Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Receita para destravar o país

Receita para destravar o país

Paulo Rabello de Castro - Iscas BrasilEficiente -

O anúncio do “PIBinho” do primeiro trimestre teve impacto desmoralizador. O País esperava estar crescendo num ritmo de 4% ao ano. Era o que a “sabedoria do mercado” podia supor. Afinal, o governo pôs crédito no bolso dos brasileiros, segurou os preços administrados e expandiu o gasto público. Contudo, veio a surpresa: 2,5% bem magros, e mesmo assim, com um empurrão estatístico do agronegócio, que mostrou uma explosão de mais de 30% de expansão anualizada nos três primeiros meses do ano. O governo jogou a toalha do discurso ufanista e o Banco Central subiu os juros do seu mau humor contra a inflação renitente e resistente. Não é um momento fácil para a dupla Dilma-Mantega. Especialmente na antevéspera de novo embate eleitoral.

Temos a nítida impressão de que a política do oba-oba atingiu seu limite. A sacola do marketing econômico está quase vazia. O País se volta para uma realidade de muita inflação, pouco PIB e muito gasto inútil, com baixíssima produtividade geral. Estes somos nós. Estruturalmente. Descontados os efeitos anabolizantes do superciclo dos preços das commodities, cujas exportações nos puseram como beneficiários involuntários da bolha e da crise mundiais, não conseguimos produzir, nos quase vinte anos do Plano Real, um crescimento anual muito diferente de 3%. No período Lula, com as commodities bombando e o setor externo ajustado, a coisa andou um pouco melhor, mas, com Dilma, voltamos a nos reencontrar com os números do período FHC de fraca expansão da economia produtiva. Em gastos de consumo e turismo ainda vamos bem. Por enquanto. E por aí ficamos. Existe um freio permanente na economia, que desmonta qualquer boa intenção dos nossos governantes, não importa qual a bandeira ou o discurso da hora.

Nosso novo problema não é saúde ou educação, velhos conhecidos. Padecemos do excesso de tributação. Nos anos do real, a carga tributária cresceu quase um ponto percentual do PIB, por ano! Foi um “esforço de guerra” sem guerra para os contribuintes, e com crescente desperdício público. Vivemos, sem reclamar, num caos tributário de impostos sobre impostos, mas ninguém parece notar a diferença com a realidade de outros países. Precisamos começar a fazer a ligação direta entre o imposto de hoje e o desperdício da máquina pública amanhã.

Não são poucos os que acham que nem pagam impostos. O próprio governo não desconfia do efeito deletério da carga tributária majorada continuamente. A maioria dos economistas convencionais julga bom perseguir um superávit fiscal primário, cobrindo as despesas, inclusive de juros, com tributos suficientes. Mas não nos perguntamos sobre o efeito paralisador que a carga tributária exagerada exerce sobre as decisões de investimento. Ora, o crescimento depende dos investimentos, que nascem dos recursos retidos pelas empresas e não tributados pelos governos. Idem, em relação às poupanças dos assalariados, que o governo leva para seus cofres compulsoriamente, com as siglas de INSS, FGTS e IRPF, sem falar na massa de tributos indiretos, embutidos nos preços. Que fim tem a escalada tributária? O equilíbrio fiscal? Não! Estagnação da produção e perda de produtividade. Portanto, menos arrecadação, pelo menor crescimento.

Não é verdade que o Brasil cresceu mal só neste trimestre. Carga tributária excessiva e má gestão fiscal mataram a capacidade de crescer. Podemos trocar de presidente e de ministro, mas se não identificarmos a maior fonte do emperramento geral do País, continuaremos patinando no barro. Entretanto, é plausível destravar o crescimento com uma enorme simplificação fiscal, em etapas. Sem perda de arrecadação, justo receio dos governantes. O Movimento Brasil Eficiente apresentou dois anteprojetos ao ministro Mantega desde o ano passado, na esperança de vê-los aprovados pelo Congresso. O governo nos deve um Brasil com impostos de país sério. O Congresso tem a obrigação de votar. E nós temos o dever de seguir protestando por uma regra simples de recolher tributos e financiar o Estado. Com menos impostos e mais eficiência, teremos mais Brasil.

Paulo Rabello de Castro e Carlos Rodolfo Schneider
Coordenadores do Movimento Brasil Eficiente

Ver Todos os artigos de Paulo Rabello de Castro