Iscas Intelectuais
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

661 – A teoria do valor subjetivo
661 – A teoria do valor subjetivo
O mercado é o resultado da interação entre milhões de ...

Ver mais

660 – Na esquina da sua casa
660 – Na esquina da sua casa
Não espere que o Estado se preocupe com o indivíduo. O ...

Ver mais

659 – Empreendedorismo no Palco
659 – Empreendedorismo no Palco
Muitos anos atrás, acho que uns 20, fui convidado para ...

Ver mais

658 – Chá com a gente
658 – Chá com a gente
Este programa reproduz a edição especial do Podcast Chá ...

Ver mais

LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
LíderCast 149 – Ronaldo Tenório
Empreendedor, que vem lá do nordeste para mudar a vida ...

Ver mais

LíderCast 148 – Bruno Busquet
LíderCast 148 – Bruno Busquet
CEO da Tupiniq,In Inside Out Agency e president do ...

Ver mais

LíderCast 147 – Sherlock Gomes
LíderCast 147 – Sherlock Gomes
Músico, um guitarrista e baixista excepcional cuja ...

Ver mais

LíderCast 146 – Cândido Pessoa
LíderCast 146 – Cândido Pessoa
Um intelectual, professor no Paradigma centro de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

CAPITULO 2 – AS DEZ CATEGORIAS DO SER (parte 6)
Alexandre Gomes
Eu tenho que ser sincero com você guria (ou velhinho…) esta parte do segundo capítulo será bem chata, pois iremos tratar de algo realmente formal e de certa forma, burocrático: as Dez ...

Ver mais

Que falta faz Roberto Campos!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Que falta faz Roberto Campos!  Homenagem em três livros “O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele nos pode dar é sempre menos do que nos pode tirar.” Roberto Campos ...

Ver mais

O copo, a água e o STF
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157256876268631 RESUMO DAS LIVES ANTERIORES: https://www.youtube.com/playlist?list=PL7XjPl0uOsj8TxfUISqzcl4YrxYBC0vOw

Ver mais

O Rock, Bruce Springsteen e uma lição sobre liderança!
Jeison Arenhart De Bastiani
Outro dia assisti boquiaberto algo que não sei muito bem como descrever, mas posso afirmar que foi incrível e vou contar para você como um músico (que confesso não acompanhar muito) me deu uma ...

Ver mais

Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Cafezinho 169 – O silêncio das pedras
Há silêncios e silêncios. Há o silêncio das pedras. Há ...

Ver mais

Cafezinho 168 – O que nos define
Cafezinho 168 – O que nos define
O que nos define são os adversários que vencemos.

Ver mais

Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
Cafezinho 167 – Monstros da negatividade
“O otimista é o pessimista bem informado”, lembra ...

Ver mais

Cafezinho 166 – O nobre
Cafezinho 166 – O nobre
Este Brasil de 2019 é muito diferente daquele de 2015.

Ver mais

Sou diferente qual é o problema?

Sou diferente qual é o problema?

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Palestra proferida em alusão ao dia internacional do portador de deficiência, no dia 03/12/2014 no CRER – Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo Goiânia GO

Inicio este pequeno texto questionando quem é normal? De que se constitui esta categoria que delimita as pessoas ditas normais? O que lhes legitima o direito, em pleno jogo social de subjulgar quem não pertence a seu grupo? O que destina valoração entre melhores ou piores?

Por qual motivo em nossa sociedade ocorre a visão de que em diferença existe sempre o pior? Isto estaria ligado a nossa realidade de país subdesenvolvido?

A estruturação da era moderna e durante toda revolução industrial atribuiu ao ser humano “ideal” os atributos de uma convencionalidade na qual o indivíduo foi posicionado como agente de produção, tema bem delimitado por Marx. O valor atribuído a capacidade produtiva em tempo e espaço determinado.

Você vale quanto produz. Toda era moderna traçou dentro da ideia de consumismo e mercado este ideal ligado a capacidade de produção. Os “normais” eram as pessoas que podiam viver nesta curva de normalidade pré determinada. Os que não se encaixam neste preceito… questionáveis.

Ser deficiente nesta empreita social é presentificar o estado de ser diferente com rupturas significativas de produção, estética, cognição, comunicação, locomoção. E isto é um fator complicador a proporção que em sociedade o deficiente é visto como alguém que vai poder ser ajustado aos padrões de convencionalidade, que raros compreendem como são desenvolvidos. Assim é normal pensar em ajustar, padronizar, tornar igual o que por natureza é diferente. Mas com qual finalidade? Os normais tem tanta graça assim? São mais felizes? Produzem mais e melhor que os outros normais de outro país?

Hoje temos no Brasil mais de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, em sua maior parte com dificuldade para trabalho, educação, convívio social. As deficiências caracterizam o Brasil em condição de subdesenvolvimento. Mas qual foi a melhoria real conquistada e proposta para as pessoas com deficiência? O que o estado brasileiro fez nestas últimas décadas?

Enquanto se pensar no deficiente como pessoa ajustável aos subjetivos padrões de tédio de normalidade, vamos assistir a um genuíno caos em um sistema isento de funcionalidade. É necessário pensar em projetos de apropriação de capacidades dentro de um sistema  que valide diferenças. Porém isto não existe em nosso sistema educacional bancário, e menos ainda em nossa vida social. Por isto findo questionando: pra que mesmo necessitamos de mais pessoas normais?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima