Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

Quem te viu, quem te vê…

Quem te viu, quem te vê…

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                 Quem passou as férias sem ver TV ou ler jornal voltou pra casa com a sensação de cruzar acidentalmente um portal da quinta dimensão ou de algum mundo paralelo. As notícias são tão estranhas que parecem fofoca do Chapeleiro Louco.

                 Marta Suplicy atacando seu próprio partido; chamando o governo Dilma de “desastroso” e vários lulistas de covardes, traidores, inimigos, ladrões. É puro oportunismo dela, óbvio… mas espanta pela honestidade, mesmo essa, forçada.

                 Mais? Dilma venceu (por muito pouco) as eleições com promessas que jamais poderia cumprir. Até aí nenhuma novidade; o problema é que ela está fazendo tudo exatamente ao contrário do prometido, e a lulada diz amém. Mas como, ela se tornou uma capitalista de carteirinha? O Brasil mudou tanto em 2 meses?

                 Dilma aterrorizou os eleitores pintando Marina e Aécio como verdadeiros boitatás. Eleitos, entregariam o Brasil aos nazistas-americanos-banqueiros-bruxas-vampiros-zumbis-fascistas. A comida ia sumir dos pratos e tudo seria um inferno. Passados alguns dias da posse, trajando fantasia de capa de botijão de gás (e sua neoamiga Kátia Abreu vestida de pamonha) temos um panorama igual (ou pior) do que ela pintou em caso de vitória de seus oponentes:

                 Aumento de 40% na energia elétrica; a Petrobrás praticamente quebrada, enfrentando uma chuva de ações judiciais aqui e no exterior; promessa da própria presidonta de privatização da Caixa Econômica Federal através de abertura de capital em bolsa de valores; defasagem de 75% na isenção do Imposto de Renda para Pessoa Física; desmonte do Salário Desemprego, que vai atingir 60% dos demitidos daqui pra frente; implosão do FIES, via estrangulamento de repasses mensais às faculdades particulares (e isso depois de assumir com o lema risível de “Pátria Educadora”, visto que o “País sem Miséria” do primeiro mandato conseguiu aumentar a miséria – dados do IBGE).

                 Tá bom procê? Não? Redução de todo o tipo de “Bolsas”, incluindo o famigerado Bolsa-Família, com redução dos pagamentos e impossibilidade de novos beneficiários; dólar a R$ 2,70; ajuste fiscal através de aumento de impostos sem redução de gastos (assim, até o Eike Batista consegue sair do vermelho); alta do juro de financiamento imobiliário, atingindo 70% desse mercado através da CEF; redução de investimentos em Saúde e Educação; banqueiros no comando da Fazenda e do Banco Central (to esperando meu x-tudo desaparecer do prato); fim de 30% das pensões recebidas por morte do cônjuge – o rombo (admitido, pois o real é o triplo) da Previdência alcança R$ 50 bilhões. Ok, algumas medidas são até necessárias… mas foi muita sujeira mentir tanto para os eleitores. Estelionato eleitoral claríssimo. Realmente fizeram o diabo durante as eleições, como prometeram.

                 Finalizando, outra queda do PIB, com estimativa de crescimento em 2015 da ordem de pífio 1%, com o mundo crescendo 3% em média. Os demais emergentes crescem a 7% ou mais.

                 A única verdade vomitada pela presidonta foi o aviso de que este ano será de sacrifício. É tanta cara de pau que nem desculpinha eles usam mais, como a tal crise mundial. Ironicamente (ironia ou justiça?), a classe mais prejudicada pela enxurrada de maldades será justamente a massa menos esclarecida e mais pobre, garantidora da eleição da botijuda. Esse é o prêmio que recebem por acreditar na dupla Pinóquio & Pinóquia, a mais mentirosa que já alcançou a presidência da Banânia.

                 José Dirceu tá inconformado com a ex-cumpanhêra; compungido, em lágrimas, agarrado a uma garrafa de rum cubano e um busto de Stalin, oferece à neo-traidora a música do cumpanhêro Chico Buarque, aquele que defende o comunismo lá do seu apartamento em Paris, às margens do Sena, pago com dólares ganhos no mercado musical capitalista: 

                 Que mundo doido, hein?

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes