Iscas Intelectuais
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

579 – A arte de falar merda
579 – A arte de falar merda
Tenha um filtro, meu caro, minha cara. Para o bem do ...

Ver mais

578 – O Círculo de ouro
578 – O Círculo de ouro
Você já parou para pensar que talvez ninguém faça ...

Ver mais

577 – Dois pra lá, dois pra cá
577 – Dois pra lá, dois pra cá
Existe uma divisão política, social e cultural no ...

Ver mais

576 – Gratitude
576 – Gratitude
Gratitude vem do inglês e francês e significa que ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 Lucia Helena Galvão Maya
LíderCast 081 – Lúcia Helena Galvão Maya é diretora da ...

Ver mais

LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 Tito Gusmão
LíderCast 080 – Tito Gusmão – Tito Gusmão é um jovem ...

Ver mais

LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 Marcio Appel
LíderCast 079 –Marcio Appel executivo à frente da ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Sorte? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Chamam a atenção frases do tipo… “Não me inveje, trabalhe!”. Costuma enfeitar vidros traseiros e para-choques de caminhão. E o motivo é simples: Pode não decorar um luxuosíssimo Bugatti ...

Ver mais

Os jacobinos da “nova direita”
Bruno Garschagen
Ciência Política
Quando os antissocialistas mimetizam a mentalidade e a ação política do inimigo, tornam-se o espelho da perfídia.

Ver mais

A hora e a vez da criatividade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A hora e a vez da criatividade  Por que não no Brasil? “Eu olho para as coisas como elas sempre foram e pergunto: Por quê? Eu olho para as coisas como elas poderão vir a ser e pergunto: Por que ...

Ver mais

Cala a boca, Magdo!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Quem não se lembra do “Cala a boca, Magda”, repetido por Caco Antibes no Sai de Baixo? Magda, sua esposa, era de uma estupidez oceânica, e o bordão era gritado a cada asneira dita pela bela ...

Ver mais

Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Cafezinho 6 – Celebrando o fracasso
Sobre como aprender com nossos insucessos, ...

Ver mais

Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
Cafezinho 5 – Pimenta Azteca
O nome disso é livre mercado, goste você de Pimenta ...

Ver mais

Cafezinho 4 – A intolerância
Cafezinho 4 – A intolerância
Uma organização conhecida por investir em cultura ...

Ver mais

Cafezinho 3 – A inércia
Cafezinho 3 – A inércia
Issac Newton escreveu que “um objeto que está em ...

Ver mais

Real: o plano por trás da história

Real: o plano por trás da história

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Real: o plano por trás de história

 Registro interessante

“Tem que dar certo.”

FHC, sobre o Plano Real

 

“Este Plano será um fracasso.”

Lula, sobre o Plano Real

Está em cartaz desde a última semana de maio o filme Real, o plano por trás da história, que se propõe a relatar os dias que antecederam a implementação do Plano, as polêmicas que cercaram seu anúncio e os anos subsequentes, até o início de 1999, quando houve o ataque à nossa moeda, que provocou a saída de Gustavo Franco da presidência do Banco Central.

Dirigido por Rodrigo Bittencourt, o filme tem por base o livro 3.000 dias no bunker, de Guilherme Fiuza, mas o diretor não se prendeu totalmente ao texto – o que recomendaria mais um documentário –, permitindo-se incluir partes que, como em qualquer ficção, podem ter uma ligação tênue com a realidade, mas dão ao filme um tom bem mais agradável.

O filme retrata um momento crucial da nossa história, qual seja, o da conquista da estabilização da nossa moeda, depois de quase uma década marcada por uma sucessão de planos de estabilização malsucedidos: Cruzado (fevereiro de 1986), Cruzado II (novembro de 1986), Bresser (junho de 1987), Verão (janeiro de 1989), Collor I (chamado oficialmente de Plano Brasil Novo, março de 1990) e Collor II (fevereiro de 1991). Todos esses planos, de caráter heterodoxo, tinham como estratégia central a artificialização da economia por meio do congelamento de preços e salários.

Para quem não viveu esse período, ou não tem gravado na memória, a inflação anual do Brasil em 1993, o ano que antecede a adoção do Plano Real, foi de 2.567%, enquanto a média dos países da América Latina (que na década de 1980, em sua maioria, a exemplo do Brasil, conviveram com a combinação autoritarismo político, estagnação prolongada e inflação elevada) foi de 22% (gráfico1).

REAL-grafico

Ou seja, os governos civis que conquistaram o poder durante a década – que, na perspectiva política, não pode ser chamada de “década perdida”, por ter sido a década em que os países que iniciaram a década sob regimes autoritários (quase todos) conseguiram fortalecer as instituições democráticas, elegendo livremente seus novos governantes – obedeceram a estratégia de estabilizar as moedas de seus respectivos países e, em seguida, retomar a trilha do crescimento econômico. Com o fracasso dos sucessivos pacotes econômicos, o Brasil tornou-se o “patinho feio” da região.

A meu juízo, fazendo um balanço de ordem estritamente pessoal, o filme Real, o plano por trás da história deixa um saldo bastante positivo como registro de um momento fundamental de nossa história recente.

Não vou me ater à qualidade cinematográfica da obra, pois evidentemente não sou um expert no assunto. Meus comentários a seguir, portanto, refletem mais o que vi de mais ou menos positivo no filme.

Começando pelo lado pior, os aspectos que me pareceram capazes de dar uma visão muito distorcida do que aconteceu naqueles episódios. A escolha de Gustavo Franco como protagonista pode ser justificada por diversas razões. Quanto a isso, nenhum problema. Porém, o filme dá esse protagonismo ao ex-presidente do Banco Central desde a fase da elaboração do Plano Real, quando o papel por ele desempenhado nessa fase foi de coadjuvante, uma vez que os principais responsáveis por sua concepção foram Pérsio Arida, André Lara Resende e Edmar Bacha. Não há dúvida que, com o decorrer do tempo, a participação de Gustavo Franco foi se tornando cada vez mais importante, mas daí a colocá-lo como um dos principais artífices da elaboração do Plano Real vai certa distância.

Também me pareceu superdimensionada a reação de Pérsio Arida ao ser substituído na presidência do Banco Central por Gustavo Franco. Sem deixar de reconhecer a existência de uma espécie de conflito de egos, talvez natural em circunstâncias semelhantes, a reação de Pérsio Arida, segundo integrantes da equipe, não chegou ao extremo mostrado no filme.

Por fim, fiquei com a impressão de que, ao dar o protagonismo a Gustavo Franco, o diretor exagerou no papel de coadjuvantes de alguns integrantes da equipe que, a rigor, tiveram papel preponderante durante todo o governo FHC, como é o caso de ministro Pedro Malan.

Por outro lado, acredito que o diretor foi muito feliz em capturar, em rápidas passagens, o papel de personagens destacados naquela época, alguns dos quais mencionados nominalmente, como os presidentes Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso, e os ministros Rubens Ricupero e José Serra, e outros com nomes fantasia, embora seja impossível não associar o personagem Gonçalves a Aloizio Mercadante.

Meritória também a coerência de Gustavo Franco refletida no filme em pelo menos dois aspectos. O primeiro deles diz respeito à sua coerência ideológica, ao se colocar claramente e em diversos momentos como um defensor do pensamento econômico liberal. Diferentemente de muitos atores do nosso cenário político-econômico que procuram omitir sua preferência ideológica, Gustavo Franco jamais escondeu sua inclinação claramente liberal. O segundo diz respeito a suas convicções em termos de teoria econômica, retratada na defesa da não desvalorização da moeda brasileira. Essa intransigente defesa fez com que ele superasse as crises da Ásia, do México e da Rússia. Mas quando o alvo do ataque especulativo foi o Real, a intransigência custou a Gustavo Franco a própria presidência do Banco Central.

Enfim, seria possível fazer diversas outras considerações, o que não é minha intenção, pois poderia reduzir o interesse dos leitores em assistir ao filme. O próprio Gustavo Franco, em depoimento a O Estado de S. Paulo, disse ter se sentido incomodado de ser personagem central do filme afirmando que “isso não deveria diminuir o fato de que foi um esforço coletivo, de equipe”. Reconheceu, na mesma entrevista, que “para um público que não teve exposição a isso, [o filme] é muito bacana”.

Tendo assistido ao filme numa sessão seguida de debates exclusiva para professores e alunos do primeiro ano do Curso de Economia da FAAP, concordo plenamente com a opinião de Gustavo Franco. O interesse dos alunos pelo tema cresceu consideravelmente depois dessa experiência.

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas e webgráficas

FIUZA, Guilherme. 3.000 dias no bunker. Rio de Janeiro: Record, 2010.

FRANCO, Gustavo. ‘Filme sobre o Plano Real é uma fábula’. Entrevista a Vinicius Neder. O Estado de S. Paulo, 4 de junho de 2017, p. B 5.

MACHADO, Luiz Alberto. Plano Real: 1994-2009 – 15 anos de importantes reconquistas. Disponível em http://www.souzaaranhamachado.com.br/2017/06/plano-real-1994-2009/.

MOURA, Alkimar R. (Organizador). PAEG e Real: dois planos que mudaram a economia brasileira. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado