua própria família, punindo com mais severidade a filha que contava os podres da outra. Belíssimo exemplo de pai, hein? Enfim; o rico, arrogante, poderoso Odebrecht enfiou o rabinho no meio das pernas ao cair em si; seu showzinho de prepotência só lhe renderia mais tempo de cadeia. Tá entregando tudo e todos nos intrincados planos corruptos do lulismo, do qual admitiu fazer parte. Seu pai, idem.

Vaccari, Bumlai, Cerveró, e tantos outros culpados até a medula, usaram e abusaram de expressões dramáticas, sobre sua situação de “injustiçados”, “presos políticos”, “perseguidos”, “inocentes torturados”… e ninguém sabia de nada, claro. A melhor de todas veio de um dos parentes de Cerveró, que afirmou ser tudo fruto de “preconceito” pelo conhecido defeito no olho do (hoje) réu confesso e condenado. Pois é. Aos demais, ou confessaram espontaneamente ou amargaram penas longas. Alguns, com (tecnicamente) mais de 30 anos a cumprir, vão morrer na cadeia.

Mas a mania de negar a realidade, com todas as provas do mundo, não perde seu glamour chinfrim. Espantoso.

O patético show de Lula nessa última quinta foi constrangedor. Ridículo. Rodeado pelos puxa-sacos de sempre, variava do choro às piadas sem graça, contando sempre com o apoio da claque, digna de circo mambembe. Resumindo, Lula se disse perseguido por absolutamente todos. É um complô interplanetário, pobrezinho. Um santo: comparou-se (depois de Tiradentes, Mandela, Getúlio, JK) a ninguém menos que Jesus. Incluiu uma pérola inusitada nesse rocambole de insanidades: Afirmou que toda pessoa concursada no serviço público é um bandido em potencial. Lave essa boca imunda antes de falar dos Professores, classe que você tanto despreza; ainda mais você, que é analfabeto por escolha própria, orgulhoso da própria ignorância.

Foi o de sempre: Acusou todos, se fez de vítima, mas não deu uma única explicação sobre as acusações que pesam sobre ele – nem permitiu uma única pergunta dos repórteres. Só permite aplausos, vindos de sua claque de robôs, os únicos que ainda fingem respeitar esse homenzinho de palha à beira do fogo.

Todo processo judicial é um jogo de xadrez, com táticas equivalentes. No caso de Lula, as peças estão postas. O reizinho de araque vai tombar. E na lateral do tabuleiro não está a caixa de sempre, mas uma cela. Ele tava lá sim, dotô. Causo que a gente vimos e a gente sabemos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes