Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

597 – Simplifique
597 – Simplifique
O programa de hoje é um presente. Reproduzimos na ...

Ver mais

596 – A complicada arte de ver – revisitado
596 – A complicada arte de ver – revisitado
“A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o ...

Ver mais

595 – A empatia positiva
595 – A empatia positiva
Se você construir uma linha emocional imaginária, numa ...

Ver mais

594 – Sultans of Swing
594 – Sultans of Swing
Láááááá em 1977 uma obscura banda inglesa começou a ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

LíderCast 93 – Max Oliveira
LíderCast 93 – Max Oliveira
Max Oliveira, empreendedor que fundou a Max Milhas, uma ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

País de Santos
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Há dias um assunto artificialmente inflado ocupa sites e jornais: A posse interrompida da ex-quase-futura ministra do Trabalho, deputada federal Cristiane Brasil (PTB/RJ), filha do conhecido ...

Ver mais

Jonatan, o Tolo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Jonatan é o tolo cuja credulidade fantasiosa corrompeu qualquer traço de inocência

Ver mais

Projeções econômicas do Brasil para 2018
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Projeções econômicas do Brasil para 2018[1] Com uma sólida formação humanista, um economista pode afirmar que quanto menor a intervenção do Estado na economia de mercado, mais rico será este país ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Cafezinho 39 – Como fazer críticas nutritivas
Num cafezinho anterior falei sobre a importância de ...

Ver mais

Cafezinho 38 – A agarra
Cafezinho 38 – A agarra
Basta implantar uma dúvida, uma agarra... e pronto! A ...

Ver mais

Cafezinho 37 – Sobre críticas
Cafezinho 37 – Sobre críticas
Saber avaliar as críticas é fundamental, mas saber ...

Ver mais

Cafezinho 36 – Velhos problemas
Cafezinho 36 – Velhos problemas
O Brasil não tem problemas novos.

Ver mais

Se você tem medo de alguma coisa, se joga nela

Se você tem medo de alguma coisa, se joga nela

Mauro Segura - Transformação -

Eu tenho um colega de longa data que tem muito medo de altura, uma espécie de vertigem. É um cara que não chega perto de parapeito de janela, porque as pernas começam a tremer. Há anos, ele me diz que sente isso desde criança e lamenta ter perdido muitas oportunidades legais de fazer coisas diferentes por conta desse medo pré-estabelecido. Antes mesmo de tentar, sabendo que sentiria medo, ele tomava a decisão de recusar experiências ou fazer coisas simples, como, por exemplo, vivenciar uma experiência numa montanha russa, coisa que ele nunca teve coragem de fazer… até encarar uma aventura que mudou a sua vida.

Há cinco anos, numa sexta-feira, ele me chamou para almoçar, porque tinha algo para contar. Disse que havia decidido realizar algo radical para romper a tal síndrome do medo de altura. Olhei para ele com cara de desconfiança e falei: “Okay, mas e aí? O que você vai fazer?”. Ele sorriu um sorriso nervoso, sem graça, e contou que havia decidido pular de paraquedas. Eu ri muito pensando que aquilo era uma piada, mas ele terminou dizendo que o salto de paraquedas seria realizado no dia seguinte pela manhã. Contou que havia tomado a decisão meses antes, sozinho, e depois seguiu com o plano: pesquisou as alternativas, contratou o serviço, recebeu orientações a respeito do procedimento e agora estava tudo pronto. No sábado ele estaria realizando um salto duplo de paraquedas, agarrado num paraquedista profissional, se jogando de avião no interior de São Paulo.

Aí perguntei: “Mas você está pronto?”. Ele respondeu imediatamente: “Eu estou super pronto, mas morrendo de medo. A minha mulher me pede todos os dias para eu pensar melhor”. Rimos um bocado e dei um enorme abraço nele pela coragem de fazer algo tão radical.

No sábado à tarde, recebi uma mensagem com fotos dele saltando no infinito, cenas incríveis para quem tinha dificuldade de encarar a janela do prédio onde mora. No fim da mensagem uma frase mágica: “Foi a melhor experiência da minha vida”.

Cinco anos depois daquele salto de paraquedas, há uma semana, nós saímos para almoçar mais uma vez e celebrar algo muito especial. Durante esse período o meu amigo voltou a saltar mais vezes de paraquedas, aliás, muito mais vezes. O que era um desafio virou vício. Em pouco tempo, ele deixou de saltar acompanhado e passou a saltar sozinho, não somente no interior de São Paulo, mas em outras cidades no Brasil e no mundo. Também experimentou outras opções de salto, como parapente e asa delta. Há dois anos ele enfrentou pela primeira vez uma montanha russa, foi num parque da Disney World com a esposa e filhos. Ele disse que as pernas tremeram assim que sentou no carrinho do brinquedo. Saiu de lá com as pernas ainda trêmulas, mas entrou de novo na fila da mesma montanha russa. Naquele dia, ele andou naquela montanha russa mais de dez vezes em sequência e comemorou a vitória. Saiu dos parques da Disney tendo andado em todas as montanhas russas… todas! O medo de altura virou paixão pela altura, mesmo que suas pernas ainda enverguem quando ele aproxima do parapeito da janela de seu apartamento.

Perguntei se ele ainda tem medo de altura. Ele respondeu: “Muito medo, minhas pernas tremem e sempre acho que vou desmaiar”. E retruquei: “Mas porque você não sente nada quando pula de paraquedas? Qual é a magia?”. Ele respondeu: “Eu sinto, mas não sei o que acontece. Antes de saltar, ainda dentro do avião, o meu coração fica acelerado e estou apavorado de medo. Às vezes, me pergunto porque estou ali. Mas depois, já nos primeiros segundos no ar, eu entro em outra dimensão e sinto a melhor sensação da minha vida. Estou saltando há quase cinco anos e a sensação de cada salto é exatamente a mesma que tive no primeiro salto: um medo imenso seguido de um enorme prazer. Não consigo descrever. É uma espécie de vício”.

Esse meu colega, que preservo o nome aqui, teve um enorme crescimento pessoal e profissional desde então. Ele é realmente outra pessoa. Era um sujeito acanhado, inseguro e introvertido. Ao longo desse tempo, simultaneamente aos saltos de paraquedas, ele passou a fazer coisas que não fazia antes: fez um curso de história, que era um sonho antigo, mudou de profissão entrando numa área completamente nova para ele, morou seis meses sozinho – longe da família – por conta de um curso que desejava fazer e outras coisas que não cabem citar aqui. Ele realmente virou uma lição de vida para mim. Mudar de profissão e morar no exterior, longe da família, são iniciativas que dão medo, como o salto de paraquedas, mas ele tomou coragem e enfrentou esses medos.

Nesse último almoço, voltando a falar sobre o enfrentamento do medo no salto de paraquedas e sobre outras decisões que contei acima, ele me disse a frase mágica que grudou na minha mente: “Aprendi uma coisa: se você tem medo de alguma coisa, se joga nela”.

A mensagem do meu colega nunca foi tão atual. No momento da sociedade em que vivemos, com tudo se transformando de forma acelerada e dogmas sendo derrubados, com profissões desaparecendo e se transformando, negócios tradicionais derretendo e novos negócios surgindo, a todo o momento temos a chance de pular de paraquedas em algum abismo que desconhecemos. Nós somos desafiados todos os dias a mudar, mas instintivamente reagimos à mudança porque nos sentimos inseguros quando enfrentamos o desconhecido, o novo e a incerteza. Em vez de nos lançarmos, nós nos recolhemos. Enfim, precisamos pular mais de paraquedas.

Ver Todos os artigos de Mauro Segura