Iscas Intelectuais
A fábrica de conteúdo
A fábrica de conteúdo
A Confraria Café Brasil dá um passo adiante e começa a ...

Ver mais

Um jeito de ver o mundo
Um jeito de ver o mundo
Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta explicar o ...

Ver mais

LíderCast 5
LíderCast 5
Acabamos de lançar a Temporada 5 do podcast LíderCast, ...

Ver mais

O padrão
O padrão
Isca intelectual de Luciano Pires demonstrando que ...

Ver mais

553 – Exponential Talks
553 – Exponential Talks
Podcast Café Brasil 553 - Exponential Talks - Luciano ...

Ver mais

552 – LíderCast 5
552 – LíderCast 5
Podcast Café Brasil 552 - LíderCast 5 . Este programa ...

Ver mais

999 – Hotel Califórnia
999 – Hotel Califórnia
Podcast Café Brasil - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

551 – Todo mundo é deficiente
551 – Todo mundo é deficiente
Podcast Café Brasil 551 - Todo mundo é deficiente. ...

Ver mais

LíderCast 061 – Flavio Azm
LíderCast 061 – Flavio Azm
Hoje recebemos Flavio Azm que é cineasta, mas é muito ...

Ver mais

LíderCast 060 – Raiam Santos
LíderCast 060 – Raiam Santos
Hoje recebo Raiam Santos, um jovem brasileiro que não ...

Ver mais

LíderCast 059 – Geraldo Rufino
LíderCast 059 – Geraldo Rufino
Hoje recebemos Geraldo Rufino um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
LíderCast 058 – Marcelo Wajchenberg
Hoje recebemos Marcelo Wajchenberg, que é médico ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Diferentes olhares
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Diferentes olhares Metade cheia e metade vazia do copo “Nós tivemos uma economia no ano passado caindo, e no ano anterior também, uma queda que se acentuou um pouco mais do que se estava ...

Ver mais

Não contrate um comunista
Raiam Santos
Só com esse título, já deve ter gente se coçando para buscar meu CPF e tentar me processar por incitação ao ódio e preconceito. Calma, meus amigos! Sou o tipo do cara que odeia discutir política, ...

Ver mais

Carta aberta aos podcasters
Mauro Segura
Transformação
Por que os podcasts não crescem como negócio no Brasil? A resposta pode estar nessa carta aberta de Mauro Segura para os podcasters.

Ver mais

Somos responsáveis pela beleza que herdamos
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garshagen. No Brasil, basta consultar fotos antigas das cidades para verificar que o padrão de beleza urbana tradicional deu lugar a um ambiente novo, às vezes ...

Ver mais

Sensibilidade histórica

Sensibilidade histórica

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

“Aqueles que não conseguem se lembrar dos erros do passado estão condenados a repeti-los.”
George Santayana

 

Ponte entre passado, presente e futuro

“Aqueles que não conseguem
se lembrar dos erros do passado
estão condenados a repeti-los.”

George Santayana

A convite da aluna de Relações Internacionais da FAAP, Karina Calandrin, ministrei palestra, juntamente com o senador Eduardo Suplicy, na abertura do Simulado para o Ensino Médio (SiEM 2013), um modelo de simulação voltado a estudantes de ensino médio baseado em acontecimentos históricos.

Refletindo sobre o que falar na abertura, acabei optando por um paralelo entre a História e a minha própria história.

Assim, iniciei contando aos presentes que eu odiava a disciplina História no primário, no ginásio e no colegial, denominações que prevaleciam na minha época.

E por que isso?

Porque a História era pessimamente ensinada. Todas as professoras que tive nessas ocasiões obrigavam os alunos a decorarem nomes, datas e fatos relevantes, sem maior preocupação com a análise das relações de causa e efeito existentes entre eles.

Nesse contexto, só circunstancialmente conseguia me interessar pela matéria. Uma dessas vezes ocorreu quando fui disputar o campeonato mundial de basquete mirim, defendendo a seleção brasileira, em Porto Rico. Fizemos escala, na ida e na volta, na Venezuela, sendo que na volta permanecemos no país por alguns dias, fazendo três jogos contra a seleção local e tendo a oportunidade de visitar alguns pontos turísticos e localidades históricas. Entre elas, a cidade de San Juan de los Morros, a capital do estado de Guárico e, praticamente, a porta de entrada para a zona central do país, onde nos foi narrada a história da independência da Venezuela com destaque para os feitos de Simón Bolívar. No retorno desta viagem, fui obrigado a fazer diversas provas que haviam sido adiadas por conta da ida ao exterior. Em História, estudávamos a independência dos países sul-americanos e na minha prova havia uma pergunta sobre a da Venezuela. Ainda com a memória fresca, dissertei longamente sobre o tema, provocando surpresa na própria professora, que acabou me atribuindo a pontuação máxima na questão.

Depois disso, só passei a me interessar pela disciplina na Faculdade de Economia, quando tive um excelente professor de História Econômica, que me fez compreender o real sentido da História e a extraordinária importância que ela pode ter na nossa própria vida e no entendimento das coisas que acontecem à nossa volta.

Quando, mais tarde, abracei a carreira de professor, concentrei-me nas disciplinas do núcleo histórico do curso de Ciências Econômicas: História Econômica Geral, História do Pensamento Econômico e Formação Econômica do Brasil.

Passei então a enxergar a História como ela deve efetivamente ser entendida, ou seja, como uma ferramenta excepcional para estabelecer conexões entre o passado e o presente e, a partir daí, com as limitações naturais de qualquer previsão, o desenho de cenários futuros. Em outras palavras, uma ponte entre passado, presente e futuro. Uma ponte, porém, repleta de surpresas e de atipicidades.

Isso vale para qualquer área do conhecimento, assim como para a nossa própria vida.

Exatamente por isso é que sou extremamente grato ao esporte, por ter me propiciado oportunidades incríveis de conhecer diversos países numa época em que viajar para o exterior era extremamente difícil, privilégio apenas de pessoas de elevado nível socioeconômico, muito superior ao de minha própria família.

Não tenho a menor dúvida de que, parte de tudo o que alcancei na vida, tanto no plano pessoal como no profissional, deveu-se ao aprendizado obtido nas viagens desse período da minha vida, em que tive a chance de conhecer países então muito pouco conhecidos, tais como Iugoslávia, União Soviética, Finlândia e Suécia, ou mesmo, mais  perto do Brasil, Panamá, Peru e Equador.

O tempo foi passando e o acompanhamento da evolução histórica desses e de outros países que visitei foi extremamente facilitado pelas observações e pelos conhecimentos adquiridos quando neles estive.

No desempenho de minhas funções como professor, tenho procurado sempre que possível lançar mão de textos ou filmes que permitam aos alunos o estabelecimento de relações de causalidade entre acontecimentos de diferentes períodos históricos, mais ou menos extensos.

Ainda no semestre passado, ofereci um curso intitulado O cinema e a redemocratização do Brasil e da América do Sul, preocupado com a desinformação cada vez maior dos alunos sobre acontecimentos relativamente recentes da nossa realidade, mas não vividos diretamente por nenhum deles. Interessante observar que isto ocorreu algumas semanas antes dos movimentos que tiveram lugar nas ruas de diversas partes do Brasil a partir do mês de junho.

Para minha satisfação, recebi diversas mensagens de participantes deste curso, chamando minha atenção para algumas semelhanças entre o que foi visto nos diversos filmes utilizados no curso e as reivindicações dos grupos de manifestantes.

São situações como essas que tornam tão gratificante a vida de um professor. Tenho certeza que ministrando cursos como este ou tendo a oportunidade de falar para estudantes que sacrificam parte de suas férias para participar de uma simulação histórica, estou contribuindo para a formação de futuras lideranças que poderão fazer do Brasil um país muito melhor do que esse que temos hoje.

Uma das lições que se aprende na História é que a evolução não ocorre de forma linear, Sendo assim, não basta saber o que aconteceu de certo e de errado no passado para se ter certeza do que ocorrerá no presente ou no futuro. Seria muito cômodo se fosse assim. Mas, também, absolutamente monótono.

Portanto, deixo como recomendação final a todos que procurem conhecer a História e fazer desse conhecimento uma ferramenta importante para a análise das coisas e das mudanças que acontecem à nossa volta, com velocidades e intensidades muitas vezes surpreendentes.

Se alguém tiver alguma dúvida, sugiro que observe o que aconteceu com a popularidade da presidente da República, e de vários governadores, prefeitos, senadores, deputados e vereadores ao longo dessas últimas semanas.

Faltou – e continua faltando – a muitos deles aquilo que é citado por Galbraith em A era da incerteza como o fator que para Marx distingue os bons dos maus economistas: sensibilidade histórica.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

GALBRAITH, John Kenneth. A era da incerteza. Tradução de F. R. Nickelsen Pellegrini. 6ª ed. São Paulo: Pioneira, 1984.

Referências e indicações webgráficas

MACHADO, Luiz Alberto. O cinema e a redemocratização do Brasil e da América do Sul (curso). Disponível em http://www.faap.br/nucleocultura/cinema_redemocratizacao.html.

SiEM 2013. Disponível em http://www.siemsp.com.br/.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado