Iscas Intelectuais
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Que grandeza…

Que grandeza…

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de honestidade – sem jamais pensar em si. Homens de grandeza infinita no meio governamental recente. E temos brilhantes exemplos nas extraordinárias figuras de José Eduardo Cardozo, Tarso Genro e Eugênio Aragão. Quanta grandeza reunida em três figuras ímpares, que ocuparam a cadeira máxima do ministério da Justiça nos governos Lula e Dilma. Mereceriam ser chamados para integrar o atual governo e ensinar o correto caminho a seguir.


Pra quem não conhece a figura de linguagem chamada ironia, taí um exemplo no parágrafo acima. Pra deixar bem claro, como ensinava o grande João Ubaldo Ribeiro.


Esses três honrados senhores decidiram, em uníssono, sugerir ao atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que, “num ato de grandeza”, renunciasse ao cargo. A justificativa do singelo pedido seria a tragédia prisional no País.


Como se Moraes fosse o causador dela.


O atual ministro escorrega aqui e ali; fala um pouco demais, e tem outros probleminhas, todos devidamente registrados nos jornais. Mas seria realmente tão ruim como querem seus quase algozes?


Analisemos a atuação dos antecessores, que agora pedem sua cabeça em nome dessa mesma “grandeza”:


Tarso Genro foi ministro da Justiça de 2007 a 2010, no governo Lula. Em 2009, quando bandidos do MST torturaram e assassinaram covardemente quatro pessoas inocentes, ele teve o desplante de não tomar nenhuma atitude. Nenhuma, zero. Pior: Classificou o crime hediondo apenas como uma ação “arrojada”, e que não via violência na matança. Negou a extradição do terrorista italiano Cesare Battisti no mesmo ano. Crendeuspai. O mesmo Genro mandou caçar os boxeadores cubanos Lara e Rigondeaux, que haviam pedido asilo político no Brasil em 2007. Foram impedidos de dar entrevistas ou receber apoio de advogados. Algemados e enfiados num jato venezuelano, foram devolvidos à ditadura cubana em questão de horas. Em sua visão, exemplos de grandeza, obviamente.


José Eduardo Cardozo ocupou o mesmo posto de 2011 a 2016, no desgoverno Dilma. Era chamado por ela, junto com dois de seus colegas, de “os três porquinhos”. Nos últimos anos, dedicou-se exclusivamente, “diuturna e noturnamente”, como diria sua presidenta, à defesa desta. Como se o ministério servisse somente a ela, e não a todos nós. Em seus derradeiros dias, legou ao povo o inesquecível discurso no qual incluía o “jurista Tomás Turbando”. Suprema grandeza, claro. Digna de heróis. Taspariu.


Eugênio Aragão chegou ao comando do ministério nos estertores do desgoverno Dilma/Janete. Conhecido por suas críticas ácidas e pelo uso do Santo Daime, não olvidou seu predecessor; partiu para a defesa sem limites da presidonta. A imprensa o chamava de “Eugênio, o breve”, em razão dos poucos dias no cargo. Recentemente, acusou Moraes de manter conchavos com o PCC e desenvolveu uma tese econômica que faria Keynes revirar no túmulo: Declarou que a operação Lava Jato está “quebrando” o País (!), pois permite que empreiteiras estrangeiras ocupem esse nicho mercadológico aqui e no exterior (!!); de quebra, ofendeu procuradores da República pelo mesmo “motivo” (!!!). Foi devidamente desmentido por economistas de relevo, como Affonso Celso Pastore, mas nunca se desculpou pelas imensas barbaridades. Aparentemente, vai ganhar um processo movido por Alexandre de Moraes para “aprender a ficar de boca calada”, como disse o próprio. Tomar menos Daime pode ajudar bastante.


Por fim, o Brasil todo (ou quase) espera dessas três figuras, integrantes dos mais desastrosos e corruptos governos da História do País, a grandeza de desculparem-se por tudo isso.


Falando no caso: Qual foi a atitude desses três senhores diante dos massacres e absurdos ocorridos em prisões quando eram titulares da pasta? Principalmente em Estados governados por aliados suspeitíssimos, Como Rio e Maranhão? Ah, nenhuma? Só pra saber.


O finzinho foi sarcasmo, saudoso João Ubaldo. Assim fica tudo explicado sobre figura de linguagem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes