Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Sempre tivemos um sonho trazer ópera para o Café ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 9 – Rua Ramalhete
O programa de hoje é uma homenagem a um artista ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

LíderCast 197 – Luciana Cardoso
LíderCast 197 – Luciana Cardoso
A jovem executiva que coordena um dos grandes desafios ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Samba no céu
Chiquinho Rodrigues
Por volta dos anos 90 a Som Livre lançou um álbum com o infeliz nome de “Samba no Céu”. Eu me lembro de alguns nomes como Elis, Cartola, Pixinguinha, Gonzaguinha e outros artistas que já haviam ...

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Você aí no seu pedaço tem valor, viu? E faz coisas que ...

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos

Somos responsáveis pela beleza que herdamos

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Há de se frear o trem da destruição para manter de pé as construções que nos conectam ao passado sobre o qual apenas lemos ou ouvimos

Foto de Henry Milleo/Gazeta do Povo

A arquitetura clássica nos deixa felizes. Por que, então, não se constrói mais casas e prédios de acordo com esse modelo? A afirmação e a indagação foram o mote de um texto do jornalista Ed West publicado na semana passada na revista inglesa The Spectator.

West usou dados de pesquisas recentes para provar seu ponto: as cidades ficam mais bonitas e as pessoas têm uma maior sensação de bem-estar quando vivem em lugares com esse tipo de construção.

Se isso é verdade, por qual razão na Inglaterra a arquitetura clássica não é a preferida dos profissionais nem é incentivada pelos governos locais? O próprio West responde: no primeiro caso, os próprios arquitetos preferem construções inovadoras em vez das formas arquitetônicas tradicionais. O segundo motivo é a lei que define o planejamento e construções urbanas e que lá praticamente inviabiliza qualquer projeto que siga o modelo clássico.

Se nada fizermos para proteger essa dimensão da beleza, cada vez mais viveremos em cidades cheias de construções úteis e feia.

A escolha dos arquitetos de hoje tem explicação no passado recente. Na virada do século 19 para o 20, os profissionais passaram a considerar a utilidade mais importante que a beleza. Um dos que alertaram para o problema foi o filósofo inglês Roger Scruton, no documentário Por que a Beleza Importa? Scruton conta que, entre 1750 e 1930, se pedíssemos “a uma pessoa educada para descrever o objetivo da poesia, da arte, da música, ela teria respondido: beleza”. Esta tinha, então, “um valor tão importante quando a verdade e a bondade”. No século 20, a beleza deixou de ter importância e “a arte foi gradativamente orientada para quebrar tabus”. O critério de julgamento também mudou e a beleza foi preterida em nome da originalidade; nas artes de forma geral, na arquitetura em particular.

No filme, Scruton cita o exemplo do lugar onde cresceu, Reading, “que era uma cidade vitoriana charmosa, com ruas arborizadas e igrejas góticas, repleta de hotéis e prédios públicos elegantes”. Foi na década de 1960, segundo ele, que as coisas começaram a mudar. Uma rua do centro foi destruída “para dar lugar a escritórios, uma estação de ônibus e estacionamento. Tudo projetado sem qualquer preocupação com a beleza. E o resultado demonstra claramente que, se você considerar somente a utilidade, as coisas que você construiu se tornarão inúteis”. O que se seguiu foram abandono e vandalismo.

No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes funcional, porém estéril e desalmado. Naquelas onde ainda existem pontos históricos, andar pelas ruas provoca sensação de estupor, encantamento, mas também de tristeza perante as condições de prédios e casas que são parte da nossa história. Se em alguns lugares há construções preservadas ou que foram restauradas, não parece que isso seja a norma. E os centros antigos de determinados locais, além de degradados ou mal cuidados, são inseguros.

Se a história da civilização ocidental é constituída por altos e baixos e, por isso mesmo, por “uma série de renascimentos”, como nos ensinou o historiador Kenneth Clark na sua estupenda série Civilização (BBC, 1969), há de se frear o trem da destruição para manter de pé as construções que nos conectam ao passado sobre o qual apenas lemos ou ouvimos. Essa conexão imediata e pulsante provoca uma mistura de admiração e de responsabilidade por aquilo que herdamos dos nossos antepassados e de que deveríamos ser guardiões.

O que defendo é preservar o que ainda nos resta da arquitetura histórica, impedir a sua destruição e incentivar a construção de prédios públicos e privados de acordo com a tradição arquitetônica que nos permite criar vínculos afetivos com os lugares onde vivemos. Se nada fizermos para proteger essa dimensão da beleza, cada vez mais viveremos em cidades cheias de construções úteis e feias. Perderemos a nossa história e a nossa identidade.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen