Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Resumo da Aula 2 do Curso On-line de Filosofia (COF)

Eduardo Ferrari - Resumos e Artigos -

A segunda aula do COF, ministrada em 21 de março de 2009, teve a duração de 3h43min e foi resumida em menos de cinco minutos de leitura, com o objetivo de levar ao conhecimento do leitor uma ideia geral sobre o conteúdo, sem o intuito de esgotá-lo.

Boa parte da aula foi dedicada a explicações sobre o Exercício do Necrológio e a sua importância para o desenvolvimento do aluno ao longo do curso.

Uma das citações mais interessantes foi a respeito da dúvida de Viktor Frankl em estudar nos Estados Unidos ou em permanecer na Alemanha para cuidar dos pais idosos. Ao encontrar uma pedra com o mandamento “honra o teu pai e a tua mãe” perto de um templo religioso, ele decidiu ficar com os pais, com quem acabou indo para o campo de concentração.

Longe de desviar Frankl do seu caminho, as experiências que ele viveu ali foram essenciais para as investigações médicas que faria ao longo de toda a vida. Acontece que nada, além da morte, poderia desviar o Dr. Frankl do seu caminho.

O professor citou a frase de Goethe “a maior das delícias que o ser humano experimenta é a personalidade”, ou seja, continuar sendo quem você queria ser sem se desviar diante de dificuldades e influências contrárias.

Também há citações ao livro Madame Bovary de Flaubert, ao personagem Raskólnikov de Crime e Castigo de autoria de Fiódor Dostoiévski, a Ortega y Gasset e a Jesus Cristo, dentre outros.

Segundo o professor, o aprendizado da Filosofia não pode ser feito apenas a partir do que se sabe a respeito dessa ciência ao longo do tempo. Essa bagagem seria responsável por apenas 10% do que seria necessário para se tornar um filósofo. Ser filósofo consiste na consciência de si mesmo como um repositório de conhecimentos. Sócrates, por exemplo, sempre dizia que as pessoas deveriam ser testemunhas de si mesmas.

As questões filosóficas de uma forma geral tratam de questões públicas influenciadas por elementos culturais, experiências humanas, crenças e símbolos. Porém, a experiência direta do homem comum atual não é suficiente para formular questões filosóficas, pois as opiniões e interpretações correntes são bastante inadequadas.

Faz-se necessário ter um conhecimento filosófico consolidado e construído a partir da própria experiência com os trabalhos dos grandes filósofos e não somente o que eles quiseram dizer, mas do que eles estavam falando.

O professor cita a frase de Aristóteles: Nós não conseguimos raciocinar a partir dos dados dos sentidos; é preciso que esses dados se incorporem na memória e se cristalizem em certas imagens repetíveis. Elefante, por exemplo, seria o nome da imagem do animal que fica gravada na memória.

Para pensarmos em algo existe a percepção, a retenção do que foi percebido na memória, a reprodução da imagem estabilizada na mente e a extração de um conceito verbal dessa imagem.

Porém, da percepção para a memória, sofremos influências de elementos culturais. Existiria aí uma tensão entre a realidade do objeto e os elementos culturais inerentes ao próprio indivíduo que o levam a reter a imagem de forma enviesada.

Essa tensão é sempre prejudicial ao indivíduo, pois há forte influência de elementos culturais que contrapõem a percepção a uma sufocante onda de opiniões de senso comum. Precisamos, portanto, distinguir entre o que de fato deveria ter sido retido do que a cultura nos levou a reter.

O mesmo cuidado devemos ter com as palavras, pois elas precisam dizer o que queremos de fato dizer e não o que a cultura nos leva a dizer. O simples fato de saber e de ficar atento a isso, para mim já valeu o esforço e a dedicação de estar fazendo o curso.

A linguagem, portanto, precisa ser fiel ao que o professor chama de experiência direta, não se limitando a repetir o que a sociedade nos leva a interpretar ou a dizer a respeito das coisas.

Pela primeira vez de muitas ao longo do curso, o professor relaciona a filosofia à confissão, ou seja, ao ato de testemunhar a realidade dos fatos. A experiência direta seria o único material genuíno do pensamento filosófico, sendo todo o resto fruto de criações culturais.

A meu ver, o seguinte trecho da aula é tão relevante que transcrevo na íntegra:

A prática desse esforço permanente de expressar a experiência na sua singularidade, sem transformá-la em outra coisa, mas ao mesmo tempo tornando-a suficientemente reconhecível para que ela possa ser dita na linguagem coletiva — não é a ocupação fundamental dos filósofos, mas sim dos escritores, ficcionistas e poetas. Porém, sem essa transposição da experiência em memória, linguagem e expressão culturalmente reconhecível, não há filosofia.

A absorção de um legado literário seria fundamental para o raciocínio filosófico, pois, mesmo que fictícios, traduzem as possibilidades da experiência humana.

A principal atividade da filosofia consiste na busca da verdade. A busca para a resposta sobre a existência ou não de Deus não seria uma verdade absoluta, pois seja ela qual for se a pessoa não tiver uma experiência que comprove uma ou outra, ela passa a ser apenas uma crença e não uma verdade. A verdade deve ser procurada não nas sentenças gerais, mas na realidade da experiência.

Para finalizar, vale citar a menção do professor ao texto de Leo Strauss “What Is Liberal Education?”, que diz:

“Quem aprendeu alguma coisa, aprendeu com outro sujeito, que aprendeu com outro sujeito, que aprendeu com outro sujeito, que não aprendeu com ninguém. Olavo menciona que esse tipo de pessoa que aprende sozinha é raríssima, e que Deus as inventa para tampar o rombo das tradições de ensino que foram rompidas”.

Espero ter provocado no leitor uma faísca de curiosidade que o leve a estudar e a aprender. Um abraço.

Imagem de Autoria de Rafael Medeiros

 

Ver Todos os artigos de Eduardo Ferrari