Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Que grandeza…

Que grandeza…

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de honestidade – sem jamais pensar em si. Homens de grandeza infinita no meio governamental recente. E temos brilhantes exemplos nas extraordinárias figuras de José Eduardo Cardozo, Tarso Genro e Eugênio Aragão. Quanta grandeza reunida em três figuras ímpares, que ocuparam a cadeira máxima do ministério da Justiça nos governos Lula e Dilma. Mereceriam ser chamados para integrar o atual governo e ensinar o correto caminho a seguir.


Pra quem não conhece a figura de linguagem chamada ironia, taí um exemplo no parágrafo acima. Pra deixar bem claro, como ensinava o grande João Ubaldo Ribeiro.


Esses três honrados senhores decidiram, em uníssono, sugerir ao atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que, “num ato de grandeza”, renunciasse ao cargo. A justificativa do singelo pedido seria a tragédia prisional no País.


Como se Moraes fosse o causador dela.


O atual ministro escorrega aqui e ali; fala um pouco demais, e tem outros probleminhas, todos devidamente registrados nos jornais. Mas seria realmente tão ruim como querem seus quase algozes?


Analisemos a atuação dos antecessores, que agora pedem sua cabeça em nome dessa mesma “grandeza”:


Tarso Genro foi ministro da Justiça de 2007 a 2010, no governo Lula. Em 2009, quando bandidos do MST torturaram e assassinaram covardemente quatro pessoas inocentes, ele teve o desplante de não tomar nenhuma atitude. Nenhuma, zero. Pior: Classificou o crime hediondo apenas como uma ação “arrojada”, e que não via violência na matança. Negou a extradição do terrorista italiano Cesare Battisti no mesmo ano. Crendeuspai. O mesmo Genro mandou caçar os boxeadores cubanos Lara e Rigondeaux, que haviam pedido asilo político no Brasil em 2007. Foram impedidos de dar entrevistas ou receber apoio de advogados. Algemados e enfiados num jato venezuelano, foram devolvidos à ditadura cubana em questão de horas. Em sua visão, exemplos de grandeza, obviamente.


José Eduardo Cardozo ocupou o mesmo posto de 2011 a 2016, no desgoverno Dilma. Era chamado por ela, junto com dois de seus colegas, de “os três porquinhos”. Nos últimos anos, dedicou-se exclusivamente, “diuturna e noturnamente”, como diria sua presidenta, à defesa desta. Como se o ministério servisse somente a ela, e não a todos nós. Em seus derradeiros dias, legou ao povo o inesquecível discurso no qual incluía o “jurista Tomás Turbando”. Suprema grandeza, claro. Digna de heróis. Taspariu.


Eugênio Aragão chegou ao comando do ministério nos estertores do desgoverno Dilma/Janete. Conhecido por suas críticas ácidas e pelo uso do Santo Daime, não olvidou seu predecessor; partiu para a defesa sem limites da presidonta. A imprensa o chamava de “Eugênio, o breve”, em razão dos poucos dias no cargo. Recentemente, acusou Moraes de manter conchavos com o PCC e desenvolveu uma tese econômica que faria Keynes revirar no túmulo: Declarou que a operação Lava Jato está “quebrando” o País (!), pois permite que empreiteiras estrangeiras ocupem esse nicho mercadológico aqui e no exterior (!!); de quebra, ofendeu procuradores da República pelo mesmo “motivo” (!!!). Foi devidamente desmentido por economistas de relevo, como Affonso Celso Pastore, mas nunca se desculpou pelas imensas barbaridades. Aparentemente, vai ganhar um processo movido por Alexandre de Moraes para “aprender a ficar de boca calada”, como disse o próprio. Tomar menos Daime pode ajudar bastante.


Por fim, o Brasil todo (ou quase) espera dessas três figuras, integrantes dos mais desastrosos e corruptos governos da História do País, a grandeza de desculparem-se por tudo isso.


Falando no caso: Qual foi a atitude desses três senhores diante dos massacres e absurdos ocorridos em prisões quando eram titulares da pasta? Principalmente em Estados governados por aliados suspeitíssimos, Como Rio e Maranhão? Ah, nenhuma? Só pra saber.


O finzinho foi sarcasmo, saudoso João Ubaldo. Assim fica tudo explicado sobre figura de linguagem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes