Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Sou contra, mas sou a favor!

Sou contra, mas sou a favor!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Belo teatrinho o de quarta-feira, livrando a cara de Temer da investigação do STF. Ninguém ali defendia ou atacava Temer; cada um dos deputistas na pista de dança buscava somente seus próprios interesses, divididos em duas bandas: A dos lulistas, que, por ordem de seu “messias” vermelho, limpou a barra do presidente no intuito de afundar a Lava Jato; e a dos de sempre, atrás de benesses.

Os lulistas, dinossauros esquerdistas de vários partidos, são os mais pândegos, embora sejam os melhores atores. Impressionaram os dotes teatrais das Marias do Rosário da vida, fingindo realmente alavancar a investigação de Temer. Pior: muitos ingênuos entre o público pagante (e alguns do “recebente”) acreditam na versão novelesca, em lugar dos fatos. Que são matematicamente simples:

Se os lulistas (de várias correntes e todos os tons avermelhados) quisessem realmente autorizar a investigação do presidente, bastaria impedir a votação, obstruindo-a pela falta de quórum e direcionando-a para data propícia, como tantas vezes agiram. Exatamente como sugeriu um dos próceres lulistas, o deputante José Guimarães. Esse, aliás, é um piadista; diz que Temer não tem “legitimidade” porque um assessor do presidente foi filmado recebendo uma mala de dinheiro – mas “esquece” que seu assessor, José Adalberto Vieira da Silva,  foi preso com a cueca recheada por 100 mil dólares em 2005, no aeroporto de Congonhas, São Paulo. Belo caso de amnésia conveniente.

Ah sim, voltando ao teatrinho: Lula sabe muito bem que Temer, enroladíssimo na Lava Jato, tem todo o interesse em acabar – ou ao menos amansar – a operação. Esperto como todo aproveitador arrivista, percebeu que a velha máxima “o-inimigo-do-meu-inimigo-é-meu-amigo” seria totalmente aproveitável ao seu intuito de escapar da cadeia, e mandou seus sabujos evitarem a investigação de Temer a todo custo, dando o quórum necessário para tanto e votando a favor dela, sem resultado prático.

Mais: Candidato a 2018 (se a cadeia não chegar antes), Lula deseja Temer continuando à frente da Presidência com baixíssima popularidade e fortalecendo a economia com reformas necessárias ao País. Assim, o sujeitinho ou um de seus postes poderia voltar ao poder com a economia saneada, torrando dinheiro com compra de votos e ingenuidade popular aos quilos, como sempre fizeram, enchendo os próprios bolsos quando ninguém está olhando.

Daí entra o teatrinho: Ordenou aos lulistas que apresentassem o maior número possível de deputáveis para garantir quórum; afinal, a bancada do governo ia ganhar mesmo, por ser em número bem maior. Daí a encenação dos revoltadinhos pedindo “fora Temer” durante a votação na Câmara, votação essa que eles sabiam perdida, mas funcionando perfeitamente para enganar (ou fornecer argumentos bobos) a militantes, militontos, “intelequituais” reunidos na casa de Caetano Veloso e outros. Lula foi o flautista de Hamelin, tocando a internacional socialista para atrair os ratos ao suicídio metafórico. Agradando a todos, salvou-se. Ou melhor, atrasou sua ida ao cárcere, pois não há salvação para esse sujeito, que há de pagar por todos os seus ilícitos.

A nota cômica na votação ficou por conta do PSDB; seus componentes odeiam ouvir que só ficam em cima do muro, e alertaram que, desta vez, não haveria “mais ou menos”; o partido iria se posicionar de forma firme para “descer do muro” publicamente. Sim, desceram dele; metade de cada lado. Dos 43 deputados, 21 votaram a favor da investigação, e 22 a favor do presidente. Ou seja, fizeram média com todos e continuam em cima do muro. Inacreditável.

O deboche ficou para os militontos: Enquanto Guilherme Boulos e seus robôs movidos a mortadela tocavam fogo em pneus, interditando avenidas e rodovias, colocando centenas de vidas em perigo (por que a polícia simplesmente não prende essa gente? Qualquer pobre mortal que tentar bloquear uma rodovia no peito seria imediatamente preso pela polícia rodoviária!), nenhum – repetindo, NENHUM manifestante lulista – participava do teatrinho lulista em Brasília. Simplesmente não havia manifestantes anti-Temer na Capital do Poder.

Falando em mortadela, Lula reclamou, raivoso, que os coxinhas não batem panelas pela saída de Temer. O autointitulado “messias” da galáxia quer que o inimigo, que ele tanto odeia e despreza, faça o trabalho sujo que ele próprio proibiu seus seguidores de fazer.

Temer se safou, por ordem de Lula. Mas este, com sua encenação combinadinha e bem coreografada, esqueceu de combinar com a plateia. O teatro vai falir por falta de mortadela e público pagante.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes