Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

Que grandeza…

Que grandeza…

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Ah… nada como o amor sincero à Pátria, o dar-se pelo povo… Nada como ver políticos desprendidos, servindo à nação uma verdadeira aula de civismo, espalhando sabedoria e exemplo de honestidade – sem jamais pensar em si. Homens de grandeza infinita no meio governamental recente. E temos brilhantes exemplos nas extraordinárias figuras de José Eduardo Cardozo, Tarso Genro e Eugênio Aragão. Quanta grandeza reunida em três figuras ímpares, que ocuparam a cadeira máxima do ministério da Justiça nos governos Lula e Dilma. Mereceriam ser chamados para integrar o atual governo e ensinar o correto caminho a seguir.


Pra quem não conhece a figura de linguagem chamada ironia, taí um exemplo no parágrafo acima. Pra deixar bem claro, como ensinava o grande João Ubaldo Ribeiro.


Esses três honrados senhores decidiram, em uníssono, sugerir ao atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que, “num ato de grandeza”, renunciasse ao cargo. A justificativa do singelo pedido seria a tragédia prisional no País.


Como se Moraes fosse o causador dela.


O atual ministro escorrega aqui e ali; fala um pouco demais, e tem outros probleminhas, todos devidamente registrados nos jornais. Mas seria realmente tão ruim como querem seus quase algozes?


Analisemos a atuação dos antecessores, que agora pedem sua cabeça em nome dessa mesma “grandeza”:


Tarso Genro foi ministro da Justiça de 2007 a 2010, no governo Lula. Em 2009, quando bandidos do MST torturaram e assassinaram covardemente quatro pessoas inocentes, ele teve o desplante de não tomar nenhuma atitude. Nenhuma, zero. Pior: Classificou o crime hediondo apenas como uma ação “arrojada”, e que não via violência na matança. Negou a extradição do terrorista italiano Cesare Battisti no mesmo ano. Crendeuspai. O mesmo Genro mandou caçar os boxeadores cubanos Lara e Rigondeaux, que haviam pedido asilo político no Brasil em 2007. Foram impedidos de dar entrevistas ou receber apoio de advogados. Algemados e enfiados num jato venezuelano, foram devolvidos à ditadura cubana em questão de horas. Em sua visão, exemplos de grandeza, obviamente.


José Eduardo Cardozo ocupou o mesmo posto de 2011 a 2016, no desgoverno Dilma. Era chamado por ela, junto com dois de seus colegas, de “os três porquinhos”. Nos últimos anos, dedicou-se exclusivamente, “diuturna e noturnamente”, como diria sua presidenta, à defesa desta. Como se o ministério servisse somente a ela, e não a todos nós. Em seus derradeiros dias, legou ao povo o inesquecível discurso no qual incluía o “jurista Tomás Turbando”. Suprema grandeza, claro. Digna de heróis. Taspariu.


Eugênio Aragão chegou ao comando do ministério nos estertores do desgoverno Dilma/Janete. Conhecido por suas críticas ácidas e pelo uso do Santo Daime, não olvidou seu predecessor; partiu para a defesa sem limites da presidonta. A imprensa o chamava de “Eugênio, o breve”, em razão dos poucos dias no cargo. Recentemente, acusou Moraes de manter conchavos com o PCC e desenvolveu uma tese econômica que faria Keynes revirar no túmulo: Declarou que a operação Lava Jato está “quebrando” o País (!), pois permite que empreiteiras estrangeiras ocupem esse nicho mercadológico aqui e no exterior (!!); de quebra, ofendeu procuradores da República pelo mesmo “motivo” (!!!). Foi devidamente desmentido por economistas de relevo, como Affonso Celso Pastore, mas nunca se desculpou pelas imensas barbaridades. Aparentemente, vai ganhar um processo movido por Alexandre de Moraes para “aprender a ficar de boca calada”, como disse o próprio. Tomar menos Daime pode ajudar bastante.


Por fim, o Brasil todo (ou quase) espera dessas três figuras, integrantes dos mais desastrosos e corruptos governos da História do País, a grandeza de desculparem-se por tudo isso.


Falando no caso: Qual foi a atitude desses três senhores diante dos massacres e absurdos ocorridos em prisões quando eram titulares da pasta? Principalmente em Estados governados por aliados suspeitíssimos, Como Rio e Maranhão? Ah, nenhuma? Só pra saber.


O finzinho foi sarcasmo, saudoso João Ubaldo. Assim fica tudo explicado sobre figura de linguagem.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes