Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

692 – Jabustiça
692 – Jabustiça
Justiça... onde é que a gente encontra a justiça? Nos ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

LíderCast 179 – Varlei Xavier
LíderCast 179 – Varlei Xavier
Professor, que levou a figura do palhaço para a sala de ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Função da Gramática (parte 7)
Alexandre Gomes
A função fundamental da Gramática é ESTABELECER LEIS para RELACIONAR SÍMBOLOS de modo a expressar um PENSAMENTO. Uma frase expressa um pensamento de várias formas: numa declaração, numa pergunta, ...

Ver mais

O chamado da tribo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O chamado da tribo Grandes pensadores para o nosso tempo “O liberalismo é inseparável do sistema democrático como regime civil de poderes independentes, liberdades públicas, pluralismo político, ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Cafezinho 231 – A frouxidão nossa de cada dia
Cafezinho 231 – A frouxidão nossa de cada dia
Nossa desgraça será causada pela frouxidão.

Ver mais

Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Cafezinho 230 – Onde começam as grandes causas
Você tem a força. Mas antes de colocá-la nas grandes ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial

Henrique Szklo -

Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se mexe também, sendo o Monty Python a mais subversiva referência que consigo me lembrar. Isso significa que, além de ser engraçado, o cômico também precisa ser despojado e corajoso. Afinal, alguém sempre vai ficar ofendido com uma piada. Sempre. É o princípio e a função primária do humor dar uma chacoalhada em alguma crença. Seja nas piadas ruins, seja nas boas, lamento dizer, senhores insultados compulsivos.

Liberdade é poder dizer o que se pensa, contanto que não ofenda ninguém.
Portanto, liberdade não existe.

O limite entre uma provocação e uma ofensa está cada vez mais tênue. Os politicamente corretos são o maior desafio dos humoristas e não seus inimigos. Quanto mais difícil for fazer graça, mais estimulante é, e maior a necessidade de ser criativo. A missão do humorista de hoje é caminhar neste solo feito de geleia, o que de certa forma facilita a separação entre os bons e os maus profissionais do humor.

Por isso, mais do que os politicamente corretos, me incomodam os humoristas de quinta. Os que usam truques velhos e rasteiros, gerando aquele riso provocado por algum tipo de histeria. Piadas fáceis e de baixo nível, tirando sarro de minorias ou apelando para metáforas de cunho sexual. Diria que a linguiça é o maior, mais rijo e pulsante expoente deste tipo de humor. E se colocar a linguiça no pãozinho, então, levaremos a vulgaridade à perfeição.

Mas pior que piada de baixo nível é piada com lição de moral. Alguns desses ditos humoristas brasileiros carregam com orgulho um nítido pensamento moralista conservador. Mas ser conservador não seria tão grave se nas entrelinhas de suas “piadas” não pudéssemos notar um ranço, um cheiro de vingança pessoal. Uma demonstração clara de que o piadista está de alguma forma ofendido e quer dar o troco. E como sabemos, se sentir injuriado é coisa de quem não tem senso de humor. Se quer dar o troco, que seja leve.

O verdadeiro cômico, repito, independentemente de suas crenças pessoais, não se avexa, não escolhe lado, não moraliza nenhum tema. Ao contrário: enxerga tudo à distância, buscando sempre a desestabilização do status quo, não permitindo que nada se leve tão a sério, que esteja acima de críticas, inatingível, inquestionável. Inclusive, ele mesmo. Quando você é um iconoclasta de verdade, não pode permitir sequer que você mesmo seja, de alguma forma, celebrizado. Seria uma contradição inaceitável.

Ao expor de forma indireta as suas mágoas e melindres pessoais com o peso de uma frustração explícita, o humorista perde a graça e, consequentemente, o direito de ser assim chamado, recebendo em troca, com muita justiça, a alcunha de idiota.

A única forma que eu conheço de imprimir autoridade a uma piada é fazê-la de modo inteligente e criativo

Quando uma piada é sedutoramente inusitada e tem QI mais ou menos elevado, ela é auto-defensável, auto-limpante, mesmo aquela que ignora totalmente o bom senso. A boa piada faz alguma certeza em seu cérebro tomar um chute na bunda utilizando a lógica como pé.

Mas, pensando bem, a culpa não é totalmente dos humoristas brasileiros. A audiência também é das mais indigestas. Os humoristas –e o público– estadunidenses e ingleses teriam muito a nos ensinar se seu estilo de graça não fosse quase uma heresia por aqui. Como um traço cultural conhecido, o brasileiro tende a simpatizar com o perdedor, ou seja, o alvo das piadas.

Não, o brasileiro não está preparado para um tipo de humor mais agudo, penetrante, que mexa com vespeiros lotados de insetos peçonhentos. Me surpreende, por exemplo, que nos EUA os presidentes apareçam em talk-shows e ouçam piadas sobre eles próprios, olho no olho, com altivez e indulgência, retrucando as provocações com a mesma verve provocadora e mordaz. Senso de humor, o segredo da comunicação inteligente e criativa entre seres humanos.

Pois é, o brasileiro é o tirador de sarro, o piadista, mas no fundo carece do verdadeiro senso de humor. Daqueles profundos, que sejam capazes de levar com um certo espírito esportivo mesmo as piadas que atinjam suas crenças mais profundas. Não estou dizendo que precisa gostar e sair dando gargalhadas, mas, se a piada for inteligente e criativa, entender o princípio e a importância deste tipo particular de interação social. A associação entre senso de humor e tolerância é gritante. Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial.

Agradeço à santa ignorância pela graça alcançada

Brasileiro quer agradar todo mundo. Não gosta de falar as coisas na cara, confrontando pensamentos e comportamento, afinal, a pessoa pode deixar de gostar da gente, o que seria insuportável. Por isso, o tipo de piada que nós gostamos de contar são aquelas em que o alvo está de costas pra gente. E bem longe, de preferência. Se ele nunca ficar sabendo, melhor ainda. Tá certo. Que graça tem colecionar inimizades desnecessárias?

 

Foto – A-maze-ing Laughter é uma escultura de bronze de 2009 da Yue Minjun, localizada em Morton Park, em Vancouver, British Columbia, Canadá

 

Visite meu site: Escola Nômade para Mentes Criativas

Ouça o LíderCast que o Luciano fez comigo e com a Lena

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo