Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

586 – LiderCast 7
586 – LiderCast 7
E o LíderCast vai para a sétima temporada! No programa ...

Ver mais

585 – Tolerância e relativismo
585 – Tolerância e relativismo
Quando aceitamos o relativismo, cada pessoa tem direito ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

LíderCast 086 – Gustavo Succi
LíderCast 086 – Gustavo Succi
Gustavo Succi, é especialista em empreendedorismo na ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

O exercício da perda
Tom Coelho
Sete Vidas
“Enquanto o poço não seca, não sabemos dar valor à água.” (Thomas Fuller)   Um dia você depara com a logomarca da empresa em que trabalha estampada numa página de revista, numa folha de ...

Ver mais

A história secreta da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A história secreta da criatividade  Leitura com elevada agregação de conhecimento “Montar uma organização criativa é difícil, mas mantê-la criativa é muito mais. Por quê? Porque todo paradigma ...

Ver mais

Sobre uma incrível oportunidade que perdi na vida
Mauro Segura
Transformação
Nem sempre é fácil avaliarmos as oportunidades que a vida coloca diante de nós, principalmente quando somos muito jovens. Essa é uma história que nunca contei para ninguém, diz respeito a uma ...

Ver mais

Aplicando 5S na vida pessoal
Tom Coelho
Sete Vidas
“Com organização e tempo, acha-se o segredo de fazer tudo, e fazer bem-feito.” (Pitágoras)   Em Administração, utilizamos um expediente importado lá do Oriente, mais precisamente do Japão ...

Ver mais

Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Cafezinho 21 – Perguntas difíceis
Por isso meu conselho é: siga quem faz perguntas ...

Ver mais

Cafezinho 20 – A professora
Cafezinho 20 – A professora
imagine se milhares, milhões de brasileiros pensassem ...

Ver mais

Cafezinho 19 – Mia Couto
Cafezinho 19 – Mia Couto
Mia Couto fala de umas coisas que têm sido esquecidas: ...

Ver mais

Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Cafezinho 18 – Indicativa x Impositiva
Indicativa x impositiva. Uma palavrinha muda tudo...

Ver mais

Sobre as desavenças do liberalismo

Sobre as desavenças do liberalismo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

O atual liberalismo é a redescoberta tardia de um projeto de tolerância surgido no século XVI, no continente europeu.

 

Na última segunda-feira, dia 17 de abril de 2017, foram lançados dois livros sobre o economista e diplomata, Roberto Campos. Ele estaria, se vivo ainda fosse, comemorando 100 anos de idade. Roberto Campos foi um dos maiores expoentes do liberalismo do País.

A primeira dessas obras, Lanterna na proa, foi organizado por Paulo Rabelo e Ives Gandra da Silva Martins; o segundo, O homem que pensou o Brasil, teve como organizador Paulo Roberto de Almeida. Os dois livros se complementam e são leitura indispensável para quem quer entender o desenvolvimento das ideias no Brasil no último século.

Roberto Campos era contra o estatismo, o protecionismo e o populismo. É dele a frase: “A primeira coisa a fazer no Brasil é abandonar a chupeta das utopias em favor da bigorna do realismo”.

Aproveito a oportunidade para fazer algumas observações sobre o liberalismo. Os amigos mais próximos sabem que sempre defendi alguns valores liberais, como a economia de mercado e a tolerância na convivência. Não que a ideia de tolerância tenha começado com o liberalismo. Na Índia budista, na antiga Alexandria, entre os otomanos e os mouros, na antiga sociedade romana, religiões diferentes coexistiram por longos períodos de paz. No entanto, o ideal de uma vida comum que não está baseada em crenças comuns é uma herança liberal.

De qualquer modo, não defendo o liberalismo como ideia perfeita, longe disso. Tenho plena consciência de que, também aqui, existem os fanáticos empunhando certas ideias com ardor religioso. Além do mais, todo idealismo tem um toque dogmático. Mas existem divergências dentro da própria corrente.

O liberalismo sempre teve duas faces. De um lado, a busca por uma forma de vida ideal, travestida de tolerância. Na outra vertente, a tentativa de encontrar modos de viver em paz no meio de diferentes modos de vida. Não sei se você percebeu, mas são ideias antagônicas. E essa não é a única contradição. Grosso modo, o liberalismo pode ser dividido em dois grupos:

  • O primeiro deles busca a melhor forma para a aplicação de princípios universais, uma receita para um regime universal. Seus principais representantes seriam John Locke, Immanuel Kant, John Rawls e, em certa medida, Friedrich A. Hayek.
  • O segundo procura meios para a coexistência pacífica, um projeto de coexistência. Seus principais representantes seriam Thomas Hobbes, David Hume, Isaiah Berlim, Michael Oakeshott.

No caso de existir um modelo universal que possa ser aplicado, a própria ideia de tolerância estaria ameaçada. E é preciso lembrar que as sociedades atuais são profundamente mais complexas, mais diferenciadas do que aquelas em que o liberalismo nasceu. Além do mais, a experiência nos mostra que os conflitos pessoais e sociais não podem ser evitados, já que os seres humanos sempre terão razão para viver diferenciadamente.

Tomemos dois casos práticos como exemplo:

  • Locke compreendia a tolerância como um modo de levar as pessoas para a única religião que ele acreditava ser verdadeira. Mas essa mesma tolerância, dentro daquilo que ele compreendia, não poderia ser estendida aos ateus ou aos católicos, porque ele não tinha certeza de que a simples persuasão os guiaria para aquele credo;
  • Hobbes, por sua vez, via a tolerância como um projeto de entendimento. Ele não se importava com a crença que o indivíduo pudesse ter, apenas via a tolerância como uma ferramenta para manter a paz. A finalidade da tolerância, desse ponto de vista, seria a coexistência e não o consenso.

Ficou claro? A realidade é muito mais complexa do que supõe algumas ideologias. As pessoas sempre terão motivos válidos para viver de formas diferenciadas. Nem sempre é possível chegar a um consenso. Respostas simples com apelo populista estão muito mais próximas de esquemas religiosos do que da ciência em si.

De qualquer forma, recomendo os dois livros sobre o Roberto Campos. Conhecimento nunca é demais.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner