Iscas Intelectuais
Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil no Top 10 Podbean
Café Brasil no Top 10 Podbean
O Café Brasil está entre os Top 10 numa das maiores ...

Ver mais

701 – Sorte
701 – Sorte
E aí? Você se considera uma pessoa sortuda ou azarada? ...

Ver mais

700 – Girl Power
700 – Girl Power
Bem, você sabe que sempre que chegamos num programa ...

Ver mais

699- Um brasileiro
699- Um brasileiro
Como sabemos que muitos ouvintes do Café Brasil não ...

Ver mais

698 – A Mente Moralista
698 – A Mente Moralista
Somos criaturas profundamente intuitivas cujas ...

Ver mais

LíderCast 184 – Michelle Susan
LíderCast 184 – Michelle Susan
Uma lutadora, que sai do zero para trabalhar em ...

Ver mais

LíderCast 183 – Antonio Mamede
LíderCast 183 – Antonio Mamede
Ex-executivo de grandes empresas, hoje consultor e ...

Ver mais

LíderCast 182 – Alexis Fontaine
LíderCast 182 – Alexis Fontaine
Segunda participação do Deputado Federal do partido ...

Ver mais

LíderCast 181 – Christian Gurtner
LíderCast 181 – Christian Gurtner
Christian Gurtner – O homem que leva a gente para ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Minha despedida
Chiquinho Rodrigues
Como você bem sabe, sou músico e tenho uma produtora de vídeo aqui em São Paulo que é o Estúdio Bandeirantes. Atendemos clientes de quase todo o Brasil. Seja fazendo arranjos, produção de Cds, ...

Ver mais

Documentira
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Até anteontem, os Estados Unidos eram o império do mal, a síntese de tudo de ruim que há no universo; um inferno habitado por seres inumanos, que massacram sul-americanos por puro prazer sádico, ...

Ver mais

A harpa elétrica
Chiquinho Rodrigues
Valdenir era um cara que acreditava piamente em reencarnação. Mas não era só isso… Acreditava também em vidas passadas, ufos e astrologia. Flertava com o candomblé, o budismo e era também ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Classificação dos Termos (parte 9)
Alexandre Gomes
Continuando os resumos depois de um belo fim de ano, vou continuar detalhando mais sobre os o que são os termos e suas variedades. Perceba que isso é muito mais uma base de compreensão lógica das ...

Ver mais

Cafezinho 248 – O meiostream
Cafezinho 248 – O meiostream
Sobre se considerar bem-sucedido sendo o que se é.

Ver mais

Cafezinho 247 – Compartilhe!
Cafezinho 247 – Compartilhe!
Sobre o hábito de compartilhar aquilo que vale a pena.

Ver mais

Cafezinho 246 – Setecentos
Cafezinho 246 – Setecentos
São 74 minutos de puro deleite.

Ver mais

Cafezinho 245 – Como censurar o Porta dos Fundos
Cafezinho 245 – Como censurar o Porta dos Fundos
Democracia é a liberdade de dizer “não”, mesmo que você ...

Ver mais

Resumo do podcast Guten Morgen 73 — Como Sobreviver à Faculdade

Resumo do podcast Guten Morgen 73 — Como Sobreviver à Faculdade

Eduardo Ferrari - Resumos e Artigos -

O episódio 73 do podcast Guten Morgen (GM 73) sobre o tema Como Sobreviver à Faculdade, foi publicado em 11 de março de 2019, e está disponível na íntegra aqui.

O objetivo deste resumo é extrair a essência do conteúdo no menor tempo de leitura possível, sem a pretensão de esgotar o assunto, mas tentando fisgar o leitor para que se torne ouvinte assíduo do podcast. Há uma enorme quantidade de referências sobre cultura clássica e medieval na primeira parte do GM 73 e o tema vai se desenrolando até que Flavio Morgenstern explica como chegamos no estágio atual de penúria nas universidades brasileiras.

O áudio de 1h52min foi condensado num texto que pode ser lido em menos de 10 minutos!

Após as considerações iniciais, Morgenstern apresenta uma pergunta anterior à principal: Por que não temos hoje em dia grandes gênios da humanidade, como Dante, Shakespeare, Da Vinci, Homero, Aquino, Virgílio, Catulo, Marco Aurélio, Cícero?

Homero, por exemplo, foi um grande poeta do Século VIII (a.C) que escreveu Ilíada e Odisseia. E tantos outros gregos célebres como, Eurípides, Sófocles, Sócrates, Platão e Aristóteles, que parece terem saído da linha de produção há mais de 2 mil anos.

Então vem a pergunta principal: por que você aprende mais coisas fora do que dentro das faculdades?

Antes de começar a elucidar a questão, Flávio apresentou detalhes sobre vários ícones da cultura clássica, dentre os quais Homero, que mesmo tendo vivido há mais de 2 mil anos antes de Dante, teria sido o molde para a descrição do inferno, na primeira parte da Divina Comédia, escrita no início do Século XIV.

Como escritor e pensador cristão, Dante colocou a mitologia grega sob uma perspectiva cristã e escreveu sobre o inferno, o purgatório e o Paraíso, numa jornada épica guiada por outro poeta, Virgílio, que viveu em 70 a.C em Roma, e escreveu Eneida.

Na magistral obra de Dante Alighieri, a antessala do inferno abriga as pessoas que não podem ir nem para o céu nem para o inferno porque passaram a vida “em cima do muro”.

O inferno seria dividido em nove níveis. No primeiro, o limbo, ficariam as pessoas que não puderam estar presentes depois da anunciação de Jesus pelo Anjo Gabriel. Essas pessoas teriam chegado a Deus por meio da razão, tal como aconteceu com Sócrates e delas não se ouve gritos de desespero, mas apenas sussurros.

Como exemplo da forma de descoberta de Deus não por meio da fé, mas por meio da razão, Flávio menciona a linha de raciocínio de Sócrates: se existe a bondade, então existe um Deus, e esse Deus teria de ser único.

A peça “As Nuvens” do autor grego Aristófanes, teria esse nome porque trata de Sócrates como um pensador que acreditaria não existir Deus, mas apenas nuvens. Em Fédon, última parte da tetratologia de Platão, Sócrates refuta ser ateu e aceita tomar cicuta porque acreditava na lei de Atenas, em Deus e na alma imortal.

Dante então coloca Sócrates no limbo, junto com diversos outros filósofos gregos e romanos, justamente porque teriam conhecido Deus não pela fé, mas simplesmente pela razão. Todos os nove ciclos do inferno seguem a lógica da gravidade dos pecados de São Tomás de Aquino, primeiro os pecados menos graves, como os pecados da paixão e depois os graves, passando pelos aglomerados de assassinos, corruptos e traidores da pátria, estes já no último círculo.

Dante demonstra conhecer toda a história grega, toda a história latina, todos os grandes escritores e poetas, como Virgílio, considerado por muitos o maior de todos os poetas. O poema Eneida, de Virgílio, escrito um século antes de Cristo, relata a história do herói troiano Enéas. Depois que a cidade de Tróia é destruída, ele foge de barco para o norte da África e chega à província italiana onde seria fundada Roma.

Rômulo e Remo seriam descendentes de Enéas. Eles foram alimentados por lobas. Loba, em latim, seria uma palavra relacionada com puta, ou seja, Roma seria uma cidade fundada por filhos de um Deus com uma puta. Até hoje a Itália pode ser considerada como um país divino e ao mesmo tempo um prostíbulo.

Ou seja, Dante usa Virgílio, que já teria descrito o mundo dos mortos, como seu guia para escrever sobre o inferno. Porque a gente não tem um Dante? Hoje se estuda em Harvard teses sobre micro agressões no campus, sendo que, originalmente, naquela universidade, se discutia sobre Newton, em latim, com trechos em hebraico e até em caldeu.

Morgenstern então cita como exemplo oposto, uma pessoa no Brasil que teria escrito uma tese banal de doutorado sobre quatro palavras em alemão que teriam sido usadas por Karl Marx.

O homem grego estudava a partir do que é conhecido como Paideia, conforme o livro Literacy and Paideia, de Werner Jaeger, onde tem tudo que se precisa saber a respeito da formação do homem grego. O homem grego estudava a partir dos modelos dos grandes clássicos, por exemplo, qual o modelo de bravura ou retidão de Homero?

Para você ser um homem grande você precisa se inspirar nos modelos de grandes homens como Ajax e Aquiles, o que hoje seria considerado como politicamente incorreto, pois você estaria saindo do estereótipo da busca pela igualdade.

Mesmo no início de universidades como Harvard e Stanford, já tínhamos certa decadência em relação à educação de uma universidade medieval. Com os gregos tínhamos a Paideia (como ser grande) que exigia profundos conhecimentos e experiências de vida para que a pessoa pudesse ser testada em sua moral.

Além de ter virtudes como ser honrado, bravo e justo, a exemplo do que teve de aprender Alexandre, o Grande, como aluno de Aristóteles, um grande homem também precisa ter elevada moral. Lembrando que Alexandre foi tão importante, que levou a filosofia, a história, as artes e a arquitetura até o Afeganistão, que vivia em disputa tribal.

Na Paideia os homens também eram treinados para ir pra guerra. Já os latinos politizavam mais, com uma educação voltada para a retórica, oratória e discussões no Senado. Marco Aurélio e Cícero, por exemplo, foram grandes pensadores, filósofos e senadores romanos. No mundo moderno, altamente fragmentado, um político nunca poderia ser um grande guerreiro ou filósofo.

A sistematização dessa escola grega de ensino é conhecida como Trivium. Antes de entrar em qualquer faculdade, compre o Trivium e comece a estudar muito, tire duvidas e discuta em grupos. Se você quiser ser um cara que consegue ler e entender os grandes clássicos, leia o Trivium.

Vários livros maravilhosos sobre a educação domiciliar de protestantes sempre recomendam a leitura do Trivium. Flávio recomendou a edição da “É Realizações”, de autoria da Irmã Miriam Joseph, pois está tudo mastigado ali.

O que é o Trivium? Você pega as 3 artes da linguagem, a Gramática, a Retórica e a Oratória (Lógica) e vai estudar aquilo a fundo. Ali você vai ter a base aristotélica, a base platônica e você vai ter muitos exemplos da literatura clássica, como Dante e Shakespeare. Shakespeare estudava Trivium a fundo, a vida dele era dividida em estudar o Trivium e escrever.

Ele recomenda também o Quadrivium, que trata das outras quatro artes liberais, Aritmética, Geometria, Astronomia e Música. A matemática seria os números em estado puro, os números distendidos no tempo seria a música, os números distendidos no espaço seria a astronomia. Embora o renascimento tenha sido marcante por conta da revolução na pintura, na área do pensamento teria havido um retrocesso.

Há um enorme salto, desde Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino para os sofríveis Maquiavel, Spinoza, Hobbes, etc. Com o Trivium, você tem um estudo da base do pensamento, sobretudo se você está aprendendo latim ou grego (Flávio recomendou os cursos da Schola Clássica do Instituto de Hugo de São Vitor).

A alma seria a parte intelectual do homem, e o espírito seria a parte elevada das virtudes, como o bom e o belo. Na educação moderna, a parte virtuosa da educação foi eliminada, ou seja, você fica com a alma e o corpo apenas e perde a visão de que para cursar uma universidade você precisa ser uma pessoa boa, ética.

Hoje em dia, mesmo estudando em universidades milenares como Bolonha, na Itália, o que se estuda não é mais a evolução do pensamento, mas apenas um recorte de um aspecto específico. Flávio reafirma o que Olavo sempre diz em suas aulas, de que os filósofos do renascimento são apenas notas de rodapé da filosofia clássica greco-romana.

Na ultramodernidade, com Freud, num curso de Psicologia, a psicanálise precisa ser estudada seriamente apenas um semestre. Já num curso de Letras, em crítica literária, você vai ver Freud da primeira até a última aula. Marx é a mesma coisa, num curso de Economia, como curiosidade histórica você estuda um semestre, mas num curso de Sociologia, vai ter Marx do início ao fim.

O livro “The closing of the scientific mind and America-lite how imperial academia dismounted our culture”, do professor de Yale, David Gelernter (primeiro a receber carta do Unabomber), contém várias críticas do que está acontecendo com as universidades americanas.

O que se aprende na escola sobre história não é história, mas apenas um recorte de teoria da história. As pessoas não sabem sequer a origem das ideias que estão em suas cabeças, o que acontece em todas as áreas do conhecimento hoje em dia, não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos.

No século XX, a gente não apenas cortou a ideia de espirito como cortou a ideia de alma, o que significa que sobrou apenas o corpo. Por exemplo, para a Psicanálise, o aspecto religioso serve apenas como desculpas para te dominar e tudo o que você precisa ter é pulsão sexual livre. Com Foucault, há uma mistura de psicanálise com marxismo, ou seja, você está agrilhoado pela ideologia de classe, sendo que você precisa apenas ter sexo livre.

Hoje em dia, o movimento pós-colonialista foi consubstanciado no movimento negro, de antirracismo. A primeira coisa contra o racismo no mundo foi a igreja, porque todas as religiões do mundo eram baseadas em etnias, como os egípcios e hindus. Apenas após o cristianismo esse modelo de religião étnica foi mudado, passando então para o modelo de evangelização, convencimento.

Todas as religiões tradicionais baseadas em origem étnica estão mais focadas no corpo e na forma do que na salvação da alma.

Da mesma forma, movimentos de defesa de minorias como feminismo, homossexualismo e negros, também são baseados em critérios puramente corporais, sem a menor preocupação com a alma e o espírito. Se você é homem e tem interesse por outros homens você precisa de um movimento literário específico para gays, baseado apenas no corpo e suas necessidades.

Partindo para o final, Flávio mencionou Dr. House como uma de suas séries prediletas. A capacidade técnica do médico mal-humorado e a forma em que ele reflete sobre os sintomas e os respectivos diagnósticos são notáveis. Em um dos episódios ocorre uma situação específica em que um faxineiro, que na verdade era um grande médico cumprindo um tipo de pena, é chamado para resolver um problema médico urgente que apenas ele, com a autoridade que tinha como profissional de excelência seria capaz de resolver.

Tanto o Dr. House como o médico-faxineiro possuem a autoridade do conhecimento, que é diferente da autoridade do poder (diferença entre auctoritas e potestas, do latim). Ocorre que, hoje em dia, as pessoas que administram e ministram em faculdades detêm apenas o poder da autoridade, mas não tem o conhecimento necessário que as conferiria autoridade intelectual.

As universidades são as maiores seitas que existem no mundo hoje, pois você precisa ler apenas o que o professor leu e recomendou. Você não pode produzir uma teoria discordante sob o risco de não conseguir se formar. As teses são encomendadas para atingir resultados específicos e predefinidos.

Com a crise intelectual da atualidade, o culto ao corpo em detrimento da alma e do espírito, a decadência das universidades e a estrutura de poder autoritário disseminados na academia, a única forma de obter conhecimento verdadeiro é fora da universidade, buscando os autores que são ignorados pelos professores e que sequer estão disponíveis nas bibliotecas.

Espero ter chamado a sua atenção para a importância e a profundidade do Guten Morgen. Há dezenas de episódios esperando por você.

Ver Todos os artigos de Eduardo Ferrari