Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Sou diferente qual é o problema?

Sou diferente qual é o problema?

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Palestra proferida em alusão ao dia internacional do portador de deficiência, no dia 03/12/2014 no CRER – Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo Goiânia GO

Inicio este pequeno texto questionando quem é normal? De que se constitui esta categoria que delimita as pessoas ditas normais? O que lhes legitima o direito, em pleno jogo social de subjulgar quem não pertence a seu grupo? O que destina valoração entre melhores ou piores?

Por qual motivo em nossa sociedade ocorre a visão de que em diferença existe sempre o pior? Isto estaria ligado a nossa realidade de país subdesenvolvido?

A estruturação da era moderna e durante toda revolução industrial atribuiu ao ser humano “ideal” os atributos de uma convencionalidade na qual o indivíduo foi posicionado como agente de produção, tema bem delimitado por Marx. O valor atribuído a capacidade produtiva em tempo e espaço determinado.

Você vale quanto produz. Toda era moderna traçou dentro da ideia de consumismo e mercado este ideal ligado a capacidade de produção. Os “normais” eram as pessoas que podiam viver nesta curva de normalidade pré determinada. Os que não se encaixam neste preceito… questionáveis.

Ser deficiente nesta empreita social é presentificar o estado de ser diferente com rupturas significativas de produção, estética, cognição, comunicação, locomoção. E isto é um fator complicador a proporção que em sociedade o deficiente é visto como alguém que vai poder ser ajustado aos padrões de convencionalidade, que raros compreendem como são desenvolvidos. Assim é normal pensar em ajustar, padronizar, tornar igual o que por natureza é diferente. Mas com qual finalidade? Os normais tem tanta graça assim? São mais felizes? Produzem mais e melhor que os outros normais de outro país?

Hoje temos no Brasil mais de 45 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, em sua maior parte com dificuldade para trabalho, educação, convívio social. As deficiências caracterizam o Brasil em condição de subdesenvolvimento. Mas qual foi a melhoria real conquistada e proposta para as pessoas com deficiência? O que o estado brasileiro fez nestas últimas décadas?

Enquanto se pensar no deficiente como pessoa ajustável aos subjetivos padrões de tédio de normalidade, vamos assistir a um genuíno caos em um sistema isento de funcionalidade. É necessário pensar em projetos de apropriação de capacidades dentro de um sistema  que valide diferenças. Porém isto não existe em nosso sistema educacional bancário, e menos ainda em nossa vida social. Por isto findo questionando: pra que mesmo necessitamos de mais pessoas normais?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima