Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Cafezinho 78 – Motivação e engajamento
Motivação é uma intenção pessoal, engajamento é um ...

Ver mais

Shawshank

Shawshank

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Um Sonho de Liberdade (The Shawshank Redemption, 1994) é um grande filme. Numa de suas antológicas cenas, o preso antigo (personagem de Morgan Freeman) pergunta ao recém-chegado qual foi o crime que ele cometeu; o novato na cadeia (Tim Robbins) diz ser inocente, e que tudo foi uma armação para incriminá-lo. O veterano ri e afirma que então ele estava no lugar certo: Todos naquela prisão eram totalmente inocentes.
​​​Inocente. Essa palavra tem nuances sutis, tanto em inglês quanto em português; pode designar o sujeito que não é culpado pelo crime, como também aquele que não causa mal, que não tem malícia, ingênuo. E é isso que Dilma e seu bando nos garantem a cada minuto: Todos são absolutamente inocentes, em todos os sentidos. Desde o início do mundo, inventado por Lula em 1º de janeiro de 2003, tudo, absolutamente TUDO que aconteceu de bom no Brasil até hoje foi por mérito absoluto dele e de sua fantocha, hoje atuando solo no palco, interpretando a virgem no bordel. E tudo de ruim ocorrido de lá pra cá (ou antes, ou até futuramente), foi, é e será sempre fruto da maldade das elites brancas paulistas de olhos azuis que têm raiva de pobre viajando de avião. Palavras de Lula, sem tirar nem pôr. E olha que ele adora tirar.
​​​Aí aparecem uns episódios muito estranhos, todos ligados entre si, através dos quais bilhões (de R$ 6 bi a R$ 88 bi, dependendo do tipo de estimativa gatunística, modo estatístico genuinamente brasileiro) foram desviados dos cofres públicos para alimentar um plano louco poder eterno, comprando votos do povo nas urnas e dos parlamentares no Congresso. Do original mensalão ao atual petrolão, a serem ultrapassados pelo futuro eletrolão e o não distante BNDESsão, brotou o maior rede de corrupção da História humana. Nada, nenhum crime de espoliação de verbas públicas, desde a invenção do dinheiro (ou da propina, não importa) no século VII a. C., foi tão grande quanto o reinado de terror nas finanças nestes últimos 13 anos. É de fazer turco errar no troco e judeu dar desconto. Impressionante.
​​​Mas, como no filme, todos são inocentes. Nos dois sentidos.
​​​Em 2005, Lula já nos constrangira ao suceder Boris Yeltsin na honra de ser o mandatário mais cachaceiro do mundo, e inventou a frase lapidar de todos os que o rodeiam, apoiam, blindam e sucedem: “Eu não sabia”.
​​​Então tá: Ele não sabia de nada, Dilma não sabia de nada, ninguém daquele circo de horrores sabia de nada. São duplamente inocentes; não fizeram nadinha de errado e são ingênuos de dar dó. E jogam a culpa de sempre nos paulistas loiros e demais monstros impiedosos. Pela ótica de Lula e seu bando de inocentes, nascer em São Paulo já é praticamente um pecado original. Se a moda do coitadismo pegasse no mais rico e populoso estado da federação, ia ser muito engraçado acusar essa gente de racismo, preconceito e etc… como adoram acusar os paulistas; mas vamos em frente que isso é papo pra outro barril.
​​​Partindo do princípio e do silogismo mais calhorda da História da filosofia e da lógica, como Lula e Dilma são puros como um recém nascido, anjos de candura, então alguém deve ser culpado. Ou não? Enfim, parodiando Homer Simpson, aquela espécie de Macunaíma do Norte, “a culpa é minha e ponho em quem eu quiser”. Lula se finge de morto para tentar sodomizar o coveiro, mas Dilma não se aguenta. Está cada vez mais fora da casinha, arengando discursos lunáticos. Depois de barbaridades como a saudação à mandioca, a mulher sapiens e a meta que não deve existir, mas que se deve dobrar, ela encontrou sua antítese: A operação Lava Jato.
​​​Segundo a presidonta, numa reunião ministerial quinta passada, a Lava Jato derrubou o PIB do Brasil em 1 ponto. Segura na mão de Deus e segue: A sujeita quer dizer que toda a roubalheira protagonizada por essa gentinha podre, esse bando de salafrários arrivistas travestidos de defensores do povo, não tem a menor importância; o que pega mal mesmo é investigar. Se todos continuassem roubando, sem essa mania besta de respeitar a lei, tudo estaria ótimo. Mas não; uns e outros têm essa estranha mania de se indignar com a podridão e pedir cadeia para ladrões e corruptos. E a fulaninha tem o desplante de afirmar que roubar não faz mal, mas a investigação desse lixo todo prejudica o País. Merece uma surra de fio desencapado molhado na salmoura. E 93% da população concordam. 67% se habilitam a brandir o fio na lomba da ciclista-populista.
​​​Tá certo que um dos pilares do lulismo e da esquerda de butique é defender o crime e culpar as vítimas, e isso desde 1917, nua prática, e 1867, em teoria. Mas culpar o judiciário (incluindo o STF), a polícia federal, os procuradores de justiça e os advogados dos delatores de terem criado tudo isso pra lesar o Brasil não é só misto de burrice e desonestidade. É puro desespero. A casa tá caindo, dentuça. Se a Papuda encher, a gente arruma umas vagas em Shawshank. Afinal, você é inocente, né?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes