Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Sobre as desavenças do liberalismo

Sobre as desavenças do liberalismo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

O atual liberalismo é a redescoberta tardia de um projeto de tolerância surgido no século XVI, no continente europeu.

 

Na última segunda-feira, dia 17 de abril de 2017, foram lançados dois livros sobre o economista e diplomata, Roberto Campos. Ele estaria, se vivo ainda fosse, comemorando 100 anos de idade. Roberto Campos foi um dos maiores expoentes do liberalismo do País.

A primeira dessas obras, Lanterna na proa, foi organizado por Paulo Rabelo e Ives Gandra da Silva Martins; o segundo, O homem que pensou o Brasil, teve como organizador Paulo Roberto de Almeida. Os dois livros se complementam e são leitura indispensável para quem quer entender o desenvolvimento das ideias no Brasil no último século.

Roberto Campos era contra o estatismo, o protecionismo e o populismo. É dele a frase: “A primeira coisa a fazer no Brasil é abandonar a chupeta das utopias em favor da bigorna do realismo”.

Aproveito a oportunidade para fazer algumas observações sobre o liberalismo. Os amigos mais próximos sabem que sempre defendi alguns valores liberais, como a economia de mercado e a tolerância na convivência. Não que a ideia de tolerância tenha começado com o liberalismo. Na Índia budista, na antiga Alexandria, entre os otomanos e os mouros, na antiga sociedade romana, religiões diferentes coexistiram por longos períodos de paz. No entanto, o ideal de uma vida comum que não está baseada em crenças comuns é uma herança liberal.

De qualquer modo, não defendo o liberalismo como ideia perfeita, longe disso. Tenho plena consciência de que, também aqui, existem os fanáticos empunhando certas ideias com ardor religioso. Além do mais, todo idealismo tem um toque dogmático. Mas existem divergências dentro da própria corrente.

O liberalismo sempre teve duas faces. De um lado, a busca por uma forma de vida ideal, travestida de tolerância. Na outra vertente, a tentativa de encontrar modos de viver em paz no meio de diferentes modos de vida. Não sei se você percebeu, mas são ideias antagônicas. E essa não é a única contradição. Grosso modo, o liberalismo pode ser dividido em dois grupos:

  • O primeiro deles busca a melhor forma para a aplicação de princípios universais, uma receita para um regime universal. Seus principais representantes seriam John Locke, Immanuel Kant, John Rawls e, em certa medida, Friedrich A. Hayek.
  • O segundo procura meios para a coexistência pacífica, um projeto de coexistência. Seus principais representantes seriam Thomas Hobbes, David Hume, Isaiah Berlim, Michael Oakeshott.

No caso de existir um modelo universal que possa ser aplicado, a própria ideia de tolerância estaria ameaçada. E é preciso lembrar que as sociedades atuais são profundamente mais complexas, mais diferenciadas do que aquelas em que o liberalismo nasceu. Além do mais, a experiência nos mostra que os conflitos pessoais e sociais não podem ser evitados, já que os seres humanos sempre terão razão para viver diferenciadamente.

Tomemos dois casos práticos como exemplo:

  • Locke compreendia a tolerância como um modo de levar as pessoas para a única religião que ele acreditava ser verdadeira. Mas essa mesma tolerância, dentro daquilo que ele compreendia, não poderia ser estendida aos ateus ou aos católicos, porque ele não tinha certeza de que a simples persuasão os guiaria para aquele credo;
  • Hobbes, por sua vez, via a tolerância como um projeto de entendimento. Ele não se importava com a crença que o indivíduo pudesse ter, apenas via a tolerância como uma ferramenta para manter a paz. A finalidade da tolerância, desse ponto de vista, seria a coexistência e não o consenso.

Ficou claro? A realidade é muito mais complexa do que supõe algumas ideologias. As pessoas sempre terão motivos válidos para viver de formas diferenciadas. Nem sempre é possível chegar a um consenso. Respostas simples com apelo populista estão muito mais próximas de esquemas religiosos do que da ciência em si.

De qualquer forma, recomendo os dois livros sobre o Roberto Campos. Conhecimento nunca é demais.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner