Iscas Intelectuais
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
648 – Ethos, Logos, Pathos e o Diálogo Aberto
Neste cenário onde até “bom dia” leva patada, o que é ...

Ver mais

647 – Father Hunger
647 – Father Hunger
Quanta gente perdida e desorientada, quanta carência, ...

Ver mais

646 – Harry Nilsson
646 – Harry Nilsson
Mais um daqueles especiais musicais que você gosta ...

Ver mais

645 – O Brasil e a demanda por dar certo
645 – O Brasil e a demanda por dar certo
Estamos em período de mudanças ou apenas nos preparando ...

Ver mais

LíderCast 139 – Nívio Delgado
LíderCast 139 – Nívio Delgado
De carinha do Xerox a Diretor Superintendente da maior ...

Ver mais

LíderCast 138 – Ricardo Abiz
LíderCast 138 – Ricardo Abiz
Empreendedor também, um pioneiro em diversas áreas de ...

Ver mais

LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
LíderCast 137 – Pedro Pandolpho
Empreendedor, sócio da Pronto Light, outro típico ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Liberte-se de sua profissão
Mauro Segura
Transformação
A profissão é uma espécie de carimbo, que nos identifica como profissional e sela nosso reconhecimento. Por outro lado, o carimbo de uma profissão pode ser extremamente limitante, fechando portas ...

Ver mais

Da cor do Racismo Espanhol 2: a luta por justiça continua…
Jota Fagner
Origens do Brasil
E a minha amiga, a professora que foi discriminada na Espanha, continua seu relato. Por: Stella da Silva Lima   Uma professora espanhola viaja até o Brasil para visitar a irmã, também ...

Ver mais

O que move o ser humano é o desejo de não se mover um dia
Henrique Szklo
Tudo o que o homem criou e que deu certo desde o tempo em que vivíamos em cima das árvores, ou seja, desde os primórdios de nossa existência, está relacionado ao desejo de conquistar mais ...

Ver mais

Biografias para começar bem o ano
Mauro Segura
Transformação
Período de férias é sempre bom para ler livros. Aqui você encontra dezenas de recomendações de livros de biografias que foram referendados pelos usuários do LinkedIn.

Ver mais

Cafezinho 144 – O mundo é um moinho
Cafezinho 144 – O mundo é um moinho
Cada um entende como quer. Ou como pode.

Ver mais

Cafezinho 143 – 13 dias
Cafezinho 143 – 13 dias
É pra descer a lenha mesmo, cobrar o que está errado, ...

Ver mais

Cafezinho 142 – Renan Não
Cafezinho 142 – Renan Não
Eu não sei o que você está fazendo aí, cara, mas eu ...

Ver mais

Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Cafezinho 141 – Os cães de Pavlov
Como cães de Pavlov, estamos condicionados a babar.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos

Somos responsáveis pela beleza que herdamos

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Há de se frear o trem da destruição para manter de pé as construções que nos conectam ao passado sobre o qual apenas lemos ou ouvimos

Foto de Henry Milleo/Gazeta do Povo

A arquitetura clássica nos deixa felizes. Por que, então, não se constrói mais casas e prédios de acordo com esse modelo? A afirmação e a indagação foram o mote de um texto do jornalista Ed West publicado na semana passada na revista inglesa The Spectator.

West usou dados de pesquisas recentes para provar seu ponto: as cidades ficam mais bonitas e as pessoas têm uma maior sensação de bem-estar quando vivem em lugares com esse tipo de construção.

Se isso é verdade, por qual razão na Inglaterra a arquitetura clássica não é a preferida dos profissionais nem é incentivada pelos governos locais? O próprio West responde: no primeiro caso, os próprios arquitetos preferem construções inovadoras em vez das formas arquitetônicas tradicionais. O segundo motivo é a lei que define o planejamento e construções urbanas e que lá praticamente inviabiliza qualquer projeto que siga o modelo clássico.

Se nada fizermos para proteger essa dimensão da beleza, cada vez mais viveremos em cidades cheias de construções úteis e feia.

A escolha dos arquitetos de hoje tem explicação no passado recente. Na virada do século 19 para o 20, os profissionais passaram a considerar a utilidade mais importante que a beleza. Um dos que alertaram para o problema foi o filósofo inglês Roger Scruton, no documentário Por que a Beleza Importa? Scruton conta que, entre 1750 e 1930, se pedíssemos “a uma pessoa educada para descrever o objetivo da poesia, da arte, da música, ela teria respondido: beleza”. Esta tinha, então, “um valor tão importante quando a verdade e a bondade”. No século 20, a beleza deixou de ter importância e “a arte foi gradativamente orientada para quebrar tabus”. O critério de julgamento também mudou e a beleza foi preterida em nome da originalidade; nas artes de forma geral, na arquitetura em particular.

No filme, Scruton cita o exemplo do lugar onde cresceu, Reading, “que era uma cidade vitoriana charmosa, com ruas arborizadas e igrejas góticas, repleta de hotéis e prédios públicos elegantes”. Foi na década de 1960, segundo ele, que as coisas começaram a mudar. Uma rua do centro foi destruída “para dar lugar a escritórios, uma estação de ônibus e estacionamento. Tudo projetado sem qualquer preocupação com a beleza. E o resultado demonstra claramente que, se você considerar somente a utilidade, as coisas que você construiu se tornarão inúteis”. O que se seguiu foram abandono e vandalismo.

No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes funcional, porém estéril e desalmado. Naquelas onde ainda existem pontos históricos, andar pelas ruas provoca sensação de estupor, encantamento, mas também de tristeza perante as condições de prédios e casas que são parte da nossa história. Se em alguns lugares há construções preservadas ou que foram restauradas, não parece que isso seja a norma. E os centros antigos de determinados locais, além de degradados ou mal cuidados, são inseguros.

Se a história da civilização ocidental é constituída por altos e baixos e, por isso mesmo, por “uma série de renascimentos”, como nos ensinou o historiador Kenneth Clark na sua estupenda série Civilização (BBC, 1969), há de se frear o trem da destruição para manter de pé as construções que nos conectam ao passado sobre o qual apenas lemos ou ouvimos. Essa conexão imediata e pulsante provoca uma mistura de admiração e de responsabilidade por aquilo que herdamos dos nossos antepassados e de que deveríamos ser guardiões.

O que defendo é preservar o que ainda nos resta da arquitetura histórica, impedir a sua destruição e incentivar a construção de prédios públicos e privados de acordo com a tradição arquitetônica que nos permite criar vínculos afetivos com os lugares onde vivemos. Se nada fizermos para proteger essa dimensão da beleza, cada vez mais viveremos em cidades cheias de construções úteis e feias. Perderemos a nossa história e a nossa identidade.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen